O plano a dez anos da Universidade Nova de Lisboa foi hoje divulgado pelo jornal Expresso. Depois da ida da Nova School of Business and Economics (Faculdade de Economia), de Campolide, em Lisboa, para o novo campus de Carcavelos, em Cascais, a reitoria está a preparar novas mudanças e que implicam mais saídas de Lisboa.

Os alunos da Faculdade de Ciências Médicas (FCM) vão deixar o velho edifício do Campo Santana e passar a estudar em Carcavelos, muito perto das atuais instalações da Nova SBE, em frente à praia. E será construída de raiz uma escola de pós-graduação médica, que juntará a UNL enquanto parceiro académico, a autarquia e privados como o Grupo José Mello Saúde e a Santa Casa da Misericórdia. O objetivo será assegurar  especializações e cursos de atualização não só para estudantes mas também para profissionais no ativo. O local que deve acolher a FCM é o antigo Hospital Ortopédico Dr. José de Almeida, entretanto desativado e comprado pela câmara ao Estado. O edifício fica junto à estrada marginal que liga Lisboa a Cascais e a mudança está prevista para 2022.



Os colegas da Faculdade de Direito, que estudam atualmente no campus de Campolide, devem também ir para uma localização próxima, em Carcavelos, confirmou ao Expresso o reitor da universidade, João Sàágua. A faculdade poderá ficar num terreno a cerca de 200 metros da Nova SBE e que pertence ao Ministério da Defesa. O plano estratégico para os próximos dez anos, que prevê a mudança de instalações, mas que incide sobre todas as áreas de ensino, investigação e ligação à sociedade, terá ainda de ser aprovado em conselho geral. O que já tem o aval de todos os órgãos da UNL é o Plano Geral de Valorização de Ativos Imóveis, documento que permite fazer operações concretas de compra e venda de património. Nele se confirma ainda o realojamento da Faculdade de Ciências Sociais e Humanas em Campolide, que assim deixará as instalações da Avenida de Berna.

Quanto ao campus no Monte da Caparica, que acolhe a Faculdade de Ciências e Tecnologia, haverá um investimento significativo na recuperação de edifícios e laboratórios. As restantes escolas — Instituto de Higiene e Medicina Tropical, Nova Information Management School e Escola Nacional de Saúde Pública, as três na capital, e o Instituto de Tecnologia Química e Biológica António Xavier, em Oeiras — mantêm-se onde estão.

Ao Expresso, João Sàágua explica os objetivos da mudança. Que não se traduzem numa mera alteração de morada. A ideia é fazer das faculdades espaços mais abertos e mais relevantes para as comunidades onde se inserem, aproveitando o potencial demográfico de uma região com mais jovens dos que os que residem em Lisboa. Em 2017, a população entre os 0 e os 14 anos (futuros estudantes do ensino superior) a morar na capital não chegava aos 80 mil. Já no eixo Cascais-Sintra-Oeiras ultrapassava os 124 mil, sublinha o responsável. “Numa conversa com os alunos de Direito perguntei-lhes se tinham ideia de quantos eram originalmente da capital. A maioria pensava que metade. Na verdade eram só 26%. E 39% vinham das zonas de Cascais, Sintra e Oeiras”, conta, reforçando a ideia: “Para nós, Almada, Oeiras e Carcavelos são tão centrais quanto Lisboa.”

A UNL prevê também avançar com uma campanha de angariação de fundos para a FCM, à semelhança do que foi feito pela Nova SBE. Quanto ao emblemático edifício onde os alunos de Medicina têm atualmente aulas, o reitor explica que o destino ainda não está definido, estando totalmente afastado o cenário de venda. Sàágua gostaria de ver lá a reitoria e um museu da universidade.

 

Aposta em mais alojamento

Outra preocupação expressa no plano estratégico prende-se com a garantia de fazer acompanhar a relocalização das faculdades com o aumento do número de residências para estudantes, assegurando um alojamento de proximidade a preços acessíveis, confirma o reitor.

No plano para os próximos anos estão as intenções de ter mais 900 camas em Almada, 500 em Carcavelos, 400 na Amadora (Portas de Benfica) e cogerir o antigo edifício do Ministério da Educação, juntamente com as outras instituições de ensino de Lisboa.