A candidatura ao ensino superior é um passo importante para ti, toma nota do que deves ter em atenção.

Este artigo foi republicado com as datas e informações para o concurso de acesso 2017/2018.

Decorre até dia 8 de agosto apresentação de candidaturas à 1ª fase do Concurso Nacional de Acesso ao Ensino Superior. Podes consultar todo o calendário aqui.

Depois de vários anos de estudos, chegou o momento de decidir o que queres fazer com o teu futuro, o que não é uma escolha fácil.

Para minimizar todos os erros que possas fazer neste processo, elaboramos esta lista de considerações e dicas a que deverás ter atenção nas tuas escolhas e no preenchimento da tua candidatura. Mesmo que já a tenhas feito, nunca é demais prevenir.



 

1) Senha para a Candidatura Online

Para fazeres a candidatura online tens de começar pelo Pedido da Senha para aceder à mesma. Este pedido é feito no portal da Direção Geral do Ensino Superior (DGES) (clica aqui!), onde preenches um pequeno formulário. Receberás depois no e-mail que indicaste um documento que deverás imprimir e certificar na tua escola secundária ou em qualquer Gabinete de Acesso ao Ensino Superior (GAES) (lista de GAES aqui!). Finalmente, receberás outro e-mail com a senha que utilizarás para o acesso à plataforma online de candidatura ao Concurso Nacional de Acesso.

 

2) Escolha dos Cursos

Esta é a decisão mais importante, a que cursos te vais candidatar? Quais serão as 6 opções que irás preencher na tua candidatura? Sugerimos que consultes o Guia da Candidatura 2017 para o Ensino Público e para o Ensino Privado, e também o Índice de Cursos da DGES. Aqui encontras toda a lista de cursos do ensino superior público, privado e concordatário.

  • Dica 1: experimenta usar o Assistente de Escolha de Curso que te permite fazer uma pesquisa avançada de todos os cursos com base numa área de estudos, no tipo de ensino, na localização e nas provas de ingresso que tiveres realizado.
  • Dica 2: passa pelo nosso Fórum e troca informações sobre os vários cursos superiores com os alunos que os frequentam.

 

3) Provas de Ingresso

Ao teres escolhido os pares curso/universidade para as tuas 6 opções, e teres consultado os Guias da Candidatura 2017já terás considerado as Provas de Ingresso pedidas para os mesmos. Estas provas de ingresso, que pesam na tua nota de candidatura entre 35% e 50%, são satisfeitas através dos exames nacionais respetivos (tabela completa aqui!). Tens de ter em atenção que a nota mínima exigida para poderes usar um exame como prova de ingresso são 9,5 valores, havendo no entanto cursos que põe este patamar um pouco acima. Um exemplo é o curso de Medicina, na Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, onde o mínimo pedido para as provas de ingresso é 14,0 valores. Este mínimo pedido tem de ser cumprido em todos os exames que sejam pedidos, mesmo quando num conjunto de 2 ou 3 provas de ingresso.

  • Dica 1: se não sabes em que fase de candidatura podes usar os exames que realizaste na primeira e segunda fases de exames, quer como prova de ingresso, que para o cálculo das classificações finais da disciplina, lê este artigo.
  • Dica 2: se és do ensino profissional, do ensino artístico especializado ou de um curso vocacional, és obrigado a realizar dois exames nacionais para efeitos de acesso ao ensino superior, sendo um deles obrigatoriamente o de português. Tens neste artigo tudo explicado.



 

4) Média do Secundário e Nota de Candidatura

Para a candidatura terás de pedir na tua escola secundária a tua ficha ENES, onde constarão todas as tuas notas necessárias para o acesso ao ensino superior. A tua média do secundário é calculada de forma diferente conforme o curso do secundário e para acesso ao ensino superior. Para saberes mais sobre o cálculo da classificação final  clica no teu curso:

Cursos Científico-Humanísticos

A classificação final destes cursos é a média aritmética simples, arredondada às unidades, da classificação final obtida em todas as disciplinas do plano de estudos do respetivo curso, com exceção da disciplina de Educação Moral e Religiosa e, para os alunos que concluem a partir do ano letivo de 2014/2015, da disciplina de Educação Física.

Cursos do Ensino Artístico Especializado

A classificação final de um curso artístico do ensino artístico especializado é o resultado da aplicação da seguinte fórmula: CFC = (8MCD + 2PAA)/10 em que:

  • CFC — classificação final de curso (com arredondamento às unidades);
  • MCD — média aritmética simples, com arredondamento às unidades, da classificação final obtida pelo aluno em todas as disciplinas, com exceção da disciplina de Educação Moral e Religiosa e, para os alunos que concluem a partir do ano letivo 2014/2015, da disciplina de Educação Física.
  • PAA — classificação obtida na prova de aptidão artística.

No curso secundário de dança, MCD inclui ainda a classificação da formação em contexto de trabalho.

Cursos Científico-Humanísticos do Ensino Secundário Recorrente

A classificação final dos cursos científico-humanísticos do ensino recorrente é o resultado da média aritmética simples, com arredondamento às unidades, da classificação final obtida pelo aluno em todas as disciplinas do respetivo curso.

Cursos Profissionais

A classificação final de curso é o resultado da aplicação da seguinte fórmula: CF =[2MCD + (0,3FCT + 0,7PAP)]/3 em que:

  • CF = classificação final do curso, arredondada às unidades
  • MCD = média aritmética simples das classificações finais de todas as disciplinas que integram o plano de estudos do curso, arredondada às décimas, com exceção da disciplina de Educação Física para os alunos que concluem a partir do ano letivo 2014/2015;
  • FCT = classificação da formação em contexto de trabalho, arredondada às unidades;
  • PAP = classificação da prova de aptidão profissional, arredondada às unidades.
Cursos Vocacionais

A classificação final de curso é o resultado da aplicação da seguinte fórmula: CF =[MCFD + MUFCD + EF)/3 em que:

  • CF = classificação final do curso, arredondada às unidades
  • MCFD = média aritmética simples das classificações finais de todas as disciplinas que integram o plano de estudos do curso, arredondada às décimas, com exceção da disciplina de Educação Física para os alunos que concluem a partir do ano letivo 2014/2015;
  • MUFCD = média aritmética simples das classificações finais de todas as UFCD que integram o plano de estudos do curso, arredondada às décimas;
  • EF = Classificação do estágio formativo, arredondada às unidades.
Cursos Tecnológicos

A classificação final de curso é o resultado da aplicação da seguinte fórmula: CFC = (9MCD + 1 PAT)/10 em que:

  • CF = classificação final do curso, arredondada às unidades
  • MCD = média aritmética simples, com arredondamento às unidades, da classificação final obtida pelo aluno em todas as disciplinas, projeto tecnológico e estágio do respetivo curso, com exceção da disciplina de Educação Moral e Religiosa e, para os alunos que concluem a partir do ano letivo de 2014/2015, da disciplina de Educação Física;
  • PAT = classificação obtida na prova de aptidão tecnológica.

Mas tens de considerar ainda que para efeitos de acesso ao ensino superior, a classificação final dos atuais cursos de nível secundário (regulamentados pelo Decreto-Lei n.º 139/2012, 5 de julho) cursos científico-humanísticos, incluindo os do ensino recorrente, cursos profissionais, cursos vocacionais, do ensino artístico especializado e tecnológicos, é calculada até às décimas, sem arredondamento, convertida para a escala de 0 a 200 e, quando aplicável, para os alunos que terminam o ensino secundário a partir do ano letivo de 2014/2015, só incluirá a classificação da disciplina de Educação Física se aqueles pretenderem prosseguir estudos nessa área. Podes ver aqui a lista completa dos 42 cursos em que Educação Física conta.

Após teres a nota dos exames, e a tua média do curso do ensino secundário, basta consultares nos Guias da Candidatura 2017 qual o peso das provas de ingresso e da média do secundário de cada um dos cursos para obteres a tua nota de candidatura. Tal como nas Provas de Ingresso, tens de ter em atenção que algumas universidades exigem para determinados cursos uma nota mínima de candidatura. Pegando no exemplo anterior, do curso de Medicina na Faculdade de Medicina da Universidade de Lisboa, o mínimo de nota de candidatura são 16,0 valores.

 

5) Pré-requisitos

Alguns cursos pedem Pré-Requistos que poderás ter já realizado ou não conforme o tipo em causa. Caso se trate dos mais comuns, o A ou B, deves tratar da documentação pedida e entrega-la apenas no ato da matrícula após ficares colocado. No caso dos restantes, deverás contactar a instituição onde os realizaste para teres acesso à tua Ficha Pré-requisitos que será pedida na candidatura online.

 

6) Contingentes Especiais

Caso estejas a concorrer ao ensino superior através de um Contingente que não seja o Contingente Geral, deverás prestar atenção às regras associadas a cada um deles e à respetiva documentação que precisas de entregar:



 

7) Candidatura ao Ensino Privado e Concursos Locais

O Concurso Nacional de Acesso que é feito online no portal da DGES é apenas para o ensino superior público, bem como o calendário que disponibilizamos aqui. Caso pretendas submeter uma candidatura ao ensino superior privado ou concordatário deves contactar a instituição em causa para obter os prazos e as condições de candidatura destes Concursos Institucionais.

O mesmo se passa com os Concursos Locais, de que são exemplo alguns cursos artísticos e ligados a academias militares.

 

8) Bolsa de Estudo

No fim da candidatura online surgirá a pergunta sobre a tua vontade de ter bolsa da Ação Social. Caso a tua resposta seja positiva, receberás depois os dados de acesso à plataforma da bolsa que é separada da plataforma onde efetuaste a candidatura. Quando tiveres acesso à esta, deves seguir todos os passos e submeter toda a documentação pedida que será depois encaminhada às instituições de ensino superior em que ficares colocado. Alternativamente, poderás submeter a candidatura até dia 30 de setembro ou nos 20 dias úteis subsequentes à inscrição, caso só te inscrevas no ensino superior após 30 de setembro.

 

9) Preferência Regional e Preferência Habilitacional

Quanto consultares os Guias da Candidatura 2017 verificarás que algumas opções possuem Preferência Regional ou Preferência Habilitacional. Estas vagas preferências para determinados candidatos só podem ser acedidas caso a tua ficha ENES venha com o respetivo código, que deverás pedir para constar quando a pedires na tua escola. Também tens de ter em atenção que as opções de candidatura com preferência regional deverão ser as tuas primeiras na lista sem qualquer interrupção, porque caso contrário deixas de ter esta vantagem.

 

10) Dicas finais

  • Dica 1: tu só ficas colocado numa das tuas opções, não podendo escolher depois de saírem os resultados onde queres ficar. Daí a importância da ordem das tuas escolhas.
  • Dica 2: não há qualquer vantagem entre tu colocares uma das tuas opções nos primeiros lugares e outro aluno a colocar nas últimas. O que interessa na ordenação dos candidatos é mesmo a nota de candidatura, e quem a tiver mais alta passará sempre à frente.
  • Dica 3: se te enganares ou mudares de ideias podes submeter quantas candidaturas quiseres até ao fim do prazo. Contará sempre a última candidatura que submeteres.
  • Dica 4: podes acompanhar a evolução diária das candidaturas apresentadas no site da DGES aqui.

Boa candidatura e boas escolhas!