“Eu acabei o secundário no ano letivo 2016/2017, ou seja, estou no 1º ano da faculdade. Entrei em enfermagem mas vou repetir os exames para voltar a tentar entrar em medicina. A minha dúvida prende-se com o seguinte: ainda consigo melhorar a minha CFD através dos exames (BG e FQA)? Ouvi dizer que como tinha feito as disciplinas há 2 anos já não dava…”

Esta é apenas uma das dezenas de dúvidas que temos recebido diariamente a propósito da tentativa de fazer melhorias das classificações das disciplinas com os exames nacionais. Relembramos que o prazo de inscrição acaba no dia 1 de março e tens neste artigo todas as informações que precisas de saber. Também já podes pedir a senha para a candidatura online.

Mas voltando ao assunto do artigo, a confusão que existe nas escolas sobre este assunto é, infelizmente, muito grande, e as informações dadas tendem a ser erradas. Por isso sugerimos uma leitura mais atenta e um maior cuidado no preenchimento do boletim de inscrição para os exames nacionais nestes casos, até para não pagares valores desnecessários.



Há dois tipos de melhorias que podem ser realizadas com os exames nacionais de disciplinas concluídas:

1) Melhoria para efeitos de diploma

Esta melhoria só pode ser realizada no ano da conclusão da disciplina e no seguinte, e basicamente estás a alterar a nota que virá no teu diploma do ensino secundário, um documento que certifica a tua frequência no ensino secundário e a respectiva classificação. No entanto, não é este documento que é utilizado para efeitos de acesso ao ensino superior, pelo que é sempre possível fazer um segundo tipo de melhoria, que é provavelmente o que te interessa.

 

2) Melhoria para efeitos de acesso ao ensino superior

Pode ser realizada sem qualquer prazo desde que o exame nacional da disciplina respectiva exista. Como se pode inclusive ler no Guia Geral de Exames 2017:

“Os exames finais nacionais para melhoria de classificação do ensino secundário, exclusivamente para efeito de acesso ao ensino superior, podem realizar-se depois de ultrapassados os prazos estabelecidos anteriormente, sem limitação, desde que a oferta de exames de âmbito nacional contemple as disciplinas e códigos de prova correspondentes. Estas classificações só são consideradas no cálculo da média do ensino secundário que contará para acesso ao ensino superior (ficha ENES 2017).”

Só tens de ter em consideração 2 ressalvas:

  1. Só são válidas as melhorias realizadas com provas de disciplinas do mesmo programa e código/disciplina em que obtiveste a primeira aprovação;
  2. Não é permitida a realização de exames nacionais para melhoria de classificação em disciplinas cuja aprovação foi obtida em sistemas educativos estrangeiros.

 

Perguntas frequentes:

Estou agora a concluir uma disciplina no 11º ou 12º ano, posso fazer melhoria?
Sim, os alunos dos cursos científico -humanísticos, incluindo os do ensino recorrente, e os alunos dos cursos do ensino artístico especializado que, tendo obtido aprovação em disciplinas terminais do 11.º ou 12.º ano, pretendam melhorar a sua classificação podem requerer exames finais nacionais na 2.ª fase do ano escolar em que concluíram a disciplina e em ambas as fases de exame do ano escolar seguinte, apenas sendo considerada a nova classificação se for superior à anteriormente obtida.
Como é que assinalo cada uma das melhorias na inscrição para os exames?
No que toca à melhoria para o diploma é claro, já que tens o campo 4.6 dedicado a isso. O custo é de 10€ por cada exame. Já no que toca ao segundo tipo de melhoria, que gera alguma confusão por não ter um campo associado na inscrição para os exames, não precisas de fazer nada. Se já estás a assinalar a primeira melhoria, a segunda também está associada, mas caso já só possas fazer a segunda, fazes a inscrição apenas como aluno externo, pagando os 3€ por cada exame. A melhoria para efeitos de acesso ao ensino superior aparecerá automaticamente na tua ficha ENES.
Como é que a melhoria funciona na prática? Muda os 30% do exame ou muda tudo?
Se já tens a disciplina concluída a melhoria contará sempre a 100%. Isto significa que caso a nota do exame nacional seja superior à tua atual classificação final da disciplina, a nova nota do exame substitui totalmente esta classificação. Caso a nota seja inferior não acontece nada e manténs a nota que tinhas.