O tempo passa e com ele amadurecemos, mas nem isso faz com que a dificuldade de tomar decisões diminua. E se pensarmos bem, desde pequenos que somos pressionados a escolher. E o caminho inicia-se no nono ano, vamos para o décimo com um futuro que já nos definiram, ou que nos obrigaram a definir. Entretanto vem o décimo segundo e aí tens de ter a certeza o que queres fazer para o resto da vida. Mas nem tudo é mau, afinal a folha que te dão disponibiliza-te seis caminhos diferentes e a vantagem é que podes ser tu a escolhê-los. E é desta responsabilidade que falo, aquela que não queremos ter com medo de nos arrependermos mais tarde. Mas tens de escolher, o que queres fazer e onde queres fazer. E é importante que saibas que a partir daqui a tua jornada volta a começar.



Inicias uma licenciatura, e espero eu que gostes de estar onde estás e a fazer o que estás a fazer, e quando dás por ti estás a terminá-la. E não vou referir a brevidade com que tudo isto acontece, nem as pessoas nem os momentos que deixaste para trás. Também não vou falar da saudade que carregas contigo por teres voltado a escolher. E refiro-me ao mestrado, o ponto central daquilo que quero falar. Se não é integrado, voltas a ter um conjunto de opções para escolher, ou então não escolhes nada e ficas exatamente onde estás. Mas sou da opinião que fazer o mestrado numa universidade diferente e também noutra cidade te traz muitas vantagens. Falo por mim, que foi das decisões mais difíceis, mas também a melhor que já alguma vez tomei. Não critico quem faz toda a sua jornada académica na mesma cidade e na mesma universidade, quem me dera ter podido continuar na casa que me abraçou durante os três melhores anos da minha vida. Na verdade, ninguém me impediu de ficar, só não quis. Preferi sair da minha zona de conforto, descobrir novas ideias, perceber outros pontos de vista. Voltar a desafiar-me, a uma cidade nova e a pessoas e ambientes novos. Ganhar outro tipo de experiência, alargar conhecimentos. Estas são provavelmente algumas das vantagens que ganhas em fazer o mestrado num sítio diferente. É como se estivesses a começar do zero, tens uma nova casa, novos colegas, novos sítios para visitar e descobrir. É importante que saibas que a tua rotina também muda, porque tens de voltar a adaptar-te àquilo que cada cidade te oferece. E as cidades não oferecem todas o mesmo. Nem as pessoas. E esse é provavelmente o maior desafio de todos. Perceber as diferenças daquilo que tinhas e do que tens agora, e mesmo assim continuares. E eu que o diga, que vim do interior para a capital. E arrisco dizer que são mundos completamente diferentes. Mas graças a deus que tive contacto com os dois, porque nenhum substitui o outro. E tudo o que te dão é sempre o seu melhor, garanto-te. É por isso que te digo que se tiveres a oportunidade de escolher, escolhe sem medo. Aventura-te por outros caminhos e não receies nada, toda a experiência e conhecimento que ganhas na tua jornada são provavelmente o maior tesouro que levas para o resto da tua vida.

Colabora!

Este texto faz parte de uma série de textos de opinião de alunos do ensino secundário e superior sobre a sua visão do ensino e da educação.

Gostavas de publicar um texto? Colabora connosco.