(adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({});

Mestrado, e agora?

Para quem vai para uma área diferente da licenciatura pensa: nossa que bom! Posso ter melhores notas, visto que não tenho o professor X ou Y. Passas um mês na boa, parece que ainda estás de férias. Qual quê, nada disso. É nesse mês que os professores vão-te dizer os trabalhos que tens para fazer e quando chegas aos dois últimos meses do semestre vais ter medo. A PRESSÃO ESTÁ NO AR. E o medo vai aumentando até sensivelmente maio.

Estou no segundo ano e o que aconteceu? Bem as minhas férias foram limitadas, estive várias vezes com o meu orientador para ver qual seria o possível tema da minha tese, desculpem, em mestrado diz-se dissertação. Preparem-se para não terem férias, para mudarem de tema algumas vezes.



Dicas: escolham um bom orientador, aquele professor que vocês têm empatia. Sim, esse mesmo, escolham-no. Falem com ele porque não há melhor pessoa que vos dirá se a escolha do tema é viável ou não. Caso já tenham pensado num tema, comecem a pesquisar sobre esse tema até setembro, o mais tardar outubro. E sim, isso já é um passo para a revisão de literatura, porque quanto mais vocês pesquisam, mais dará “pica” para procurar mais. Quando já tenham escrito um pequeno capítulo da revisão de literatura, mostrem ao orientador e ele dirá se estão no caminho certo e quais os passos seguintes. Já agora, é conveniente seguirem o guião de trabalhos da vossa faculdade.

Não é um processo fácil, estou na parte da revisão de literatura, até chegar onde estou senti-me perdida, um pouco frustrada. Senti-me assim até ao dia em que estive com o meu orientador e ele me fez perceber que, apesar de ter algumas coisas menos certas, estava no bom caminho, e inicia-se a MOTIVAÇÃO. É importante vocês sentirem-se motivados para não correrem o risco de não acabarem a dissertação a tempo. Para isso, é preciso que vocês sintam que têm um bom orientador, que gostem do tema e se sintam à vontade com o tema. O medo instala-se quando pensamos que não vai correr bem ou que não vão conseguir. É preciso ter sorte com quem vos orienta, mas acima de tudo acreditarem que conseguem.

No fim de contas, esses dois anos vão ser os melhores das vossas vidas! ACREDITEM!

Colabora!

Este texto faz parte de uma série de textos de opinião de alunos do ensino secundário e superior sobre a sua visão do ensino e da educação.

Gostavas de publicar um texto? Colabora connosco.