Se és finalista do ensino secundário, de certeza que ao pensares nas tuas opções de candidatura ao ensino superior te deparaste com esta questão “Deverei escolher um politécnico ou o universitário?”.

A verdade, é que existem várias opiniões sobre este assunto e eu como frequentadora dos dois ensinos venho dar-te a minha opinião. Interessado? Vamos lá então!

A minha vida académica iniciou-se no ensino universitário. Apesar do curso não ter ido de encontro aos meus ideais, uma vez que, não era exatamente a área que eu queria, posso dizer-te que gostei da experiência. Para além de todos os amigos que fiz e de todas as experiências que tive, pude ter contacto com um ensino mais alargado. Geralmente, o ensino universitário é um ensino onde as turmas são bastante numerosas, onde não existe tanto aquela proximidade entre professores e alunos a que estamos habituados no secundário, onde também é muito normal e provável que não conheças todos os teus colegas de turma e também é um ensino onde geralmente a procura e a escolha dos cursos é mais abundante. Geralmente, as médias também são mais elevadas. É um ensino mais direcionado para a teoria, contudo poderão haver exceções. Neste tipo de ensino tens a vantagem de poder explorar outros cursos, ou seja, ele dá-te a possibilidade de incorporares no teu plano curricular “menores” que são nada mais nada menos do que cadeiras de outros cursos que podem ser do teu ano ou de anos diferentes, permitindo-te adaptar o teu plano de estudos ao teu gosto.



O politécnico é um ensino mais pequeno, contudo mais prático. Ao contrário do ensino universitário, nos politécnicos a palavra “prática” está bem presente. É verdade que podem existir menos cursos, contudo é um ensino onde existe grande proximidade entre alunos e professores, normalmente todos os alunos se conhecem uns aos outros dado as turmas e também as escolas serem de menores dimensões, as médias são também mais baixas e a meu ver é um ensino que permite uma maior versatilidade. Derivado de as turmas serem de menor número, permite aos docentes explorarem com mais tempo e detalhe as questões práticas, permitindo que todos os alunos metam a “mão na massa”. É um ensino onde geralmente existem menos vagas e que tem planos curriculares já definidos, mas com certeza que nele contactarás com a tua futura prática profissional desde cedo.

Como vês, ambos têm vantagens e desvantagens e nenhum dos dois se sobrepõe. Ambos são excelentes e te preparam para o futuro tão aguardado.

Espero que esta nova aventura do ensino superior te traga muitas coisas boas e não te esqueças, aproveita ao máximo estes próximos anos que serão com certeza dos melhores da tua vida.

Colabora!

Este texto faz parte de uma série de textos de opinião de alunos do ensino secundário e superior sobre a sua visão do ensino e da educação.

Gostavas de publicar um texto? Colabora connosco.