Chega a esta altura das férias e não existe um único estudante no 12ºano que não se pergunte momentaneamente para onde deverá ir. As escolhas para cada curso são por vezes muitas, complicadas e parece que o tempo está a escassear e se há duas semanas atrás nem se ousava pensar no futuro, ele agora parece próximo. Ou então a culpa é daquela tia em terceiro grau que decidiu à mesa no dia 24 fazer a questão de quais seriam as expectativas. E o jantar entala-se por vezes na garganta.

Posso garantir que há um ano atrás eu estava nessa mesma posição. Pensava no que ia fazer, se ia ter média ou se seria aquele o curso que tanto queria tirar (sim, eu sabia o que queria ou achava eu saber). E aquando da pergunta não soube o que responder para onde queria ir. Coimbra sempre me pareceu a cidade ideal mas não havia certezas de nada e todos os meus amigos, ou quase, iriam para o Porto e para Lisboa.



Hoje sou caloira na Universidade de Coimbra. E acredita que Coimbra é sem dúvida a melhor cidade para estudar. Não só porque tudo é perto e tão rapidamente estás na alta e na baixa e se não quiseres caminhar, bem, apanhas o autocarro; ou até porque está ali no centro do país e de comboio, carro ou autocarro cá chegas depressa…

Acima de tudo é porque Coimbra é diferente…

Não é fácil explicar esta diferença mas vou tentar. Em Coimbra quando chegas tudo parece muito novo e muito distante. Perguntaste se vais gostar ou se estás sequer preparado para o curso e até para a cidade. Eu conhecia Coimbra e tive muito medo na primeira vez que pus o pé fora do carro para entender que no dia a seguir havia aulas.

Mas lá fui. Fui recebida na minha faculdade por pessoas que me eram desconhecidas mas que me apresentaram os cantos daquela que será a minha “casa” durante uns tempos (sim, vais passar mais tempo na faculdade que em casa garanto). Fui conhecendo pessoas (principalmente na praxe admito), fui visitando a cidade aos poucos e fazendo contactos ainda que breves com doutores e com caloiros do meu curso.

Naquela primeira semana assustadora fiz muitas coisas diferentes e uma delas foi a minha primeira visita à cidade “sozinha” (com outras caloiras e algumas doutoras) e conheci uma Coimbra de Tradição. Ao ver as capas negras aos ombros que enchem de espírito a cidade, aquele lugar outrora desconhecido, passava a ser mais real e mais familiar… Com todas as actividades que organizaram (sim, na primeira semana em Coimbra não vais parar), e ainda organizam, conheces as pessoas e crias amizades. De repente já não estás sozinho, tens uma “família” contigo e as saudades intensas de casa desaparecem. Sais à noite, divertes-te e até já pedes para te guardarem lugar naquela aula que enche por serem muitos a assistir. Posso dizer-te que quando a latada chega em Outubro as noites de recinto já são com amigos e não com conhecidos e que o abraço da madrinha ou do padrinho fará todo o sentido. E acredita não vais ficar por aqui…

Por isso pensa em Coimbra quando preencheres a tua folha e não descartes essa opção só porque é diferente ou porque vais ficar “sozinho”. Coimbra é a cidade dos estudantes, não só porque aqui a capa e a batina e o desejo de vestir o traje se torna real e muito mais intenso, mas também porque em Coimbra tudo faz mais sentido. A latada, a queima, o traje, as serenatas… Tudo é vivido e sentido. Não fosse esta a cidade da saudade não é?

Colabora!

Este texto faz parte de uma série de textos de opinião de alunos do ensino secundário e superior sobre a sua visão do ensino e da educação.

Gostavas de publicar um texto? Colabora connosco.