Diário do Estudante 2021/2022

 
Status
Não está aberto para novas mensagens.
Buenas noches :3
Época de exames a chegar, e eu a desesperar. Sempre achei estranho estudar desta forma, nunca me imaginei nesta situação. Não posso dizer que é desagradável, e estou muito agradecida por poder estar a focar-me naquilo que sempre quis. Contudo, também é inegável o facto de que as tão típicas saudades portuguesas estejam a destruir o meu coração neo-galego. Nem que os "e se?..." estejam sempre a trabalhar no fundo da minha mente.

Posso, contudo, dizer com toda a certeza que estou feliz por estar a estudar o que sempre quis. Uma jornada difícil, sem dúvida, mas satisfatória. Em termos letivos, já acabou o primeiro ano. Passou rápido, ainda mais por se estar a estudar algo que me interessa bastante.
Chegou a altura de fazer uma retrospectiva acerca de tudo o que aconteceu:
  • A desilusão de não ter entrado foi substituída pela algazarra de tentar arranjar casa à pressa em Espanha.
  • Apesar de serem duas línguas muito parecidas, a barreira linguística existe entre o Português e o Espanhol, e tal tem repercussões importantes na aprendizagem.
  • Lidar com toda a carga da matéria de Medicina não é fácil, mas não foi impossível. E com uma boa gestão de tempo as coisas tornam-se mais fáceis.
  • Bibliotecas passaram a ser mesmo o meu lugar favorito para estudar.
  • Timidez e vergonha por não se saber falar muito bem um idioma estrangeiro são barreiras sérias à aprendizagem, e só incentivam o isolamento. Mental note to self para deixar de ser tão insegura, nas medidas permitidas pela minha ansiedade.
No geral, ainda teria o desejo de voltar para o meu país. Contudo, iniciei este processo fora, e tentarei continuá-lo de forma resiliente. Estou feliz por esta nova experiência, e orgulhosa por, pelo menos, ter conseguido aquilo por que tanto lutei.
 
Buenas noches :3
Época de exames a chegar, e eu a desesperar. Sempre achei estranho estudar desta forma, nunca me imaginei nesta situação. Não posso dizer que é desagradável, e estou muito agradecida por poder estar a focar-me naquilo que sempre quis. Contudo, também é inegável o facto de que as tão típicas saudades portuguesas estejam a destruir o meu coração neo-galego. Nem que os "e se?..." estejam sempre a trabalhar no fundo da minha mente.

Posso, contudo, dizer com toda a certeza que estou feliz por estar a estudar o que sempre quis. Uma jornada difícil, sem dúvida, mas satisfatória. Em termos letivos, já acabou o primeiro ano. Passou rápido, ainda mais por se estar a estudar algo que me interessa bastante.
Chegou a altura de fazer uma retrospectiva acerca de tudo o que aconteceu:
  • A desilusão de não ter entrado foi substituída pela algazarra de tentar arranjar casa à pressa em Espanha.
  • Apesar de serem duas línguas muito parecidas, a barreira linguística existe entre o Português e o Espanhol, e tal tem repercussões importantes na aprendizagem.
  • Lidar com toda a carga da matéria de Medicina não é fácil, mas não foi impossível. E com uma boa gestão de tempo as coisas tornam-se mais fáceis.
  • Bibliotecas passaram a ser mesmo o meu lugar favorito para estudar.
  • Timidez e vergonha por não se saber falar muito bem um idioma estrangeiro são barreiras sérias à aprendizagem, e só incentivam o isolamento. Mental note to self para deixar de ser tão insegura, nas medidas permitidas pela minha ansiedade.
No geral, ainda teria o desejo de voltar para o meu país. Contudo, iniciei este processo fora, e tentarei continuá-lo de forma resiliente. Estou feliz por esta nova experiência, e orgulhosa por, pelo menos, ter conseguido aquilo por que tanto lutei.
Fico muito contente por saber, que mesmo estudando fora, o teu amor pelo conhecimento prevalece.
Por vezes, a busca pelo que nos cativa totalmente é árdua, mas, como disseste, é extremamente bom teres conquistado esse obstáculo.
A barreira linguística imagino que seja incómoda, no entanto, acredito que conseguirás adaptar tudo corretamente.
Goza este triunfo ao máximo e continua a tua luta para concretizar o teu sonho em pleno.
 
  • Love
Reactions: blackuro
Dou por mim acordado às 4 da manhã extremamente stressado por estarmos na reta final deste semestre. Entretanto apanhei COVID, provavelmente na Queima das Fitas, e não vou poder ir às aulas esta semana. Já me sentia completamente afundado em matéria... agora ainda estou pior.

Tenho um teste no sábado e é simplesmente incomportável para mim conseguir acompanhar as outras cadeiras durante esta semana. Para além disso, por ter alguns sintomas, nem consigo estudar. Começo a perceber que estou completamente perdido desde há umas semanas em várias cadeiras e não consigo organizar-me porque parece que não tenho tempo para nada... Ando extremamente stressado com tudo isto.

Ainda estou a tentar idealizar que no fim vai tudo correr bem, mas parece-me uma utopia. Não sei como é que vai ser possível "repescar" o que não tenho vindo a conseguir acompanhar no meio de cadeiras tão diferentes umas das outras e com tanta matéria a ser dada todas as semanas.

Sinto falta de poder tirar um tempo para estar sozinho ou com os meus amigos sem me preocupar por causa de avaliações. Estou sempre a "cortar" planos por causa disso, porque não tenho tido tempo para ter vida social ultimamente...

Enfim. Foi este o desabafo. Vamos ver como isto corre...😅
 
Fico muito contente por saber, que mesmo estudando fora, o teu amor pelo conhecimento prevalece.
Por vezes, a busca pelo que nos cativa totalmente é árdua, mas, como disseste, é extremamente bom teres conquistado esse obstáculo.
A barreira linguística imagino que seja incómoda, no entanto, acredito que conseguirás adaptar tudo corretamente.
Goza este triunfo ao máximo e continua a tua luta para concretizar o teu sonho em pleno.
Muito obrigada! A adaptação ainda não está realizada a 100%, mas com o seu tempo penso que será algo que ficará mais fácil. Por vezes dou por mim a pensar como teria sido a minha vida académica em Portugal, sempre foi algo que queria vivenciar. Mas infelizmente tal não foi possível. Tento olhar para o lado positivo desta experiência internacional, algo um pouco mias drástico, que me permite ver o panorama social e médico por outras lentes.
Sinto falta de poder tirar um tempo para estar sozinho ou com os meus amigos sem me preocupar por causa de avaliações. Estou sempre a "cortar" planos por causa disso, porque não tenho tido tempo para ter vida social ultimamente...
Tenho sentido bastante o mesmo, em principal por estar longe dos amigos e da família que tenho no meu país. Marcar encontros com amigos é um pesadelo por causa disso, e tenho que marcar com uma antecedência grande. Isto, claro, nas semanas em que posso marcar algo, que são raras.

Muita força, já falta pouco para o ano letivo terminar e poderes ter o descanso merecido!
 
olá! pensativa sobre o facto de que pararam de descer as proprinas bem no ano em que eu decidi voltar para o ensino superior e vou sair de lá sem as descerem mais nenhuma vez 😢
 
  • Like
Reactions: davis
olá! pensativa sobre o facto de que pararam de descer as proprinas bem no ano em que eu decidi voltar para o ensino superior e vou sair de lá sem as descerem mais nenhuma vez 😢
Vê o lado positivo, não subiram. Quase todos os mestrados no Técnico vão subir gradualmente nestes dois anos. Podes ver aqui melhor
 
Última edição:
  • Like
Reactions: caat
Vê o lado positivo, não subiram. Quase todos os mestrados no Técnico vão subir gradualmente nestes dois meses. Podes ver aqui melhor
A questão é que isso já não poderá acontecer no próximo ano 🙃 .
Sorry Autumn GIF by Takko Fashion
 
  • Like
  • Wow
Reactions: davis and _Rodrigo_
Lembrei me depois desse artigo que tinha visto e percebi o que quiseste dizer. Deixo em spoiler a resposta do presidente do Técnico a essa decisão. Até percebo os dois lados.
A toda a Comunidade IST,

A Assembleia da República aprovou hoje o Orçamento de Estado para 2022 (OE22) que prevê o congelamento do valor das propinas em todos os ciclos de estudo.

Esta decisão, tem um impacto significativo sobre o Técnico. Esse impacto é agravado porque, tanto quanto se sabe, o congelamento das propinas não vem acompanhado de qualquer compensação para as instituições de ensino superior públicas que, como o Técnico, tem de encontrar financiamento para mais de 35% do custo de formação dos seus estudantes, porque tal custo não é coberto pelo OE (o custo total da formação de um estudante de engenharia é de cerca de 8000 euros/ano, dos quais apenas cerca de 5000 euros são cobertos pelo OE).

A propina de 825 euros/ano (um pouco menos de 70 euros por mês), atualmente em vigor para os mestrados do IST, é das mais baixas, se não a mais baixa, no país para o tipo de formações que o Técnico oferece.

Resulta, nomeadamente, do facto do Técnico ter entendido, que durante a pandemia, em que à crise sanitária se somou uma crise económica e um acesso limitado dos estudantes aos campi, não se deveria rever o valor médio da propina. No entanto, desde o inicio da pandemia, desde as reuniões com alunos para as quais a AEIST me convidou no inicio de 2021, fui declarando que este valor não era sustentável e que teria de ser ajustado, logo que possível, nomeadamente porque a manutenção desse baixo valor da propina só poderia ser conseguido à custa da redução a valores residuais do investimento na infraestrutura pedagógica, nas condições de apoio ao ensino e formação, no acompanhamento académico dos estudantes. A não ser, claro, que o financiamento do OE para o IST fosse significativamente superior e cobrisse uma fatia maior dos custos de formação, o que não aconteceu nem está previsto que venha a acontecer.

Nas várias intervenções que fiz, nos órgãos da escola e da universidade e publicamente (por exemplo no debate com presidente da AEIST em
), a proposta de fixação do valor das propinas de mestrado do IST em 1250 euros/ano a partir de 22/23 (que continuaria a ser um dos valores mais baixos na Universidade de Lisboa e no país), visava assim tão só permitir ao Técnico criar a folga orçamental anual para iniciar o programa de investimento na infraestrutura pedagógica (salas de aula, laboratórios de ensino e espaços de estudo) que tão preciso é, e que foi aprovado pelo Conselho de Gestão no início do ano. Visava reforçar o programa de bolsas de emergência social que temos, criando ainda mais igualdade no acesso e frequência dos estudantes do Técnico. Visava reforçar os meios de apoio ao percurso académico, que no momento em que saímos de uma longa pandemia e em que implementamos um novo modelo de ensino, tanta falta fazem aos estudantes do Técnico.

O congelamento das propinas, sem previsão de qualquer reforço da dotação do OE22, foi por isso uma má decisão que não só prejudica o Técnico, os seus estudantes, os seus professores e toda a comunidade, bem como uma decisão que, em termos mais gerais, aprofunda a desigualdade e a desregulação artificial da oferta de ensino superior público, contrariando o principio de autonomia universitária, expressamente prevista no Regime Jurídico das Instituições de Ensino Superior (que sentido faz duas instituições de ensino superior, ambas publicas, ambas financiadas com o mesmo financiamento do OE e ministrando o mesmo tipo de formação, numa ser imposta pelo OE uma propina de 1500 euros e noutra ser imposta pelo OE uma propina 825 euros?).

Dito isto, o OE22 está aprovado, quem fez essa proposta prejudicou o Técnico e os seus estudantes, e prestou um mau serviços ao país. Mas ao Presidente do Técnico e à sua direção caberá tão somente continuar a trabalhar com todos, nomeadamente com o governo e com a Reitoria da Universidade de Lisboa, no sentido de tentar minimizar o impacto que esta decisão traz na nossa capacidade de providenciar as melhores condições de ensino e formação aos nossos alunos e alunas.

Será um caminho difícil mas conto com todos vós para ajudarem o Técnico a encontrar soluções que permitam manter o programa de investimento, de bolsas e de apoio ao percurso académico que havia sido planeado. A todos vós, mas nomeadamente aos estudantes do Técnico, deixo um apelo: mandem-me as vossas sugestões, ideias e contributos. A situação assim o justifica e todos somos precisos para encontrar soluções.

Conto com o vosso apoio, conto com o vossos contributos e ideias nesta caminhada que agora começa!

Rogério Colaço
Presidente do IST
 
  • Like
Reactions: davis and Edgar H
desabafo do dia: é chato querer procurar informações sobre as supostas saídas de um curso e não encontrar nada na internet, não conhecer ninguém nas áreas, e quando se pede ajuda não aparece nem uma alma com conhecimento de causa e apenas trolls lol
e, sim, já vi os dados de empregabilidade do meu curso, mas não é muito útil quando na verdade só me mostra quem não está inscrito no iefp e não quem está a trabalhar na área que estudou /: já sei que as vagas são poucas, não sou oblivious, mas gostava de saber de quem conseguiu uma como é o trabalho em si e quais passos aconselha a dar, só isso. enfim.
 
  • Like
Reactions: Inês8630
desabafo do dia: é chato querer procurar informações sobre as supostas saídas de um curso e não encontrar nada na internet, não conhecer ninguém nas áreas, e quando se pede ajuda não aparece nem uma alma com conhecimento de causa e apenas trolls lol
e, sim, já vi os dados de empregabilidade do meu curso, mas não é muito útil quando na verdade só me mostra quem não está inscrito no iefp e não quem está a trabalhar na área que estudou /: já sei que as vagas são poucas, não sou oblivious, mas gostava de saber de quem conseguiu uma como é o trabalho em si e quais passos aconselha a dar, só isso. enfim.
Olá! Onde tens procurado?
 
Olá! Onde tens procurado?
honestamente, em todo o lado (online, no caso) haha. eu especificamente gostava de falar com pessoas que já tenham feito a minha licenciatura ou tenham ido por um dos mestrados possíveis, mas está difícil. mas também posso estar a procurar nos locais errados, claro!

also, quando fiz o post acima estava especialmente frustrada por um caso específico em que só respondeu ou gente que não está na área e se meteu a adivinhar, ou gente que só respondeu para trollar mesmo (e é meio triste gastar assim o próprio tempo e o dos outros também, na minha opinião).
 
  • Like
Reactions: Inês8630
Boas tardes 🙂

Por aqui já estou praticamente arrumado em termos de frequências, amanhã é a última😰 depois é só algumas aulas praticas assim como o estágio que vai durar até dia 28 de junho salvo erro.

Pensei que seria um ano bem pior... a adaptação está a ser ótima, e não sei se é normal mas não sinto pressão por parte da Uni, apesar que as aulas praticas são um bocadito puxadas😬
 
  • Like
Reactions: davis
honestamente, em todo o lado (online, no caso) haha. eu especificamente gostava de falar com pessoas que já tenham feito a minha licenciatura ou tenham ido por um dos mestrados possíveis, mas está difícil. mas também posso estar a procurar nos locais errados, claro!

also, quando fiz o post acima estava especialmente frustrada por um caso específico em que só respondeu ou gente que não está na área e se meteu a adivinhar, ou gente que só respondeu para trollar mesmo (e é meio triste gastar assim o próprio tempo e o dos outros também, na minha opinião).
talvez este sítio te tenha informações úteis https://brighterfuture.joseneves.org/BrighterFuture/ é só pesquisares o nome do curso ou da área que queres que vais ver um bocado de informações sobre
 
  • Like
Reactions: caat
Olá pessoal!

Boa sorte a todos para os vossos exames.

Estou a enfrentar a última época de avaliações da licenciatura e está a ser de loucos. Nunca pensei sentir-me tão fatigado. Parece que estão a bater agora todos os anos de esforço, de pandemia, de autorestrições em nome do estudo, etc. Faltam dois exames para acabar a época normal (não muito), mas o estudo é basicamente o mais puro marranço de centenas de páginas, nunca tive cadeiras tão teóricas como estás.

Depois vem a fase de esperar por notas. Vai ser um bocado de roer unhas até saírem todas para ver se a média bate certo com os objetivos, e a pelo menos uma melhoria já terei que ir. No mínimo dos mínimos, passar a tudo 🤣 no último ano o medo de chumbar sobe ahah
 
Eu julgava mesmo que tinha escrito algures em Abril/Maio, afinal não.

Primeiro de tudo, olá!
Espero que estejam bem, dentro do possível, dado que este mês e o anterior costumam ser bastante... Turbulentos. E boa sorte a todos que se encontram em época de avaliações! :))
Cá me encontro em isolamento, mas a estudar Psicologia da Educação, a ver se a frequência não se torna desastrosa como foi a de Psicologia Clínica e da Saúde. :')
Disse durante tanto tempo que queria seguir Psicologia Clínica para mestrado, mas será que assim será? Será que me estarei a converter para a Psicologia Educacional?
Com isto, a corrida para a caça do mestrado... Vai. Acho eu. Ainda aguardo algumas informações a respeito da FPUL, mas agora vejo-me na dúvida Psicologia Clínica vs. Educacional. O que vale é que as faculdades que pretendo têm ambas, por isso...
Bom, eu tenho mesmo de comentar isto.^ Mete graça olhar para trás e ver toda a minha indecisão, de certa forma, e ter parado a um lado um bocado diferente mas com razões pertinentes até: será só uma questão de tempo até deixar de ser segredo, mas candidatei-me para o mestrado de Psicologia Social e das Organizações, sendo aceite [condicionalmente, porque alguém ainda está a acabar a licenciatura, não é?] e ficando, assim, mais dois aninhos na mesma faculdade!
Chegar até aqui implicou perceber tudo o que soube e que se encontra num post que respondi há uns dias ⬇️ e também que poderia escolher optativas mais viradas para a componente social, que é uma área da psicologia que também me interessa.
Há algo que até mesmo eu soube há pouco tempo e que talvez seja pertinente mencionar - talvez um bocado desenquadrado destas duas questões respondidas, mas cá vai - enquanto psicólogo, a especialidade escolhe-se quando já estivermos na Ordem. Pelo que percebi, através de formações e assim. Não quando escolhemos o mestrado. Não sei que relevância isto aqui poderá ter, se alguém precisava de ler isto, da mesma forma como alguns colegas [e mesmo eu] precisámos de ouvir, mas é isso. O conselho que levámos foi: não limitarmos muito as nossas escolhas, principalmente se estivermos cheios de dúvidas. Isto surgiu numa conversa que tive em que se esclareceu a questão da especialidade e dos mestrados. Alguns de nós encontravam-se indecisos, ansiosos,... Por estas escolhas e foi o que nos disseram. A não ser que tivéssemos imeeeeeeensa imensa imensa imensa certeza de que queremos ir para X e ponto, a mensagem que daí levei foi para escolher algo desde que me agradasse, sem grandes pressões. Eu via-me indecisa e isso de certa forma aliviou-me nos primeiros momentos.
No fundo, fico grata pela pessoa em questão nos ter dito isto tudo - é que de certa forma deu uma espécie de alívio (não só a mim), nesse sentido. Ainda acrescentou no fim algo que também dizia, segundo ela, às filhas, em momentos de indecisão parecidos a este: "Inventa". Ainda mais do que aquilo que faço? Pronto, okok.
Já me inscrevi, escolhi optativas e tudo mais, agora... É estudar para o fim da licenciatura. :') aH

Mas vendo assim... Acho que deverá ser o primeiro Verão relativamente mais "sossegado" que tive em... Anos. Espero mesmo poder descansar e meter muita coisa em dia, para contrastar tudo o que estes últimos meses têm sido!
Voltei novamente para o voluntariado, o MindTheMind. Desta vez, é bem capaz que faça mesmo workshops, sendo que brevemente sou capaz de fazer um ou dois primeiros!! Aaaaaaa só estou bué ansiosa quanto a isto! No bom sentido e no menos bom, mas julgo que consigo dar a volta à situação. :)
Sobre isto^, dei três workshops! Dois num colégio e outro numa escola secundária. Correram todos muito bem, principalmente o primeiro de todos - estava muito nervosa, mas a turma a quem dei o workshop era muito atenciosa e bastante participativa, o que ajudou imenso!
A última teve algumas peripécias, como vídeos bloqueados, ou não termos som,... Problemas não tão fora do normal, mas que não impediram que isto corresse pelo melhor, tendo igualmente pessoal interessado e que depois quis falar comigo no fim do workshop! :) Tem sido uma experiência bastante gratificante, uma boa forma de meter parte daquilo que aprendemos em prática.
Ainda andamos a preparar algumas coisas, mas que vão agora surgindo mais pelo online.
no último ano o medo de chumbar sobe ahah
Sobre isto^ .... Olha, né.
Em princípio já tenho uma cadeira feita... Só me faltava a nota do trabalho, mas está praticamente feita. Fiz a primeira frequência ainda e eh. Caótico. Nos primeiros 10 minutos, houve pessoas a sair. E depois o pessoal começou a sair mais mais para o fim, eu incluída. Sei lá.

Agora ando a estudar para Psicologia da Educação e, apesar de a nota do relatório ter sido melhor do que eu esperava, não estou com grandes expectativas para a frequência. Oh bem...
 
Hallo, pessoas! Bom ver que ainda existem alguns diaristas por aí, embora seja este o primeiro ano em que andamos mais parados 🥲

Por estes lados, tenho andado bastante ocupada (estranhamente, para quem optou por abandonar uns seminários, que ficarão para o próximo ano lectivo). Já comecei as minhas tarefas de bolseira de investigação e têm sido... exigentes. Muitas vezes são tarefas mais ou menos mecânicas, mas que exigem um sentido aguçado de conhecimentos da área, mas também muita paciência e capacidade de concentração. Confesso que tenho dias em que facilmente passaria 8, 9 até 10h a fazer isto, mas a minha vista está, aparentemente, cansada e vou ter de ir este mês ao oftalmologista - acho que chegou a altura de começar a precisar de umas lunettes 🤓

Não me tenho sentido na minha melhor forma, porque na última semana fui parar 3 vezes às urgências:
1) a primeira, porque estava claramente com uma infecção urinária e estou a passar as férias com o meu namorado em Grândola, então não tinha como ir ao médico de família. Confirmou-se a infecção nesta primeira ida e, por ser q.b grave medicaram-me logo com três droguitas diferentes: o clássico antibiótico, um anti-inflamatório e um comprimido SOS para as eventuais dores;
2) durante a toma da medicação, passei a ter outros sintomas: imensa febre e dores lombares. Receando que a infecção pudesse estar nos rins, fui parar uma segunda vez ao hospital, onde novamente se confirmou que eu continuava com a infecção, mas que, felizmente, não tinha generalizado. Depois de uma noite infernal com febre, um teste à COVID que me deixou abananada (nunca pensei em praticamente ter uma quebra de tensão e um desmaio depois de um teste.......) e mais de 4h no hospital, lá voltei eu para casa feliz com a ideia de que era continuar os tratamentos e deveria estar boa dentro de poucos dias;
3) mas eis que comecei a ter borbulhas a formarem-se no meu corpo (mãos, barriga, costas) e pele avermelhada - uma reacção alérgica que me estava a dar uma comichão dos demónios e a sensação de picada horrorosa de quando em quando; fui parar uma última vez ao hospital, levei anti-histamínico e a reacção estava tão mazinha que ainda tive de ficar lá mais tempo a ser medicada com corticóides. Ainda passei os 2 dias seguintes com a sensação de picada. Nesta ida ao hospital, descobri que sou alérgica ao anti-inflamatório que andava a tomar desde a ida nº1 ao hospital.

No meio disto tudo, a mãe e o padrasto do meu namorado é que tiveram uma paciência de santos, porque eu parecia estar só mega cursed - um dia não paro de fazer xixi, outro dia estou a arder em febre, noutro dia estou a coçar-me toda e a choramingar. Agora já estou melhor, mas a vista cansada tem afectado um bocado o meu ritmo de trabalho 😿 Felizmente, a minha orientadora da bolsa vai estar na Islândia numa conferência e como o meu contracto só começa para efeitos oficiais dia 15, não há graaande sentido de urgência em que eu me mantenha uma autêntica máquina. Aliás, a orientadora estava chocada com a rapidez com que eu fazia as coisas e alertou-me para ter cautela com isso, que com ela não existiria esse problema, mas que no futuro eu poderia totalmente vir a ser sobrecarregada de trabalho, por aproveitarem este facto de que sou esforçada e diligente.

Também tenho estado ocupada com processos de avaliação da A3ES, que têm sido muitíssimo interessantes. Acabam por ser uma maneira de me manter ocupada, fora do trabalho e são uma tarefa que faço com interesse e facilidade, além de significar mais uns troquinhos que ganho - o que é sempre bom, embora não fosse urgente, uma vez que para o ano vou passar a tempo parcial; como deixei 24 ECTS por fazer deste ano lectivo, precisava ter feito mais 12 para poder começar a dar início aos seminários da dissertação. Já tinha em mente fazer o mestrado em 3 anos, porque me tenho sentido assoberbada e porque queria garantir que a minha pesquisa seria um pouco mais pensada, então não foi uma grande surpresa para mim; vou, ainda assim, fazer 30 ECTS no próximo ano e as propinas vão ser menos custosas.

Estou neste momento à espera de saber a nota do seminário que fiz este semestre, mas tudo indica que estou bem encaminhada para tentar segurar a média nos 19 😮‍💨 Preciso mesmo aproveitar o próximo ano para garantir isso e daí para a frente será só dissertação, dissertação.

Não sei se tinha comentado por aqui, mas este mês vou apresentar um paper numa conferência, vai ser a primeira vez 😳 Ainda nem o tenho escrito, só tenho o abstract que entreguei há meses, vamos fingir que não falta pouco tempo e custa-me sempre iniciar a escrita do que quer se seja. Send helppp 😿

A melhor das sortes para a época de avaliações e bom descanso para os que já tiverem essa oportunidade 💞
 
Sobre isto^ .... Olha, né.
Em princípio já tenho uma cadeira feita... Só me faltava a nota do trabalho, mas está praticamente feita. Fiz a primeira frequência ainda e eh. Caótico. Nos primeiros 10 minutos, houve pessoas a sair. E depois o pessoal começou a sair mais mais para o fim, eu incluída. Sei lá.

Agora ando a estudar para Psicologia da Educação e, apesar de a nota do relatório ter sido melhor do que eu esperava, não estou com grandes expectativas para a frequência. Oh bem...
Eu por acaso também já fiz uma (ainda não saiu a nota, mas no mínimo dos mínimos passo), daí que a minha época normal acabe daqui a menos do que uma semana. Segunda feira se Deus quiser é o último exame escrito da licenciatura. Mas por acaso também tive cadeiras a pregar-me surpresas desagradáveis agora no último ano. Quando é assim pronto, uma pessoa tem que se reerguer e tentar fazer o melhor possível 😅
Hallo, pessoas! Bom ver que ainda existem alguns diaristas por aí, embora seja este o primeiro ano em que andamos mais parados 🥲

Por estes lados, tenho andado bastante ocupada (estranhamente, para quem optou por abandonar uns seminários, que ficarão para o próximo ano lectivo). Já comecei as minhas tarefas de bolseira de investigação e têm sido... exigentes. Muitas vezes são tarefas mais ou menos mecânicas, mas que exigem um sentido aguçado de conhecimentos da área, mas também muita paciência e capacidade de concentração. Confesso que tenho dias em que facilmente passaria 8, 9 até 10h a fazer isto, mas a minha vista está, aparentemente, cansada e vou ter de ir este mês ao oftalmologista - acho que chegou a altura de começar a precisar de umas lunettes 🤓

Não me tenho sentido na minha melhor forma, porque na última semana fui parar 3 vezes às urgências:
1) a primeira, porque estava claramente com uma infecção urinária e estou a passar as férias com o meu namorado em Grândola, então não tinha como ir ao médico de família. Confirmou-se a infecção nesta primeira ida e, por ser q.b grave medicaram-me logo com três droguitas diferentes: o clássico antibiótico, um anti-inflamatório e um comprimido SOS para as eventuais dores;
2) durante a toma da medicação, passei a ter outros sintomas: imensa febre e dores lombares. Receando que a infecção pudesse estar nos rins, fui parar uma segunda vez ao hospital, onde novamente se confirmou que eu continuava com a infecção, mas que, felizmente, não tinha generalizado. Depois de uma noite infernal com febre, um teste à COVID que me deixou abananada (nunca pensei em praticamente ter uma quebra de tensão e um desmaio depois de um teste.......) e mais de 4h no hospital, lá voltei eu para casa feliz com a ideia de que era continuar os tratamentos e deveria estar boa dentro de poucos dias;
3) mas eis que comecei a ter borbulhas a formarem-se no meu corpo (mãos, barriga, costas) e pele avermelhada - uma reacção alérgica que me estava a dar uma comichão dos demónios e a sensação de picada horrorosa de quando em quando; fui parar uma última vez ao hospital, levei anti-histamínico e a reacção estava tão mazinha que ainda tive de ficar lá mais tempo a ser medicada com corticóides. Ainda passei os 2 dias seguintes com a sensação de picada. Nesta ida ao hospital, descobri que sou alérgica ao anti-inflamatório que andava a tomar desde a ida nº1 ao hospital.

No meio disto tudo, a mãe e o padrasto do meu namorado é que tiveram uma paciência de santos, porque eu parecia estar só mega cursed - um dia não paro de fazer xixi, outro dia estou a arder em febre, noutro dia estou a coçar-me toda e a choramingar. Agora já estou melhor, mas a vista cansada tem afectado um bocado o meu ritmo de trabalho 😿 Felizmente, a minha orientadora da bolsa vai estar na Islândia numa conferência e como o meu contracto só começa para efeitos oficiais dia 15, não há graaande sentido de urgência em que eu me mantenha uma autêntica máquina. Aliás, a orientadora estava chocada com a rapidez com que eu fazia as coisas e alertou-me para ter cautela com isso, que com ela não existiria esse problema, mas que no futuro eu poderia totalmente vir a ser sobrecarregada de trabalho, por aproveitarem este facto de que sou esforçada e diligente.

Também tenho estado ocupada com processos de avaliação da A3ES, que têm sido muitíssimo interessantes. Acabam por ser uma maneira de me manter ocupada, fora do trabalho e são uma tarefa que faço com interesse e facilidade, além de significar mais uns troquinhos que ganho - o que é sempre bom, embora não fosse urgente, uma vez que para o ano vou passar a tempo parcial; como deixei 24 ECTS por fazer deste ano lectivo, precisava ter feito mais 12 para poder começar a dar início aos seminários da dissertação. Já tinha em mente fazer o mestrado em 3 anos, porque me tenho sentido assoberbada e porque queria garantir que a minha pesquisa seria um pouco mais pensada, então não foi uma grande surpresa para mim; vou, ainda assim, fazer 30 ECTS no próximo ano e as propinas vão ser menos custosas.

Estou neste momento à espera de saber a nota do seminário que fiz este semestre, mas tudo indica que estou bem encaminhada para tentar segurar a média nos 19 😮‍💨 Preciso mesmo aproveitar o próximo ano para garantir isso e daí para a frente será só dissertação, dissertação.

Não sei se tinha comentado por aqui, mas este mês vou apresentar um paper numa conferência, vai ser a primeira vez 😳 Ainda nem o tenho escrito, só tenho o abstract que entreguei há meses, vamos fingir que não falta pouco tempo e custa-me sempre iniciar a escrita do que quer se seja. Send helppp 😿

A melhor das sortes para a época de avaliações e bom descanso para os que já tiverem essa oportunidade 💞
As melhoras!!
Boa sorte para esse percurso, e parabéns pelos resultados que estás a alcançar 😄
 
Status
Não está aberto para novas mensagens.