O concurso de medicina para licenciados é mais uma via de acesso ao curso de medicina, para além do contingente geral. É um concurso interno, cujo regulamento é criado por cada faculdade, e existe em todas as instituições com curso de medicina em Portugal exceto nas ilhas, e destina-se a titulares de uma Licenciatura pré ou pós Bolonha, mas também titulares de Mestrado Integrado, Mestrado ou Doutoramento. Ainda que os concursos se processem de forma diferente de instituição para instituição, é possível encontrar pontos comuns entre eles, o que poderá ajudar na altura de concorrer.

De modo geral, a forma como estes concursos se processam é bastante semelhante, independentemente da instituição em causa. Podes contar com uma fase de candidaturas, uma fase de apreciação das mesmas, que resulta na seriação dos candidatos admitidos a concurso, uma (ou mais) eventual fase de exames/testes que podem ser científicos ou cognitivos, mais uma fase de seriação, e finalmente o tão esperado resultado. Parece muito complicado, mas não é!



Relativamente a documentos a entregar, tens sempre de ler com atenção o regulamento da instituição pretendida, mas é de esperar a entrega dos originais ou fotocópias (autenticadas ou não) dos seguintes documentos:

  • Documento de identificação
  • Certidão de conclusão de licenciatura, mestrado integrado, mestrado, doutoramento
  • Ficha ENES ou Historial de Candidatura
  • Curriculum vitae
  • Comprovativos de eventual experiência profissional
  • Pré-requisito A

Dicas:

  • Assim que puderes começa a pedir os documentos habituais, particularmente os que tenham de ser obtidos na tua instituição de origem. Não é incomum as faculdades abrirem concurso com pouco tempo de antecedência desde a saída do respectivo regulamento, pelo que é conveniente estares o mais preparado possível para o que te for pedido.
  • Se decidires concorrer a vários concursos no mesmo ano e precisares de entregar algum documento aquando da candidatura, tenta entregar fotocópias, para não ficares sem documentos que podes precisar para continuar a concorrer.
  • Se tiveres de pedir Historial de Candidatura, não deixes para o fim. Apesar de ser possível levantá-lo na sede da DGES, é mais fácil pedir que seja enviado pelo correio, o que aumenta um pouco o tempo de espera.
  • Se de algum passo do concurso constar uma entrevista, prepara-te atempadamente: se for disponibilizado um guião de entrevista, fica mais fácil, mas isto poderá não acontecer. Assim, uma boa forma de te preparares é fazer um exercício de auto-reflexão sobre porque é que queres medicina nesta fase da tua vida e de que forma conseguirás contribuir para esta área, e tenta informar-te sobre a história e contexto actual da faculdade pretendida. A tua formação prévia (à partida na área das ciências da saúde, mas não obrigatoriamente) poderá ajudar-te em temas médicos da actualidade que poderão ser abordados.
  • A melhor forma de lutar contra a ansiedade de saberes que eventualmente vai abrir um concurso, mas não sabes quando, não sabes em que moldes, no fundo, não sabes quase nada, é estabelecer uma rotina. De Dezembro a Março, duas vezes por semana, fazia a seguinte pesquisa no Google: “concurso licenciados medicina FMUP 2015” e “concurso licenciados medicina UBI 2015”. Saber que tens dias fixos para fazer as coisas ajuda a por um lado evitar esquecimentos e pelo outro a impedir que andes sempre em stress a actualizar os sites das faculdades.
  • Usa o regulamento do concurso a teu favor. Um factor de ponderação importante em vários concursos é a idade do candidato. Assim, talvez te fosse mais vantajoso repetir exames nacionais e tentar aumentar as tuas possibilidades concorrendo com melhores notas no ano seguinte, mas talvez se possa dar o caso de estares a aproximar-te de um limite de idade e aí um atraso de um ano enquanto fazes os exames nacionais poderá favorecer-te ou prejudicar-te conforme o regulamento em questão.
  • Se ainda estiver disponível, analisa as tuas probabilidades de entrada tendo em conta os resultados dos candidatos admitidos no ano anterior. Nada te garante que de ano para ano os resultados se mantenham, mas permite-te ter uma pequena ideia de se valerá ou não a pena tentar determinado concurso.
  • Por último, se entraste este ano numa faculdade/curso que não te interessa, não deites nenhum documento fora! Talvez daqui a uns anos estejas a ponderar concorrer por esta via, e nessa altura vais agradecer teres guardado aquele documento que te vão pedir na altura e que tanto trabalho te daria então tentar encontrar. 🙂