Aluno de 20 a matemática explica o segredo do sucesso

RUI MANUEL FERREIRA / GLOBAL IMAGENS

Gonçalo Madureira tem feito notícia por ter tido 20 valores na classificação interna final de matemática e 20 valores no exame nacional desta disciplina, mas a verdadeira façanha deste aluno foi ter acabado o 12.º ano com 20 valores tudo. O aluno de Pinhão, Alijó, conseguiu obter 20 valores a todas as disciplinas e segue agora para o ensino superior, onde irá ingressar no curso de medicina.

“Foi para isto que trabalhei. É a recompensa de três anos de estudo no secundário, mas o trabalho já vem de antes porque sempre procurei ter bons alicerces para agora assimilar conhecimentos mais facilmente”, explica Gonçalo Madureira, que tem apenas 18 anos, mas que há muito sabe o que quer.

Vive na aldeia do Pinhão e, desde o 10º ano, todos os dias percorria cerca de 20 quilómetros até à Escola Miguel Torga, em Sabrosa. “Sempre tive a noção de que era preciso trabalhar para conseguir aquilo que nos realiza. O estudo compensa”, garante.

Estar atento nas aulas, estudar bastante e ter em conta a tipologia das questões que saem nos exames são o segredo de Gonçalo para obter boas notas. Medicina, na Universidade do Porto, é o curso há muito escolhido. “É aquele que satisfaz as minhas necessidades, é exigente e tem muitas opções”, revela.

A investigação é a área que lhe enche as medidas até porque quer “continuar a estudar e contribuir para a produção cientifica do País”. Aos cinco anos tinha um microscópio como brinquedo preferido. “Sempre gostou muito de fazer experiências e de investigação”, lembra a mãe, Maria Jorge, que só teme que o futuro leve o filho para fora de Portugal.

Mas nem só de livros e estudo vive Gonçalo. “Não podemos deixar para segundo lugar as atividades fora do plano académico. É preciso encontrar um equilíbrio”, acredita. É um leitor ávido e apreciador incondicional de séries, sobretudo ligadas a médicos. Gonçalo não se vê como um aluno “nerd”, um “totó”, e valoriza muito as relações com os amigos e a família.

Mesmo em época de exames, acompanhava a mãe nas caminhadas ao fim do dia. “Vou sentir muita falta dele quando for para a universidade porque é muito companheiro”, lamenta Maria Jorge, que não se mostra surpreendida com estes resultados.

 Olhando para a pauta com todas as notas que este aluno teve no ensino secundário, que se pode consultar em cima da página de Facebook da escola, há apenas uma nota a destoar: um 17 a educação física. Mas esta nota não conta para a média final de secundário. Só contaria se o aluno quisesse seguir um curso na área do desporto.

“É um orgulho muito grande mas já esperava porque ele sempre teve boas notas”, revelou. Por ser professora e dar aulas longe de casa, passava a maior parte do dia fora. No início, não consegui acompanhá-lo como queria, mas ele sempre foi muito independente”, conta.

O pai, Paulo Madureira, garante que Gonçalo é um jovem como os outros, com uma exceção: “quando queremos castigá-lo, não o deixamos estudar”. Gonçalo garante que qualquer um pode ter boas notas. “Com esforço, tudo se consegue”, remata.