Dois estudantes, um carro com mais de vinte anos, mais de 30 Kg de material solidário e uma dose de aventura capaz de proporcionar sorrisos a muitas crianças, tendo em conta que a única ajuda à navegação pelo deserto de Marrocos é um road-book, uma bússola, um mapa e a necessidade de entregar algo a quem mais precisa. Isto é o Uniraid.

O UniRaid é um raid no deserto de Marrocos, para estudantes do ensino superior entre os 18 e os 28 anos que decorreu este ano, de 25 de Fevereiro a 5 de Março, por cerca de 75 equipas (150 participantes).

É uma Aventura Formativa e Solidária, que combina desporto, com espírito humanitário, uma experiencia extraordinária para ajudar a construir, fortalecer, potenciar e definir valores pessoais.

Foto de Vera de Sousa, estudante do IADE

Mais que uma grande aventura, UniRaid é uma atividade formativa alinhada com o espírito do Tratado de Bolonha para fornecer um tipo de formação suportado na experiência e superação de desafios. Por este motivo, várias instituições do ensino superior, dão apoio a esta iniciativa.



Desde o “SIM, QUERO”, até participar, muitas “aventuras” se foram vivendo. Desde a procura e preparação do carro, à obtenção de apoios e divulgação.

Este primeiro passo significou estratégia, esforço, envolvimento… algumas características e valores do UniRaid.

Em terras Africanas esperavam-nos outros desafios a superar: trabalho de equipa, iniciativa, organização, superação pessoal, capacidade de liderança, poder de decisão…

Foto de Vera de Sousa, estudante do IADE

Atravessar o deserto de Marrocos com um carro velho foi um desafio brutal, e hoje depois de passar pela experiência não consigo deixar de pensar onde estava a minha cabeça para decidir embarcar nesta “loucura” …

Todos nos diziam que eramos “loucos da cabeça”, que “não iriamos conseguir…”,” dois dias e estão sem carro…” etc., etc.

Fosse como fosse estávamos decididos e tínhamos razão, pois a recompensa foi enorme.

A verdade é que convictos de querer viver este sonho e não apenas a sonha-lo, como muitos. E aqui estamos de volta com montes de historias.

Arranjámos apoios e o sonho começou a realizar-se a partir da nossa determinação.

Foram 10 dias a navegar, a conduzir e a reter o melhor que conseguimos daquela terra, daquelas gentes.
Estávamos em terreno adverso e por nossa conta todos os dias, sem qualquer tecnologia, mas mais importante que tudo, uma equipa composta por vários companheiros, que sem eles dificilmente seriamos capazes de enfrentar tamanhos desafios.

Foto de Vera de Sousa, estudante do IADE

Com eles atravessamos dunas, pistas cheias de obstáculos, calhaus, dificuldades mecânicas e tudo isso foi superado com a capacidade de ajuda entre todos.

Não eramos varias equipas de dois parceiros em cada carro, mas sim vários parceiros de uma só equipa e como isso fomos superando, as montanhas e o deserto dia após dia, com etapas sempre mais difíceis, utilizando as valências de cada um.

À noite nos acampamentos, a volta da fogueira, partilhávamos momentos vividos em cada dia. Estávamos cada vez mais próximos. Não existia idades, nacionalidades, nem diferenças ou cansaço, apenas motivação e vontade de continuar no dia seguinte.

Fomos atravessando um país de contrastes, onde vimos sorrisos, paisagens lindíssimas, montanhas enormes, neve, mar, deserto por todos os lados, tristeza, pobreza, carência afetiva e social, um misto de emoções que tivemos que saber lidar para concluir o nosso percurso e propósito.

Percorremos 3553km em que a partilha de conhecimentos e a entreajuda de todos os participantes do Uniraid, tornou-se numa ligação forte neste ambiente e que decerto se prolongará por vários anos da nossa vida.

A emoção das crianças era contagiante e fizeram-nos sentir a razão de querer ter vivido esta aventura solidária. Algumas brindavam-nos com um simples sorriso, outras com carinho, afeto e reconhecimento por aquilo que lhes demos…foi pouco, mas que para eles significou muito…


Foram momentos como o do Diogo da equipa Peanners, que ao dar a uma criança, uma garrafa de água, em troca agarrou-lhe na mão dele e deu-lhe um beijo de reconhecimento. Ou a história do Gaspar da equipa LBG-Team, que ao dar a uma outra criança um simples lápis, esta lhe retribuiu com um pedaço do pão que tinha na mão.

Estas são apenas algumas de tantas histórias que trazemos, muitas delas vividas na chegada a um dos acampamentos, onde estava uma instituição de crianças de várias aldeias distantes e carenciadas, cujo grosso do material solidário já tinha sido distribuído. O contentamento daquelas crianças mexeu connosco e mexeria com qualquer um que se pusesse à prova e arriscasse fazer esta aventura em prol do próximo. Neste momento foi notório a emoção da Raquel da equipa Ajudáí, impressionada com a atitude humilde das crianças que recebiam algo simples como se fosse o melhor presente do mundo.

Não fosse o donativo do UniRaid, o ano escolar daquelas crianças estaria comprometido, e mesmo assim, achamos que a nossa missão não está suficientemente cumprida, porque o desejo de voltar permanece em nós. Ainda há muito para fazer, muito para dar e muita aprendizagem para trazer para o nosso quotidiano. ISTO É UNIRAID, ISTO MARCA-NOS PARA A VIDA.

Muito fica por contar, viver e muitos sorrisos ainda por proporcionar.

Para isso, estamos todos a contar participar, novamente em 2018 na edição do UNIRAID.

Foto de Vera de Sousa, estudante do IADE

Colabora!

Este texto faz parte de uma série de textos de opinião de alunos do ensino secundário e superior sobre a sua visão do ensino e da educação.

Gostavas de publicar um texto? Colabora connosco.