(adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({});

SARIA (Synthetic-Aperture Radar using an Inflatable Antenna) é o nome da equipa de estudantes que representam a FEUP no 13º ciclo do programa REXUS/BEXUS, patrocinado por várias agências aeroespaciais europeias. A experiência está agendada para voar até à estratosfera em outubro de 2020, numa gôndola, elevada por um balão cheio com hélio.

O programa REXUS/BEXUS é o resultado de uma colaboração entre o Centro Aeroespacial Alemão (DLR) e a Agência Espacial Nacional Sueca (SNSA), com o apoio da Agência Espacial Europeia (ESA), que permite a alunos do ensino superior realizar experiências científicas e tecnológicas num balão – BEXUS, ou num rocket – REXUS. Em cada ciclo do programa dois balões e dois rockets são lançados, transportando as experiências desenvolvidas pelas várias equipas.



O objetivo da experiência é obter uma imagem a duas dimensões do terreno sob o percurso realizado pelo balão, executando radar de abertura sintética através de uma antena insuflável, a ser desenvolvida pela equipa. Este tipo de antena tem diversas possíveis aplicações, devido à sua portabilidade e baixo peso. Em caso de sucesso, a experiência define um novo uso tecnológico relevante, pois apresenta uma solução capaz de reduzir o tamanho das antenas usadas para obter imagens a partir de satélite, representando assim uma solução de alta relevância tecnológica.

A equipa é constituída por André Aragão, Bernardo Moreira, Gonçalo Santos, Gonçalo Xavier, Mafalda Santos, Margarida Marques, Nuno Barros, Nuno Schumacher e Tiago Martins – nove alunos de Mestrado Integrado de Engenharia Eletrotécnica (MIEEC) e de Engenharia Mecânica (MIEM) da FEUP e é supervisionada e apoiada pelo professor auxiliar Sérgio Cunha, e por Zaida Silva.

“É muito motivador vermos aplicado tudo o que temos vindo a aprender ao longo do nosso percurso na FEUP. Realizar um projeto desta escala, tendo ele de estar ao nível de qualidade de projetos espaciais europeus, não é tarefa fácil, mas pensamos estar mais que aptos para o fazer. Para além de ganharmos imensa experiência na área, é também uma oportunidade para ‘crescermos’ pessoalmente, tendo em conta que vamos ter de lidar não só com a nossa própria equipa, mas também com outras equipas de toda a Europa e experts das diferentes áreas”, comenta Gonçalo Santos, líder da equipa.

A equipa já se encontra a meio do ciclo atual do programa, tendo quatro membros regressado recentemente da Student Training Week – uma semana de palestras e formações orientadas por especialistas das várias agências involvidas – que decorreu no ESRANGE Space Center, em Kiruna, Suécia, nos passados dias 10 a 15 de Fevereiro, onde puderam contactar diretamente com os especialistas presentes, tirando dúvidas e recebendo conselhos. Esta semana foi também palco de um momento de avaliação do programa, designado por Preliminary Design Review, onde o design da experiência foi avaliado por um comitê de profissionais da área.

“Todo o programa tem sido imensamente enriquecedor, é uma oportunidade incrível acompanhar as diversas etapas pelas quais um projeto desta magnitude atravessa. Tivemos a oportunidade de visitar as maiores bases de operações espaciais da Europa e conhecer imensos peritos das várias organizações envolvidas no REXUS/BEXUS que nos puderam aconselhar. A Training Week em especial foi uma experiência incrível, conseguimos conhecer melhor os membros das restantes equipas que nos acompanham no projeto e visitar um centro de pesquisa tão grande como o ESRANGE Space Center é algo inesquecível”, comenta Gonçalo Xavier, membro da equipa.

À medida que a próxima etapa de avaliação do estado do projeto se aproxima, designada por Critical Design Review, que terá lugar no European Space Research and Technology Centre, na Holanda, a equipa encontra-se a implementar o feedback recebido e a finalizar o design da experiência.

A próxima etapa é designada por Critical Design Review, que terá lugar em maio no European Space Research and Technology Centre, na Holanda. Segue-se a Integration Progress Review, em julho, e a Experiment Acceptance Review, em setembro, ambas a realizar-se na FEUP, com deslocação de experts às instalações. Finalmente, toda a experiência é instalada na gôndola para uma missão de cerca de 5 horas, com lançamento a partir de Kiruna, em outubro.