Desistir de medicina e mudar de curso na 3ª fase?

mariaaa777

Membro
Matrícula
10 Outubro 2018
Mensagens
46
Olá a todos,
Tenho de tomar uma decisão difícil e penso que algumas pessoas me poderão ajudar.

Eu acabei o secundário o ano letivo passado e estava muito indecisa entre medicina e matemática, isto porque matemática sempre foi das minhas disciplinas preferidas na escola, e onde tive melhor aproveitamento (apesar de não ter propriamente más notas ao resto).

Desde pequena e desde que me lembro/desde que me foi introduzida a matemática que sempre tive um certo interesse pela disciplina e curiosidade/prazer em resolver problemas e desafios que puxassem pela cabeça, como por exemplo as Olimpíadas, onde cheguei a ir representar a minha escola mais que uma vez na fase regional (nunca passei daí, no entanto). Se calhar também por ter pais e um irmão engenheiros e que sempre gostaram da área (o meu pai faz investigação em matemática por conta própria nos tempos livres, há já vários anos) está-me nos genes. De qualquer das formas, sempre tive um pouco o bichinho da matemática, e tive a sorte de sempre ter tido bons professores à disciplina, nomeadamente o meu professor do 9º ao 12º, que não só explicava bem a matéria e de forma divertida, mas também colocava pequenos problemas/desafios não relacionados com a matéria que nos desafiavam a pensar e aprender "para além do programa", e sempre gostei muito disso. Também gosto de perceber o porquê de certas coisas, por exemplo, lembro-me de resolver um pequeno desafio que o meu irmão me mostrou no 9º ano em que era necessário usar o fatorial, e ele rapidamente me explicou o que isso era e como funcionava. Mas achei curioso porque é que 0! = 1, e quando vi um vídeo no Youtube que explicava isso achei muito interessante! Ou seja, matemática sempre foi um curso que tive em mente, já desde o início do secundário, e tendo em vista sobretudo a via do ensino, porque os meus colegas nas aulas muitas vezes pediam ajuda com exercícios e eu adorava não só explicar-lhes, mas também o sentimento de gratificação quando eles não estavam mesmo a perceber uma coisa e depois de lhes explicar "fazia-se luz"! Para além disso, dei explicações de matemática no 12º a um vizinho do 10º ano, e gostei da experiência e acho que correu bem (ele acabou com 18 à disciplina).

No entanto, no secundário começou a surgir a ideia de medicina, o que me atraiu foi sobretudo o contacto que há com as pessoas e o facto de eu ter empatia e um sentido de serviço ao próximo, que acho que fariam de mim uma boa médica. Para além disso, acho bastante atrativa a profissão de um médico, o facto de fazerem diagnósticos (que também requer um certo raciocínio lógico-dedutivo que há na matemática, apesar de bastante diferente) e de ajudarem pessoas, o que soa bastante cliché... O que me fez duvidar em relação à medicina foi o facto de não ter muita matemática e, sobretudo, de ter uma forte componente de biologia e química, que nunca foram disciplinas que me atraíram muito, apesar de em biologia a minha matéria preferida ser o que era relacionado com o corpo humano.
Acabei por optar pôr medicina em primeiro, e o grande fator decisivo foi ter achado que gostaria mais do curso de matemática (que apesar de ser difícil é uma área que sempre gostei muito) mas ia-me aborrecer no futuro como professora de liceu, porque a matéria é sempre a mesma e iria sentir falta de desafios, enquanto que medicina o curso seria mais chato, porque não ia gostar tanto das cadeiras e o curso é muito mais longo, mas seria mais feliz no futuro, ia-me sentir realizada, e provavelmente não me iria aborrecer com tanta facilidade como em matemática.

Este ano entrei em medicina, mas apesar de só ter tido duas semanas de aulas (a primeira foi de introdução e não demos matéria), não estou a gostar nada da matéria, e estou a ponderar mudar para matemática agora na terceira fase de candidaturas (vi que abriu uma vaga na FCT, que seria a minha primeira opção para mat).
Mas, por um lado, receio que a decisão de mudar já possa ser um pouco premeditada, tendo em conta que tive poucas aulas e que já falei com alunos mais velhos/médicos que disseram que também não gostaram muito das cadeiras dos primeiros 2 anos porque é muito teórico e chato, anatomia, bioquímica, bmc..., mas que a partir dos anos clínicos fica muito mais interessante e a matéria é mais gira, e que fazer o esforço de resistir aos primeiros anos é recompensador.

Eu acho que tenho bastante força de vontade e seria capaz de "aguentar" estes anos iniciais, mas também não sei até que ponto gostaria dos anos clínicos, se calhar ia continuar a achar o estudo aborrecido, e se assim for quanto mais cedo mudar melhor...

Os meus maiores receios quanto a mudar para matemática são que, por um lado, a matéria seja muito teórica e não tenha interesse, ou que não consiga "apanhar o comboio" e não perceba nada daquilo (visto que entraria com um mês de atraso) ou que, no futuro, não encontre nada que me faça feliz no ramo da matemática, isto porque o ensino no liceu se poderia tornar aborrecido, o ensino universitário é um ramo muito difícil de se conseguir alcançar (e também não sei se gostaria de investigação, o que gosto mesmo é de ensinar) e nos outros ramos como ciência de dados, seguradoras, bancos, finanças, estatística, etc, não me vejo muito porque acaba por ser um trabalho mais solitário e não tem tanto o contacto com as pessoas/gratificação que gostaria.

Eu sei que ultimamente a decisão terá que ser minha, mas acho que ter o insight de algumas pessoas seria uma mais-valia!

Peço imensa desculpa pelo testamento enorme, e muito obrigada por terem lido!!

PS: como não tive biologia nem química no 12º está a ser ainda mais difícil para mim acompanhar essas disciplinas, e talvez isso também contribua para que não esteja a gostar delas (no entanto, isso não se aplica a anatomia, uma vez que começámos todos do 0, e também não estou a gostar particularmente da disciplina...).
 
  • Like
Reactions: nymeria

Quelra

Membro Veterano
Apoiante Uniarea
Matrícula
6 Agosto 2020
Mensagens
182
Curso
GRH
Do que li pareces mesmo apaixonada por matemática, por isso acho que seria esse o caminho a seguir... Quanto às saídas profissionais, se calhar estando na licenciatura de matemática poderias então explorar melhor as opções que tens, ou seja, se calhar na licenciatura descobres uma saída profissional que não pensavas sequer que havia e que mistura contacto com pessoas como tanto gostas.

Tens de pensar em como seria o teu dia a dia como médica e ver se gostas. Depois podes também pensar como seria o teu dia de trabalho ideal e gerir à volta disso :)
 
  • Fabulous
Reactions: mariaaa777

nymeria

Membro
Matrícula
24 Agosto 2020
Mensagens
14
Curso
Línguas e Relações Internacionais
Instituição
FLUP
Olá a todos,
Tenho de tomar uma decisão difícil e penso que algumas pessoas me poderão ajudar.

Eu acabei o secundário o ano letivo passado e estava muito indecisa entre medicina e matemática, isto porque matemática sempre foi das minhas disciplinas preferidas na escola, e onde tive melhor aproveitamento (apesar de não ter propriamente más notas ao resto).

Desde pequena e desde que me lembro/desde que me foi introduzida a matemática que sempre tive um certo interesse pela disciplina e curiosidade/prazer em resolver problemas e desafios que puxassem pela cabeça, como por exemplo as Olimpíadas, onde cheguei a ir representar a minha escola mais que uma vez na fase regional (nunca passei daí, no entanto). Se calhar também por ter pais e um irmão engenheiros e que sempre gostaram da área (o meu pai faz investigação em matemática por conta própria nos tempos livres, há já vários anos) está-me nos genes. De qualquer das formas, sempre tive um pouco o bichinho da matemática, e tive a sorte de sempre ter tido bons professores à disciplina, nomeadamente o meu professor do 9º ao 12º, que não só explicava bem a matéria e de forma divertida, mas também colocava pequenos problemas/desafios não relacionados com a matéria que nos desafiavam a pensar e aprender "para além do programa", e sempre gostei muito disso. Também gosto de perceber o porquê de certas coisas, por exemplo, lembro-me de resolver um pequeno desafio que o meu irmão me mostrou no 9º ano em que era necessário usar o fatorial, e ele rapidamente me explicou o que isso era e como funcionava. Mas achei curioso porque é que 0! = 1, e quando vi um vídeo no Youtube que explicava isso achei muito interessante! Ou seja, matemática sempre foi um curso que tive em mente, já desde o início do secundário, e tendo em vista sobretudo a via do ensino, porque os meus colegas nas aulas muitas vezes pediam ajuda com exercícios e eu adorava não só explicar-lhes, mas também o sentimento de gratificação quando eles não estavam mesmo a perceber uma coisa e depois de lhes explicar "fazia-se luz"! Para além disso, dei explicações de matemática no 12º a um vizinho do 10º ano, e gostei da experiência e acho que correu bem (ele acabou com 18 à disciplina).

No entanto, no secundário começou a surgir a ideia de medicina, o que me atraiu foi sobretudo o contacto que há com as pessoas e o facto de eu ter empatia e um sentido de serviço ao próximo, que acho que fariam de mim uma boa médica. Para além disso, acho bastante atrativa a profissão de um médico, o facto de fazerem diagnósticos (que também requer um certo raciocínio lógico-dedutivo que há na matemática, apesar de bastante diferente) e de ajudarem pessoas, o que soa bastante cliché... O que me fez duvidar em relação à medicina foi o facto de não ter muita matemática e, sobretudo, de ter uma forte componente de biologia e química, que nunca foram disciplinas que me atraíram muito, apesar de em biologia a minha matéria preferida ser o que era relacionado com o corpo humano.
Acabei por optar pôr medicina em primeiro, e o grande fator decisivo foi ter achado que gostaria mais do curso de matemática (que apesar de ser difícil é uma área que sempre gostei muito) mas ia-me aborrecer no futuro como professora de liceu, porque a matéria é sempre a mesma e iria sentir falta de desafios, enquanto que medicina o curso seria mais chato, porque não ia gostar tanto das cadeiras e o curso é muito mais longo, mas seria mais feliz no futuro, ia-me sentir realizada, e provavelmente não me iria aborrecer com tanta facilidade como em matemática.

Este ano entrei em medicina, mas apesar de só ter tido duas semanas de aulas (a primeira foi de introdução e não demos matéria), não estou a gostar nada da matéria, e estou a ponderar mudar para matemática agora na terceira fase de candidaturas (vi que abriu uma vaga na FCT, que seria a minha primeira opção para mat).
Mas, por um lado, receio que a decisão de mudar já possa ser um pouco premeditada, tendo em conta que tive poucas aulas e que já falei com alunos mais velhos/médicos que disseram que também não gostaram muito das cadeiras dos primeiros 2 anos porque é muito teórico e chato, anatomia, bioquímica, bmc..., mas que a partir dos anos clínicos fica muito mais interessante e a matéria é mais gira, e que fazer o esforço de resistir aos primeiros anos é recompensador.

Eu acho que tenho bastante força de vontade e seria capaz de "aguentar" estes anos iniciais, mas também não sei até que ponto gostaria dos anos clínicos, se calhar ia continuar a achar o estudo aborrecido, e se assim for quanto mais cedo mudar melhor...

Os meus maiores receios quanto a mudar para matemática são que, por um lado, a matéria seja muito teórica e não tenha interesse, ou que não consiga "apanhar o comboio" e não perceba nada daquilo (visto que entraria com um mês de atraso) ou que, no futuro, não encontre nada que me faça feliz no ramo da matemática, isto porque o ensino no liceu se poderia tornar aborrecido, o ensino universitário é um ramo muito difícil de se conseguir alcançar (e também não sei se gostaria de investigação, o que gosto mesmo é de ensinar) e nos outros ramos como ciência de dados, seguradoras, bancos, finanças, estatística, etc, não me vejo muito porque acaba por ser um trabalho mais solitário e não tem tanto o contacto com as pessoas/gratificação que gostaria.

Eu sei que ultimamente a decisão terá que ser minha, mas acho que ter o insight de algumas pessoas seria uma mais-valia!

Peço imensa desculpa pelo testamento enorme, e muito obrigada por terem lido!!

PS: como não tive biologia nem química no 12º está a ser ainda mais difícil para mim acompanhar essas disciplinas, e talvez isso também contribua para que não esteja a gostar delas (no entanto, isso não se aplica a anatomia, uma vez que começámos todos do 0, e também não estou a gostar particularmente da disciplina...).
não é, de facto, uma decisão fácil.

sobre a medicina: todas as pessoas com quem falei que entraram pelo mesmo motivo que tu (o contacto com as pessoas) dizem que o curso não é nada o que imaginam até ao início dos estágios e das práticas. aí sim, percebem que é o que sempre quiseram.

pelo que dizes, a matemática parece mesmo ser a tua grande paixão. falas da matemática como outros falam de medicina ou de engenharia. tens razão que a decisão no final é tua. a minha dica é um bocado abstrata, mas digo-te que sigas o teu coração. não faz sentido ficares seis anos num curso que sabes que realmente não é para ti — e ficares com o “e se?” a ecoar permanentemente dentro de ti.

faz o que que te fizer mais feliz. e boa sorte!
 

Cristiana Matos

Membro Dux
Especialista
Matemática & Ensino Superior
Matrícula
28 Agosto 2019
Mensagens
506
Curso
Matemática
Instituição
Fcup
Olá a todos,
Tenho de tomar uma decisão difícil e penso que algumas pessoas me poderão ajudar.

Eu acabei o secundário o ano letivo passado e estava muito indecisa entre medicina e matemática, isto porque matemática sempre foi das minhas disciplinas preferidas na escola, e onde tive melhor aproveitamento (apesar de não ter propriamente más notas ao resto).

Desde pequena e desde que me lembro/desde que me foi introduzida a matemática que sempre tive um certo interesse pela disciplina e curiosidade/prazer em resolver problemas e desafios que puxassem pela cabeça, como por exemplo as Olimpíadas, onde cheguei a ir representar a minha escola mais que uma vez na fase regional (nunca passei daí, no entanto). Se calhar também por ter pais e um irmão engenheiros e que sempre gostaram da área (o meu pai faz investigação em matemática por conta própria nos tempos livres, há já vários anos) está-me nos genes. De qualquer das formas, sempre tive um pouco o bichinho da matemática, e tive a sorte de sempre ter tido bons professores à disciplina, nomeadamente o meu professor do 9º ao 12º, que não só explicava bem a matéria e de forma divertida, mas também colocava pequenos problemas/desafios não relacionados com a matéria que nos desafiavam a pensar e aprender "para além do programa", e sempre gostei muito disso. Também gosto de perceber o porquê de certas coisas, por exemplo, lembro-me de resolver um pequeno desafio que o meu irmão me mostrou no 9º ano em que era necessário usar o fatorial, e ele rapidamente me explicou o que isso era e como funcionava. Mas achei curioso porque é que 0! = 1, e quando vi um vídeo no Youtube que explicava isso achei muito interessante! Ou seja, matemática sempre foi um curso que tive em mente, já desde o início do secundário, e tendo em vista sobretudo a via do ensino, porque os meus colegas nas aulas muitas vezes pediam ajuda com exercícios e eu adorava não só explicar-lhes, mas também o sentimento de gratificação quando eles não estavam mesmo a perceber uma coisa e depois de lhes explicar "fazia-se luz"! Para além disso, dei explicações de matemática no 12º a um vizinho do 10º ano, e gostei da experiência e acho que correu bem (ele acabou com 18 à disciplina).

No entanto, no secundário começou a surgir a ideia de medicina, o que me atraiu foi sobretudo o contacto que há com as pessoas e o facto de eu ter empatia e um sentido de serviço ao próximo, que acho que fariam de mim uma boa médica. Para além disso, acho bastante atrativa a profissão de um médico, o facto de fazerem diagnósticos (que também requer um certo raciocínio lógico-dedutivo que há na matemática, apesar de bastante diferente) e de ajudarem pessoas, o que soa bastante cliché... O que me fez duvidar em relação à medicina foi o facto de não ter muita matemática e, sobretudo, de ter uma forte componente de biologia e química, que nunca foram disciplinas que me atraíram muito, apesar de em biologia a minha matéria preferida ser o que era relacionado com o corpo humano.
Acabei por optar pôr medicina em primeiro, e o grande fator decisivo foi ter achado que gostaria mais do curso de matemática (que apesar de ser difícil é uma área que sempre gostei muito) mas ia-me aborrecer no futuro como professora de liceu, porque a matéria é sempre a mesma e iria sentir falta de desafios, enquanto que medicina o curso seria mais chato, porque não ia gostar tanto das cadeiras e o curso é muito mais longo, mas seria mais feliz no futuro, ia-me sentir realizada, e provavelmente não me iria aborrecer com tanta facilidade como em matemática.

Este ano entrei em medicina, mas apesar de só ter tido duas semanas de aulas (a primeira foi de introdução e não demos matéria), não estou a gostar nada da matéria, e estou a ponderar mudar para matemática agora na terceira fase de candidaturas (vi que abriu uma vaga na FCT, que seria a minha primeira opção para mat).
Mas, por um lado, receio que a decisão de mudar já possa ser um pouco premeditada, tendo em conta que tive poucas aulas e que já falei com alunos mais velhos/médicos que disseram que também não gostaram muito das cadeiras dos primeiros 2 anos porque é muito teórico e chato, anatomia, bioquímica, bmc..., mas que a partir dos anos clínicos fica muito mais interessante e a matéria é mais gira, e que fazer o esforço de resistir aos primeiros anos é recompensador.

Eu acho que tenho bastante força de vontade e seria capaz de "aguentar" estes anos iniciais, mas também não sei até que ponto gostaria dos anos clínicos, se calhar ia continuar a achar o estudo aborrecido, e se assim for quanto mais cedo mudar melhor...

Os meus maiores receios quanto a mudar para matemática são que, por um lado, a matéria seja muito teórica e não tenha interesse, ou que não consiga "apanhar o comboio" e não perceba nada daquilo (visto que entraria com um mês de atraso) ou que, no futuro, não encontre nada que me faça feliz no ramo da matemática, isto porque o ensino no liceu se poderia tornar aborrecido, o ensino universitário é um ramo muito difícil de se conseguir alcançar (e também não sei se gostaria de investigação, o que gosto mesmo é de ensinar) e nos outros ramos como ciência de dados, seguradoras, bancos, finanças, estatística, etc, não me vejo muito porque acaba por ser um trabalho mais solitário e não tem tanto o contacto com as pessoas/gratificação que gostaria.

Eu sei que ultimamente a decisão terá que ser minha, mas acho que ter o insight de algumas pessoas seria uma mais-valia!

Peço imensa desculpa pelo testamento enorme, e muito obrigada por terem lido!!

PS: como não tive biologia nem química no 12º está a ser ainda mais difícil para mim acompanhar essas disciplinas, e talvez isso também contribua para que não esteja a gostar delas (no entanto, isso não se aplica a anatomia, uma vez que começámos todos do 0, e também não estou a gostar particularmente da disciplina...).
Olá. Matemática na sua vertente pura tem uma forte componente teórica. Mas tb tens prática...
Matemática aplicada sempre e mais prática mas n te enganes. Tb tem mt teoria...
No inicio a matéria constuma ser simples e deves ser capaz de acompanhar com um pouco de esforço.
Se medicina n te faz feliz, n vale a pena continuares no curso. É mt difícil fazeres um curso que não gostas...
Se tiveres dúvidas sobre o curso podes falar comigo. Boa sorte 🍀
 

Teresa P.

👑 Membro Honorário
Apoiante Uniarea
Matrícula
14 Agosto 2019
Mensagens
267
Curso
Serviço Social
Peço desculpa a intromissão, mas permitam que dê a minha humilde opinião. A minha relação com a matemática sempre foi bastante negativa. Por isso não percebia (continuo sem perceber) como alguém pode referir-se à matemática com tanta paixão e entusiasmo como a @mariaaa777 demostrou no seu texto. O meu filho tem a mesma paixão e, por isso, optou pela licenciatura de matemática.

Devo dizer que é um curso difícil e teórico, claro, mas tenho observado um interesse acrescido pela matemática por parte do meu filho à medida que avança no curso (já está no terceiro ano e a pensar seguir investigação operacional no mestrado). A forma entusiástica como fala do que aprende e do conseguiu alcançar até agora é contagiante, de tal forma que a minha relação com a matemática ficou um pouco mais positiva.

Assim, se a matemática te entusiasma a licenciatura em matemática é a melhor opção.

Acrescento que na FCT-UNL, onde o meu filho estuda, há uma grande entreajuda entre os vários alunos dos três anos do curso. Não vais ter problemas em recuperar a matéria em atraso e podes sempre pedir ajuda aos veteranos.

Espero que corra tudo bem! Gostaria de ouvir o meu filho dizer que entrou na terceira fase uma ex aluna de medicina. 🤗
 

Blasty

Moderadora
Equipa Uniarea
Moderador
Matrícula
29 Abril 2016
Mensagens
6,650
Curso
Medicina
Este ano entrei em medicina, mas apesar de só ter tido duas semanas de aulas (a primeira foi de introdução e não demos matéria), não estou a gostar nada da matéria, e estou a ponderar mudar para matemática agora na terceira fase de candidaturas (vi que abriu uma vaga na FCT, que seria a minha primeira opção para mat).
Mas, por um lado, receio que a decisão de mudar já possa ser um pouco premeditada, tendo em conta que tive poucas aulas e que já falei com alunos mais velhos/médicos que disseram que também não gostaram muito das cadeiras dos primeiros 2 anos porque é muito teórico e chato, anatomia, bioquímica, bmc..., mas que a partir dos anos clínicos fica muito mais interessante e a matéria é mais gira, e que fazer o esforço de resistir aos primeiros anos é recompensador.
Olá! Já te deram bastantes conselhos, mas queria só comentar esta parte do teu post.
Apesar da minha situação ser diferente da tua (sabia que queria entrar em Medicina e não estive indecisa entre isso e outra coisa qualquer), também não gostei nada das primeiras semanas. Foi aquele impacto inicial e a matéria não é lá muito agradável no geral. Não é que não conseguisse achar interesse naquilo, mas continuava a ser mau e as únicas aulas em que dava para "relaxar" mais um bocado e sentir que percebia minimamente o que se estava a passar eram as de bioestística ahah.
Agora estou no 4º ano e, à medida que avanço, ainda mais horrível me parece o 1º ano (+ grande parte do 2º e algumas coisas do 3º). Embora só esteja há um mês e tal nos anos clínicos, de facto acho muito mais giro e interessante e não trocava por nada (tal como a maioria dos colegas com quem falo), apesar de também ter os seus pontos negativos como tudo na vida. 😅
Por outro lado, também conheço um ou outro colega que não gosta de contacto clínico, o que torna estes anos bastante menos agradáveis. Há sempre pessoas em todas situações.

De qualquer forma, imaginando que não mudas de curso agora na 3ª fase, podes sempre mudar para o ano se for de facto o que te fizer mais feliz, pelo que não é uma decisão final.

Boa sorte para qualquer que seja a tua decisão! 😊
 
  • Fabulous
Reactions: mariaaa777

mariaaa777

Membro
Matrícula
10 Outubro 2018
Mensagens
46
Do que li pareces mesmo apaixonada por matemática, por isso acho que seria esse o caminho a seguir... Quanto às saídas profissionais, se calhar estando na licenciatura de matemática poderias então explorar melhor as opções que tens, ou seja, se calhar na licenciatura descobres uma saída profissional que não pensavas sequer que havia e que mistura contacto com pessoas como tanto gostas.

Tens de pensar em como seria o teu dia a dia como médica e ver se gostas. Depois podes também pensar como seria o teu dia de trabalho ideal e gerir à volta disso :)
É verdade, isso é sempre uma hipótese... quem sabe se durante o estágio no terceiro ano (a FCT tem um estágio no final da licenciatura em que podemos fazer investigação ou ir para uma empresa) até não me apaixono por uma dessas áreas!
Muito obrigada pela resposta :)
Post automatically merged:

não é, de facto, uma decisão fácil.

sobre a medicina: todas as pessoas com quem falei que entraram pelo mesmo motivo que tu (o contacto com as pessoas) dizem que o curso não é nada o que imaginam até ao início dos estágios e das práticas. aí sim, percebem que é o que sempre quiseram.

pelo que dizes, a matemática parece mesmo ser a tua grande paixão. falas da matemática como outros falam de medicina ou de engenharia. tens razão que a decisão no final é tua. a minha dica é um bocado abstrata, mas digo-te que sigas o teu coração. não faz sentido ficares seis anos num curso que sabes que realmente não é para ti — e ficares com o “e se?” a ecoar permanentemente dentro de ti.

faz o que que te fizer mais feliz. e boa sorte!
Muito obrigada, acho que a chave está mesmo aí: em seguir o meu coração!!
Post automatically merged:

Olá. Matemática na sua vertente pura tem uma forte componente teórica. Mas tb tens prática...
Matemática aplicada sempre e mais prática mas n te enganes. Tb tem mt teoria...
No inicio a matéria constuma ser simples e deves ser capaz de acompanhar com um pouco de esforço.
Se medicina n te faz feliz, n vale a pena continuares no curso. É mt difícil fazeres um curso que não gostas...
Se tiveres dúvidas sobre o curso podes falar comigo. Boa sorte 🍀
Muito obrigada!! Sim acho que é isso, e conheço algumas pessoas que andam na Nova (inclusivamente uma rapariga em matemática no segundo ano) e dizem que o ambiente é espetacular e as pessoas ajudam-se imenso, então com a ajuda dos outros acho que conseguiria acompanhar :)
Post automatically merged:

Peço desculpa a intromissão, mas permitam que dê a minha humilde opinião. A minha relação com a matemática sempre foi bastante negativa. Por isso não percebia (continuo sem perceber) como alguém pode referir-se à matemática com tanta paixão e entusiasmo como a @mariaaa777 demostrou no seu texto. O meu filho tem a mesma paixão e, por isso, optou pela licenciatura de matemática.

Devo dizer que é um curso difícil e teórico, claro, mas tenho observado um interesse acrescido pela matemática por parte do meu filho à medida que avança no curso (já está no terceiro ano e a pensar seguir investigação operacional no mestrado). A forma entusiástica como fala do que aprende e do conseguiu alcançar até agora é contagiante, de tal forma que a minha relação com a matemática ficou um pouco mais positiva.

Assim, se a matemática te entusiasma a licenciatura em matemática é a melhor opção.

Acrescento que na FCT-UNL, onde o meu filho estuda, há uma grande entreajuda entre os vários alunos dos três anos do curso. Não vais ter problemas em recuperar a matéria em atraso e podes sempre pedir ajuda aos veteranos.

Espero que corra tudo bem! Gostaria de ouvir o meu filho dizer que entrou na terceira fase uma ex aluna de medicina. 🤗
Muito obrigada!! Sim é verdade, o ambiente lá é muito bom mesmo, o que ajudaria bastante :)
Felicidades para si e para o seu filho!!
Post automatically merged:

Olá , precisava de entrar em contacto contigo Maria , é possível ? 😉
Claro que sim, sem qualquer problema! Já vi que mandaste mensagem e já te respondi :)
Post automatically merged:

Olá! Já te deram bastantes conselhos, mas queria só comentar esta parte do teu post.
Apesar da minha situação ser diferente da tua (sabia que queria entrar em Medicina e não estive indecisa entre isso e outra coisa qualquer), também não gostei nada das primeiras semanas. Foi aquele impacto inicial e a matéria não é lá muito agradável no geral. Não é que não conseguisse achar interesse naquilo, mas continuava a ser mau e as únicas aulas em que dava para "relaxar" mais um bocado e sentir que percebia minimamente o que se estava a passar eram as de bioestística ahah.
Agora estou no 4º ano e, à medida que avanço, ainda mais horrível me parece o 1º ano (+ grande parte do 2º e algumas coisas do 3º). Embora só esteja há um mês e tal nos anos clínicos, de facto acho muito mais giro e interessante e não trocava por nada (tal como a maioria dos colegas com quem falo), apesar de também ter os seus pontos negativos como tudo na vida. 😅
Por outro lado, também conheço um ou outro colega que não gosta de contacto clínico, o que torna estes anos bastante menos agradáveis. Há sempre pessoas em todas situações.

De qualquer forma, imaginando que não mudas de curso agora na 3ª fase, podes sempre mudar para o ano se for de facto o que te fizer mais feliz, pelo que não é uma decisão final.

Boa sorte para qualquer que seja a tua decisão! 😊
Muito obrigada!! Pois, até agora as únicas aulas que realmente estou a gostar são introdução à medicina e ética 😂😂
Pois, imagino que os anos clínicos realmente sejam muito mais giros ahaha, só não sei se seria capaz de aguentar até lá.
Sim é verdade, essa é outra hipótese, tentar ficar até ao final do ano e se não der certo mudar para o ano.
Obrigada pela ajuda!! :))
 
Última edição:

jelicasa

Membro Caloiro
Matrícula
13 Outubro 2021
Mensagens
4
Hello Maria,
Revejo-me na tua situação com a Matemática, mas no meu caso é com Geografia.
Tenho 28 anos, já terminei o secundário há algum tempo e na altura entrei em Solicitadoria pois achava que gostava de direito e afins. Assim que comecei as aulas e me apercebi de que, na altura, cerca de 70% do curso seriam cadeiras de contabilidade e não de direito, aliadas aos pouco ortodoxo métodos de avaliação, acabei por desistir.
Entretanto estive uns anos sem estudar, estive a trabalhar, e acabei por me aperceber de que queria mesmo voltar a estudar, em algo que me interessa mesmo, e seguir a via do ensino (quer fosse em Geografia, ou em educação básica) e repeti o exame de Geografia este ano.
Apesar de ter tido este ano melhor nota na segunda fase no exame do que no secundário, não entrei por décimas (estou ainda à espera dos resultados da terceira fase, mas tendo em conta o aumento exponencial das médias este ano, nem vale a pena esperar muito).
Com isto quero te dizer que, mesmo que não entres agora na terceira fase em Matemática, não desistas. Podes sempre continuar em Medicina este ano, e pedes transferência de curso para o ano, ou congelas a matrícula e fazes um gap year, e aproveitas para trabalhar e ganhares uns troquitos ou assim, e tentas para o ano.
Estamos habituados a dizerem-nos na escola que temos de seguir algo que tenha saída, e que nos ofereça estabilidade financeira no futuro... mas também é muito importante seguirmos algo com que nos identificamos, e como um professor na faculdade me disse uma vez "se formos os melhores, temos sempre saída até num curso em que digam que não tem saída".
Boa sorte! 🤞🏼
 

mariaaa777

Membro
Matrícula
10 Outubro 2018
Mensagens
46
Hello Maria,
Revejo-me na tua situação com a Matemática, mas no meu caso é com Geografia.
Tenho 28 anos, já terminei o secundário há algum tempo e na altura entrei em Solicitadoria pois achava que gostava de direito e afins. Assim que comecei as aulas e me apercebi de que, na altura, cerca de 70% do curso seriam cadeiras de contabilidade e não de direito, aliadas aos pouco ortodoxo métodos de avaliação, acabei por desistir.
Entretanto estive uns anos sem estudar, estive a trabalhar, e acabei por me aperceber de que queria mesmo voltar a estudar, em algo que me interessa mesmo, e seguir a via do ensino (quer fosse em Geografia, ou em educação básica) e repeti o exame de Geografia este ano.
Apesar de ter tido este ano melhor nota na segunda fase no exame do que no secundário, não entrei por décimas (estou ainda à espera dos resultados da terceira fase, mas tendo em conta o aumento exponencial das médias este ano, nem vale a pena esperar muito).
Com isto quero te dizer que, mesmo que não entres agora na terceira fase em Matemática, não desistas. Podes sempre continuar em Medicina este ano, e pedes transferência de curso para o ano, ou congelas a matrícula e fazes um gap year, e aproveitas para trabalhar e ganhares uns troquitos ou assim, e tentas para o ano.
Estamos habituados a dizerem-nos na escola que temos de seguir algo que tenha saída, e que nos ofereça estabilidade financeira no futuro... mas também é muito importante seguirmos algo com que nos identificamos, e como um professor na faculdade me disse uma vez "se formos os melhores, temos sempre saída até num curso em que digam que não tem saída".
Boa sorte! 🤞🏼
Olá,
Muito obrigada pela tua mensagem!
Concordo com tudo o que disseste. Eu acabei por me candidatar a matemática, também estou (ainda) à espera dos resultados!! Mas tive imensa sorte porque abriu uma vaga na Nova que era para onde queria ir, por isso estou esperançosa que consiga entrar :) Mas se não conseguir é mesmo como dizes, outras coisas boas virão e de certeza que há de correr tudo pelo melhor!
É engraçado que a última frase que deixaste, a do teu professor, é uma frase que a minha mãe sempre me disse! E têm toda a razão :))
Muito boa sorte agora para a terceira fase e também para o futuro, e mais uma vez obrigada! :)