Dados recentes do organismo de estatística da União Europeia – Eurostat -, revelam que Portugal conseguiu reduzir a taxa de abandono escolar e aumentar o número de licenciados em 2017, dois indicadores da evolução da educação nacional. Contudo, o país continua aquém dos objectivos traçados pelo programa Europa 2020.

Relativamente à percentagem de abandono escolar em Portugal – que inclui jovens entre os 18 e os 24 anos que completaram no mínimo o terceiro ciclo do ensino básico e que actualmente não estudam ou recebem formação profissional -, esta ronda os 12,6%, em comparação com o valor de 38,5% atingido em 2006. Portugal está assim perto de atingir a meta proposta pela Europa 2020, com uma taxa de abandono escolar de 10,0%. Contudo, continua a ser o quinto país da Europa com o valor mais elevado neste indicador.



Portugal apresenta também melhorias significativas no que respeita às pessoas que completaram o ensino superior (com idades compreendidas entre os 30 e 34). O país tem uma taxa de 33,5%, mostrando também um desenvolvimento contínuo neste sector em comparação à taxa de 31,9% em 2015 e à de 12,9% em 2002, mas ainda está longe de atingir a meta nacional proposta pela Europa 2020 de 40%.


A educação na Europa

Em 2017, as maiores taxas de abandono escolar precoce continuaram a afectar Malta (18,6%), Espanha (18,3%), Roménia (18,1%) e Itália (14%). A Croácia (3,1%), Eslovénia (4,3%), Polónia (5,0%) e Irlanda (5,1%) mantiveram-se como os países com o indicador mais baixo. Já a média europeia situa-se nos 10,6%.

A Lituânia (58%), Chipre (55,8%), Irlanda (53,5%), Luxemburgo (52,7%) e Suécia (51,3%) apresentaram as maiores taxas de licenciados e a Roménia (26,3%), Itália (2,9%) e Croácia (28,7%) as menores.

Em 2017, a média da EU subiu para 39,9 % e conseguiu atingir praticamente o objectivo para 2020.


Europa 2020

O programa Europa 2020 faz parte da estratégia europeia para a educação, crescimento e emprego na presente década, focado num desenvolvimento inteligente, sustentável e inclusivo de forma a fortalecer a economia europeia.

Desde a sua implementação em Março de 2010, quinze países europeus já atingiram as suas metas nacionais de taxa de abandono escolar, com um forte desenvolvimento dos países do sul da Europa. Desde 2002, o abandono escolar precoce tem diminuído continuamente, passando de 17,0% em 2002 para 10,7% em 2016 e 10,6% em 2017.

Também o número de pessoas com educação superior tem subido continuamente na Europa: a percentagem de europeus entre os 30 e 34 anos que completaram este nível de ensino passou de 23,6% para 39,1% em 2017.