DEATH NOTE ۞ O JOGO ۞ EDIÇÃO #14 ☠️ FINALIZADA

Eu notei. Provavelmentei também me poderia ter explicado melhor, mas estava um pouco desesperado com a falta de votos. Eu saber quem eram os assassinos era a "minha intuição".😂
Post automatically merged:


Escreves um textinho com uma pista tua e dás um nome da pessoa que queres investigar.
Ahhh, well bom trabalho!!
 
Eu desconfiei de ti muito cedo mas se te matasse era morto. Era jogo demasiado perigoso
O facto de ser muito bold nas minhas posições tinha essa vantagem. Se morresse, já se saberia por todos quem era o assassino.
Post automatically merged:

Mas a resposta à investigação é tipo certa? O Marco diz-te o exato papel dessa pessoa?
Ao L sim. Ao Soichiro diz "os passos da pessoa" (???). Não sei como funciona mas a Moon descobriu a Andreia assim.
 
  • Like
Reactions: Bremer Pereira
O facto de ser muito bold nas minhas posições tinha essa vantagem. Se morresse, já se saberia por todos quem era o assassino.
Post automatically merged:


Ao L sim. Ao Soichiro diz "os passos da pessoa" (???). Não sei como funciona mas a Moon descobriu a Andreia assim.
Ainda pensei em matar te e depois dizer que seria burro se fizesse isso e que não poderia ter sido eu mas morri entretanto.
 
Para ser sincero, foi uma sorte seres morto tão cedo, @Anónimo 5555. A tua votação passou porque precisávamos mesmo de arriscar. Eu não tava muito convicto no Miguel, porque basicamente os vossos ataques um ao outro era vocabulário de GoT, estava mesmo à nora com o que estavam a dizer ahahahah
 
  • Haha
Reactions: Miguel2004
Para ser sincero, foi uma sorte seres morto tão cedo, @Anónimo 5555. A tua votação passou porque precisávamos mesmo de arriscar. Eu não tava muito convicto no Miguel, porque basicamente os vossos ataques um ao outro era vocabulário de GoT, estava mesmo à nora com o que estavam a dizer ahahahah
Adorei o "vocabulário de GoT".
 
Para ser sincero, foi uma sorte seres morto tão cedo, @Anónimo 5555. A tua votação passou porque precisávamos mesmo de arriscar. Eu não tava muito convicto no Miguel, porque basicamente os vossos ataques um ao outro era vocabulário de GoT, estava mesmo à nora com o que estavam a dizer ahahahah
Eu só no primeiro texto é que coloquei got nos outros meti outras pistas e coisas de got exclusiva para o miguel porque compreeendo que nem toda a gente veja got ( penso que a @Ariana_não veja porque nao referiu nada disso.) Voces e que nao viram nenhuma das minha pistas extra got.
 
  • Like
Reactions: Bremer Pereira
penso que a @Ariana_não veja porque nao referiu nada disso.
Por acaso, vi, mas não precisava repetir o que o Miguel já estava a dizer, até porque ele sabia de outras coisas; não tendo qualquer poder, também não me trazia vantagem repetir muitas mais coisas. Aliás, na minha morte, eu até disse que a história do punhal no intestino fez-me lembrar qualquer coisa como GoT. Isto porque punhal fez-me lembrar dagger e, com a referência do Miguel a seguir, fez-me intuitivamente ligar as duas mortes, porém, não queria fechar sentidos, porque não é esse o meu estilo de jogo. Ainda está para vir o dia em que escrevo só "Ups. morri" 🤣
 
6.ª Morte - João Diogo Correira - 10/08/2020 - 17h05

O dia estava a correr bem. Mas estava com necessidade de matar. O João Diogo Correia ia a passar na rua quando de repente alguém lhe salta para cima e começa a arrancar lhe pedaços da bochecha à dentada. Quando o vizinho reparou só tinham restado os ossos."O que é que está juventude tem no lugar do coração? Pedras?" Já no seu lar, o assassino interrogava-se: " Estarei a agir de forma correta? Quanto tempo mais passarei neste mundo? Ai, como eu amo as interrogações!"

João Diogo Correia era inocente.
Testamento
não sei se fico feliz ou não por ter morrido porque já não entendia nada do jogo 😂 para a próxima tenho de me esforçar mais e já venho melhor preparado...i hope so...
e sempre duvidei do @Anónimo 5555
Post automatically merged:

Queria só saber quem me matou! Foi o @Anónimo 5555 ?
 
Última edição:
Lamento imenso só postar isto agora, mas o dia de hoje tem sido... complicado.

Vou começar por analisar as minhas mortes.

Vou dizer, primeiramente, que não quis que as pistas que apontassem para a minha pessoa fossem demasiado óbvias e tentei, de modo geral, que pudessem servir para outras pessoas isoladamente. Necessitava de algum esforço de desconstrução das mesmas e muita procura.

Ver anexo 14572

1.ª Morte - abelrespected - 10/08/2020 - 00h00

Desgraçado do Abelrespected… Não há muito a dizer sobre ele. Apareceu no fórum, jogou e agora… puf, desaparece. The last to show up shall be the one who… died at the rope?

Lá estava ele, a ver todas as respostas da DGES no Twitter, a querer prender o Davis, fruto de um rasgo de insanidade e sonhos de ser um membro Catedrático. Para além de me ter irritado, apenas acabar com a sua miserável vida agora, não será plausível o suficiente?

E assim foi. Enquanto estava distraído, coloquei-lhe o laço da corda ao pescoço e puxei. Puxei-o até à janela, onde usei o varão dos cortinados como roldana e o enforquei. Os meus braços mal tiveram força, mas os sons sufocados, conscientes ou não, que dele saiam davam-me força para continuar.

Já dizia o outro Abel: “I’m so terrified (…) I just wanna feel the ground”

abelrespected era inocente.



-
A frase em inglês tentei usar para incriminar o @Rarael, foi ele que a usou numa conversa com a @Ariana_
- As pistas aqui seriam: Membro Catedrático e o facto de me ter "irritado" com a abertura de uma lista tão precocemente. Esta última seria uma LEVE menção ao jogo de Sanatorium, onde abriram uma lista contra mim e eu abri uma de volta, porque sim.
- Há uma menção a uma canção de The Weeknd e penso ter sido das únicas pessoas em jogo que o terá mencionado.

4.ª Morte - Bremer Pereira - 10/08/2020 - 09h20

O Bremer era fixe. Com ênfase no passado.
Esta morte estava há muito planeada. Tanto assim que morreu de Tuberculose. Pelo menos é o que diz o relatório da autópsia.
O Bremer deu entrada no hospital a semana passada, conectado a mil e uma máquinas, com um beep demonstrativo das oscilantes linhas do batimento do coração.
E hoje senti-me cruel e exigente. Sentei-me em frente a um infeliz, sem peito, os dois pulmões doentes, a sofrer de falta de ar. Peguei na almofada deixada na cadeira perto da sua cama e, antes que alguém me visse, desliguei-lhe os fios do coração e ajudei-o a respirar pela última vez (matei-o, estão a ver?). E estou melhor, passou-me a cólera.
Adeus Bremer!

Bremer Pereira era inocente.

- Aconteceu algo curioso depois da minha primeira morte. Sem que fosse minha intenção, começaram a acusar o @Zé :D. Eu queria mesmo incriminar o @Rarael (porque não gosto dele), mas não me correu bem. Aproveitei foi a vossa "onda" e pesquisei sobre o Zé.
- A tuberculose foi usada porque:
- Um dos últimos posts do @Zé :D menciona Cesário Verde - eu também gosto muito de Cesário Verde, sendo que é informação que existe no fórum, embora mais antiga. Estava à espera que os membros mais antigos talvez se lembrassem disto, mas precavendo que não, coloquei outras pistas. Ora, Verde - bem como a irmã - morreu de Tuberculose.
- " hoje senti-me cruel e exigente. Sentei-me em frente a um infeliz, sem peito, os dois pulmões doentes, a sofrer de falta de ar." "passou-me a cólera" Isto são excertos - ainda que muito ligeiramente alterados - de um poema, algo conhecido, de Verde: Contrariedades.
Contrariedades

Eu hoje estou cruel, frenético, exigente;
Nem posso tolerar os livros mais bizarros.
Incrível! Já fumei três maços de cigarros
Consecutivamente.

Dói-me a cabeça. Abafo uns desesperos mudos:
Tanta depravação nos usos, nos costumes!
Amo, insensatamente, os ácidos, os gumes
E os ângulos agudos.

Sentei-me à secretária. Ali defronte mora
Uma infeliz, sem peito, os dois pulmões doentes;
Sofre de faltas de ar, morreram-lhe os parentes
E engoma para fora.

Pobre esqueleto branco entre as nevadas roupas!
Tão lívida! O doutor deixou-a. Mortifica.
Lidando sempre! E deve conta à botica!
Mal ganha para sopas...

O obstáculo estimula, torna-nos perversos;
Agora sinto-me eu cheio de raivas frias,
Por causa dum jornal me rejeitar, há dias,
Um folhetim de versos.

Que mau humor! Rasguei uma epopeia morta
No fundo da gaveta. O que produz o estudo?
Mais uma redacção, das que elogiam tudo,
Me tem fechado a porta.

A crítica segundo o método de Taine
Ignoram-na. Juntei numa fogueira imensa
Muitíssimos papéis inéditos. A Imprensa
Vale um desdém solene.

Com raras excepções, merece-me o epigrama.
Deu meia-noite; e a paz pela calçada abaixo,
Um sol-e-dó. Chovisca. O populacho
Diverte-se na lama.

Eu nunca dediquei poemas às fortunas,
Mas sim, por deferência, a amigos ou a artistas.
Independente! Só por isso os jornalistas
Me negam as colunas.

Receiam que o assinante ingénuo os abandone,
Se forem publicar tais coisas, tais autores.
Arte? Não lhes convém, visto que os seus leitores
Deliram por Zaccone.

Um prosador qualquer desfruta fama honrosa,
Obtém dinheiro, arranja a sua "coterie";
Ea mim, não há questão que mais me contrarie
Do que escrever em prosa.

A adulaçãao repugna aos sentimento finos;
Eu raramente falo aos nossos literatos,
E apuro-me em lançar originais e exactos,
Os meus alexandrinos...

E a tísica? Fechada, e com o ferro aceso!
Ignora que a asfixia a combustão das brasas,
Não foge do estendal que lhe humedece as casas,
E fina-se ao desprezo!

Mantém-se a chá e pão! Antes entrar na cova.
Esvai-se; e todavia, à tarde, fracamente,
Oiço-a cantarolar uma canção plangente
Duma opereta nova!

Perfeitamente. Vou findar sem azedume.
Quem sabe se depois, eu rico e noutros climas,
Conseguirei reler essas antigas rimas,
Impressas em volume?

Nas letras eu conheço um campo de manobras;
Emprega-se a "réclame", a intriga, o anúncio, a "blague",
E esta poesia pede um editor que pague
Todas as minhas obras...

E estou melhor; passou-me a cólera. E a vizinha?
A pobre engomadeira ir-se-á deitar sem ceia?
Vejo-lhe a luz no quarto. Inda trabalha. É feia...
Que mundo! Coitadinha!

Cesário Verde
- Aproveitei que até era um tema da saúde, para anexar à minha pessoa, também
- "beep demonstrativo das oscilantes linhas do batimento do coração" - Algures nos seus posts, o Zé diz que já não pode "ver osciloscópios à frente" e as questões do "beep" e das "linhas do batimento do coração" eram pistas para a minha pessoa, já tendo mencionado algumas vezes estar numa Unidade de Cuidados Intensivos e estar num curso de saúde, em geral.
proxy.png


5.ª Morte - Rarael - 10/08/2020 - 13h21

Lá estava o Rarael sentado a estudar alemão aborrecido da vida. Tão concentrado que nem me ouviu entrar pela janela e sentar-me à beira dele. Não foi até que uma brisa mais fria entrou janela adentro que ele desviou os olhos dos livros para ir fechar a janela (é que ele já estava de molho e não queria ficar pior). Não sabia bem em que arma pegar, mas decidi pegar numa vela. Ele bem que me viu e tentou fugir mas com a porta fechada e os meus reflexos rápidos, era meter o Rossio na Rua da Betesga; caiu redondo no chão, como se estivesse com uma piela e a vela "caiu" na cabeça dele, "caiu" 6 vezes.
Sangue cobriu-me a cara, mas vi-me embora, antes que me apanhassem.

Auf Wiedersehen

Rarael era inocente.
Só o facto de matar o Rarael era uma pista, ainda que mild, porque me estou sempre a meter com ele.
O facto de ele saber alemão - ou estar a estudar - não é algo da esfera privada, já que está mencionado no tópico das línguas. Não era uma pista específica, mas foi interpretada como tal - which I'm not mad about, tbh.
O "estar de molho e não queria ficar pior" e o sangue eram pistas para mim, a do sangue muito bem apontada (não me lembro por quem) em referência a uma conversa com o @NemoExNihilo
"meter o Rossio na Rua da Betesga" era uma pista indicativa de alguém de Lisboa.
a "piela" remetia para uma conversa recente com o Jovem Estudante no Diário sobre beber - com segurança.
A vela cair 6 meses é apenas porque me lembrei do musical Chicago e decidi pôr, porque achei giro.

proxy.png


6.ª Morte - João Diogo Correira - 10/08/2020 - 17h05

O dia estava a correr bem. Mas estava com necessidade de matar. O João Diogo Correia ia a passar na rua quando de repente alguém lhe salta para cima e começa a arrancar lhe pedaços da bochecha à dentada. Quando o vizinho reparou só tinham restado os ossos."O que é que está juventude tem no lugar do coração? Pedras?" Já no seu lar, o assassino interrogava-se: " Estarei a agir de forma correta? Quanto tempo mais passarei neste mundo? Ai, como eu amo as interrogações!"

João Diogo Correia era inocente.

Ver anexo 14593

7.ª Morte - davis - 10/08/2020 - 17h28

Lá ia El Chico, Rei, passeando, de poncha na mão, depois de um longo dia - e noite mais longa ainda - sem muito dormir. Nos ouvidos tinha fones, onde tocava música de uma boa playlist, tão boa que não ouviu um carro que se despistava e subia o passeio. Mas não foi o carro que o matou, entornou a poncha, o copo partiu-se, ele desequilibrou-se e um vidro do copo partido espetou-se no olho. Também não foi isto que o matou. Todos sabemos que na Madeira há muitos cães - e cadelas - raivosos e ao cheirarem sangue... prontos. Morreu.
Sorry, boss.

davis era inocente.


Aqui tentei, descaradamente incriminar o Zé. Mas ainda assim, eu fui uma das pessoas que participou na conversa e reagiu à playlist.
O matar o Davis, foi propositado e também uma pista, dado que é algo repetido em diversas edições e embora esperado, normalmente é feito por pessoas que estão no fórum à mais tempo.
Aqui remeti também para as noites mal dormidas, que podia ligar ao Zé, mas também à minha pessoa - já que também tenho mencionado que fiz muitas noites em estágio.


proxy.png


8.ª Morte - Miguel2004 - 10/08/2020 - 21h28

Pobre Miguel, com um gut feeling. Isto não é uma corrida de melhores amigos, talvez de cachorrinhos, que ficam às aranhas.
E às aranhas foi como ele morreu. Uma morte dolorosa mas óh tão divertida de assistir. Bastou uma Viúva Negra e (talvez o veneno de umas quantas mais) para fazer aquele fraco coração parar.
Nunca vi ninguém contorcer-se tanto, confesso.

Miguel2004 era L.
[/QUOTE]
Se precisassem de mais pistas:
Gut feeling - peguei na pista da Ariana que apontava para o pdrjs e para mim.
"cachorrinhos" tentei incriminar o @pdrjs - it's old, mas uma pista.
As aranhas eram descaradamente para mim, que tenho um pavor a aranhas e já o mencionei diversas vezes.


Há aqui uma ligação a pessoal de saúde e contra mim própria falo, no entanto, "oscilantes linhas do batimento do coração"??
Also, desligar os "fios do coração", é a maneira mais fácil de avisar que algo não está bem 😂 faz um barulhão...
Há qualquer coisa no segundo parágrafo que me está a fazer confusão.
Honestamente aqui tentei ajudar os inocentes e os detetives.

Testamento
tenor.gif
Ora, vamos lá a esta posta, que teve o seu propósito em ser demorada. Essencialmente, serviu para que as regras mudassem neste aspecto, uma vez que, de momento, se um jogador morto quiser, pode tornar-se num jogador quase tão útil como um vivo, tem liberdade para assistir a mais mortes, recolher pistas e escrever tudo isso no seu testamento, uma vez que:

  • Não há data-limite para fazer esse único post.
  • Não há qualquer restrição nas regras sobre o conteúdo dessa mensagem, excepto, claro, que os detectives não podem revelar publicamente o resultado das suas investigações.
Como seria de esperar, eu já esperava este cenário, ainda para mais num jogo em que não há Teru, pelo que os assassinos não têm como hesitar numa morte. É certo que estive a espiar umas quantas pessoas, desde o início do jogo (porque esperava morrer, e honestamente, estar 2h a vigiar coisas foi cansativo depois de voltar do fim-de-semana fora). Com isto, gostava de dizer às mesmas pessoas para serem um pouco mais discretas. Só. Um. Pouco. Vou só mesmo dizer para ficarem alerta com o que fazem.


Bem, vamos lá tomar nota de alguns registos que fui fazendo:

  • Visto que não há qualquer restrição no conteúdo desta missiva que vos deixo, vou passar a referir um par de coisas sobre a 1ª morte, a das 00h00, ou seja, a do abelrespected.
O Abel é uma pessoa com pouca participação no fórum. A participação dele restringe-se, basicamente, aos jogos – em particular, à Resistência, onde até fez um conjunto de observações relacionadas com Secret Hitler. Parece-me muito estranho como é que vão logo todos à parte do The Weeknd, mas ainda não referiram que a primeira frase que surgiu é uma deturpação de uma citação de…Karl Marx - “The last capitalist we hang shall be the one who sold us the rope.”

Numa pesquisa sobre este assunto de Karl Marx (que em nada estaria relacionado com o Abel, ou seja, ou é pista sobre o assassino ou é um engodo):

- Recentemente, existiu uma discussão relacionada com Marxismo. E nessa discussão esteve a @Andreia C.

- Fora isso, não há muitos users que tenham alguma intervenção relacionada com esta figura: o @NemoExNihilo tem algumas conversas antigas onde se opõe a alguns conceitos e o @Rarael também tem algumas discussões deste teor. Uma pesquisa simples apura tudo isto.

- Há ainda a vaga possibilidade de terem colocado também isto como engodo, talvez pela leitura de outros DN’s em que figuraram pistas relacionadas com comunismo (em edições de 2016) -> pensem nos jogadores que participaram nestas edições, mas também não esqueçam que qualquer um poderá ter lido.

- “A ver todas as respostas da DGES no Twitter” – não me parece ser uma referência ao assassino em si, mas antes ao Abel, cuja primeira intervenção foi este post Diário do Estudante 2019/2020. Neste caso, o @davis e o @João Diogo Correia reagiram ao post, mas qualquer outro membro que acompanhe o Diário terá visto (por exemplo, a Andreia comenta um pouco mais abaixo e qualquer pessoa que aceda ao perfil do Abel, rapidamente encontra a mensagem).

- “Sonhos de ser um membro Catedrático” – não existindo qualquer menção do Abel em querer ter um elevado volume de mensagens, creio ser isto uma pista sobre a possível autoria e aqui podemos enveredar por dois caminhos:

1) Considerar mesmos os membros Catedráticos em jogo, como o @davis referiu – a Andreia e o Nemo.

2) Considerar também os membros que, não sendo catedráticos, teriam volume de mensagens para o serem: @Blasty,@davis e o @Rarael.

- Não sei até que ponto os “vícios de linguagem” que andam a tentar encontrar seriam plausíveis… Não me parece que tenha de ser por aí que se descobrem os assassinos, mas deixo isso para a vossa consciência.

- “Para além de me ter irritado” - :moon:

- Diário do Estudante 2018/2019 – a história de “mal ter força” nos braços (e do dar força para continuar), não encontrei muita coisa, excepto esporádicas conversas sobre isso, como a que mostro, o que me fez lembrar de flexões, por exemplo e há breves referências algures de posts da Blasty, que diz que não consegue fazer.

- Also, as a grammar nazi, aquele “saiam” está a perturbar-me. Pelo sentido do texto, a palavra correcta seria “saíam”. O acento, se faz favor.

- De resto, nesta morte, o final é uma referência muito clara ao The Weeknd, que é basicamente só referido pela Andreia. A Blasty tem uma mensagem, mas é a citar uma pessoa que disse que ouvia The Weeknd. Talvez alguém mais tenha mencionado, indirectamente, este artista, ao postar a música no tópico da Música, por exemplo. Experimentem ver também a playlist que o Zé :D mandou.


A minha primeira impressão, antes da 3ª e 4ª mortes foi que:
Há muitas pistas aqui, que, estranhamente, parecem coincidir na Andreia. Porém, eu não sei até que ponto um assassino quereria colocar tantas pistas que pudessem dar a si, logo na primeira morte. A mim parece-me talvez um pouco mais plausível que não seja a Andreia, mas que seja alguém que pretende que pensem que assim seja, porque assim queimam uma investigação nela e o timings aqui são preciosos (aproveito a deixa para vos acautelar com as listas, especialmente com a desvantagem temporal que os detectives têm em relação aos assassinos). Se acabarem por prender inocentes, por muito que fiquem com esse papel revelado, é uma ocasião que não vos fornece pistas e só reduz a lista de pessoas para os assassinos matarem. Pressionem com isso.

Para vencerem os 2 assassinos, segundo creio, pelas regras (confiram), teriam de matar até só restarem 3 jogadores, caso algum detective estivesse vivo e 5 jogadores, caso nenhum detective esteja vivo. Não sei se entendi isto completamente bem (são quase 3 da manhã, vou dormir, entretanto, give me a break), se, neste momento, há 13 jogadores não-assassinos, os assassinos teriam de matar mais 8-10 pessoas, contando que não é feita nenhuma lista contra algum inocente. Por muito que lhes seja conveniente poder colocar o que quiserem para despistar, são obrigados a colocar, no mínimo, uma pista sobre eles, portanto, façam mais textinhos 😊

Ah e posso confirmar que existiam pessoas que não estiveram no registo na hora das mortes, nomeadamente, o Guilherme, o Rarael e a Blasty. Mas não se fiem nisso totalmente; o Guilherme nem sequer tinha visto o seu papel. As outras duas pessoas, creio que qualquer uma delas era capaz de enviar a mp da morte através de outra conta, como tem sido feito noutros jogos.

Tudo isto é ainda muito barro e eu, obviamente, como desafio às regras vou escolher esperar pelas próximas mortes, para tentar colocar mais coisas em jogo.
Sobre a 2ª morte – a minha. Novamente, por ser o primeiro assassinato, acho que as coisas ainda estão muito generalizadas, porque nenhum assassino quereria colocar demasiadas pistas sobre si ou coisas que afunilassem logo na sua pessoa. Por ser tão random, há só um conjunto de expressões que me chamam à atenção:

Lorde – isto faz-me lembrar vagamente um antigo membro do fórum, mas, novamente isto é tudo lama 😉

Big Brother – título que o @davis teve recentemente; no entanto, isto poderia ter ainda outros sentidos – por exemplo, (e vou eliminar o programa de televisão, uma vez que não encontrei posts relevantes, confirmem na mesma), o livro 1984, de George Orwell. Por um lado, temos alguns posts sobre isso: o @Zé :D falou nisso não há muito tempo, no Diário. A @Moonpie encontrou um pdf deste livro, pela ocasião do UniClube de leitura – clube no qual participam alguns jogadores, como a @Blasty, a @Andreia C. e o @davis.

Mods – Palavra utilizada pelo @Zé :D, @Andreia C., @davis – com o sentido de referirem-se a “moderadores”. Sobre mods de jogos há o @NemoExNihilo a falar.

Barcos, EdgAriana – Falei de barcos com @NemoExNihilo. Os barcos aqui têm o significado do ship (que insistem em fazer…) entre mim e o Edgar. Nessa conversa, qualquer pessoa viu e muitos deles participaram no Diário nessa altura, pelo que, não arriscaria fechar hipóteses aqui.

Interceptada – Uma palavra que me chama à atenção, porque é escrita com o Antigo Acordo (embora creio que se trata de uma palavra com dupla grafia).

Punhal, Intestinos – Isto parece-me uma escolha vagamente interessante. E isto pode ser muuuuito rebuscado, mas fez-me lembrar alguma morte de GoT :] :smirk: Há uns quantos users que mencionaram ter visto/lido alguma coisa dentro deste género: @Blasty, @Rarael, @Andreia C., @Anónimo 5555, @NemoExNihilo, @Miguel2004, @pdrjs. Não encontrei nada dos restantes, mas posso ter falhado alguma coisa. Basicamente, isto ainda é muito vago.

Intestinos – Sobre esta palavra em específico, caso fosse uma referência separada da ideia do punhal (ou talvez interligada): apesar de ter o perfil restrito, a @Blasty tem um post num DN antigo em que menciona que a estão a incriminar por ter uma citação específica de Eça de Queirós: “(...) pregando pelas paredes do quarto fígados, liaças de intestinos, cabeças de perfil "com o recheio à mostra"”. O @pdrjs diz que os intestinos são o órgão mais underrated, afirmação com a qual a @Andreia C. concorda. Entretanto, o @pdrjs também referiu que os intestinos dele são especiais :flushed:

Resumindo – A ausência de vírgula a seguir ao advérbio está-me a perturbar. Grammar nazi strikes again.

Ah e o “ficámos” – Com o Novo Acordo, ficámos não tem qualquer acento. É sempre “ficamos” e chega-se lá pelo contexto (isto era tão irritante no secundário, uff).

Novamente, não quero que cheguemos lá (não, não é isso!) através dos tais “vícios de linguagem”, mas queria apenas dar highlight naquilo que me foi chamando à atenção. Por mais barro que possa ser, não sofro qualquer consequência em dizer isto.

Passemos ao resto do que posso dizer.
3ª morte – Mr. Pancakes – 9h05

Parecem-me referências ao que já disseram. Queria só acrescentar que não foram os únicos que mencionaram essa obra do George R. R. Martin – O @João Diogo Correia mencionou querer ler, mas não me parece que fosse mencionar isso. O @NemoExNihilo leu, em 2018, os volumes que estavam publicados em português. Fora isso, de facto, recentemente, quem mencionou esses livros, foi o @Miguel2004 e o @Anónimo 5555.

Nesta morte, também reparei na história das equipas de socorro, que, pela lógica, teria de ser ligada a alguém da área da Saúde ou aspirante a (muito embora isto possa ser engodo, não se esqueçam que só há obrigatoriedade de uma pista verdadeira sobre a autoria do assassinato, de resto, podem colocar o que quiserem): @Blasty, @pdrjs, @Sofia_R, @GuilhermeReb (lolitos), @Andreia C. e @Miguel2004.
4ª morte – Bremer Pereira – 9h20

Novamente, toda a morte parece estar ligada à área da Saúde, mas é tãoooo inconsistente, que me parece propositado. Rebuscando um pouco o assunto: a tuberculose parece-me uma referência deveras interessante. Ora, isto porque (embora só o @pdrjs refira tuberculose, ou pelo menos, é o que a pesquisa me diz), poderia, eventualmente, ser uma referência relacionada com o meu jogo que, supostamente, passa-se num Sanatório (os edifícios para onde se encaminhavam os tuberculosos, noutros tempos). Isto pode ser ou um engodo de quem leu/acompanhou o jogo ou pode indicar que o autor jogou alguma edição. Se assim fosse, teríamos: @Andreia C., @Anónimo 5555, @Sofia_R, @Rarael, @davis e o @NemoExNihilo. (E agora deixo-vos um pequeno aparte interessante, que talvez refine ainda mais esta pequena lista: imaginando que o assassino resolveu fazer de facto uma referência ao meu jogo. Há dois textos de papel que fazem referência explícita à tuberculose: os papéis que a Sofia_R e a Andreia C. tiveram, muito embora não exclua totalmente outras hipóteses por saberem o significado da palavra sanatório.

Mais pequenas coisas que achei curiosas – há falta de vírgulas em determinados momentos do texto. A cadência das frases iniciais faz-me parecer que a pessoa está a tentar disfarçar a sua escrita – a forma como faz parágrafos também me parece querer fazer camuflar alguma coisa. Aliás, a forma como este texto está escrito fez-me lembrar uma discussão muito curiosa que aconteceu há algum tempo, que envolvia a Andreia. Vejam aqui: Injustiça - Junta-te a nós - Contra a eliminação das melhorias das classificações finais através dos Exames Nacionais Lembrei-me disto muito aleatoriamente, mas aqui fica.

Particularmente o “e,” – Isto porque há falta de vírgulas nos momentos mais comuns, however, quando não há necessariamente uma pausa, o autor do texto fá-la. Novamente, não quero que peguemos demasiado pelos vícios de linguagem, mas a Andreia é uma das pessoas que, numa edição passada do DN, prestou muita atenção às vírgulas.

Fios do coração fez-me lembrar pêlos no coração – que foi mencionada numa troca de palavras que envolvia o Miguel2004, mas isto está aqui muito provavelmente só como barro.

Também me parece certeiro que este assassino quer indicar que foi o autor da morte do abelrespected, isto porque refere que a cólera lhe passou. No entanto, não se esqueçam que, num jogo cujos textos são escritos pelos assassinos, nada impede que estejam a fazê-lo para tentar confundir a autoria de cada crime, muito embora o estilo de escrita pareça suficientemente semelhante para encaixar [Morte do abel + Bremer e a minha morte + Panky).

Como devem saber, o meu estilo de jogo esforça-se por reparar nos timings de cada coisa. Claro, tudo isto pode ir pode água abaixo, caso os assassinos decidam enviar as mps com as mortes através de uma conta falsa, como já tem acontecido noutras edições. Por volta da meia noite, estavam fora do radar, caso não tenha falhado muito: o Rarael, o Guilherme e a Blasty. Isto não os iliba, pela questão de poderem usar contas falsas, mas fica aqui o detalhe.

Entre as 8h e 9hX, também tentei estar atenta ao possível aparecimento de jogadores: a Sofia_R esteve online um pouco antes das 8h, mas depois só voltou a aparecer após as mortes (o que não a iliba se estiverem a fazer o que disse acima). Também detectei o Anónimo 5555, que esteve constantemente online desde pouco antes das 8h até aos assassinatos. A Andreia C. apareceu mais perto das 9h. O Miguel2004 também apareceu por voltas das 9hX. Depois disto, mais users foram chegando, mas vou só mencionar estes, que me parecem suficientemente relevantes.

E é isto que vos deixo. Se lerem tudo isto, creio que poderão chegar a algumas opções de investigação. Resguardem-se. Ponderei muito se continuaria calada até recolher mais coisas, mas creio que já fiz rulebending suficiente (aliás, era esse o meu objectivo e o meu post vai no sentido de o Marco adequar as regras para que isto não aconteça em edições futuras, ou aconteçam coisas diferentes). No entanto, tenho algum sentido de justiça e não quero permanecer a jogar um jogo no qual estou morta. Penso que disse vááárias coisas, que agora qualquer um pode pegar sem correr o risco de parecer um assassino, investigador ou inocente sem poderes e era essa também a minha missão em demorar tanto 😊 Resolvi terminar por aqui, uma vez que o Panky morreu e ele aprendeu umas coisas em jogos passados, que me fazem crer que testamentos futuros poderão ser muito mais úteis que os meus. Além disso, expus suficientemente as minhas acções para que mais pessoas as possam fazer :]

Bom jogo a todos! Divirtam-se a analisar as pistas :>

Ver anexo 14580
Vou só comentar no excelente trabalho que a Ariana fez, clarificando algumas coisas:
"Recentemente, existiu uma discussão relacionada com Marxismo. E nessa discussão esteve a @Andreia C." não me lembro minimamente de ter estado na conversa ahahahah
"- “A ver todas as respostas da DGES no Twitter” – não me parece ser uma referência ao assassino em si, mas antes ao Abel, cuja primeira intervenção foi este post Diário do Estudante 2019/2020. Neste caso, o @davis e o @João Diogo Correia reagiram ao post, mas qualquer outro membro que acompanhe o Diário terá visto (por exemplo, a Andreia comenta um pouco mais abaixo e qualquer pessoa que aceda ao perfil do Abel, rapidamente encontra a mensagem)." - check
"1) Considerar mesmos os membros Catedráticos em jogo, como o @davis referiu – a Andreia e o Nemo." - check
"- De resto, nesta morte, o final é uma referência muito clara ao The Weeknd, que é basicamente só referido pela Andreia." - check
"Há muitas pistas aqui, que, estranhamente, parecem coincidir na Andreia. Porém, eu não sei até que ponto um assassino quereria colocar tantas pistas que pudessem dar a si, logo na primeira morte. A mim parece-me talvez um pouco mais plausível que não seja a Andreia" - isto foi totalmente intencional. Embora muitas pistas não fossem "de caras", escolhi ir por esta via e depois jogar a carta do: "isso é estúpido!!!! Eu nuuuunca faria isso..."
"
Aliás, a forma como este texto está escrito fez-me lembrar uma discussão muito curiosa que aconteceu há algum tempo, que envolvia a Andreia. Vejam aqui: Injustiça - Junta-te a nós - Contra a eliminação das melhorias das classificações finais através dos Exames Nacionais Lembrei-me disto muito aleatoriamente, mas aqui fica.

Particularmente o “e,” – Isto porque há falta de vírgulas nos momentos mais comuns, however, quando não há necessariamente uma pausa, o autor do texto fá-la. Novamente, não quero que peguemos demasiado pelos vícios de linguagem, mas a Andreia é uma das pessoas que, numa edição passada do DN, prestou muita atenção às vírgulas." hihihi

Sauer Schreien GIFs | Tenor


Penso eu que não será conhecimento geral o facto de eu falar alemão. Com a pista do Rossio parece-me alguém de Lisboa. Avenge me- ou melhor, räche mich!
Dude, tu já nem sabes o que escreves no fórum... smh....
Anda aí muito caladinha mas na verdade anda a espetar punhais nas costas.... e todas as referências a termos médicos mete-a como suspeita já que estuda enfermagem
Se fores ler outras edições, verás que incriminar pessoal de saúde é comum, para além de que quase inevitável, dado que se anda a matar pessoas e assim.
This, mas foi totalmente intencional.
TESTAMENTO

Era de manhã, avistava o céu nublado de forma distorcida, talvez pelo gotas de suores noturnos provenientes da causa inconsciente de como idealizava a minha morte, a aparente Tuberculose.
Os meus olhos foram celados por breves instantes, perdi a respiração e de forma transitória ao abri-los via tudo de forma mais clara, encontrava-me no paraíso, e tinha morrido. A indignação que senti fez-me procurar a causa dessa morte e, com isso, reuni algumas pistas que por mais insignificantes que sejam podem, ou não, ajudar a fazer justiça á morte enigmática de todos os meus companheiros do Universo de Death Note.
Uma lupa num fórum diferenciado serviu de auxilio para reunir pequenas pistas extra sobre alguns potenciais criminosos.
Numa primeira morte, foi mencionado a fraqueza nos braços, o que a princípio pareceu-me importante, mas só me conduziu a membros que já se encontram comigo no paraíso.
Outra referência diz respeito ao falecimento do Mr. Pancakes, onde o chamam de "Panquecas", título atribuído pelo @NemoExNihilo que referiu no Diário no Sábado ás 1:36 da manhã o seguinte "Serás para sempre imortalizado nas páginas da história uniareense como Panquecas, o Incansável." referindo-se ao Mr. Pancakes. Contudo, numas páginas mais á frente aqui no Death Note, o @Anónimo 5555 utilizou a mesma referência.
Em relação á utilização de "Outro lado" num dos óbitos, apenas encontrei uma mensagem do @Zé :D que era referente ao "outro lado da estrada" no Diário. A utilização de referências a Lisboa poderá servir como distração por parte do @Zé :D por referir no Diário a Margem Sul.
Outro pensamento que me surgiu é relativo á doença que me foi atribuída pelo assasino, a Tuberculose. Algo me faz pensar que poderá estar de encontro com alguma referência de Frei Luís de Sousa - Almeida Garrett, onde a filha de D. Madalena tinha a mesma doença. Mas não encontrei provas esclarecedoras que permitam incriminar alguém.
Em algumas mortes ha a referência de elementos da Natureza (bem como em algumas investigaçoes), e quanto a isso só encontrei algo do @Moonpie.
Por outro lado, encontrei algo que a @Andreia C. referiu sobre saber limpar manchas de sangue e o @NemoExNihilo respondeu á mesma.
Deixarei abaixo algumaa citações que fizeram parte da minha pesquisa.
Apontaria o @Zé :D e o @NemoExNihilo e talvez a @Andreia C. como principais suspeitos mas na onde forma conclusiva.
Resta-me desejar-vos um resto de bom jogo, e que completem alguma lista de acusação...
Agora irei descansar no Paraíso, descansada mente, até a uma próxima edição marujos.

Post automatically merged:
Á pessoa que me matou, porquê Tuberculose?
Espero que tenha ficado claro ahahah
@Zé :D, nem é preciso mais nada.
A Andreia não é o assassino. Quase de certeza. Tipo 99.
Hehehehe
 
Lamento imenso só postar isto agora, mas o dia de hoje tem sido... complicado.

Vou começar por analisar as minhas mortes.

Vou dizer, primeiramente, que não quis que as pistas que apontassem para a minha pessoa fossem demasiado óbvias e tentei, de modo geral, que pudessem servir para outras pessoas isoladamente. Necessitava de algum esforço de desconstrução das mesmas e muita procura.

- A frase em inglês tentei usar para incriminar o @Rarael, foi ele que a usou numa conversa com a @Ariana_
- As pistas aqui seriam: Membro Catedrático e o facto de me ter "irritado" com a abertura de uma lista tão precocemente. Esta última seria uma LEVE menção ao jogo de Sanatorium, onde abriram uma lista contra mim e eu abri uma de volta, porque sim.
- Há uma menção a uma canção de The Weeknd e penso ter sido das únicas pessoas em jogo que o terá mencionado.

- Aconteceu algo curioso depois da minha primeira morte. Sem que fosse minha intenção, começaram a acusar o @Zé :D. Eu queria mesmo incriminar o @Rarael (porque não gosto dele), mas não me correu bem. Aproveitei foi a vossa "onda" e pesquisei sobre o Zé.
- A tuberculose foi usada porque:
- Um dos últimos posts do @Zé :D menciona Cesário Verde - eu também gosto muito de Cesário Verde, sendo que é informação que existe no fórum, embora mais antiga. Estava à espera que os membros mais antigos talvez se lembrassem disto, mas precavendo que não, coloquei outras pistas. Ora, Verde - bem como a irmã - morreu de Tuberculose.
- " hoje senti-me cruel e exigente. Sentei-me em frente a um infeliz, sem peito, os dois pulmões doentes, a sofrer de falta de ar." "passou-me a cólera" Isto são excertos - ainda que muito ligeiramente alterados - de um poema, algo conhecido, de Verde: Contrariedades.
Contrariedades

Eu hoje estou cruel, frenético, exigente;
Nem posso tolerar os livros mais bizarros.
Incrível! Já fumei três maços de cigarros
Consecutivamente.

Dói-me a cabeça. Abafo uns desesperos mudos:
Tanta depravação nos usos, nos costumes!
Amo, insensatamente, os ácidos, os gumes
E os ângulos agudos.

Sentei-me à secretária. Ali defronte mora
Uma infeliz, sem peito, os dois pulmões doentes;
Sofre de faltas de ar, morreram-lhe os parentes
E engoma para fora.

Pobre esqueleto branco entre as nevadas roupas!
Tão lívida! O doutor deixou-a. Mortifica.
Lidando sempre! E deve conta à botica!
Mal ganha para sopas...

O obstáculo estimula, torna-nos perversos;
Agora sinto-me eu cheio de raivas frias,
Por causa dum jornal me rejeitar, há dias,
Um folhetim de versos.

Que mau humor! Rasguei uma epopeia morta
No fundo da gaveta. O que produz o estudo?
Mais uma redacção, das que elogiam tudo,
Me tem fechado a porta.

A crítica segundo o método de Taine
Ignoram-na. Juntei numa fogueira imensa
Muitíssimos papéis inéditos. A Imprensa
Vale um desdém solene.

Com raras excepções, merece-me o epigrama.
Deu meia-noite; e a paz pela calçada abaixo,
Um sol-e-dó. Chovisca. O populacho
Diverte-se na lama.

Eu nunca dediquei poemas às fortunas,
Mas sim, por deferência, a amigos ou a artistas.
Independente! Só por isso os jornalistas
Me negam as colunas.

Receiam que o assinante ingénuo os abandone,
Se forem publicar tais coisas, tais autores.
Arte? Não lhes convém, visto que os seus leitores
Deliram por Zaccone.

Um prosador qualquer desfruta fama honrosa,
Obtém dinheiro, arranja a sua "coterie";
Ea mim, não há questão que mais me contrarie
Do que escrever em prosa.

A adulaçãao repugna aos sentimento finos;
Eu raramente falo aos nossos literatos,
E apuro-me em lançar originais e exactos,
Os meus alexandrinos...

E a tísica? Fechada, e com o ferro aceso!
Ignora que a asfixia a combustão das brasas,
Não foge do estendal que lhe humedece as casas,
E fina-se ao desprezo!

Mantém-se a chá e pão! Antes entrar na cova.
Esvai-se; e todavia, à tarde, fracamente,
Oiço-a cantarolar uma canção plangente
Duma opereta nova!

Perfeitamente. Vou findar sem azedume.
Quem sabe se depois, eu rico e noutros climas,
Conseguirei reler essas antigas rimas,
Impressas em volume?

Nas letras eu conheço um campo de manobras;
Emprega-se a "réclame", a intriga, o anúncio, a "blague",
E esta poesia pede um editor que pague
Todas as minhas obras...

E estou melhor; passou-me a cólera. E a vizinha?
A pobre engomadeira ir-se-á deitar sem ceia?
Vejo-lhe a luz no quarto. Inda trabalha. É feia...
Que mundo! Coitadinha!

Cesário Verde
- Aproveitei que até era um tema da saúde, para anexar à minha pessoa, também
- "beep demonstrativo das oscilantes linhas do batimento do coração" - Algures nos seus posts, o Zé diz que já não pode "ver osciloscópios à frente" e as questões do "beep" e das "linhas do batimento do coração" eram pistas para a minha pessoa, já tendo mencionado algumas vezes estar numa Unidade de Cuidados Intensivos e estar num curso de saúde, em geral.
Só o facto de matar o Rarael era uma pista, ainda que mild, porque me estou sempre a meter com ele.
O facto de ele saber alemão - ou estar a estudar - não é algo da esfera privada, já que está mencionado no tópico das línguas. Não era uma pista específica, mas foi interpretada como tal - which I'm not mad about, tbh.
O "estar de molho e não queria ficar pior" e o sangue eram pistas para mim, a do sangue muito bem apontada (não me lembro por quem) em referência a uma conversa com o @NemoExNihilo
"meter o Rossio na Rua da Betesga" era uma pista indicativa de alguém de Lisboa.
a "piela" remetia para uma conversa recente com o Jovem Estudante no Diário sobre beber - com segurança.
A vela cair 6 meses é apenas porque me lembrei do musical Chicago e decidi pôr, porque achei giro.


Aqui tentei, descaradamente incriminar o Zé. Mas ainda assim, eu fui uma das pessoas que participou na conversa e reagiu à playlist.
O matar o Davis, foi propositado e também uma pista, dado que é algo repetido em diversas edições e embora esperado, normalmente é feito por pessoas que estão no fórum à mais tempo.
Aqui remeti também para as noites mal dormidas, que podia ligar ao Zé, mas também à minha pessoa - já que também tenho mencionado que fiz muitas noites em estágio.


proxy.png


8.ª Morte - Miguel2004 - 10/08/2020 - 21h28

Pobre Miguel, com um gut feeling. Isto não é uma corrida de melhores amigos, talvez de cachorrinhos, que ficam às aranhas.
E às aranhas foi como ele morreu. Uma morte dolorosa mas óh tão divertida de assistir. Bastou uma Viúva Negra e (talvez o veneno de umas quantas mais) para fazer aquele fraco coração parar.
Nunca vi ninguém contorcer-se tanto, confesso.

Miguel2004 era L.
Se precisassem de mais pistas:
Gut feeling - peguei na pista da Ariana que apontava para o pdrjs e para mim.
"cachorrinhos" tentei incriminar o @pdrjs - it's old, mas uma pista.
As aranhas eram descaradamente para mim, que tenho um pavor a aranhas e já o mencionei diversas vezes.



Honestamente aqui tentei ajudar os inocentes e os detetives.


Vou só comentar no excelente trabalho que a Ariana fez, clarificando algumas coisas:
"Recentemente, existiu uma discussão relacionada com Marxismo. E nessa discussão esteve a @Andreia C." não me lembro minimamente de ter estado na conversa ahahahah
"- “A ver todas as respostas da DGES no Twitter” – não me parece ser uma referência ao assassino em si, mas antes ao Abel, cuja primeira intervenção foi este post Diário do Estudante 2019/2020. Neste caso, o @davis e o @João Diogo Correia reagiram ao post, mas qualquer outro membro que acompanhe o Diário terá visto (por exemplo, a Andreia comenta um pouco mais abaixo e qualquer pessoa que aceda ao perfil do Abel, rapidamente encontra a mensagem)." - check
"1) Considerar mesmos os membros Catedráticos em jogo, como o @davis referiu – a Andreia e o Nemo." - check
"- De resto, nesta morte, o final é uma referência muito clara ao The Weeknd, que é basicamente só referido pela Andreia." - check
"Há muitas pistas aqui, que, estranhamente, parecem coincidir na Andreia. Porém, eu não sei até que ponto um assassino quereria colocar tantas pistas que pudessem dar a si, logo na primeira morte. A mim parece-me talvez um pouco mais plausível que não seja a Andreia" - isto foi totalmente intencional. Embora muitas pistas não fossem "de caras", escolhi ir por esta via e depois jogar a carta do: "isso é estúpido!!!! Eu nuuuunca faria isso..."
"
Aliás, a forma como este texto está escrito fez-me lembrar uma discussão muito curiosa que aconteceu há algum tempo, que envolvia a Andreia. Vejam aqui: Injustiça - Junta-te a nós - Contra a eliminação das melhorias das classificações finais através dos Exames Nacionais Lembrei-me disto muito aleatoriamente, mas aqui fica.

Particularmente o “e,” – Isto porque há falta de vírgulas nos momentos mais comuns, however, quando não há necessariamente uma pausa, o autor do texto fá-la. Novamente, não quero que peguemos demasiado pelos vícios de linguagem, mas a Andreia é uma das pessoas que, numa edição passada do DN, prestou muita atenção às vírgulas." hihihi


Dude, tu já nem sabes o que escreves no fórum... smh....


This, mas foi totalmente intencional.


Espero que tenha ficado claro ahahah


Hehehehe
Realmente, eu e a Moonpie só te quisemos investigar porque depois do Anonimo não tínhamos clue de quem fosse a KIra, então escolhemos-te a ti porque o pdrjs e a Ariana falaram em ti.
Sem querer ajudei-te com aquela pista de Umbrella Academy. ahahahah

Bom Jogo! :)
 
porque o pdrjs e a Ariana falaram em ti.
Eu @ todos os investigadores de edições actuais e passadas que usaram palpites meus ou do pdrjs para investigarem pessoas:
tumblr_mxre7hEX4h1sc1kfto1_500.gif


Muito honestamente, inocente sem poderes é dos melhores papéis em jogo. Tenho a impressão de que a maioria das pessoas não percebe que é significativo que os inocentes sejam participativos. Um jogo com inocentes pouco participativos faz com que os investigadores sejam obrigados a exporem-se mais e sabemos muito bem que isso pode correr muito mal. Este jogo não foi o caso, mas keep that in mind, porque já aconteceram alguns jogos em que os inocentes estavam pouco activos...

Vou só comentar no excelente trabalho que a Ariana fez, clarificando algumas coisas:
O excelente trabalho foi conhecer-te um bocadinho + pesquisar. Também não ajudou estares sempre online nas horas das mortes que eu vi. Ainda assim, jamais deixaria um testamento demasiado acusativo, porque, por mais pistas que estivessem reunidas, mesmo que vagas, o facto de me parecer demasiado seres tu, fez-me pensar que pudesses não ser (bom trabalho com as pistas). Mas assim que apareceste a dar dismiss ao que disse fiquei hmmmmmmmmmmmmmmmm wait wait wait, isto afinal deve ser mesmo uma coisa da Andreia (além de que me lembrava particularmente de teres dito uma vez que seria fixe um assassino ter textos que mandavam pistas para toda a gente). Quando alguns textos começaram a parecer pessoas específicas, pareceu-me exactamente algo que tu farias (e a citação do Karl Marx, apesar de não ser uma pista para ti, pareceu uma coisa tua também, que não referi na altura, mas quando jogavas como L, tu costumavas alterar frases dentro daquele género) 🤣 Foi divertido!

Agora quero mais joguinhos 🥺
 
Eu já respondi a cenas de alemão no fórum, mas achava que ninguém lia os meus posts 😂 😭 😂 😭
Não subestimes o quanto as pessoas podem fazer para jogar DN...
 
Ainda é este verão que vamos ter o máfia versão harry potter?
Honestamente, não sei. É minha vontade que assim seja, mas é possível que isso possa não acontecer, uma vez que dia 27 devo ter formação em Lisboa. Vou tentar tratar disso em breve, para depois de mais edições de DN 😌
 
- As pistas aqui seriam: Membro Catedrático e o facto de me ter "irritado" com a abertura de uma lista tão precocemente. Esta última seria uma LEVE menção ao jogo de Sanatorium, onde abriram uma lista contra mim e eu abri uma de volta, porque sim.

Já sei contra quem vou abrir uma lista precoce no próximo jogo... 🙄
 
Já sei contra quem vou abrir uma lista precoce no próximo jogo... 🙄
Já agora: porquê a lista para o davis? Disseste que ias explicar no fim do jogo.

Honestamente, eu achei que fosse só uma táctica para tentares parecer precipitado (uma vez que não íamos levar aquilo a sério) e os assassinos não te matarem, mas queria ouvir o que tens a dizer.
 
  • Like
Reactions: davis