(adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({});

Já se conhecem os resultados da 1.ª fase do concurso nacional de acesso e, à semelhança do ano transato, voltamos a analisar quais as áreas mais procuradas!

Excluindo os desconhecidos e não especificados, a área Serviços de Transporte continua a ser a mais preenchida, não deixando uma única vaga livre.

Muito perto desta, está Informação e Jornalismo, com 99,5% de preenchimento, um rácio superior àquele verificado em 2015. Além destes números, nesta área verifica-se, ainda, o maior rácio candidatos em 1.ª opção/vagas: com 1473 candidatos em 1.ª opção para 878 vagas, houve 1,7 candidatos em 1.ª opção para cada vaga – quase 2 candidatos para cada vaga, o que é verdadeiramente impressionante.

Logo de seguida, muito próximas uma da outra, encontramos Ciências Sociais e do Comportamento e Direito, com um preenchimento de 97,5% e 97,3%, respetivamente. Apesar de ter preenchido menos vagas, Direito tinha mais candidatos em 1.ª opção para cada vaga (1,6) do que Ciências Sociais e do Comportamento (1,3).

Ao contrário do ano passado, a seguir a Direito não encontramos Saúde, mas sim Matemática e Estatística (95,6%) e Humanidades (94,9%), o que se deveu não só a uma diminuição no preenchimento da área de Saúde, mas também a uma subida nestas duas áreas.

A área de Saúde, que ocupava o sexto lugar em 2015, encontra-se agora na oitava posição, com um preenchimento menor (93,8%), mas também menos candidatos em 1.º opção (1,1 para cada vaga, em 2016, uma diminuição relativamente aos 1,2 candidatos para cada vaga em 2015).

A lista de áreas com um preenchimento superior a 90% inclui ainda Ciências da Vida (91,4%).

Mais abaixo na tabela, encontram-se as áreas de Ciências Empresariais (11.º) e Artes (12.º), com um preenchimento de 85,6 e 83,7, respetivamente.

Engenharia e Técnicas Afins subiu na tabela relativamente ao ano passado, ocupando agora a 15.ª posição, com um preenchimento de 78,5%, mais 4,4% do que em 2015. Informática é a área que se segue na tabela, este ano com um preenchimento de 75,6%.

Arquitetura e Construção surge no 18.º lugar, subindo em relação ao ano passado, ao preencher 60,9% das vagas. No entanto, sobraram ainda 772 vagas nesta área.

No fim da tabela, mantém-se a área de Agricultura, Silvicultura e Pescas, este ano com um preenchimento de 31,9%, o que representa uma descida relativamente a 2015. Assim, cada vez há menos estudantes interessados nesta área, que teve também menos candidatos em 1.ª opção: 0,26 para cada vaga, uma diminuição relativamente ao ano transato (0,28 candidatos para cada vaga).

A área com mais vagas disponíveis continuou a ser a área de Engenharias e Técnicas Afins, tendo sido também esta a área com mais alunos colocados (7148 num total de 9108 vagas). Esta foi também a área com mais candidatos em 1.ª opção, com 8434 candidatos em 1.ª opção, destronando a Saúde, que teve apenas 7494 candidatos em 1.ª opção (menos do que no ano passado, em que tivera 7968 candidatos em 1.ª opção).

As vagas sobrantes serão reservadas para a 2.ª fase do concurso nacional de acesso ao ensino superior, juntamente com as vagas que se venham a libertar em virtude de alguns dos colocados não se matricularem nas instituições e cursos em que ficaram colocados.