O início de mais um ano letivo está aí à porta. Para quem ainda não começou as aulas [que não é o meu caso], estes últimos dias são fundamentais para dar valor às férias e a tudo o que podias ter feito e não fizeste. Nesta altura, existe em ti uma sensação de que poderias ter aproveitado mais [too late!]. Agora, resta mentalizares-te da realidade pura e dura. E, sejamos sinceros, há coisas bem piores, por isso não te queixes. Até porque o regresso tem sempre aspetos positivos [como, por exemplo, perceberes como é bom estar de férias]. Hoje escrevo para ti, que estás a começar [ou a recomeçar] a vida universitária. A experiência, ainda que curta, já me ensinou algumas coisas. Então, em jeito de conselho, achei que as devia partilhar contigo. Diretamente de uma universitária a iniciar o terceiro ano de licenciatura para outro/a universitário/a que está agora a começar [ou não], partilho contigo 4 Coisas que Não Podes Levar Para a Universidade:

 

Medo

Ou insegurança. É muito importante que te sintas confiante e seguro/a. Tudo será novidade, tudo será diferente daquilo a que estavas habituado. Mas isso não faz da universidade um bicho de sete cabeças que ninguém consegue enfrentar. É possível que não te sintas, imediatamente, confortável ou familiarizado/a. Em todas as mudanças é assim, certo? Dá tempo ao tempo e não te retraias só porque não conheces o ambiente. Se aquela foi a tua escolha, se tu queres estar ali, se queres que aquele seja mais um passo para o futuro com que sonhas, tudo vai acabar por fazer sentido. Se não estás tão certo/a da decisão que tomaste, não faças disso um problema, nem desistas sem perceber se afinal “aquilo” até é algo que gostas. Existem outras soluções se perceberes que não queres que aquele seja o teu caminho. Arrisca sem medos. Esforça-te para afastar as inseguranças que te perseguem. E, não te esqueças, a confusão que sentes também é sentida por aqueles que te rodeiam, não estás sozinho/a nesta fase.



 

Expectativas.

Pelo menos, não leves expectativas demasiado altas. A universidade é um mundo novo para quem acaba de sair da escola. Está longe de ser perfeita ou de ter de corresponder a uma das fases mais felizes da tua vida. Tens muito pela frente. Nem tudo vai correr sempre bem, não vais saber tudo desde o primeiro dia, não vais ter sempre a certeza de que aquela é a decisão certa. A universidade vai ajudar-te em muita coisa, mas também te vai dificultar o trabalho. Vais ter de te esforçar muito, não é bem como nos filmes, em que os alunos estão sempre nos bares, na cantina ou em festas. O melhor que podes fazer é não criar [muitas] expectativas e deixares que esta mudança te surpreenda. A tua vida dá uma volta de 180º e, se deixares que o tempo te revele a essência da universidade sem que sejas tu a criá-la segundo aquilo que te disseram, podes ter a certeza que te vais sentir mais surpreendido do que esperavas. Todas as pessoas têm sempre algo a dizer sobre a faculdade. Não dês muitos ouvidos a isso, permite que os teus olhos tirem as suas próprias conclusões.

 

Preguiça.

E com isto não falo do animal, mas sim daquela clássica vontade-de-não-fazer-nada. Não só não funciona na universidade como não funcionará no emprego que queres [a não ser que queiras algo que ainda ninguém descobriu]. Se estiveres ligado àquele estado do facebook “trabalho no verão e é para o bronze”, é bom que o alteres rapidamente para “numa relação com a universidade”, acompanhado por um “a sentir-se motivado/a”, seguido da evolução: “a sentir-se produtivo/a”, “a sentir-se exausto/a”, “a sentir-se sem vida própria”, “a deixar de se sentir”. Pronto, não é necessariamente assim tão mau. A não ser, claro, que estudes na madrugada antes do teste. Se o fizeres, vais perceber o verdadeiro significado de Missão Impossível [qual James Bond qual quê?!]. Não entres em pânico, mas não relaxes demasiado. Se fores acompanhando aquilo que é dado, consegues cumprir os prazos estabelecidos e manter o estudo em dia. Tens de saber organizar-te desde o princípio [esta é uma regra da qual nunca te podes esquecer].

 

Superioridade.

Não adotes essa postura. Não vás para a universidade a achar que, lá porque estás na área que escolheste e na qual te sentes confortável, sabes tudo. Tens muito para aprender. E uma das coisas que aprenderás logo desde o início é que tens de te predispor a ouvir aqueles que estão lá, com anos de experiência, para te ensinar. A atitude que adotas, e que estará a teu favor se quiseres realmente vingar na área em que estás, é essencial para a tua integração no ambiente universitário. Assim como não deves tentar sobrepor-te a ninguém para alcançar os teus objetivos, não deves permitir que ninguém te tente rebaixar. Há espaço para todos, principalmente para os que se esforçam e são honestos. Tenta manter esse pensamento sempre presente. As injustiças vão existir, mas tu vais acabar por saber como resolvê-las se fores uma pessoa correta e responsável, capaz de atingir as suas metas sem interferir nas dos outros. Aceita quem te quer ajudar e faz o mesmo por quem precisar desse auxílio. E repara que estarás sempre a aprender.

Estes são os conselhos mais sinceros que te posso dar. Alguém se lembra de mais alguma coisa que não se possa levar para uma universidade?

Se estás agora a começar [ou a recomeçar], boa sorte! Que não te falte o trabalho [de certeza que não será esse o caso] e a diversão [deixa-a aparecer, à tua maneira, sempre que estás no lugar certo].

Colabora!

Este texto faz parte de uma série de textos de opinião de alunos do ensino secundário e superior sobre a sua visão do ensino e da educação.

Gostavas de publicar um texto? Colabora connosco.