As novas informações visam dar resposta aos pedidos de uma prova modelo do novo exame de matemática A, bem como especificar os temas que serão avaliados no exame, dando alguns exemplos de perguntas que poderão ser colocadas.

O Instituto de Avaliação Educativa (Iave), o organismo responsável pela elaboração dos exames nacionais, respondeu no passado mês de dezembro às 2 principais questões que lhe têm sido colocadas por interlocutores institucionais, encarregados de educação e professores sobre a realização do novo exame de matemática A pelos alunos quer do antigo como do novo programa. A saber: a inexistência de provas de exame com códigos distintos e a inexistência de uma «prova modelo», quer porque será avaliado um novo programa, sobre o qual nunca foi produzida nenhuma prova de avaliação externa, quer pela prevista divisão do exame em dois cadernos, não sendo possível na resolução dos itens de um deles a utilização da calculadora.

À primeira questão, o instituto refere que esta é a única forma de “garantir condições de equidade entre todos os candidatos”, considerando que os seus resultados são considerados para efeitos de acesso ao ensino superior.

Quanto à prova modelo, justifica o IAVE que “independentemente da organização que os exames ou as provas assumem, o que justificaria a apresentação da designada «prova modelo» seria a conceção de uma prova com novas tipologias ou formatos de itens, ou a disponibilização de uma prova num ambiente novo (como, por exemplo poderá ser o caso de uma prova em ambiente digital ou, como no ano transato, a aplicação de provas
de aferição nas chamadas áreas de «Expressões»).”  Acrescenta ainda, que “sabemos que as provas de exame de Matemática A de 2018 irão apresentar os mesmos tipos e formatos de itens de anos anteriores, sobejamente conhecidos e divulgados na página eletrónica do IAVE.

Finalmente, no que toca à existência dos dois cadernos, “desde 2014 que a prova final nacional de Matemática do 9.º ano (código 92) é organizada em dois cadernos (para a resolução de um caderno, é permitido o uso de calculadora gráfica, e para a resolução do outro caderno, não é permitido o uso de calculadora) e todas as provas deste código estão também disponíveis para consulta”. O comunicado completo poderá ser lido aqui.

Além disto, o IAVE divulga um documento com informação complementar à Informação-Prova 2018 (que temos no nosso site aqui) para o exame deste ano. É reforçada a informação da existência dos dois cadernos, sendo ainda referido que, com exceção dos itens em alternativa, todos os restantes itens incidem nas componentes comuns aos dois programas. Os itens em alternativa estarão identificados nas provas da seguinte forma: P2001/2002 (Programas de Matemática A, de 10.º, 11.º e 12.º anos, homologados em 2001 e 2002) e PMC2015 (Programa e Metas Curriculares de Matemática A, homologado em 2015), podendo o aluno optar por qualquer um dos itens, independentemente do programa que teve.

São dadas ainda mais algumas informações sobre os temas dos programas que serão sujeitos a avaliação, estando, por exemplo, excluídos temas como a “Estatística” e “Primitivas e Cálculo Integral”. O documento finaliza com exemplos de itens que ilustram as informações dadas.

Consulta o documento aqui: