A uma semana do início. Do início do fim. Do início do terceiro ano, para mim, ou do quinto ou do sexto ano, para ti. Tudo depende do curso que frequentas, mas todos nós nos encontramos a uma semana do nosso último ano. Todos nós nos encontramos a uma semana do início do fim. O ano de Finalista. E primeiro que tudo, deixa-me dar-te os parabéns, porque conseguiste e estás a uma semana de começar o teu último ano. E por isso, Parabéns Finalista. E em segundo, deixa-me dizer-te que sim, escrevi este texto para ti, para nós, a uma semana do nosso último ano letivo começar, apesar de, provavelmente estares a ler isto e o nosso último ano já ter começado. Contudo nada mudou.

Eu acredito, ou pelo menos tento acreditar, que independentemente de teres feito praxe ou não, todos os estudantes finalistas, como eu, sentem isto. Um sentimento de euforia misturado com uma nostalgia que já desperta, mesmo que ainda estejamos a uma semana do fim. Contudo todos vamos queimar, todos nós já sonhámos com isso e um dia vamos queimar as nossas fitas de finalista, quer tenhamos frequentado ou não a praxe.

Por isso, este texto é para ti, Finalista.



Estamos a uma semana de receber mais uma vez os novos alunos da faculdade, de lhes dar as boas vindas, a esta que vai ser a sua casa, nos próximos tempos. O que eles não sabem é que esse tempo passa bem mais depressa do que estão à espera. Entrei na faculdade há dois anos, e acreditem, parece que foi ontem. Parece que foi ontem que estava ansiosa e com aqueles arrepios frios, aquele nervoso miudinho, que não sabemos porquê, mas que nos deixa maldispostos, tudo pela eterna espera do mail da DGES, a dizer onde fomos colocados. Passados dois anos, ainda me lembro desse momento como se fosse ontem. E a verdade é que já passaram dois anos, e agora cabe-me fazer a receção aos novos alunos da minha faculdade pela última vez. Cabe-me, enquanto veterana ativa na praxe, praxá-los pela última vez. Cabe-me ouvir a Balada do Estudante na praia do Tamariz depois de uma semana de praxe intensa pela última vez. Cabe-me a mim estudante finalista agarrar-me aos meus irmãos de praxe, colegas de turma e cúmplices nas horas vagas a chorar e a sorrir ao mesmo tempo a ouvir a nossa Balada que nos uniu há dois anos pela última vez. Cabe-me a mim escrever-vos este texto a agradecer-vos tudo aquilo que fizeram por mim.

A ti finalista, que de certeza absoluta, que tens amigos assim como eu tenho, cabe-te a ti, agradecer-lhes da mesma forma. Pois a verdade é que este é o teu último ano, é a tua última oportunidade para o fazeres, enquanto estudante, colega e irmão daqueles com quem passaste a maior parte destes últimos anos da tua vida, sem dúvida nenhuma os melhores anos da tua vida.

Mas uma coisa de cada vez. Eu sei e tu também sabes que as amizades verdadeiras, as “amizades para a vida”, são feitas na universidade. Eu acredito fielmente nisto, eu pelo menos tenho de acreditar, porque não posso acreditar que dei tudo de mim a cinco almas caridosas que tive a oportunidade de conhecer há dois anos, para agora ao fim de três os vir a perder. São irmãos de praxe porque escolhemos os mesmos padrinhos, mas são irmãos para sempre porque eu os obriguei a aturar-me em infindáveis convívios, jantares de turma, e praxes. São os irmãos que eu escolhi para levar comigo para a vida. E tu também tens esses irmãos, seja um ou dois, mas também os tens, eu tenho a certeza disso.

E agora que estás a uma semana do fim, só queres que a faculdade recomece. Nem que seja para voltares a estar com eles. Para voltares a estar com os teus afilhados. Sim porque esta é outra das muitas angústias que sentes agora. Para além de finalista, és uma Madrinha Finalista, ou um Padrinho Finalista. Para além deste ser o ano em que acabas o teu curso e abandonas a tua faculdade, este é também o ano em que deixas os teus rebentos na faculdade. Isto se, como eu, fores Madrinha. Depois de um ano em que os recebi a todos, os meus rebentos de braços abertos, tenho agora a oportunidade de os ver passar aos próximos tudo aquilo que lhes ensinei. Todas as mensagens que lhes passei. Sabendo que para sempre no meu coração, serão sempre os meus pequenos caloirinhos. Estes sim, estes oito caloiros que tiveram a infeliz ideia de me escolher como Madrinha, sabem que independentemente do que vier, me vão ter sempre na vida deles, porque Madrinha de Praxe, verdadeira Madrinha de Praxe, é uma amiga para vida. Por isso, a ti, Madrinha que vives como eu a angústia de deixar os teus rebentos, aproveita este ano, acima de tudo para os veres crescer, mais uma vez, desta vez como veteranos, e a passarem todas as bênçãos que lhes destes, sim porque ser Madrinha é uma bênção, mas isso toda a madrinha sabe, e quem te deu isso foram eles. Aproveita este último ano para lhes dares uma ultima vez a tua capa, o único abrigo que lhes podes dar que será sempre melhor que o deles.

E é com toda esta angústia e saudade, que já tens e que nem sabes bem de onde vêm, que te agarras aos teus irmãos e amigos de faculdade. Aqueles que fizeram a semana de praxe contigo, que foram aos mesmos convívios que tu, aqueles com quem esperaste ansiosamente pelas primeiras aulas e por conhecer os primeiros professores, aqueles a quem enervaste nas primeiras frequências. Aqueles com quem vestiste o traje pela primeira vez. Aqueles com quem recebeste os novos alunos pela primeira vez, no segundo ano. Aqueles com quem fizeste a semana de praxe pela primeira vez. Aqueles que estavam lá contigo quando os teus primeiros afilhados te pediram como Madrinha.

Aqueles com quem sempre fizeste jantares de família. Aqueles com quem passaste a fazer férias e a viajar. Aqueles que passaram de fazer parte da tua vida académica, a fazer incondicionalmente parte da tua vida pessoal. Esses mesmos de quem te lembras agora, esses que estiveram e estão sempre lá. Esses que nos últimos anos te viram passar pelos momentos mais felizes e mais tristes, é a esses a quem eu agradeço.

Depois de termos vivido a praxe, de termos escolhido padrinhos, depois de terem vindo os afilhados. Depois de nos termos despedido dos nossos padrinhos finalistas, chega agora o momento em que me despeço de vocês. Mas não da maneira que me despeço das pessoas que sei que vão embora e que provavelmente vão deixar de fazer parte da minha vida. De vocês despeço-me com a certeza que apenas digo adeus aos trabalhos de grupo, e às aulas que tivemos durante dois anos, e vamos ter durante mais um. Com vocês despeço-me com um “até já”, porque da minha vida vocês não saem, depois de tudo o que passamos, não permito que o façam. Mas para isto ainda falta, ainda falta um ano. Que quando dermos por isso já passou, mas ainda falta, e ainda bem.

Ainda bem porque ainda temos muito que passar juntos. Ainda temos que ver os nossos caloirinhos crescer e ser veteranos. Ainda temos 60 créditos para fazer da nossa licenciatura. Ainda temos muitos choros e muitos sorrisos para partilhar, mesmo sabendo que já vemos ao longe as fitas que vamos dar. Mesmo sabendo que já vemos ao longe cada um a seguir o seu caminho, mas sempre com jantares e saídas marcadas para reencontros que vão matar as saudades “daqueles velhos tempos”.

E é a uma semana do fim, que vos digo, que vos agradeço por terem estado sempre lá para mim, como vão sempre continuar a estar. E a ti, Finalista que estás a ler isto, faz a mesma coisa. E agarra-te àqueles que estiveram sempre contigo, desde o início, e que por diversas razões não deste, ou achas que não deste o devido valor, porque como eu, os deste por garantidos, e durante os anos que passaram ou andavas preocupado com padrinhos ou com afilhados. Agora neste último ano que te falta, agarra-te a eles num abraço que não acaba, a ouvir a Balada mais importante da tua faculdade. Agarra-te a eles, como eu me agarro aos meus com a certeza de que mais cedo do que pensamos “venceremos aqui no Estoril”, como tu hás-de vencer na tua faculdade, que te acolheu quando a ela chegaste com eles, e agora no fim de mais um percurso feito, com eles te despedes e com eles dizes adeus, ao sitio que agora já chamavas de casa. Porque afinal de contas, entre aulas, jantares, praxe, algum estudo, foi lá que passaste a maioria do teu tempo nestes últimos 2 anos…

 

Aos meus cinco colegas de Faculdade,
Aos meus irmãos de Praxe,
Ana Catarina Freitas,
Fábio Santos,
Gonçalo Mota,
Joana Nunes,
Tiago Mota,
Obrigada.

Colabora!

Este texto faz parte de uma série de textos de opinião de alunos do ensino secundário e superior sobre a sua visão do ensino e da educação.

Gostavas de publicar um texto? Colabora connosco.