(adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({});

Olá Praxe,

Queria desde já pedir desculpa por todos aqueles que te julgam sem nunca te terem conhecido. Desculpa por todas as tragédias que dizem vir assinadas por ti e por todos aqueles que sofreram contigo mas na verdade sofreram às mãos de quem usava o teu nome para praticar o mal. Desculpa por quem não honra o negro que tu lhes concedestes.

Devo-te muito sabes? Por ti cresci e evolui. Aos 18 anos era uma miúda assustada, sozinha numa cidade que me era vagamente conhecida, e do nada conheço-te. És daquelas coisa que primeiro estranha-se e depois entranha-se. De início não éramos lá muito amigas…



Para mim a primeira semana foi a pior, mandaste-me estar de olhos sempre no chão, a gritar em plenos pulmões e a acatar ordens de desconhecidos que vestiam o negro. Quem eras tu para me mandares fazer tal coisa? Mal sabia eu que sérias uma parte fulcral da minha vida académica. O nosso primeiro ano de amizade não foi fácil, teve muitos altos e baixos, aqueles que já te conheciam diziam-me para não desistir, que tu valias a pena. E a verdade é que vales sabes? Foi em ti que pude descarregar as minhas frustrações, foi contigo que me apercebi que precisava do outro tanto quanto ele precisava de mim, que tinha pessoas para orgulhar mas acima de tudo, tinha que me orgulhar sempre a mim, que tenho sempre o poder de escolha. Deste me 3 princípios que levo para a vida: união, humildade e inteligência.

Hoje, já não sou caloira, já visto o negro, e apresento-te àqueles que não te conhecem, e o mais gratificante? Semana após semana ver que cada vez te adoram mais.

O nosso segundo ano de amizade ainda vai a meio, mas temos mais 2 anos e meio desta vida negra, e eu só quero que o tempo abrande porque eu sei que no fim aquilo que mais me vai fazer falta é a capa negra da saudade.

Espero que continues a fazer novos amigos nos próximos anos, que não caias no esquecimento, porque quando és dada a conhecer àqueles que não te conheciam, és das melhores coisas da vida. Mas cuidado nem todos serão teus amigos, terás aqueles que usarão o teu nome para praticar o bem, para integrar, para ajudar os caloiros a crescer e terás aqueles que o mal praticarão, para humilhar e rebaixar e o teu nome vão usar como desculpa para justificar os seus atos cobardes. Cuidado praxe, nem toda a gente se aproxima de ti com boas atenções.

Obrigada querida amiga, levo quem sabe para a vida amigos e sem dúvida nenhuma ensinamentos e saudade, muita saudade dos tempos em que era caloira e lutava pela nossa amizade.

Da tua Eterna Caloira. 

Colabora!

Este texto faz parte de uma série de textos de opinião de alunos do ensino secundário e superior sobre a sua visão do ensino e da educação.

Gostavas de publicar um texto? Colabora connosco.