Com menos perguntas opcionais, ter notas altas nos exames será mais difícil. Vê a comparação para cada exame

Foto de carballo / Depositphotos.com

Apesar de manterem o mesmo modelo do ano passado, os exames do ensino secundário que servem de acesso ao ensino superior vão ter um mecanismo que travarão as notas “demasiado elevadas” que existiram em 2020. Como já tínhamos noticiado os exames vão continuar a ter um grupo de questões opcionais em que só contam as melhores respostas, porém vão aumentar as respostas obrigatórias de forma a não permitir que os alunos fujam a todos os temas que não dominam.

A diferença para 2020 vai ser notória, já que em alguns casos vai ser preciso responder até três vezes mais perguntas obrigatórias do que há um ano, uma decisão que, segundo o presidente do Instituto de Avaliação Educativo (IAVE), serve para  evitar o “excessivo enviesamento” que existiu nas notas no primeiro ano de pandemia, em que o modelo dos exames foi alterado. Contudo, em declarações ao Público, deixa claro que não se trata de serem exames mais difíceis, tendo em conta que estão “totalmente dentro dos padrões habituais”.

Há portanto mais perguntas obrigatórias e também um aumento proporcional das mesmas na nota final do exame. Inversamente, desce o número de perguntas opcionais, que foram introduzidas para que houvesse uma fuga dos temas que os alunos menos dominavam devido à pandemia da Covid-19 e falta de aulas presenciais.

Segundo o presidente do IAVE, este modelo permite “aumentar a representatividade do currículo”, tendo em conta que no ano passado havia a possibilidade de não se tocar em algumas questões que os responsáveis consideram “fundamentais”.

Fizemos uma comparação exame a exame, que podes ver em detalhe na tabela em baixo e, enquanto que no ano passado as perguntas obrigatórias eram uma minoria no total do exame, representando em média 35% dos 200 pontos do exame, este ano as perguntas obrigatórias dominam em todos os exames, representando em média 71% dos 200 pontos do exame.

Se formos ao detalhe, entre os exames que perdem mais perguntas opcionais, estão os exames de Geografia A, o de Filosofia e o de Física e Química A, curiosamente três dos exames entre os que as notas mais subiram no ano lectivo passado, como podes ver na análise que realizamos aqui. O único exame que mantém uma estrutura o mais similar ao ano anterior, como mesmo número de perguntas obrigatórias e opcionais, é o de Desenho A, que no ano anterior não teve uma subida significativa. Outro exame que mantém o número de perguntas opcionais é o de Geometria Descritiva, um dos poucos exames em que no ano passado as notas desceram relativamente ao ano anterior de 2019.

Podes fazer uma comparação direta entre os exames deste ano com os do ano anterior na seguinte tabela. Nas primeiras primeiras 2 colunas encontras o número de perguntas obrigatórias e opcionais, sendo o número mostrado as que efetivamente tinhas e tens de responder; nas seguintes duas o total de pontos que as respetivas perguntas somam: nas duas subsequentes o peso percentual de cada tipo de perguntas; e, na coluna final, a diferença percentual de perguntas opcionais entre o exame de 2020 e o exame de 2021. Podes consultar as informações-prova de cada exame aqui.