As faculdades de Medicina e de Medicina Dentária da Universidade do Porto apresentaram uma proposta de “integração” num consórcio designado “Faculdade de Medicina e Medicina Dentária, Health Sciences School of UP”, de acordo com um documento de março.

“É estratégia da FMUP, agora partilhada pela FMDUP, promover a constituição de um Consórcio de Educação Interprofissional nas Ciências da Saúde, numa iniciativa conjunta das escolas que ensinam a área da saúde, designadamente as localizadas no pólo da Asprela, através de iniciativas de formação conjunta nas áreas da Medicina e Medicina Dentária”, pode ler-se no documento disponibilizado pelo membro do Conselho Geral da Universidade do Porto (UP) Artur Águas.

O texto refere ainda que “a realização do Mestrado em Educação Académica e Clínica é um bom início deste tipo de consórcio”,

Segundo a proposta com 26 pontos enviada ao reitor e assinada pelos diretores das duas faculdades, “os cursos decorrerão em seis anos, no formato de Mestrado Integrado em Medicina e Medicina Dentária, com uma licenciatura em Ciências Básicas da Saúde”.

Artur Águas, também professor do Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar, salientou à Lusa não ter nada contra que as duas faculdades se fundam, mas vê como um problema que a proposta não tenha sido transmitida ao Conselho Geral, devendo seguir determinados trâmites legais para se poder desenvolver.

Para aquele elemento do Conselho Geral da UP, o outro problema da proposta é “menorizar” o lado de Medicina Dentária, em particular no que diz respeito à composição da direção da eventual nova faculdade.

“A direção da faculdade integrará o diretor da Medicina e dois subdiretores provenientes um de cada área (Medicina e Medicina Dentária), o que deverá estar previsto na revisão dos estatutos a implementar no próximo mandato, da Nova Faculdade”, pode ler-se no texto.

De acordo com o ponto 21 da proposta, “os estudantes que venham a inscrever-se no ano de 2017, seja no mestrado de Medicina seja de Medicina Dentária, serão imediatamente integrados numa formação partilhada em Ciências Básicas, a ter início já no próximo ano letivo”.

“A publicação dos Estatutos da Nova Faculdade ocorrerá no prazo máximo de três meses após acordo entre as atuais direções da FMUP e FMDUP e a elaboração e aprovação conjuntamente pelos Conselhos de Representantes da FMUP e da FMDUP”, refere o ponto seguinte.

Os diretores das duas faculdades concluem o documento de quatro páginas referindo que apresentam “esta proposta ao magnífico reitor da Universidade do Porto, com a convicção que a Universidade do Porto será líder na inovação que é apresentada e que marcará uma nova era de abordagem do ensino-aprendizagem, que se constituirá como um modelo de eficácia e eficiência dos recursos disponíveis e de otimização de competências pedagógicas, científicas e assistenciais”.