A startup portuguesa Landing.jobs já selecionou o estudante que irá receber a bolsa de 1063 euros para apoiar alunos do primeiro ano da área de informática e programação. Rodrigo Oliveira, estudante do Instituto Superior Técnico, foi o escolhido.

O Uniarea foi parceiro desta iniciativa,  que pretende “atrair mais pessoas para as tecnologias”, dado que como constatam o número de profissionais “não é suficiente para dar resposta à explosão de ofertas de emprego nesta área”.

Hugo Monteiro, responsável pelo processo de seleção, mostrou-se muito agradado com a participação: “Tivemos cerca de 400 alunos interessados na bolsa. Pode não parecer muito mas, tendo em conta que entram cerca de 2000 estudantes, por ano, em cursos ligados à Informática, podemos dizer que a mensagem chegou até muitas pessoas. Queremos continuar a incentivar o acesso a esta área e, no próximo ano, estamos a pensar expandir esta iniciativa, com mais apoios de empresas e, quem sabe, até abrangendo outras áreas. O mais importante é apoiar os alunos que têm interesse em Informática mas não estejam a ser incentivados a escolher essa carreira.”

11326489_508144586016749_992957064_n

Rodrigo Oliveira, o vencedor da Landing.jobs Scholarship

O Rodrigo Oliveira deu uma pequena entrevista à Landing.jobs, que reproduzimos em baixo.

1. O que é que te levou a seguir Engenharia Informática?

Desde pequeno que sempre fui o responsável por lidar com computadores nos trabalhos da escola (desde edição de vídeos até apresentações de power-point), o que me fez utilizar o computador várias horas por dia desde cedo. O interesse por programação propriamente dita surgiu em 2010 quando jogava uma modificação de um jogo e surgiu-me a seguinte questão: “Como será que isto foi feito?”. Foi então que dediquei um verão inteiro a aprender como programar na linguagem que as modificações para o jogo eram feitas (Pawn, derivante de C), principalmente através do método “tentativa-erro”, que consistia em alterar pequenas partes do código e verificar o que ocorria. O esforço todo foi recompensado com uma modificação (feita por mim) que teve mais de quatorze mil visualizações e é usada até hoje por algumas pessoas. Aliando isso tudo ao facto de adorar matemática e física, cheguei a conclusão que Engenharia Informática era o caminho a seguir.

2. Que conselho dás a quem está a pensar seguir a mesma área?

Qualquer pessoa que queira seguir informática precisa de saber que está a entrar num caminho instável, em que a melhor solução para um problema neste momento pode não ser a mais indicada amanhã, ou seja, é uma área que evolui muito rapidamente. Não se pode “parar” de estudar. É necessário desenvolver um interesse por pesquisar e tornarmo-nos, de certa forma, em autodidatas. Não nos podemos dar ao luxo de ser um zero e esperar que a informação venha ter connosco, temos de ser um 1. És um 1 ou um 0?

3. Quais os aspectos mais interessantes de ser um aluno de informática?

Diria que a possibilidade de resolver um problema de n formas diferentes, cada uma delas com as suas vantagens e desvantagens, é um desses aspectos. Além de que, como referido na pergunta anterior, a informática nunca para de evoluir. À medida que o tempo passa, vamos aperfeiçoando os métodos antigos, ou criando métodos novos. Quem estuda informática nunca para no tempo.

 

Este artigo foi publicado originalmente em inglês no blog da Landing.Jobs.