Aspirantes a Medicina 2020/2021

 

Qual é a faculdade de medicina que vais escolher em 1ª. opção?


  • Total voters
    613
Obrigada! Como fazem para imprimir e por em pdf? O meu fica assim.. é normal?
Tenta fazer no PC. Ou vais às definições e na escolha da impressora deves lá ter para guardar em pdf (isto se não tiveres uma opção para transferir).
 
Tenta fazer no PC. Ou vais às definições e na escolha da impressora deves lá ter para guardar em pdf (isto se não tiveres uma opção para transferir).
Eu vou imprimir na rua e queria levar o documento em pdf e fica assim. Assim não aceitam?
 
Eu vou imprimir na rua e queria levar o documento em pdf e fica assim. Assim não aceitam?
Isso abre diretamente no Google Drive, ou é porque guardaste o doc aí? Eu lembro-me que quando queria abrir o documento, era clicar nele na conta da candidatura online e abria num novo separador em pdf, pronto a imprimir, direitinho. Podes na rua aceder à tua conta e repetir o procedimento.
 
Btw, vocês continuam a ter grupos de tutoria feitos pela FCS que trocam todos os trimestres? Eu achava isso positivo, porque te obriga a interagir com muita gente.
Sim! Agora neste 3º trimestre até tenho 2 turmas diferentes, para 2 cadeiras (apesar de que já não vai fazer diferença agora 🤪

btw já tinha visto o video que me disseste e nem me lembrava! ahahah
 
  • Haha
Reactions: MedFCS-UBI
Olá malta!! Como sabem pelo cenário que nos envolve, este ano não irá haver futurália, nem dias abertos, por isso, aproveitem este fórum incrível para fazerem as vossas perguntas, mandem mensagem, como preferirem. Se forem como eu, na altura em que estava no 12º ano, já não tinha dúvidas nenhumas e sabia que queria ir para a FML, mas vocês podem ser da team indecisos! Por isso, toca a pesquisar ahah
Para além disso, surgiu um novo projeto, a Uni at Home, com o objetivo de pôr alunos universitários e alunos do secundário em contacto, em videochamada, para tirarem dúvidas e ficarem com mais certeza da sua escolha. Para mais info, sigam a @uniathome no Instagram.

Para os mais preguiçosos ou para aqueles que não faziam ideia da existência deste tópicos, deixo-os aqui, para começarem a vossa pesquisa por algum lado 😜:
- sei que o plano de estudos do icbas mudou, o tópico está um bocado desatualizado. @Blasty existe algum novo???

Boa quarentena e boa continuação de estudo!!! :)
 
Última edição:
sei que o plano de estudos do icbas mudou, o tópico está um bocado desatualizado. @Blasty existe algum novo???
Nope, não há nenhum tópico novo (nem me lembro de ninguém que o possa fazer ahaha).
Mas acho que vendo o plano de estudos no site do ICBAS dá para perceber bem. Assim que me lembre, eles mudaram algumas cadeiras e eliminaram/juntaram outras. Uma coisa que não tinham antes eram as cadeiras optativas, por exemplo.

Obviamente que não posso ajudar muito mais para quem estiver interessado no ICBAS, mas podem perguntar-me sobre a FMUP à vontade! 😊😇
 
  • Fabulous
Reactions: doctorwhy
este ano não irá haver futurália
Por agora continua marcada numa nova data, vamos lá ver se sempre avança:

aproveitem este fórum incrível para fazerem as vossas perguntas
Mas concordo com tudo o resto. 👏
 
Por agora continua marcada numa nova data, vamos lá ver se sempre avança:
Ahh boa! Obrigada Davis!! Espero que avance sim... Estou com esperança que em maio já estaremos num cenário completamente diferente e positivo.
 
  • Like
Reactions: davis
Acham q o número de candidatos este ano a medicina vai diminuir, por haver muita gente "assustada" com esta situação, ou vai haver mais candidatos?
 
Acham q o número de candidatos este ano a medicina vai diminuir, por haver muita gente "assustada" com esta situação, ou vai haver mais candidatos?
Acho que a situação não vai ter muita influência no número de candidatos. Normalmente quem quer medicina já tem essa decisão tomada há algum tempo... mas vamos esperar para ver🤷🏻‍♀️
 
Acham q o número de candidatos este ano a medicina vai diminuir, por haver muita gente "assustada" com esta situação, ou vai haver mais candidatos?
Depende do tipo de candidatos, acho que quem quer um curso de saúde por vocação já se encontra apreensivo dos riscos a que estes profissionais estão sujeitos no seu dia-a-dia (não só agora com o covid-19). Por acaso umas colegas do segundo ano tiveram uma cadeira na qual contactaram com certas doenças no laboratório e houve quem ficasse doente😅.
Acho que esta situação tanto pode entusiasmar candidatos como ter o efeito contrário. Isto é, agora a classe médica está a ser vista como "os heróis" e isso pode incentivar quem quer o curso por reconhecimento (contudo não iriam durar muito tempo neste curso: hoje são os médicos os "heróis" e dentro de meses voltam todos a queixarem-se dos mesmos, esquecendo-se que arriscam a vida pelo outro), como também o facto de ser uma profissão de risco poder levar algumas pessoas a desistirem de se candidatar.
 
Olá! ☺ Também sou aspirante a Medicina, mas estou no 11º ano.
Agora que o amigo Corona fez o favor de colocar o mundo (quase) todo em casa, tenho refletido frequentemente sobre o que posso e quero fazer. E, apesar de toda a incerteza que se avizinha, estou mais certa do que nunca que Medicina é o caminho a que me quero entregar. As classificações que me foram atribuídas (e, em particular, as CIF's de FQ e BG) deram-me a confiança que me faltava para reconhecer que este meu sonho é, afinal, concretizável.
Como o 3º período e os exames nacionais ainda estão na corda bamba quanto às circunstâncias do presente, penso que é importante focar-me nos requisitos não oficiais para ser estudante de Medicina e, um dia, médica. E aqui o vosso feedback (de quem está no curso e de quem deseja estar) seria mesmo indispensável. Deixo alguns parágrafos para despejar as ideias...


- Qual é o lugar da personalidade em Medicina? Que características pessoais são desejáveis? (Se possível, sejam específicos, pois há traços ideais comuns a todas as profissões)

- Que características pessoais são um obstáculo para a prática médica? Na vossa opinião, são superáveis? Se sim, como? (Dou o meu exemplo concreto: tenho fobia de vomitar e de ver vomitar. Bem sei que ir para Medicina assim é como largar um miúdo com medo de tornados no meio do Kansas... 😅)

- Como descreveriam o skill set ideal de um estudante de Medicina?

- É importante para um estudante de Medicina/médico ser fluente em línguas estrangeiras para além do inglês? Se sim, quais e porquê?


Muito obrigada pela atenção e, já agora, desculpem pelo off-topic! Muita saúde e fiquem todos bem ❤
 
- Qual é o lugar da personalidade em Medicina? Que características pessoais são desejáveis? (Se possível, sejam específicos, pois há traços ideais comuns a todas as profissões)

- Que características pessoais são um obstáculo para a prática médica? Na vossa opinião, são superáveis? Se sim, como? (Dou o meu exemplo concreto: tenho fobia de vomitar e de ver vomitar. Bem sei que ir para Medicina assim é como largar um miúdo com medo de tornados no meio do Kansas... 😅)

- Como descreveriam o skill set ideal de um estudante de Medicina?
Como sei que esse tema que abordaste já foi perguntado e discutido no passado por aqui, deixo algumas ideias de outros uniarenses, com as quais me identifiquei.
Características ideias de um médico:
- dormir 2h de 48 em 48h (e já é muito)
- não parar para comer nem beber
- curar todos os "males" num piscar de olhos
- saber de cor e salteado o Harrison (ou apenas as especialidades que saem no exame de seriação)

Esquecendo a parte das condições ideiais e da rabugice de quem está enrolada em 1000 mantas a estudar há 8h e ainda tem um monte de folhas por estudar estudar hj.
Há todo o tipo de pessoas em Medicina e não há o perfil ideal de médico. Se me perguntares uma característica que acho importante, é o "querer saber"; o "importar-se", a "capacidade de resolver e decidir"..
Agora: como saber, aos 18 anos, o que se quer fazer da vida? Não sei :p Também não vim para Medicina com certezas e, dois anos e meio depois, continuo sem as ter. Acho que estranho era ter certezas, como um membro do fórum que desistiu de Medicina explicou aqui. E há alturas, como claramente a @lckk está :p, em que o trabalho ou as chatices me fazem ter vontade de mandar isto tudo à defecação e ir para outra coisa qualquer. O quê é que não sei bem, e isso já é uma das coisas para se seguir Medicina: não ter um plano melhor. ahahah
"ser médico" significa muita coisa diferente. Podes ser uma médica de família, uma psiquiatra, uma pediatra, etc., em que tens de lidar muito diretamente com as pessoas, e por isso deves comunicar bem (mas este género de coisas também se treinam durante o curso), ser empática, esforçar-te... gostar de pessoas, acima de tudo. Especialidades cirúrgicas, Medicina Legal (eles fazem muito mais do que autópsias), Radiologias e assim têm mais partes já sem ter de comunicar com o doente, mas em que as competências que falei antes também dão jeito nas outras partes. Mas também podes ser médica especialista em Anatomia Patológica ou Patologia Clínica e nunca teres de ver um doente em pessoa na vida. Ou de Saúde Pública e andares mais vezes de fato do que de bata. Ou enveredares por Investigação e tornares-te num "ratinho de laboratório", embora com um bocadinho mais de sorte do que com os verdadeiros ratinhos de laboratório com que experimentarás. Esta grande variedade é uma das coisas que me atraiu em Medicina, porque é escolher um curso mas ainda assim deixar muito em aberto :) e é esta variedade que faz com que não haja as caraterísticas ideais para ser um bom médico. No entanto, e como a lckk também disse, em geral dá jeito ser uma pessoa que se esforça, que se preocupa. Uma pessoa que às vezes volta atrás ou fica mais um bocadinho no hospital porque achou que o doente precisava; uma pessoa que se esforça e tenta fazer mais do que os mínimos; uma pessoa que tenta mesmo reparar no doente, escutá-lo, tranquilizá-lo; uma pessoa que gosta de aprender. Eu pelo menos gostava que um médico meu fosse assim. :)

Acho que é impossível saberes agora se gostarás de Medicina ou não. (e também não é no início do curso que percebes, aquilo é chatooo). Podes ver planos doutros cursos, projetares-te mentalmente com outra profissão, estares atenta ao que tens jeito natural para fazer e aos teus gostos. Mas certezas não as terás. E depois? Podes entrar em Medicina e passado um ano ou dois desistires, como já tive vários colegas. Ou tirares o curso e depois nunca exerceres (sei lá, foges para uma ilha qualquer e abres um hostel! xD). Ou seres médica e a certa altura mudares radicalmente de vida. Tens uns quê, 16 anos? A esperança média de vida já anda cima dos 80... Se por esta altura já tivesses muitas certezas e tudo muito bem definido isto de viver não tinha muita piada :p
E quais problemas ou que tipos de problemas é que irias usar para avaliar a reacção de alguém? E esses problemas reflectem verdadeiramente o que se quer para um Médico? Além disso, será que essas mesmas pessoas no final do curso teriam as mesmas reacções que tiveram quando entraram? Ou já seriam reacções nas quais os avaliadores andaram anos a excluir alunos antes de entrar na faculdade?

Depois quando dizes que para Med é necessário um raciocínio rápido - este raciocínio não aparece porque uma pessoa nasceu com tais poderes. Aparece sim com muito estudo e experiência com os doentes.

As características das pessoas vão mudando, especialmente quando ainda se tem 18 anos e se está a começar a entrar na vida adulta.
------
É importante para um estudante de Medicina/médico ser fluente em línguas estrangeiras para além do inglês? Se sim, quais e porquê?
Saber inglês já safa muita coisa... Falando por mim, sou fluente no português e inglês, mais nada. De resto, não vejo assim grande importância... Só se estiveres a pensar em fazer Erasmus pra determinado país ou tirar a especialidade lá fora...

EDIT: podes clicar nas respostas de cada pessoa e ler o contexto em que foram perguntadas e/ou mais coisas que foram ditas e eu não copiei, onde diz "@ user disse".
 
Última edição:
Como sei que esse tema que abordaste já foi perguntado e discutido no passado por aqui, deixo algumas ideias de outros uniarenses, com as quais me identifiquei.




------

Saber inglês já safa muita coisa... Falando por mim, sou fluente no português e inglês, mais nada. De resto, não vejo assim grande importância... Só se estiveres a pensar em fazer Erasmus pra determinado país ou tirar a especialidade lá fora...

EDIT: podes clicar nas respostas de cada pessoa e ler o contexto em que foram perguntadas e/ou mais coisas que foram ditas e eu não copiei, onde diz "@ user disse".
Muito apoiado 😍
 
  • Love
Reactions: Azami and doctorwhy
Olá! ☺ Também sou aspirante a Medicina, mas estou no 11º ano.
Agora que o amigo Corona fez o favor de colocar o mundo (quase) todo em casa, tenho refletido frequentemente sobre o que posso e quero fazer. E, apesar de toda a incerteza que se avizinha, estou mais certa do que nunca que Medicina é o caminho a que me quero entregar. As classificações que me foram atribuídas (e, em particular, as CIF's de FQ e BG) deram-me a confiança que me faltava para reconhecer que este meu sonho é, afinal, concretizável.
Como o 3º período e os exames nacionais ainda estão na corda bamba quanto às circunstâncias do presente, penso que é importante focar-me nos requisitos não oficiais para ser estudante de Medicina e, um dia, médica. E aqui o vosso feedback (de quem está no curso e de quem deseja estar) seria mesmo indispensável. Deixo alguns parágrafos para despejar as ideias...


- Qual é o lugar da personalidade em Medicina? Que características pessoais são desejáveis? (Se possível, sejam específicos, pois há traços ideais comuns a todas as profissões)

- Que características pessoais são um obstáculo para a prática médica? Na vossa opinião, são superáveis? Se sim, como? (Dou o meu exemplo concreto: tenho fobia de vomitar e de ver vomitar. Bem sei que ir para Medicina assim é como largar um miúdo com medo de tornados no meio do Kansas... 😅)

- Como descreveriam o skill set ideal de um estudante de Medicina?

- É importante para um estudante de Medicina/médico ser fluente em línguas estrangeiras para além do inglês? Se sim, quais e porquê?


Muito obrigada pela atenção e, já agora, desculpem pelo off-topic! Muita saúde e fiquem todos bem ❤
Oiii! Vou tentar responder às tuas perguntas, embora as minhas respostas são apenas baseadas na minha opinião enquanto estudante do primeiro ano.
- Infelizmente não exigem testes psicológicos como pré-requisito (sou apoiante da realização dos mesmos), na minha opinião um bom médico tem que ser sobretudo uma boa pessoa isto é: gostar de ajudar os outros, ser altruísta ao ponto de se ter que se sacrificar pelo doente. Deve ser o mais imparcial possível e acima de tudo resiliente não desistir à pequena adversidade, ser forte pois o burnout médico é um tema bastante comum.
-Isso já depende de cada um... por exemplo medo de sangue ou agulhas muitos acabam por se habituar outros não, já ouvi histórias de quem superasse e também do contrário.
- skill set: não dormir (esta é a mais importante mas pode-se tentar resolver com litros de café); muito estudioso (marrão); ter facilidade em decorar; saber lidar com a pressão.
- As línguas depende do que pensas fazer no final do curso se queres emigrar, muitos tentam tirar a especialidade no estrangeiro (visto que há poucas vagas em Portugal o que torna ainda mais difícil ficares numa especialidade que realmente gostes). Na primeira semana de aulas tive professores a dizerem para apostarmos numa língua estrangeira caso não entremos cá na especialidade (e um prof disse ainda que 40% de nós acabaria por ir para medicina geral e familiar...).

Espero ter ajudado, se precisares podes mandar mensagem! Boa sorte para os exames!🍀
 
Neste ponto, até tenho um testemunho diferente.. Dormir foi uma das coisas que, até hoje, nunca prescindi. Muito menos, numa véspera de exame ou dia importante. Já tentei inúmeras vezes fazer direta a estudar, quando precisava mesmo de avançar na matéria, mas, no máximo, chegava às 3 da manhã, tinha a cabeça a latejar e pensava "que se lixe isto, amanhã há mais"... E como o estudo é mais leitura, perceber e memorizar, do que exercícios práticos, chega a um ponto em que tudo o que leio é igual a ler nada, por isso, mais vale ir dormir e reiniciar a máquina. Tenho boas notas, por isso, nunca tive necessidade de mudar este meu hábito. Em dias de aulas ou época de exames, o mínimo que posso chegar é 5 horas de sono. Tento seguir a média das 8 horas, na maioria das vezes. Café bebo, mas não é tanto pelo sono, é mais por gosto e no máximo 2 por dia, 3 é muito raro.
Na verdade, consigo fazer diretas, desde que não seja a estudar ahahah