(adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({});

Antes de falecer, a norte-americana Eva Gordon deixou dez milhões de dólares, cerca de 8,9 milhões de euros, a 17 ‘community colleges’ (um tipo de instituição de ensino superior que oferece dois anos de aulas) no estado de Washington, nos Estados Unidos.

Eva Gordon nunca frequentou a universidade e sempre teve pena de não o ter feito. Antes de falecer, a norte-americana deixou cerca de 8,9 milhões de euros a 17 ‘community colleges’ (um tipo de instituição de ensino superior que oferece dois anos de aulas) no estado de Washington. Esta foi a sua forma de permitir que outros possam realizar o seu sonho.



John Jacobs, o seu afilhado e representante da herança, explicou que Eva Gordon “tinha um grande coração e gostava de atirar uma corda para ajudar os outros a subir”. O dinheiro vai servir para ajudar os alunos de 17 instituições a pagar alojamento, transportes, livros e outras despesas que a frequência de um curso superior implica, adianta o Expresso.

Como a sua família não tinha dinheiro, Eva nunca frequentou a universidade. Tronou-se, porém, secretária de advogados, trabalhou numa firma de investimentos e com o dinheiro que poupava começou a comprar ações de empresas de serviços públicos, companhias petrolíferas e empresas como a Starbucks e a Microsoft.

A norte-americana e o seu marido, que era corretor de bolsa, envolveram-se em várias atividades de beneficência como voluntários. Jacobs explicou que muita gente não sabia das posses monetárias da sua madrinha. “Muita gente não sabia. Se havia um cupão de dois-por-um no Applebee, ela lá estava”, disse.

“Ela gostava de ver estudantes a trabalhar, a ganhar e a fazer coisas. O seu objetivo era dar uma oportunidade a essas pessoas que dificilmente teriam meios para isso, fosse ensino profissional ou uma habilitação académica”, rematou.