A Universidade do Porto é a única instituição portuguesa entre as 500 melhores do mundo, de acordo com o ranking de universidades da publicação britânica especializada Times Higher Education (THE), que foi divulgado nesta quarta-feira. Aquela universidade está entre o 401.º e 500.º lugar da lista. Há outras 12 instituições portuguesas representadas, mas estão todas na segunda metade da tabela.

Em relação ao ano passado, a Universidade do Porto sobe um patamar no ranking do THE. Há um ano estava no intervalo 501-600 – a partir do 200.º lugar desta lista, as universidades são apresentadas em grandes blocos, não sendo possível estabelecer qual a sua posição absoluta dentro desse intervalo. Além de ser a melhor classificada, a instituição portuense é também a única nacional que melhora a sua prestação em relação ao ano passado.

ranking do THE (um dos vários rankings de universidades publicados anualmente) deste ano tem outras novidades no que toca a Portugal, com as entradas, pela primeira vez, da Universidade Católica, Instituto Politécnico do Porto e Universidade de Trás-os-Montes e Alto Douro – todas entre o 601.º e o 800.º lugar. Novidade é também a da Universidade de Évora, que surge no último intervalo deste ranking (801-1000).



Estas quatro novas entradas, fazem aumentar para 13 as representantes nacionais na lista da publicação britânica. As restantes oito universidades mantêm as mesmas posições de há um ano. As universidades de Aveiro, Coimbra, Lisboa e Nova de Lisboa estão entre os lugares 501 e 600. As universidades do Algarve, Beira Interior, Minho e ISCTE – Instituto Universitário de Lisboa, estão no intervalo 601-800.

Desde o início da década, que a prestação das universidades portuguesas tem vindo a piorar nesta publicação. Em 2011 Portugal tinha quatro universidades (Aveiro, Porto, Coimbra e a Nova de Lisboa) entre as 400 melhores e continuou a perder representantes nos anos seguintes. Entretanto a THE aumentou a lista, que tem agora mais de 1250 universidades, o que permite que mais instituições nacionais sejam contabilizadas, mas nenhuma delas consegue atingir as prestações de há sete anos.

A nível global, a tabela continua a ser liderada por duas instituições britânicas, a Universidade de Oxford, que mantém o 1.º lugar, e a Universidade de Cambridge, que surge na posição seguinte.

O Reino Unido perdeu, no entanto, o estatuto de segundo país mais representado no ranking do THE para o Japão. Continuam, todavia, a ser os Estados Unidos o país com mais universidades elencadas, com 172 representantes. Nestas incluem-se sete das dez primeiras colocadas, entre as quais a Universidade de Stanford (3.º), o Instituto de Tecnologia do Massachusetts (4.º) e o Instituto de Tecnologia da Califórnia (5.º).

O ranking do THE vai na sua 15.ª edição e toma em consideração a opinião de empregadores sobre os diplomados e mede a percepção da qualidade de cada instituição através de entrevistas. A metodologia usada tem em conta as relações com a indústria, a internacionalização e a qualidade do ensino, atribui 60% da sua fórmula ao volume e à reputação da investigação e às citações (portanto, também a critérios científicos).