CONTRA AS RESTRIÇÕES NA ESCOLHA DAS DISCIPLINAS DE 12ºANO

RuiMiranda_08

Membro
Matrícula
5 Outubro 2020
Mensagens
13
Olá, malta!

Este é a primeira vez que coloco algo aqui na Uniarea. O tópico que vos venho falar é de extrema importância:

Como devem saber, no ensino secundário, segundo a Direção-Geral da Educação, o aluno escolhe duas disciplinas anuais de 12.º ano, sendo pelo menos uma obrigatoriamente do conjunto de opções (b), sendo que esse "conjunto de opções (b)" corresponde a uma lista bastante restrita de opções relacionadas com a área do aluno. Ou seja, se eu estiver em Ciências e Tecnologias, por exemplo, sou forçado a escolher ou Química, ou Biologia, ou Geologia ou Física, mesmo que não queira nem precise de nenhuma destas disciplinas para o meu futuro profissional e académico.

Além desse conjunto de opções (b), ainda ainda o conjunto (c) e também o (d), havendo portanto imensas disciplinas interassantíssimas e úteis para escolher. No entanto, apesar de aparentemente podermos escolher as disciplinas que mais nos interessam, somos forçados a escolher uma disciplina do nosso curso. Tal não faz sentido, principalmente porque sabemos que quando entramos no secundário muitas vezes nem sabemos o que queremos realmente seguir. Costuma acontecer escolhermos uma área "às cegas", e ao longo dos anos irmos descobrindo-nos a nós próprios, aos nossos interesses e formulamos novas ambições para o futuro. É mais do que frequente haver quem chegue ao final do 11º, por exemplo, arrependido de ter escolhido aquela área, mas tendo em conta que já está perto do fim do secundário, muitas vezes não faz sentido voltar ao 10º para estudar outra área.

Este assunto precisa ser discutido com urgência. Não devíamos ser reduzidos às áreas que somos forçados a escolher: somos, mais do que alunos, pessoas com interesses, ambições e capacidades totalmente únicas e mutáveis ao longo do tempo. Esta restrição de escolha é absurda e precisa de ser abolida.

Juntem-se a esta causa assinando e partilhando a seguinte petição que vos mando, que propõe exatamente uma maior flexibilidade curricular e poder de escolha na formação dos alunos do nosso país.

Por nós, por todos e pelo futuro!

Link da petição:
Acabar com as restrições na escolha das disciplinas opcionais de 12º Ano
 
Aqui a questão é que para essa flexibilidade ser aplicada (a qual concordo) ter-se-ia que misturar alunos de turmas diferentes pois é muito provável que o número de alunos interessados por turma nessas disciplinas opcionais não perfaça um número mínimo razoável. E o normal será sempre uma aluno (obrigado ou não) estando no curso de Ciências e Tecnologias escolher pelo menos uma das opções da lista (a) que referiste.
 
Aqui a questão é que para essa flexibilidade ser aplicada (a qual concordo) ter-se-ia que misturar alunos de turmas diferentes pois é muito provável que o número de alunos interessados por turma nessas disciplinas opcionais não perfaça um número mínimo razoável. E o normal será sempre uma aluno (obrigado ou não) estando no curso de Ciências e Tecnologias escolher pelo menos uma das opções da lista (a) que referiste.
Isso é uma previsão errada e que nem devia entrar na conta. Na minha escola, por exemplo, que oferece Teatro como uma das disciplinas opcionais de 12°, existem vários alunos de ciências que querem escolher ou Filosofia ou Teatro ou até ambos, como é o meu caso, sabendo que não irei precisar das disciplinas do meu curso. No entanto, devido a essa restrição, serei forçado a escolher Física e Teatro ou Filosofia. No pior dos casos, Física e API por ser a turma que abre. Se não houvesse a restrição referida, isto não aconteceria. É errado acreditar-se que é uma tendência criada naturalmente; a verdade é que essa tendência deve-se exatamente à falta de liberdade que leva os alunos a "seguirem a manada", que no fundo é uma manada artificial.
Quanto ao misturar alunos de diferentes turmas ou cursos, isso é realmente mau? Talvez se torne difícil criar horários compatíveis. Mas se for possível, porque haveria de ser algo a temer-se?
 
  • Like
Reactions: Mr. Gomes
Isso é uma previsão errada e que nem devia entrar na conta. Na minha escola, por exemplo, que oferece Teatro como uma das disciplinas opcionais de 12°, existem vários alunos de ciências que querem escolher ou Filosofia ou Teatro ou até ambos, como é o meu caso, sabendo que não irei precisar das disciplinas do meu curso. No entanto, devido a essa restrição, serei forçado a escolher Física e Teatro ou Filosofia. No pior dos casos, Física e API por ser a turma que abre. Se não houvesse a restrição referida, isto não aconteceria. É errado acreditar-se que é uma tendência criada naturalmente; a verdade é que essa tendência deve-se exatamente à falta de liberdade que leva os alunos a "seguirem a manada", que no fundo é uma manada artificial.
Quanto ao misturar alunos de diferentes turmas ou cursos, isso é realmente mau? Talvez se torne difícil criar horários compatíveis. Mas se for possível, porque haveria de ser algo a temer-se?
Não quis passar o sentimento de medo perante a aplicação dessa medida. Tem muito a ver com as condições das escolas secundárias no país que começam a ficar sem professores suficientes (e competentes) para sequer dar as disciplinas básicas do secundário. E isso de misturar alunos de turmas diferentes acho que nunca o ministério aplicou no ensino secundário ou básico. No ensino superior é algo normal de facto. Mas isso implica uma reforma maior do que a que tu se calhar estás a idealizar, digo eu.
 
Não quis passar o sentimento de medo perante a aplicação dessa medida. Tem muito a ver com as condições das escolas secundárias no país que começam a ficar sem professores suficientes (e competentes) para sequer dar as disciplinas básicas do secundário. E isso de misturar alunos de turmas diferentes acho que nunca o ministério aplicou no ensino secundário ou básico. No ensino superior é algo normal de facto. Mas isso implica uma reforma maior do que a que tu se calhar estás a idealizar, digo eu.
Não consigo encontrar assim tantas dificuldades para, pelo menos, abolir a restrição, permitindo uma maior flexibilidade curricular, mesmo que na prática isso revele dificuldades e acabe por se continuar com o mesmo sistema em que um aluno de ciências, por exemplo, tendo em conta que a maioria dos seus colegas escolheram uma disciplina do seu curso, tenha de a ter também, porque caso contrário não conseguiria turma. A abolição da restrição pode ser apenas um primeiro passo, e está tudo bem nisso. Só dando passos, pequenos ou grandes, é que chegamos lá. Faz parte do processo de mudança. Acho que nos devíamos permanecer otimistas neste sentido, tentando sempre não encontrar simplesmente as falhas mas também as soluções às possíveis barreiras que aparecerem!
 
Não quis passar o sentimento de medo perante a aplicação dessa medida. Tem muito a ver com as condições das escolas secundárias no país que começam a ficar sem professores suficientes (e competentes) para sequer dar as disciplinas básicas do secundário. E isso de misturar alunos de turmas diferentes acho que nunca o ministério aplicou no ensino secundário ou básico. No ensino superior é algo normal de facto. Mas isso implica uma reforma maior do que a que tu se calhar estás a idealizar, digo eu.
Também é permitido no secundário juntarem várias turmas para uma só disciplina. Tive física com outra turma que não a minha. Houve amigas que tiveram química com outras turmas também. E nas disciplinas de inglês e psicologia isso também aconteceu no mesmo ano.
Há haverá de ser assim tão difícil sendo que no 12°ano não se tem assim tantas aulas.