Medicina no Reino Unido

RitaAR

Membro Caloiro
Matrícula
20 Maio 2017
Mensagens
1
Gostos
0
#41
Bom dia,
Quem já tiver completado o ano comum pode entrar diretamente para o FY 2?
O processo é muito diferente em relação ao FY1?
 
Matrícula
24 Julho 2017
Mensagens
1
Gostos
0
#42
Boa noite!

Também estou a considerar estudar Medicina no Reino Unido para o próximo ano, mas a minha situação é um bocadinho mais complicada.
Estou em Humanidades e o que eu pretendo fazer é ter explicações das 3 disciplinas de exame (BG e Geologia, FQuimica e Matemática) durante o ano todo e ir a exame como aluna externa, contando a nota do exame 100% para candidatar-me a seja onde for.
É possível candidatar-me ao Reino Unido nestas condições?
Alguém tem informações a este nível?

Obrigada!
 

Maryhr

Membro Caloiro
Matrícula
18 Agosto 2017
Mensagens
2
Gostos
0
#43
Olá!
Eu estou interessada em perceber quais os prazos de inscrição impostos pelas faculdades de medicina no UK para quem concorrer para o 1º ano? E se tiver frequentado a faculdade em Portugal, ainda continuo com direito à bolsa de estudo?

Muito obrigada.
 

Maryhr

Membro Caloiro
Matrícula
18 Agosto 2017
Mensagens
2
Gostos
0
#44
Olá!
Eu sei que pouca informação tem sobre este tema, mas para quem vai tirar pela segunda vez um curso no ensino superior e procura bolsas de estudo para estudar em med em Inglaterra, qual é o website que contém as informações quanto às propinas, à estadia e aos cuidados de saúbe e alimentação? E sabe dizer quais as condições que impõem para se ter direito à bolsa e continuar com a bolsa de estudo durante os outros anos do curso?
Obrigada pela atenção :D

Olá, Sara! :D Bem-vinda!
O ano passado eu candidatei-me a Medicina na Reino Unido, portanto se calhar consigo-te dar algumas informações relativamente a como se processam as coisas lá.

No Reino Unido, eles gostam muito das suas próprias qualificações, achando-as mais adequadas para avaliar o desempenho de um aluno do que a maioria das restantes qualificações europeias. Como exceções saliento o Abitur alemão e os exames franceses. Mas, infelizmente, esse não é o caso das qualificações portugueses. Por esse motivo, eles dão muito pouco valor às nossas qualificações, pelo que não tens muito que te preocupar em relação a isso. Todavia, vale referir que a maioria das universidade pede um mínimo 18 a todas as disciplinas e 18-20 a disciplinas diretamente relacionadas com o curso que escolheres e o seu plano de estudos. Se Matemática não for o teu forte, trago-te boas notícias. Lá Matemática não costuma ser uma disciplina relevante para o curso de Medicina, pelo que não precisas de te preocupar muito com ela. Biologia e Geologia e Física e Química A são, contudo, disciplinas absolutamente essenciais para a admissão ao curso de Medicina, pelo que deves ter uma nota igual ou superior a 18 a estas disciplinas, especialmente para universidades de topo. Para teres uma noção do como é uma oferta standard, o ano passado recebi uma oferta condicional da Imperial College London em que me pediam 18 a todas as disciplinas com um mínimo de 18 a Biologia e Geologia e Física e Química A. Se tivesse menos que 18 a uma dessas disciplinas já não poderia ser aceite. Relativamente aos exames, não sei concretamente que peso têm, mas devem ter um peso quase nulo. Não sei porquê, focam-se mais nas notas finais às disciplinas do que aos exames.
Antes de responder às seguintes perguntas, quero só dar-te mais algumas informações relativamente a Medicina no UK. Em primeiro lugar, para ingressares para o próximo ano tens de te candidatar já este verão!!! Lá, os alunos têm de se candidatar à universidade um ano mais cedo, e isso não é exceção para os alunos estrangeiros.
Em segundo lugar, a tua candidatura terá de ser feita na plataforma UCAS. Terás de responder a todas as secções que lá te apresentem antes de teres a candidatura concluída, sendo que quase todas são relativamente fáceis de preencher. Todavia, terás dois desafios: o personal statement e a carta de referência. O personal statement é a parte mais importante e decisiva da tua candidatura, é um tipo de carta de motivação. Este costuma ser o aspeto que mais peso tem numa candidatura, seja a que curso te candidatares. É altamente recomendado que faças work experience ou então que participes em atividades/estágios/projetos/voluntariado diretamente relacionado com Medicina. Medicina é uma profissão bastante prática, pelo que eles valorizam imenso quem já tem alguma experiência, por muito pouca que seja. Deves falar da tua experiência no personal statement. A carta de referência atua quase como um reforço. Para isto, terás de pedir a um professor teu ou a alguém que consideres uma autoridade que achas competente para ta escrever. Este aspeto tem menos peso que o personal statement, mas é importante na mesma.
Em terceiro lugar, a maioria das universidades pedir-te-à para comprovares a tua habilidade em Inglês por meio de um exame. Para saberes que exames deves fazer tens de consultar os sites das universidades a que te pretendes candidatar. Recomendo fazeres o IELTS, que foi o que eu fiz o ano passado, pois acho que todas as universidades o aceitam e é bastante acessível. Eu consegui uma nota geral de 8.5/9 e nem sequer ando num instituto de línguas. Atenção que cada universidade estabelece limites mínimos que precisas de alcançar em cada secção. Caso não os alcances a tua admissão poderá ser compremetida. O IELTS deve custar pouco mais de 200 euros, não sei quando custarão outros.
Em quarto lugar, terás também de fazer um exame de admissão a Medicina para poderes ser aceite. Cada universidade estabelece aquele que aceita. Os grandes exames de admissão para Medicina que há são o BMAT (autêntico monstro!) e o UKCAT. Atenção que se te candidatares a uma universidade que aceite o BMAT e a outra que aceite o UKCAT tens de fazer ambos os exames. Eu apenas fiz o BMAT (apenas me candidatei a universidades que aceitam este), pelo que não sei nada relativamente ao outro. Sei apenas que o BMAT é puxadíssimo! Se quiseres mais informações sobre este exame podes perguntar-me ou então procurar no site deles.
Finalmente, a maioria das universidades também requere que tenhas de ir a uma entrevista com eles. Nas universidades de nível mais baixo serão entrevistas de blá blá (do género, "oh filha, então porque é que queres ser doutora?"). Nas melhores universidades as entrevistas focam-se mais em avaliar o teu conhecimento (do género, "porque é que um codão é constituído por 3 bases nucleotídicas e não outro número qualquer?" ou "porque é que os sapatos de homem têm uma pequena sola?").

Agora que já despachei as informações relativamente às candidaturas no UK vou responder ao resto.
Realmente não sou a pessoa mais indicada para te falar sobre as bolsas que oferecem no Reino Unido (porque recusei a oferta que me fizeram e não pesquisei mais), mas eles têm um programa de empréstimo para estudantes que vão tirar o seu primeiro curso. Basicamente, consiste em não teres de pagar diretamente as propinas do teu curso e só as começares a pagar após estares empregada. 3% do teu ordenado mensal vai para pagar as propinas. Se após 20 anos não as tiveres conseguido pagar todas, ficas isenta de as pagares.
As melhores universidades para estudar Medicina no UK são Cambridge, Oxford, Imperial College London e University College London. Eu candidatei-me a Cambridge e Imperial College London. Preferi Cambridge a Oxford porque Cambridge inspirou-me mais confiança e também porque gostei mais do programa clínico que tinham. Todavia, Oxford é a Harvard do UK no que diz respeito à Medicina (atenção, não te podes candidatar a Cambridge e a Oxford no mesmo ano. Tens de escolher apenas uma). Portanto, Cambridge e Oxford são as melhores. Imperial College London também é excelente para Medicina e tem requisitos mínimos mais simpáticos (embora puxados na mesma). O ensino lá é espetacular, mesmo. Todavia, Imperial College London é uma universidade especialista em Engenharias. Interpreta este facto como quiseres.

Pronto, acho que é tudo. Se tiveres mais dúvidas, não hesites em perguntar. ;)
--- Post atualizado ---
Olá!
Para quem vai tirar pela segunda vez um curso no ensino superior e procura bolsas de estudo para estudar em med em Inglaterra pela primeira vez, qual é o website que contém as informações quanto às bolsas para as propinas, a estadia e os cuidados de saúde e alimentação? E quais as condições que impõem para se ter a bolsa e que impõem durante o curso?
Obrigada pela atenção :D
 

Peni

Membro Caloiro
Matrícula
7 Outubro 2017
Mensagens
2
Gostos
0
#45
Pode ser interessante para quem considera Medicina no UK, saber também como é o processo de candidatura à profissão e no que difere em relação ao de cá.

Em Portugal (muito resumidamente):

Após o curso de Medicina, realiza-se em Novembro do mesmo ano a Prova Nacional de Seriação (vulgo Harrison), um exame de 100 escolhas múltiplas que avalia 5 secções: Hematologia, Nefrologia, Pneumologia, Cardiologia e Gastroenterologia.

A entrada na profissão, em Janeiro do ano seguinte, inicia-se pelo Ano Comum. O ano comum é 1 ano, no qual os médicos não têm autonomia (ou seja não podem finalizar as altas, não podem prescrever, etc..). Neste ano rodam por várias especialidades, sendo elas: Medicina Interna, Cirurgia Geral, Pediatria, MGF + Saúde Pública, Opcional. O hospital no qual se fica colocado no Ano comum é unicamente determinado pela média de curso.

Após o ano comum vem a Especialidade, que pode ter uma duração de 4 a 6 anos. A entrada na especialidade+hospital no qual se faz a mesma é determinada pela nota na Prova Nacional de Seriação. Para desempate entra a média de curso. A partir do momento que se inicia a especialidade o médico já tem autonomia.

No Reino Unido:

A entrada na profissão médica no UK faz-se pelo Foundation Programme (equivalente do Ano Comum em Portugal). Também há a possibilidade de realizar o Academic Foundation Programme, que concilia a prática clínica com horário dedicado a investigação (contudo a candidatura a este é mais complexa, tem mais requesitos a nível de curriculo).

O Foundation Programme compreende 2 anos: FY1 e FY2. A entrada para a especialidade faz-se após o FY2 (tema para outro dia :p). Para ser elegível para se candidatar para o FP, o candidato não pode ter completado o ano comum em portugal!

A colocação no Foundation Programme (nos respectivos programas e hospitais) é feita com uma nota de candidatura que vai até 100 pontos.

Até 50 pontos podem ser adquiridos pelo SJT.
É um "teste" obrigatório que tem de ser feito em Inglaterra por todos os candidatos ao Foundation Programme.
Este teste não avalia conhecimentos médicos propriamente ditos, mas sim o conhecimento da profissão, daquilo que é esperado de um médico no Foundation Programme.
Tem 70 perguntas, nas quais são apresentados vários cenários, sendo preciso ordenar do mais correcto para o menos correcto.
Não há reprovação... a nota que se tem neste teste contribui para a nota final de candidatura.

Até 50 pontos dependem do EPM.
Esta secção dá entre 34 e 50 pontos.
34 a 43 pontos são dados consoante o Decile Ranking que o candidato ocupam relação ao seu ano (que depende da média de curso).
2 pontos são dados por artigos publicados em revistas indexadas à PUBMED.
5 pontos são dados por cursos extra (mestrados, doutoramentos, etc).

E como é a candidatura?

Para um aluno português se candidatar para o FP tem de seguir o mesmo processo que os britânicos, com apenas algumas nuances. A candidatura deve ser preparada com alguma antecedência, pois implica a aquisição de alguns documentos e prazos a cumprir.

Um aluno em Portugal só pode candidatar-se depois de terminar o 6º ano, sendo que o processo de candidatura demora 1 ano, isto é, terminando o curso em Julho de 2016, só em Agosto de 2017 começa a trabalhar no Reino Unido.

O processo de candidatura normalmente inicia-se a meio de Julho, com a 1ª fase de Elegibilidade, onde é preciso enviar uma série de documentação (certificado de curso + notas, IELTS Academic, copias do cartão de cidadão, preencher uma checklist, preencher o Dean's Statement). Esta fase normalmente dura 1 mês. Toda a documentação tem de ser enviada por correio para Inglaterra.

É um exame de inglês OBRIGATÓRIO para todos os portugueses que querem ir para o UK (a única forma de contornar é andar numa faculdade em que o ensino seja maioritariamente em inglês e o contacto com os doentes tb - coisa que em PT não acontece).

É um exame que avalia 4 componentes: listening, writing, reading and speaking. Actualmente para ser admitido para o FP no UK é preciso ter no mínimo 7.5 em 9 em cada um dos componentes.

Tem validade de 2 anos. Tem de ser feita a versão Academic e não a General Training.

É um formulário fornecido pela empresa que organiza o Foundation Programme. Este formulário deve ser preenchido pela faculdade na sua totalidade.

Uma parte essencial do formulário é o Decile Ranking (que dá imensos problemas nas faculdades). Aqui é preciso que a faculdade ordene todo o 6º ano por média de curso e veja em que posição está o candidato.


Em meados de Setembro são divulgados os programas/rotações com respectivas vagas do Foundation Programme, de cada hospital do Reino Unido.

Em Outubro, os candidatos têm que ordenar as UoA. Isto vai determinar a zona do Reino Unido em que vai ficar a trabalhar.

O UK está dividido em várias regiões, no total de 21. São as chamadas Unit of Application, que compreendem as Foundation Schools.
Cada Foundation School é composta por Trusts (que corresponde a um ou vários hospitais).




Em outubro os candidatos têm de ordenar todas estas zonas consoante a preferência. É como que um tiro no escuro, pois todos fazem isto antes de saber as notas de candidatura que terão. Há zonas tradicionalmente mais competitivas ( as de Londres, de Manchester e Liverpool),

Em Dezembro e Janeiro (há duas datas disponíveis), os candidatos têm de ir a Londres fazer o SJT (explicação atrás).

Em Março, todos os candidatos sabem as notas finais de candidatura (SJT+EPM) e sabem a que Foundation School foram alocados.

Em Abril, os candidatos tem de ordenar TODOS os programas da Foundation School à qual foram alocados.
Ainda em Abril, os candidatos, consoante a nota de candidatura são alocados a um programa.


IMPORTANTE:
Concomitantemente com este processo todo, o candidato tem de se inscrever na ordem dos médicos do UK (General Medical Council - GMC).... Esta é uma inscrição provisória (Provisional registration, que é para aqueles médicos que não completaram um internato)

Isto implica o envio de uma carrada de documentos de novo (certificado de curso + notas, IELTS, copias do cartão de cidadão e o Certificate of Good Standing (que é um certificado que se pede na ordem dos médicos de Portugal). Após o envio da documentação, o candidato tem 3 meses para ir confirmar a sua identidade presencialmente em Londres (-.-).

Até Julho o candidato tem de garantir inscrição provisória no GMC.

Em Agosto, começa-se a trabalhar. :D

Sites SUPER importantes para quem quer saber tudo sobre o Foundation Programme:
UKFPO
General Medical Council
IELTS


Efeitos do Brexit

Para a candidatura deste ano (iniciada em Julho e que termina em agosto de 2017), o resultado do referendo não teve efeito nenhum. Daqui para a frente não há garantias de nada....
O UKFPO (entidade que controla o acesso ao Foundation Programme), todos os anos por volta de junho lança o Foundation Handbook que explica detalhadamente a candidatura desse ano respectivo, sendo que qualquer alteração estará aí presente.

A título pessoal, duvido que a efectivar-se a saída do UK da UE, será restringida a candidatura ao FP por parte de não britânicos. Afinal o NHS (sistema de saúde inglês) é multicultural e ganha imenso com essa multiculturalidade. Aquilo que pode acontecer é apertar os critérios de acesso ao mesmo, nomeadamente subir (ainda mais) as notas mínimas no IELTS ou incluir novos critérios de acesso. A necessidade de apresentar o passaporte e visto, em vez de apenas mandar copia do cartão de cidadão é também uma possibilidade.


Salário

Questão complicada. Para aqueles que acompanham as notícias, o Jeremy Hunt (ministro da saúde do UK) quer impor novos contractos aos junior doctors. Estes recusaram os novos contratos, fizeram várias vezes greve por melhores condições nos mesmos, até que a British Medical Association (entidade representativa dos médicos no UK) aceitou a proposta do governo. Contudo, em referendo com os junior doctors, essa proposta foi rejeitada. Ou seja, ainda não se sabe se os contractos serão impostos ou não.

O salário base de um médico no FY1 é 22.862£/ano. A isto acrescenta banding (simplificado paga as noites, fins de semana, etc). Pelo que o salário pode aumentar até perto de 31-33,000£ /ano.

»Isto é extremamente simplificado, o sistema de pagamento é algo complexo... mas podem tentar perceber aqui (good luck): Pay scales 2016-2017

-----

Não é suposto ser um guia, mas apenas dar umas luzes da candidatura. O melhor guia é o site do UKFPO, porque tem TUDO e é OFICIAL. :)

Qualquer dúvida ou questão, ajudo no que for preciso.



Muita boa noite! Peço desculpa por incomodar, será que me podias ajudar numa dúvida que não encontro nenhuma fonte segura na net com essa informação?
Quanto tempo, para além dos dois anos do FP, demoram as especialidades médicas no reino unido?? (por exemplo, medicina geral e familiar que em Portugal são 4 anos)
Outra coisa que não percebi muito bem, é possível não fazer o FP tendo o ano comum feito em Portugal??
Muito obrigado!
 

rodolfoa5

Membro Caloiro
Matrícula
18 Fevereiro 2018
Mensagens
1
Gostos
0
#46
Boa Tarde,
Encontro-me no 10º ano e possuo 18.0 de média, embora tenha 16 a PT e a Filosofia.
Desde jovem que o meu sonho foi tirar medicina, e neste momento queria fazê-lo no Reino Unido, mais precisamente no Imperial College London.
As minhas dúvidas são as seguintes:
  • Quais são requisitos para me poder candidatar a esta universidade?
  • Qual é o nível de inglês que preciso de ter?
  • O que é que poderia fazer para aumentar as chances de ser aceite?
  • Quanto custa um curso?
  • Preciso de fazer os GCSE ?
  • Como é que funcionam os A-levels?
  • Como é que faço a minha classificação de acordo com a classificação dos A-levels?
Muito Obrigado!
 
Matrícula
27 Junho 2017
Mensagens
45
Gostos
18
#47
Muita boa noite! Peço desculpa por incomodar, será que me podias ajudar numa dúvida que não encontro nenhuma fonte segura na net com essa informação?
Quanto tempo, para além dos dois anos do FP, demoram as especialidades médicas no reino unido?? (por exemplo, medicina geral e familiar que em Portugal são 4 anos)
Outra coisa que não percebi muito bem, é possível não fazer o FP tendo o ano comum feito em Portugal??
Muito obrigado!
Não responde directamente à tua pergunta, mas é o documento mais completo que deve estar pela internet: LINK


Boa Tarde,
Encontro-me no 10º ano e possuo 18.0 de média, embora tenha 16 a PT e a Filosofia.
Desde jovem que o meu sonho foi tirar medicina, e neste momento queria fazê-lo no Reino Unido, mais precisamente no Imperial College London.
As minhas dúvidas são as seguintes:
  • Quais são requisitos para me poder candidatar a esta universidade?
  • Qual é o nível de inglês que preciso de ter?
  • O que é que poderia fazer para aumentar as chances de ser aceite?
  • Quanto custa um curso?
  • Preciso de fazer os GCSE ?
  • Como é que funcionam os A-levels?
  • Como é que faço a minha classificação de acordo com a classificação dos A-levels?
Muito Obrigado!
O tópico só tem 3 paginas. Não custa nada ler o que está para trás.

Hey,

eu fui aceite para MSci Biological Sciences na University College London mas por motivos semelhantes aos da BlueApple também não vou ingressar no curso.

Após o resultado do referendo sairam notas do governo e das universidades a dizer que este ano manter-se-iam o valor das propinas para alunos da europa mas acredito que para o ano deve haver uma mudança das políticas e até mesmo do acesso ao Student Finance por alunos europeus. O Student Finance é o programa que permite a qualquer aluno britânico e europeu pedir um empréstimo no valor das propinas que só é pago, em pequenas prestações, após o mesmo estar a receber X de ordenado.

A nível de ingresso em medicina, fiquei com a ideia de que são muito exigentes e elitistas na escolha. É necessário apostar em experiências pessoais (palestras, workshops, seminários, voluntariado, ...) que não é muito difundido no nosso país, além disso, acho que para todos os cursos de medicina tens que ir fazer uma entrevista à universidade antes de seres aceite (a entrevista vai de perguntas pessoais a científicas).

Se quiseres mesmo ingressar em medicina recomendo-te começares a planear o teu personal statement agora, não podes ser muito cliché (sempre quis ajudar pessoas, sempre quis ser médico, ...) mas tens que deixar claro o teu interesse e entusiasmo pelo curso, tens que mostrar de uma forma subtil que és uma mais valia para a universidade e que eles procuram alunos como tu, fala sobre as tuas experiências pessoais que te levaram a querer medicina, de que forma exploraste essa tua vontade, que atividades extracurriculares tens (desportos, música, ... são coisas que também dão valor). Na candidatura tens uma secção para colocar trabalhos que já tiveste, por exemplo part-times, então também é uma forma de te ajudar.

A nível de custos, Inglaterra é muito mais caro do que Portugal, o valor das propinas é, atualmente para alunos europeus, £9000 (mais de 10.500€). Em Londres, a renda ultrapassa facilmente os 200€ por semana, em comida acho que podes esperar uns 40/50€ por semana. Se fores somando tudo verás que são valores brutais ao final de um mês. Quando estava interessado procurei imensas bolsas de estudo nacionais e internacionais mas não encontrei muito. A minha universidade (University College London), possuia uma bolsa de £2000 para quem tinha rendimento abaixo de X valor e outros programas que podias te candidatar mas nada era garantido, além disso, depende de universidade para universidade, a Imperial College London por exemplo, tem uma bolsa de £5000 mas só a atribui a alunos britânicos (foi o motivo forte o suficiente para rejeitá-los). A nível nacional sei que a DGES da Madeira possui uma espécie de programa para alunos que vão para faculdades com prestígio e reconhecimento mundial e pode atingir valores muito altos (o ano passado podia atingir mais de 800€ mensais) mas tens que convencer o diretor do gabinete e ele a mim disse-me que ninguém o convencia de medicina no estrangeiro... tens que ver se no teu distrito existe este tipo de ajudas. Em relação a custos imediatos tens a candidatura na plataforma UCAS que é cerca de 37€ (se não estou em erro) e o exame IELTS (pode ser outro) que é 215€.

Espero ter ajudado de alguma forma :)
 

AndreiaF

Membro Caloiro
Matrícula
10 Agosto 2018
Mensagens
1
Gostos
0
#48
Olá! Sou estudante de Medicina do 2ºano e gostava muito de continuar o curso em Londres... Será que alguém sabe me dar informações do que é necessário para pedir transferência? Obrigada