Esta questão de apadrinhar não é de todo uma questão fácil. E ainda que muitas sejam as opiniões sobre este tema, falar dele é sempre difícil pois cada pessoa é uma pessoa, cada um age da forma que age…  E acreditem que não existe propriamente um manual de instruções ou umas fórmulas que se possam seguir, surgindo assim um pouco do nada, a melhor história de apadrinhamento alguma vez vista… Mas nada disso existe.

Por isso hoje, caloiros, dirijo-me a vós ainda que a questão seja sobre apadrinhar. Sim, porque apadrinhar não depende apenas da vossa madrinha, depende de vocês e do quão dispostos estão a “mostrar-se” a esta que é a vossa nova casa…

Vir para a Universidade não é fácil, é talvez das mudanças mais drásticas que terão na vossa vida. Vir sem os amigos, por vezes, de longe e cair aqui sozinho, desamparado…. É assustador… E depois começam logo as atividades todas e se o medo já estava inserido, mais fica com tantas coisas a acontecer, as aulas e os primeiros stresses. Mas antes da época de frequências, veio talvez a situação mais complicada pelas terras que vos são desconhecidas, a escolha da madrinha. Uma latada que chega a passos largos e umas semanas para ser feita uma escolha que se espera a ideal ou a melhor possível. Mas sabes caloiro, uma madrinha não se escolhe nas semanas antes da latada, nos dias antes, em stress, para que alguém faça simplesmente o fato… A escolha faz-se após tudo isto, quanto tudo acalma e as aulas tomam conta da maior parte dos dias. É nesses dias que vais precisar da madrinha, quer seja para te dar uma ideia de calma em que não acreditas, por um abraço numa situação de stress ou uma pequena conversa ao cruzar, ou até, quem sabe, um mini sorriso que se mostra num dia que se avizinha de todo muito negro para ti…

Sim caloiro, esta questão de apadrinhar é tão mais que apenas as questões académicas, trata-se de crescer com a pessoa e de ela crescer contigo… De entender o significado de levar alguém para a vida ou de ter saudade por um tempo que ainda nem chegou, ou ainda demora até passar…. Trata-se também de confiar e saberes que ela estará lá sempre que puder estar. Sim às vezes cansada, às vezes stressada, com avaliações e muita coisa por fazer, mas a ganhar 5 minutos para te dar aquele abraço e aquela conversa que precisavas de ter com alguém, disposto a ouvir-te a cada etapa e a cada momento. E não esperes madrinhas perfeitas, porque essas não surgiram ainda, da mesma forma que não existem ainda pessoas completamente perfeitas. Espera uma madrinha que também erre, que tenha dias maus e tempestades por enfrentar, mas que passe por cima disso para estar contigo e te ajudar a cada passo que dês, que grite contigo entre sorrisos qual o melhor curso e que olhe por ti em várias ocasiões…

Por isso não, nem sempre é fácil esta questão de apadrinhar. Mas quando começa a funcionar, acredita será das melhores experiências da tua vida académica. Mais do que qualquer queima, qualquer serenata ou cortejo, tudo fará mais sentido com alguém que conheces, com alguém que se tornou parte da tua vida académica e que cresceu contigo.

E para nós, madrinhas, não existe desejo maior do que ver as caloiras crescerem e aprenderem a voar, não existe maior orgulho de ver as pequenas e as grandes conquistas, de ver o tempo a passar, a deixar saudade e ao mesmo tempo uma enorme felicidade, de ver que alguém confia em nós e de um dia sermos capazes de os ver voar mais alto que nunca, mais alto do que o que fomos capazes de lhes ensinar, de os ver acompanhar outros e sentir o orgulho de vos ver crescer….

Porque caloiro acredita, não existe maior orgulho do que aquele que a tua madrinha sente ao ver-te crescer a cada dia que passa, a cada momento conquistado e a cada etapa ultrapassada. E apesar do cansaço, das dificuldades que possam vir e das tempestades a enfrentar, nada é tão forte como a amizade que esta questão de apadrinhar pode despertar em cada uma das partes.

Por isso não, não existem fórmulas, não existe uma forma certa, não por não haverem histórias para contar, mas porque simplesmente não é preciso seguir uma fórmula. Existem pessoas, diferentes e de vários sítios, que do nada decidem pedir a outras para as acompanhar. E é a partir daí que surge uma história que tem tudo para ser incrível.

E a cada passo que se dê, a cada desafio que se conquiste, a cada momento que se viva, vai-se deixando uma saudade que cresce a cada segundo e que aumenta a cada passo. Para que um dia seja a tua madrinha a olhar para ti e a dizer com muito orgulho “Sim, aquela é a minha caloirinha”, porque caloiro cresceste, ela cresceu contigo e ainda que lhe custe imenso ela sabe que um dia mais cedo ou mais tarde vais partir e tentar ensinar a alguém tudo aquilo que ela tentou passar-te.

E as memórias que criaram, os momentos feitos e as lendas por contar, essas, serão sempre vossas, viverão sempre nessa amizade que se espera que dure todos os dias ao longo do curso que fazes. E ainda que na minha cidade se diga o provérbio de outra forma, “Aquele que se unir por um motivo tão incrível, não ouse a vida separar jamais”