“A escola é a base para a educação do ser humano. Não será preciso dizer, aliás, que a escola – pelo menos como instituição educativa – é uma segunda casa para a criação de pessoas com inteligência, criatividade e valores morais e éticos.” Seria assim uma escola perfeita. Infelizmente, por diversos fatores, a escola de hoje em Portugal não o é. Mas será particularmente intrigante afirmar que a própria escola peca na concretização dos seus objetivos?

Quando criticamos a escola, criticamos, essencialmente, o sistema de ensino, nomeadamente o que impera no nosso país, atualmente. Esse sistema centra-se na automatização dos alunos, tornando-os, no fundamental, máquinas, isto é, algo que sirva as exigências dos patrões e produza muito e bem, que possa cumprir horas extraordinárias sem proferir uma palavra contra essa ordem, que se dedique, de corpo e alma, ao trabalho que exerce, sem ter vida pessoal ou tempo para dizer “Não, não pretendo fazer isto”, “Não, não posso fazer isto”. Quem sai deste sistema, na fase adulta e depois de ultrapassar as adversidades do ensino superior, sai com uma maior probabilidade de ter menos originalidade, uma inteligência formatada e direcionada para certas áreas do saber, negligenciando a importância das outras formas de conhecimento, e com ausência de valor morais e éticos (“ausência” talvez não, mas é o que poderá vir a acontecer, caso nos tornemos máquinas a sério).



Há duas situações que me impressionam bastante (no mau sentido) ao lembrar-me deste regime de instrução. A primeira é relacionada com os alunos e os testes. Neste momento, a boa nota num teste de avaliação constitui uma felicidade de dupla identidade. Por um lado, tirar 18 ou 19 valores num teste é algo bom, porque é mais um passo para o êxito – e para o que a sociedade quer, que é indivíduos com sucesso académico (sem a mínima experiência na área prática, muitas vezes). Por outro lado, a felicidade é pejorativa, no sentido em que os alunos sentem um alívio por não serem criticados, ou em casa, pelos pais, ou na escola, por algum professor ou colega de turma – torna-se uma felicidade de fuga e de “não ser o escolhido para a censura”. Assim, os estudantes são pressionados para ter um dado valor numérico numa folha de papel que, nas férias de verão, já foi esquecida. A aprendizagem revela-se, então, nula.

A segunda situação que me aflige é a sobrecarga de trabalho dos professores. Os professores são excessivamente usados para testarem os alunos. Entre grelhas de avaliação, testes e questões de aulas para se fazerem e corrigirem, reuniões, e muito mais, o prazer de dar aulas desvanece-se, na medida em que nem as aulas os professores podem dar da maneira que desejam. E tudo isto é feito com a intenção de alimentar as expectativas de algumas entidades supremas que parecem surgir acima de Deus, considerando-se importantes e merecedoras de respeito eterno. Estas entidades são o clero e a nobreza contemporâneos, que obtêm regalias e mantêm-se acima do povo (constituído por nós, estudantes, e professores), sem nada fazerem por uma causa, em algumas ocasiões. Como têm regalias, estas entidades máximas não pretendem perdê-las e, portanto, nada fazem para zelar pela justiça dos jovens que estão a desenvolver-se e que, um dia, estarão no futuro mercado de trabalho do nosso país. Não há um rei absoluto, mas existem príncipes que pensam que o são, participando num mesmo jogo hierárquico, incoerente e desequilibrado.

Estes temas são falados, debatidos, explorados e, no entanto, pouco se faz para mudar isto. Há que, após toda a conversa, agir contra o planeado e proceder de uma forma criativa. Não é preciso destruir todo o sistema: basta mudar alguns aspetos. Se as pessoas mudarem a sua forma de pensar e trabalharem em pequenas mudanças, as coisas irão melhorar. No final de contas, são as pequenas mudanças que impulsionam as grandes.

Colabora!

Este texto faz parte de uma série de textos de opinião de alunos do ensino secundário e superior sobre a sua visão do ensino e da educação.

Gostavas de publicar um texto? Colabora connosco.