Os alunos da Universidade de Coimbra decidiram acabar com a garraiada na Queima das Fitas, com o “Não” a registar 70,7% dos votos no referendo realizado na terça-feira, informou hoje a Comissão Organizadora daquela festa dos estudantes.

À pergunta “Deve o evento garraiada continuar no programa oficial da Queima das Fitas?”, 70,7% dos estudantes que participaram no referendo responderam “Não”, 26,7% “Sim”, contabilizando-se ainda 49 votos nulos e 96 votos em branco, disse à agência Lusa o secretário-geral da Comissão Organizadora da Queima das Fitas (COQF), Manuel Lourenço.

Ao todo, registaram-se 5.638 votos, num universo de cerca de 24 mil estudantes, acrescentou. A afluência às urnas para este referendo foi significativa, atendendo a que nas eleições para a direção-geral da Associação Académica de Coimbra participaram quase oito mil estudantes em 2017 e menos de cinco mil em 2016.



Segundo Manuel Lourenço, após este resultado, o Conselho de Veteranos, que é um dos órgãos tutelares da Queima das Fitas e que rege as atividades tradicionais, terá “a palavra final”. No entanto, o secretário-geral da COQF não acredita que, “em momento algum, o Conselho de Veteranos não honre a vontade dos estudantes, até porque já disse que iria honrar” o desejo destes.

Em fevereiro, a Comissão Central, parte integrante da COQF, decidiu, “por unanimidade, propor a abolição da garraiada como evento tradicional da festa”. Face a essa posição, o Conselho de Veteranos e a Associação Académica de Coimbra – entidades tutelares da Queima – acordaram em realizar um referendo aos estudantes.

A decisão de propor a abolição da garraiada surge depois de, em 2016, a garraiada ter sofrido algumas alterações (foi retirada a lide do novilho a pé e a cavalo), face a protestos e discussão no seio da academia contra a realização do evento. Em 2016, foi a Queima das Fitas do Porto que optou por suspender a garraiada académica, uma medida justificada pela “fraca adesão dos estudantes” àquela atividade nos últimos anos e à “queda da tradição tauromáquica”.

PAN saúda fim das garraiadas

O partido Pessoas-Animais-Natureza (PAN) saúda a decisão dos estudantes de Coimbra de acabar com a garraiada na Queima das Fitas, considerando o resultado um sinal de uma nova geração “desperta para mudanças sociais”.

“A adesão dos estudantes a este referendo e os resultados são reveladores de uma nova geração que está desperta para as mudanças sociais de uma nova época e de uma nova consciência”, sublinhou o deputado do PAN, André Silva, citado numa nota de imprensa.

Para André Silva, a vitória do “Não” “vem reconfirmar que a esmagadora maioria dos portugueses rejeita a tortura de animais para divertimento e pede o fim da tauromaquia”. “É inequívoco que quem representa o futuro não se revê nesta prática”, sublinha o PAN.

Segundo o PAN, o resultado do referendo em Coimbra revela um “indício de que o cerco às touradas em Portugal e na Europa está a aumentar, com cada vez mais referendos e manifestações públicas que defendem a abolição da tauromaquia”.

“As touradas só já são legais em oito países no mundo e as consciências estão a mudar naqueles, como Portugal, onde ainda são permitidas”, frisou o partido, na mesma nota.

A Queima das Fitas de Coimbra realiza-se este ano de 04 a 11 de maio.