Caloiros 2018/2019

Status
Não está aberto para novas mensagens.

Jéssica Pinto

Membro Dux
Matrícula
21 Dezembro 2015
Mensagens
1,127
Curso
Línguas, Literaturas e Culturas
  • Like
Reactions: Sofia Luís

Rui Veiga

Membro Dux
Matrícula
28 Abril 2018
Mensagens
639
Curso
Engenharia física
  • Like
Reactions: ines.td

Rui Veiga

Membro Dux
Matrícula
28 Abril 2018
Mensagens
639
Curso
Engenharia física
  • Like
Reactions: Sofia Luís

AdnamaSotnas

Membro Caloiro
Matrícula
7 Setembro 2018
Mensagens
2
Olá Boa Noite! Será que é possível depois da meia noite amanhã já sabermos onde estamos colocados?
 

ines.td

Membro
Matrícula
14 Agosto 2016
Mensagens
34
Olá Boa Noite! Será que é possível depois da meia noite amanhã já sabermos onde estamos colocados?
Eu não tenho a certeza mas pelo que tenho lido por aqui dizem que já aconteceu em anos anteriores a DGES antecipar um dia. Por isso, se isso acontecer este ano, acho que sim! Mas nunca se sabe 🤷‍♀️
 
  • Like
Reactions: AdnamaSotnas

costahype

Membro Veterano
Matrícula
3 Setembro 2015
Mensagens
328
Curso
Direito
Instituição
Universidade do Minho
A todos vocês que estão prestes a saber onde é que vão passar os próximos 3 a 6 anos das vossas vidas, a maior das sortes. Este é um momento de muitos nervos que será logo substituído pela incerteza que é trilhar um novo caminho. Vão conhecer uma nova realidade, completamente distinta daquela que viveram no ensino secundário. Entrar na universidade é um misto de emoções, de vivências, experiências, opções... Não pensem que tudo o que está perto de vir será um "bicho papão", algo de outro mundo. Apenas é uma viragem de uma página que terá espaço para ter nela escrito as quedas, as vitórias, as experiências, a liberdade de estar numa outra realidade, ora como a alegria e o choro. Chegou o momento de darem um passo determinante nas vossas vidas. Vão ter oportunidade de crescer. Só porque há 2 anos estava na vossa posição e sei do TUDO que se está a passar dentro destas cabeças, passo então a relatar o meu percurso que eu nunca pensei que pudesse vir a acontecer se me contassem em Setembro de 2016.
Vou começar exatamente do início. Após a frequência no 10º ano na área de Ciências e Tecnologias, decidi mudar de área para Línguas e Humanidades. Não era aquilo que eu queria nem para o que tinha realmente vocação. Um facto. Não mudei de opinião. De uma média miserável passei a ser um dos melhores alunos da escola. Assim trilhei o meu caminho até ao 12º. Passei pelo Parlamento dos Jovens onde sempre aprendi muito e levei a minha escola até à Sessão Nacional, ora como ainda fui membro da AE da escola, outra experiência marcante. Acabei com uma boa média interna, que infelizmente foi afectada por uns exames nacionais que em nada correram bem. Especialmente História A, disciplina em que eu vinha com nota interna de 18 e naquela fatídico exame de 2016 não consegui mais de 12 valores. Geri mal o tempo, sendo que dei atenção em demasia à questão de desenvolvimento. Não consegui chegar em condições aos grupos referentes à matéria do 10º e 11º. Perdi praticamente os 5 valores associados aos grupos em questão. As consequências foram óbvias. A entrada na FDUP estava quase condenada. Ainda que tenha sido um objectivo praticamente falhado, a hipótese de entrar na Uminho deixava-me mais descansado. Assim foi. Entrei na UM. Começa assim uma autêntica montanha russa e uma viragem a 180º da minha vida.
Sendo eu dos Açores, estava já mentalizado que teria que abandonar o meu círculo pessoal de amigos, família e partir para outro meio, completamente distinto e diferente daquilo que eu estava acostumado. Ainda que Braga não seja uma cidade muito grande, possui uma dimensão já considerável para onde eu sempre vivi. Estava entusiasmado e só pensava no que poderia estar para vir. Sem medo. Sem limitações. Cheguei, matriculei-me, arranjei casa e despedi-me da minha mãe que tinha que regressar aos Açores. Sem sombra de dúvidas, o pior momento da minha vida. Não a iria ver por três meses. Literalmente, foi lançar-me ao mundo. Sozinho e sem rede por perto. Entrei na praxe, fui às apresentações da minha escola, frequentei as primeiras aulas. As coisas pareciam estar a correr bem e de facto tudo estava a passar as minhas expectativas. Colegas acessíveis, boa universidade, cidade muito acolhedora. O que poderia correr mal? A questão é essa. Após as primeiras semanas, frequentava todas as aulas, era participativo nas mesmas. Todos os colegas conheciam-me por isso mesmo. A praxe também estava a ser muito positiva também. Formei de início um bom grupo de amigos. O primeiro teste foi o ponto de viragem. Convencido que teria tudo para tirar uma boa nota estudando na véspera, acabei por ir para o teste sem qualquer preparação para o mesmo. Correu mal. A partir daí foi a entrada num mar de desculpas, desconfiança, afastamento das aulas e da praxe, tudo. O resto do primeiro foi passado num isolamento quase total em casa. Fechado sem comunicar com ninguém. Isolava-me para comigo mesmo. Os testes foram passando, os exames também. Fechei o primeiro semestre sem nenhuma cadeira feita. Sentia a vergonha e a frustração, mas não fiz disso um problema. Ao meu redor, os colegas preocupavam-se e perguntavam se tudo estava bem por não me verem nas aulas. Eu mentia para eles com mil e uma desculpas. Mal eu sabia que afinal estava eu a ser o principal afectado por essas mentiras. O segundo semestre conseguiu ser bem pior. Desisti definitivamente da praxe, sendo que o isolamento piorou no seu grau. Passei dias sem sair de casa, a dormir 15 horas diárias. Basicamente, um estado depressivo estava-se a desenvolver em mim. Assim foi até ao fim. Promessas para comigo mesmo que nos exames ia passar às cadeiras todas. Milagre esse fosse acontecer... Acabei o meu primeiro ano sem nenhuma cadeira feita. Nunca pensei que isso pudesse acontecer comigo.
A segunda matrícula veio já com uma atitude diferente da minha parte. Estando eu como membro numa organização internacional presente nas universidades, consegui ter uma relação interessante entre o curso e aquilo que gosto. Foi novamente um ano muito dificil. Acabei por perceber que o problema não estava no curso, mas sim em mim e na maneira como encarava a vida. A vida é ampla e nem tudo aquilo que parece, de facto é.
Toda esta minha estória serve de exemplo para vocês que vão entrar na universidade este ano. Não desistam à primeira barreira não ultrapassada. A vida académica vai trazer muitas quedas e complicações, que serão ultrapassadas pela vossa força e perseverança. Vivam o que a vossa universidade organiza para todos vocês, sejam pro-ativos, não desistam! Estes podem ser os melhores anos das vossas vidas. Basta acreditar no vosso valor e trabalhar para isso.
Àqueles que vão entrar na Universidade do Minho e em especial no curso de Direito, desejo-vos a maior das sortes. A academia é muito boa no trato dos alunos. A vida académica é bastante "familiar". Por ser um meio algo restrito, vocês vão ver que as coisas funcionam de maneira diferente do que em Lisboa ou no Porto. Experimentem ir à praxe. Especialmente em Direito! Pode parecer duro e muito desconfortável nos primeiros tempos, mas o segredo está na perseverança. Ainda que eu tenha desistido, creio que é uma experiência que pelo menos tem que ser experienciada. Não é para toda a gente e isso não é dito num tom pejorativo. As fases da vida ditam a disponibilidade para lá estar em bons modos.
O curso é bem estruturado, contando com bons professores, quase sempre disponíveis para esclarecer dúvidas e discutir qualquer tipo de assunnto relacionado com a unidade curricular. Por fim, peço a todos para fazerem deste primeiro ano, o melhor! Façam amigos, convivam, experienciem novas coisas, estudem, sejam bem sucedidos. É possível!
 
Última edição:

ines.td

Membro
Matrícula
14 Agosto 2016
Mensagens
34
A todos vocês que estão prestes a saber onde é que vão passar os próximos 3 a 6 anos das vossas vidas, a maior das sortes. Este é um momento de muitos nervos que será logo substituído pela incerteza que é trilhar um novo caminho. Vão conhecer uma nova realidade, completamente distinta daquela que viveram no ensino secundário. Entrar na universidade é um misto de emoções, de vivências, experiências, opções... Não pensem que tudo o que está perto de vir será um "bicho papão", algo de outro mundo. Apenas é uma viragem de uma página que terá espaço para ter nela escrito as quedas, as vitórias, as experiências, a liberdade de estar numa outra realidade, ora como a alegria e o choro. Chegou o momento de darem um passo determinante nas vossas vidas. Vão ter oportunidade de crescer. Só porque há 2 anos estava na vossa posição e sei do TUDO que se está a passar dentro destas cabeças, passo então a relatar o meu percurso que eu nunca pensei que pudesse vir a acontecer se me contassem em Setembro de 2016.
Vou começar exatamente do início. Após a frequência no 10º ano na área de Ciências e Tecnologias, decidi mudar de área para Línguas e Humanidades. Não era aquilo que eu queria nem para o que tinha realmente vocação. Um facto. Não mudei de opinião. De uma média miserável passei a ser um dos melhores alunos da escola. Assim trilhei o meu caminho até ao 12º. Passei pelo Parlamento dos Jovens onde sempre aprendi muito e levei a minha escola até à Sessão Nacional, ora como ainda fui membro da AE da escola, outra experiência marcante. Acabei com uma boa média interna, que infelizmente foi afectada por uns exames nacionais que em nada correram bem. Especialmente História A, disciplina em que eu vinha com nota interna de 18 e naquela fatídico exame de 2016 não consegui mais de 12 valores. Geri mal o tempo, sendo que dei atenção em demasia à questão de desenvolvimento. Não consegui chegar em condições aos grupos referentes à matéria do 10º e 11º. Perdi praticamente os 5 valores associados aos grupos em questão. As consequências foram óbvias. A entrada na FDUP estava quase condenada. Ainda que tenha sido um objectivo praticamente falhado, a hipótese de entrar na Uminho deixava-me mais descansado. Assim foi. Entrei na UM. Começa assim uma autêntica montanha russa e uma viragem a 180º da minha vida.
Sendo eu dos Açores, estava já mentalizado que teria que abandonar o meu círculo pessoal de amigos, família e partir para outro meio, completamente distinto e diferente daquilo que eu estava acostumado. Ainda que Braga não seja uma cidade muito grande, possui uma dimensão já considerável para onde eu sempre vivi. Estava entusiasmado e só pensava no que poderia estar para vir. Sem medo. Sem limitações. Cheguei, matriculei-me, arranjei casa e despedi-me da minha mãe que tinha que regressar aos Açores. Sem sombra de dúvidas, o pior momento da minha vida. Não a iria ver por três meses. Literalmente, foi lançar-me ao mundo. Sozinho e sem rede por perto. Entrei na praxe, fui às apresentações da minha escola, frequentei as primeiras aulas. As coisas pareciam estar a correr bem e de facto tudo estava a passar as minhas expectativas. Colegas acessíveis, boa universidade, cidade muito acolhedora. O que poderia correr mal? A questão é essa. Após as primeiras semanas, frequentava todas as aulas, era participativo nas mesmas. Todos os colegas conheciam-me por isso mesmo. A praxe também estava a ser muito positiva também. Formei de início um bom grupo de amigos. O primeiro teste foi o ponto de viragem. Convencido que teria tudo para tirar uma boa nota estudando na véspera, acabei por ir para o teste sem qualquer preparação para o mesmo. Correu mal. A partir daí foi a entrada num mar de desculpas, desconfiança, afastamento das aulas e da praxe, tudo. O resto do primeiro foi passado num isolamento quase total em casa. Fechado sem comunicar com ninguém. Isolava-me para comigo mesmo. Os testes foram passando, os exames também. Fechei o primeiro semestre sem nenhuma cadeira feita. Sentia a vergonha e a frustração, mas não fiz disso um problema. Ao meu redor, os colegas preocupavam-se e perguntavam se tudo estava bem por não me verem nas aulas. Eu mentia para eles com mil e uma desculpas. Mal eu sabia que afinal estava eu a ser o principal afectado por essas mentiras. O segundo semestre conseguiu ser bem pior. Desisti definitivamente da praxe, sendo que o isolamento piorou no seu grau. Passei dias sem sair de casa, a dormir 15 horas diárias. Basicamente, um estado depressivo estava-se a desenvolver em mim. Assim foi até ao fim. Promessas para comigo mesmo que nos exames ia passar às cadeiras todas. Milagre esse fosse acontecer... Acabei o meu primeiro ano sem nenhuma cadeira feita. Nunca pensei que isso pudesse acontecer comigo.
A segunda matrícula veio já com uma atitude diferente da minha parte. Estando eu como membro numa organização internacional presente nas universidades, consegui ter uma relação interessante entre o curso e aquilo que gosto. Foi novamente um ano muito dificil. Acabei por perceber que o problema não estava no curso, mas sim em mim e na maneira como encarava a vida. A vida é ampla e nem tudo aquilo que parece, de facto é.
Toda esta minha estória serve de exemplo para vocês que vão entrar na universidade este ano. Não desistam à primeira barreira não ultrapassada. A vida académica vai trazer muitas quedas e complicações, que serão ultrapassadas pela vossa força e perseverança. Vivam o que a vossa universidade organiza para todos vocês, sejam pro-ativos, não desistam! Estes podem ser os melhores anos das vossas vidas. Basta acreditar no vosso valor e trabalhar para isso.
Àqueles que vão entrar na Universidade do Minho e em especial no curso de Direito, desejo-vos a maior das sortes. A academia é muito boa no trato dos alunos. A vida académica é bastante "familiar". Por ser um meio algo restrito, vocês vão ver que as coisas funcionam de maneira diferente do que em Lisboa ou no Porto. Experimentem ir à praxe. Especialmente em Direito! Pode parecer duro e muito desconfortável nos primeiros tempos, mas o segredo está na perseverança. Ainda que eu tenha desistido, creio que é uma experiência que pelo menos tem que ser experienciada. Não é para toda a gente e isso não é dito num tom pejorativo. As fases da vida ditam a disponibilidade para lá estar em bons modos.
O curso é bem estruturado, contando com bons professores, quase sempre disponíveis para esclarecer dúvidas e discutir qualquer tipo de assunnto relacionado com a unidade curricular. Por fim, peço a todos para fazerem deste primeiro ano, o melhor! Façam amigos, convivam, experienciem novas coisas, estudem, sejam bem sucedidos. É possível!


Muito obrigada pelo teu testemunho!! São exemplos como o teu que dão, a quem está deste lado, muita força e coragem para esta nova etapa...
E admito que neste momento, em que só se tem que esperar, ler textos assim também ajuda a passar tempo!
Muito muito obrigada :blush:
 

Inês Malaquias

Membro Caloiro
Matrícula
16 Julho 2018
Mensagens
2
Olá pessoal! Tenho uma dúvida. Para sabermos as colocações na Dges basta entrar com o nosso nº (o normal) colocar a senha e nessa mesma plataforma "iniciar sessão na dges", vai aparecer algum espaço com a palavra "Colocações"? Digamos, ao lado de "Anular Candidatura", "Provas de Ingresso" etc...? Obrigada! :grimacing:
 
D

Deleted member 24639

Guest
Olá pessoal! Tenho uma dúvida. Para sabermos as colocações na Dges basta entrar com o nosso nº (o normal) colocar a senha e nessa mesma plataforma "iniciar sessão na dges", vai aparecer algum espaço com a palavra "Colocações"? Digamos, ao lado de "Anular Candidatura", "Provas de Ingresso" etc...? Obrigada! :grimacing:
Pelo que li, o resultado aparece primeiro no final do recibo da candidatura. Dizem que vai aparecer lá o código da instituição e do curso em que ficamos colocados.
 
  • Like
Reactions: Inês Malaquias

Birdy

Membro Catedrático
Especialista
Medicina & Saúde
Apoiante Uniarea
Matrícula
18 Junho 2016
Mensagens
2,148
Curso
Medicina
Instituição
FMUL
Olá pessoal! Tenho uma dúvida. Para sabermos as colocações na Dges basta entrar com o nosso nº (o normal) colocar a senha e nessa mesma plataforma "iniciar sessão na dges", vai aparecer algum espaço com a palavra "Colocações"? Digamos, ao lado de "Anular Candidatura", "Provas de Ingresso" etc...? Obrigada! :grimacing:

Normalmente, o resultado aparece na opção dos documentos. Terá o recibo e por baixo outra opção com o resultado.
 

jmota170

Membro
Matrícula
7 Novembro 2017
Mensagens
48
Curso
Bioquímica
Instituição
Universidade de Aveiro
Mas então os resultados aparecem no separador "Documentos" e ainda recebemos um email/mensagem de onde calhamos?
 
Matrícula
10 Dezembro 2016
Mensagens
45
Curso
Bioquímica
Instituição
FCT NOVA
alguem que esteja a estudar na fct unl que me possa ajudar sff?
no calendario para os alunos de primeiro ano tem as apresentações dos caloiros dia 17 e 18, e as aulas a começar a 24. o que acontece no dia 17 e 18 mesmo? e somos obrigados a nos apresentar nos dias 17 e 18 apenas ou ja temos que la passar toda a semana?
obrigada!
Nos dias 17 e 18 tens apresentações em que te dão a oportunidade de conhecer a faculdade e como as coisas funcionam: vão ser explicadas como o sistema de avaliações e das cadeiras funciona, vais fazer um tour à biblioteca e depois tens outra a explicar como o teu departamento funciona.
 
  • Like
Reactions: BeatrizOS

Birdy

Membro Catedrático
Especialista
Medicina & Saúde
Apoiante Uniarea
Matrícula
18 Junho 2016
Mensagens
2,148
Curso
Medicina
Instituição
FMUL
Não recebemos nenhum email com os resultados?

Sim, e o e-mail recebes também. Mas podes ter o resultado na conta da dges antes de receber o mail, já me aconteceu.
 
Status
Não está aberto para novas mensagens.