(adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({});

Estamos neste momento a experienciar algo que só acontece de 100 em 100 anos: uma pandemia mundial. É estranho imaginar que as gerações futuras vão ler sobre o COVID-19 apenas nos livros de História ou na Wikipédia, tal como nós lemos sobre a peste negra e a gripe espanhola.

Estudar numa altura destas é provavelmente a última coisa que te apetece fazer no entanto é crucial, agora mais que nunca, te manteres ocupado. Como tal, aproveita para te focares mais nos estudos agora que não podes (ou pelo menos não deves) sair de casa.

Provavelmente até estavas muitas vezes com os teus colegas e amigos para estudarem juntos porque sentes que em casa não te concentras tão bem. Infelizmente, agora é algo evitável, e por esse motivo vou partilhar contigo algumas ideias para te conseguires focar melhor nas tuas tarefas académicas.

Tarefas diferentes, locais diferentes

O teu local de estudo deve ser a divisão da casa com o mínimo de distrações possível.

Preferencialmente, deves trabalhar numa mesa ou secretária visto que um sofá ou uma cama são interpretados pelo nosso cérebro como um lugar de relaxamento. Isto leva-me ou meu segundo ponto: quando estiveres em pausa, não a faças no mesmo sítio onde estudas. Mesmo que seja na mesma divisão, tenta que não seja exatamente no mesmo local. Aos poucos, o teu corpo vai perceber que quando estás sentado na tua secretária é hora do tico e do teco trabalharem, e quando estás sentado no sofá eles podem relaxar.

Músicas sem letra

Muitas pessoas dizem “eu só me concentro a ouvir música!” e depois olhas para elas e estão a cantar em vez de trabalhar. Com isto não quero dizer que não devas ouvir música, apenas tens de escolher a indicada. Para te conseguires concentrar, recomendo sempre melodias sem letra para não cederes à tentação de dares um concerto em playback cada vez que ouves o refrão. Lo-fi hip-hop e música clássica são alguns exemplos que funcionam para mim e que te recomendo a experimentares.

Listas e agendas

Com o final do semestre, aproximam-se os exames, testes e apresentações de trabalhos de grupo e é perfeitamente normal sentires mais stress e com a sensação que não tens tempo para conseguir fazer tudo.

Algo que me acontecia com frequência era passar mais tempo a pensar em todas as tarefas que tinha para realizar em vez de as fazer! Para colmatar esta ansiedade, comecei a planear as minhas semanas numa agenda física e virtual. Tentei sempre manter o meu horário o mais realista possível, ou seja, não preenchi cada dia com 2 ou 3 horas de estudo das minhas 5 cadeiras porque sei que não é algo alcançável para mim. Deves programar os teus dias com uma carga de trabalho razoável, caso contrário vais sentir-te mal contigo mesmo por não teres conseguido cumprir tudo o que escreveste.

Adicionalmente, deves sempre guardar uma parte do dia como “tempo livre” para poderes fazer aquilo que mais gostas e recarregares as tuas energias. Sugiro inclusivamente que aproveites esse tempo de pausa para um passeio higiénico ou com o teu animal de estimação (sempre perto da tua área de residência claro!), para apanhares ar fresco nessa moleirinha.

Várias formas de aprender

O teu estudo deve ser focado maioritariamente na leitura do material fornecido pelo professor(a) da cadeira e na realização de exercícios práticos depois de cada parte da matéria.

Contudo, se não gostas muito de ler, existem sites que te permitem ouvir, através de uma voz de Inteligência Artificial e não a voz robótica dos tradutores, toda a matéria lecionada no teu semestre. Se és uma pessoa visual, tenta procurar vídeos no YouTube sobre a matéria em questão. Mas neste caso, cuidado para não te fugir o rato para o novo vídeo que o teu youtuber preferido publicou!

Esperemos que esta pandemia passe rápido para poderes voltar a ter aulas presencias na tua faculdade/escola mas até lá, espero que ponhas em prática o que leste aqui e que o resto do semestre te corra bem!

Colabora!

Este texto faz parte de uma série de textos de opinião de alunos do ensino secundário e superior sobre a sua visão do ensino e da educação.

Gostavas de publicar um texto? Colabora connosco.