(adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({});

O ministro Manuel Heitor revela, agora, que são 15 os cursos que não irão abrir por falta de procura. Oito são de universidades e os restantes de politécnicos.

Desde o curso de Engenharia Agronómica da Universidade do Porto, passando por Marketing e Publicidade do Politécnico de Santarém. A única área que repete é Arquitetura Paisagística, que fecha na Universidade de Évora e na UTAD.



São todos cursos que nos últimos dois anos consecutivos tiveram menos de dez inscritos no 1.º ano. Mas admitiam-se exceções. Da lista inicial de 19 cursos a fechar, passou-se a 15. Engenharia Florestal, da UTAD, por exemplo, foi dos cursos que conseguiram o regime de exceção.

Fica a lista completa: 

  • Arquitetura (preparatórios) – Univ. dos Açores
  • Arquitetura Paisagista – Univ. de Évora
  • Engenharia Agronómica – Univ. do Porto 
  • Arquitetura Paisagista – Univ. de Trás-os-Montes e Alto Douro
  • Engenharia e Gestão Industrial (preparatórios) – Univ. de Trás-os-Montes e Alto Douro
  • Ergonomia – Univ. de Lisboa 
  • Fitofarmácia e Plantas Aromáticas e Medicinais – Instituto Polit. de Bragança
  • Produção de Alimentos e Nutrição Humana – Instituto Polit. de Castelo Branco 
  • Biodiversidade e Conservação da Natureza – Instituto Polit. de Coimbra 
  • Tecnologia e Segurança Alimentar – Univ. do Algarve
  • Marketing e Publicidade – Instituto Polit. de Santarém 
  • Atividade Física e Estilos de Vida Saudáveis – Instituto Polit. de Santarém
  • Engenharia de Sistemas de Energias Renováveis – Instituto Polit. de Viana do Castelo 
  • Qualidade Alimentar e Nutrição – Instituto Polit. de Viseu 
  • Ortoprotesia – Univ. do Algarve