(adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({});

Se sonhas ou desejas estudar no estrangeiro, não precisas necessariamente de roubar um banco ou fica endivido. Na verdade, existem inúmeras cidades no exterior, onde podes estudar e o custo da tua matrícula e o custo de vida são mais baratos em comparação com várias cidades do nosso país. 

Neste artigo, vamos fazer a contagem regressiva revelando as cidades mais acessíveis do mundo para estudantes em 2019, com base no indicador de acessibilidade do ranking QS Best Student Cities. Cada uma destas cidades contém pelo menos duas universidades de renome mundial, destacadas no QS World University Rankings® 2020.

A única cidade portuguesa que marca presença é Lisboa, colocada na posição 52 das melhores cidades para estudantes. Já se ordenarmos no critério da acessibilidade aparece no lugar 53, descendo 24 lugares relativamente ao ano anterior, quando se encontrava na posição 29.



O indicador de acessibilidade leva em consideração as propinas médias nas universidades classificadas, bem como o custo de vida da cidade. Ele também considera o Índice Big Mac e o Índice iPad – fornecendo mais informações sobre o custo de vida em cada cidade.

 

10º Hsinchu, Taiwan

National Tsing Hua University

Descendo da quinta posição que ocupou no ano passado para a décima no indicador de acessibilidade, ocupa no ranking geral a posição 68. Esta cidade no norte de Taiwan tem propinas baixas, em média à volta de 2.600€ por ano em ambas as instituições classificadas internacionalmente, e podes esperar um custo de vida mais baixo que em Taipei. A instituição mais reputada da cidade, a National Tsing Hua University, estima que o alojamento para estudantes não ultrapasse TW US $ 26.640 (750€) por ano.

 

9º Joanesburgo, África do Sul

Universidade de Witwatersrand, uma das principais universidades em África

Classificada em 9º lugar em termos de acessibilidade, a ensolarada cidade sul-africana de Johannesburgo também está classificada em 78º lugar no índice das melhores cidades para estudantes. As propinas médias para estudantes internacionais de ambas as universidades classificadas custam cerca de 2.000€ para alunos de licenciatura. E de acordo com o site Numbeo, uma única pessoa residente em Joanesburgo pode esperar ter uma média de 514.10€ (excluindo a renda) de despesas, e uma renda de entre 333€ a 833€ por um apartamento de um quarto.

 

8º Manila, Filipinas

De La Salle University

A seguinte da lista das cidades mais acessíveis para os estudantes em 2019 é Manila, capital das Filipinas, que ocupa o oitavo lugar para acessibilidade e 85º no ranking global. Os custos mensais para uma única pessoa nesta cidade metropolitana, sem renda, devem ficar à volta de 509€. Quanto às rendas para um apartamento de um quarto, a Numbeo estima que pagarias entre 269€ e os 718€. As propinas médias para estudantes internacionais nas quatro universidades classificadas de Manila também são baixas, à volta de 2.200€ por ano.



 

=4º Novosibirsk, Rússia

Novosibirsk State University

Uma das duas cidades russas que figura nesta lista, ocupando o 92º lugar no melhor índice de cidades estudantis e empatada em quarto no indicador de acessibilidade com outras três cidades. Às várias atracções turísticas que esta cidade siberiana tem para oferecer, junta-se um custo de vida barato (424.05€ por pessoa, excluindo renda). Com custos mensais da renda de um apartamento com um quarto que variam entre 196,60€ e 300€, o custo total de vida de Novosibirsk é 43% mais barato do que em Lisboa, conforme indicado pela Numbeo.

A cidade de Novosibirsk oferece duas universidades classificadas internacionalmente, com umas propinas médias a rondar os 2.500€ anuais.

 

=4º Bangalore, Índia

Indian Institute of Science

Uma das novas entradas nesta lista, empatada em quarto lugar no critério acessibilidade, está na posição 81.º nas melhores cidades para estudantes deste ano. Bangalore (oficialmente conhecida como Bengaluru) é a capital do estado de Karnataka, no sul da Índia, e é uma das cidades mais modernas e progressivas do país. As propinas custam menos de 100 euros por ano e, de acordo com a Numbeo, pode-se esperar que o custo de vida mensal seja de 308.55€ (sem renda).

 

=4º Tomsk, Rússia

Tomsk State University

A cidade nevosa siberiana de Tomsk subiu para a 73ª posição nas melhores cidades estudantis deste ano, e mantém o quarto lugar na acessibilidade do ano anterior. De acordo com o Numbeo, os custos de vida são confortavelmente baratos, variando entre 213€ e 285€ por mês para apartamentos com um quarto. Quanto às propinas, podes esperar pagar uma média de 2.500€ anualmente nas universidades classificadas internacionalmente.

 

=4º São Petersburgo, Rússia

Saint-Petersburg State University

Uma cidade bonita e culturalmente enriquecida, São Petersburgo é famosa pelos seus locais e edifícios históricos. Também possui algumas das universidades mais bem classificadas do país, incluindo a Saint-Petersburg State University.

A cidade ocupa o quarto lugar em termos de acessibilidade na tabela das melhores cidades estudantis e o 66º lugar geral. De acordo com a Numbeo, pode-se esperar que o custo de vida mensal seja de 485.62€ (sem renda), o que a torna 30% mais barata que Lisboa. As propinas são em média 2.500€ em ambas as instituições classificadas internacionalmente.



 

3º Breslávia, Polónia

Wrocław University of Science and Technology

Esta cidade da Polónia é uma nova participante no ranking QS Best Student Cities este ano, alcançando a posição geral de 108º lugar. Os interessados em estudar em Wroclaw terão prazer em saber que a cidade ocupa a terceira posição no mundo em termos de acessibilidade. As propinas na Polónia são gratuitas para os cidadãos poloneses, mas os estudantes internacionais ainda podem se beneficiar dessa política se estudarem um curso ministrado no idioma polonês e fizerem os mesmos exames que os estudantes poloneses. Segundo a Numbeo, pode-se esperar que o custo de vida mensal seja de 482.05€ (sem renda).

 

2º Kuala Lumpur, Malásia

Universiti Malaya

Tendo já ocupado o topo da categoria de acessibilidade por dois anos consecutivos, volta a ficar novamente em segundo lugar. A capital da Malásia continua na rota ascendente no ranking geral, subindo oito posições para o 29º lugar no índice geral de melhores cidades estudantis.

Combinando propinas razoavelmente baixas bem como o custo de vida, Kuala Lumpur é um hotspot ideal para estudantes que procuram estudar com orçamento limitado. Em média, as propinas custam pouco mais de 2.000€ nas quatro universidades classificadas internacionalmente, e o custo de vida mensal para uma pessoa é de 444.59€, segundo a Numbeo.

 

1º Budapeste, Hungria

Biblioteca da Eotvos Lorand University

Primeira classificada em termos de acessibilidade este ano, e 43º no ranking de melhores cidades estudantis, a capital da Hungria mantém a liderança na categoria de acessibilidade que conquistou no ano anterior.

Budapeste é um destino turístico com muito para ver e fazer, e os custos de vida são muito razoáveis, com a Universidade Central Europeia estimando que os estudantes precisem de cerca de 7.500€ por ano, com 2.600€ para o alojamento.

A cidade tem 35 instituições de ensino superior, três das quais figuram os rankings internacionais. Podes estudar numa licenciatura como estudante internacional por cerca de 1.300€ por ano.