Foi há pouco tempo.

Um típico jantar de secundário: falamos obviamente da nova experiência que é a universidade, dos nossos cursos, daquelas cadeiras que (já) odiamos, dos professores que não dão nota acima de 12, da praxe, das novas pessoas que conhecemos, de como o secundário era bom…

Depois falou-se do emprego. (Tinham que falar…)

“Porque o meu curso tem 96,7% de empregabilidade e o teu só tem 95,6%…”

“Ah, porque com essa licenciatura vais trabalhar para o McDonnald´s…”

“Ninguém bate o meu curso – já cheiro o dinheiro!”



Foi nessa altura que decidi pedir o meu café e ir embora. Sinceramente, a questão da empregabilidade dos cursos é daquelas coisas que não gosto mesmo de falar, nem num jantar entre amigos – a conversa é sempre a mesma. E já vos digo porquê.

Vamos então ver os factos:

Vivemos num país onde a taxa de desemprego para licenciados em qualquer área está a aumentar – ouviram bem, qualquer área!

O investimento em estruturas de investigação de desenvolvimento continua a cair drasticamente.

O número de jovens empregados na sua área com contratos de trabalho efetivos (isto é, vão trabalhar sempre na mesma empresa) é nulo.

Dito isto, não faz sentido comparar os cursos, seja qual for a variável.

Faz sentido é abrirmos a nossa mente e olharmos para outros horizontes, porque o mundo é redondo, lembram-se?

Quem disse que não há emprego? Nos Estados Unidos, grandes empresas como a Apple, a Microsoft e até o Facebook estão contratando psicólogos por todo o mundo, uma área que aqui em Portugal tem uma das maiores taxas de desemprego.

O British Museum está à procura de formados em literatura para projetos de investigação, outra área que aqui é rotulada como “inútil”.

Grandes multinacionais de negócios (bancos, empresas de gestão…) estão à procura de historiadores para gerirem diversos departamentos. Quem diria que um historiador dava um bom gestor?

“Oh, mas isso é impossível! São empresas muito grandes – é difícil te contratarem.”

Pois claro, com essa mentalidade pequena, ninguém contrata ninguém.

Mas pensem um pouco:

E se o Marlon Brando dissesse: “Ah, ser actor é só para os sortudos, tenho que encarar a realidade…”

E se o Freddie Mercury dissesse “Ah, eu nunca vou ser tão bom cantor como o Robert Plant…”

E se o Edmund Hillary dissesse “O Everest é impossível de escalar, desisto…”

Todos nós temos a oportunidade de brilhar. É preciso ter coragem, espírito de sacrifício e uma boa dose de paciência. Mas se concentramo-nos nos nossos sonhos e tirarmos inspiração daqueles que já chegaram ao topo, meus amigos, podemos ser aquilo que quisermos. Ninguém chega ao topo sem sacrifício, isso é um facto.

Sigam os cursos que vocês gostam! (Mesmo se toda a gente vos disser que não.)

Lembrem-se sempre: “só temos sucesso se fizermos um bom trabalho. E só fazemos um bom trabalho se amarmos aquilo que fazemos.”

Há emprego para todos que se esforçam, acreditem.

Há emprego para todas as áreas. A questão é que pode não ser cá. Mas não deixem com que isso vos trave – façam o que for preciso para serem felizes.

E façam na vida aquilo que realmente gostam, que verdadeiramente amam. E tentem sempre ser os melhores naquilo que fazem.

“Trabalha no que amas, e nunca mais terás que trabalhar para o resto da vida” – Confúcio

Colabora!

Este texto faz parte de uma série de textos de opinião de alunos do ensino secundário e superior sobre a sua visão do ensino e da educação.

Gostavas de publicar um texto? Colabora connosco.