Boa parte dos que vivem ou viveram no passado recente o ensino superior terão tido oportunidade de se aperceber que algo estaria… deslocado.

A vivência no ensino superior, nos dias que correm, padece de algo que julgava intrínseco às relações sociais… a partilha: de momentos; opiniões; talentos; receios; conhecimentos; sensações. As pressões da conjuntura económica fizeram sentir-se na conjuntura social e esta, inevitavelmente, na estudantil. A moldura relacional no meio do ensino superior parece cinzenta, quebrada, desenquadrada do espectável.



O percurso é simples: entrar; alcançar resultados; conseguir o(s) diploma(s); ingressar no mercado de trabalho. A par destes objetivos deveriam encontrar-se a convivência académica, o ingresso nos órgãos representativos, a colaboração com direções, a constituição de organismos, a experiência relacional de partilha de conteúdos e interpretações sobre os diversos temas.

Todos os supostos frutos da relação social proporcionada pelo ensino superior estão, progressivamente, a caminhar no sentido da obsolência, estando num ponto de mera ocasionalidade.

Mais que conhecimentos científicos, mais que diplomas, mais que resultados estatísticos, aprender a conviver, partilhar opiniões, dar um novo impulso à nossa identidade junto dos que nos rodeiam e tanta vez ignoramos.

O anonimato estudantil arrasa o que de melhor temos nesta vida académica, nós próprios e os outros e por isso mesmo há que revalorizar as competências que advêm da relação académica, há que dar relevo à capacidade relacional a par, ou mesmo em detrimento da capacidade técnica.

Abandone-se o egoísmo crónico e os “ideais do canudo”, pois dignificam o conhecimento mas não a vivência.

Colabora!

Este texto faz parte de uma série de textos de opinião de alunos do ensino secundário e superior sobre a sua visão do ensino e da educação.

Gostavas de publicar um texto? Colabora connosco.