Já de sempre oiço a minha mãe, que nada perdeu da sua alma estudantil, falar da importância das associações de estudantes, das comissões dos cursos e dos estudantes em geral no nascimento do sentimento de revolta pré 25 de Abril.

Fala do medo, sim, mas fala das discussões políticas (muito discretas) e das manifestações estudantis que a mim só me sugerem força e vontade de mudar.

Muitas vezes sinto falta dessa energia nos dias de hoje. Não é que não sejamos seres políticos, mas falta-nos a garra. Tenho discussões ou pequenas conversas políticas praticamente todas as semanas no bar da Faculdade, ou porque nas notícias se diz que a Europa fez mais uma das suas, ou porque o Governo é novo, ou porque o Presidente da República falou demais… E como gosto dessas conversas, aprendo sempre, aprendemos sempre, floresce Democracia nelas. Mas também não são poucas as vezes que me deparo com o “Eu não ligo nenhuma a política” ou “Eu ainda não percebi a diferença entre Esquerda e Direita” ou “Os políticos são todos iguais, não há volta a dar” e quem me conhece sabe que a irritação se apodera logo de mim.



Somos estudantes universitários, a grossa maioria detentores do Direito ao Voto, e como assim preferimos ignorar a política em vez de a compreender, criar uma posição, reagir e mudar o que tanto criticamos? Por vezes pergunto-me como é que a alma estudantil se transformou num carácter de Velho do Restelo? E a culpa não é da Praxe, que a coitada não pode ser culpabilizada por tudo o que vem nos Jornais sobre estudantes universitários!

Mais uma vez não quero de todo ser conotada com generalizações, mas acho que a política devia ser incentivada por nós para nós próprios, com intervenção ou não das associações de estudantes e comunidades nas quais estamos integrados.

E já agora depois de mil discussões políticas com os vossos colegas, nunca se esqueçam de ir votar!

Colabora!

Este texto faz parte de uma nova série de textos de opinião de alunos do ensino secundário e superior sobre a sua visão do ensino e da educação.

Gostavas de publicar um texto? Colabora connosco.