“Este ano ingressei pela 1ª vez no ensino superior, porém não estou de todo a gostar do curso e já tomei a decisão, quero mesmo mudar.” Este é um dos muitos testemunhos que temos recebido diariamente no nosso e-mail, fórum e redes sociais, de alunos a explorar as possibilidades que têm ao seu dispor.

Estar no curso superior errado é mais comum do que pode parecer. Segundo os dados do InfoCursos, só 79% dos alunos se encontravam a frequentar o curso ao fim do 1º ano. Parte dos restantes alunos não foram encontrados no ensino superior nacional (12,5%), outros estavam inscritos noutro curso de outro estabelecimento (4,5%) e outros num do mesmo estabelecimento de ensino superior (4,2%).  Estes dados são relativos aos alunos que ingressaram no ensino superior em 2011/2012, e estão aqui excluídos os alunos que acabam por abandonar o curso nos anos seguintes, pelo que o número é superior.

Também segundo a mesma fonte, do total de alunos que ingressaram no ensino superior no ano letivo 2012/2013, 4275 alunos entraram através de concursos de mudança de curso ou de transferência, representando 9,1% do total.



 

O que leva os alunos a não gostarem do curso superior?

Das centenas de casos que já nos chegaram, apontamos como principais motivos para a mudança ou desistência de um curso superior:

  • Desconhecimento do curso superior: os alunos são levados pela imagem que é criada por determinados cursos e profissões que acaba por não ser real. Aconselhamos sempre a veres além do nome do curso, explorares os planos de estudos e falares com alunos que o frequentem (já conheces o nosso fórum?)
  • Levados pela pressão: mais comum em alunos com boas notas, há uma maior pressão para seguir determinados cursos não só dos pais, como também de professores, familiares e colegas. Aqui enquadram-se alguns alunos colocados em Medicina este ano, por exemplo, um dos cursos mais referidos pelos alunos que nos contactam e que pretendem mudar de curso este ano.
  • Não habituação ao local: aplica-se a alunos deslocados, que acabam por não se habituar à cidade e ao ambiente académico onde ficaram colocados.
  • Simplesmente não tem a ver contigo: também há os que chegam a uma altura do curso em que simplesmente percebem que o curso não é o esperavam e que já não os motiva.

 

Quais é que são as alternativas?

Se já decidiste que está na altura de mudar, tens ao teu dispor algumas alternativas:

  1. Mudança de Curso: caso queiras mudar para um curso superior diferente daquele em que estás ou estiveste matriculado, na mesma instituição de ensino superior ou noutra. O número de vagas, as regras de acesso e o calendário de candidatura são definidos por cada uma das instituições.
  2. Transferência: quando queres mudar para o mesmo curso superior mas para uma instituição de ensino superior diferente. Tal como no caso anterior, o número de vagas, as regras de acesso e o calendário de candidatura são definidos por cada uma das instituições.
  3. Concurso Nacional de Acesso: podes voltar a concorrer pelo Concurso Nacional de Acesso, inclusive repetindo os exames nacionais para os melhorar. Chamamos à atenção que deverás pedir uma nova senha para acesso à candidatura online, como explicamos aqui.

Actualização: Como noticiamos neste nosso artigo, o Governo optou por criar uma modalidade única de mobilidade interna no sistema de ensino superior no novo regulamento que será aplicado neste ano. Na prática vem acabar com a figura da transferência, sendo a partir deste ano tudo denominado de mudança de curso, seja mudança de curso dentro da mesma instituição ou para outra instituição ou mudança de instituição para um curso semelhante.

 

Perguntas frequentes:

Posso concorrer pelas duas formas simultaneamente?
Sim! Podes concorrer por mudança de curso ao mesmo tempo que concorres novamente pelo concurso nacional de acesso.
Posso pedir equivalências?
Sim! Quer fiques colocado no novo curso por mudança de curso ou pelo concurso nacional de acesso podes pedir equivalências às  cadeiras que tiveres realizado no anterior curso.
Mantenho a bolsa?
Desde que aproves pelo menos 60% dos créditos do ano que estás a frequentar mantens a bolsa no novo curso.