Dilema, desistir do curso ou não desistir?

voidlessmind

Simp da Uniarea
Matrícula
6 Junho 2019
Mensagens
3,353
Curso
Ciência Política
Vou explanar um pouco da minha vida pessoal para poder dar algum contexto.

Nunca tive aquela ideia de "quero tanto ir para a universidade", simplesmente, era algo que eu via e ainda vejo como um procedimento natural para poder entrar no mundo do trabalho. No ano letivo de 2020/2021 tentei entrar em Psicologia no ISCTE, mas acabei por entrar em sociologia, o que me deixou bastante triste e junto com a situação pandémica agregados com os meus problemas de saúde mental eu decidi congelar a matrícula.

Em novembro sucedeu algo, e a partir de fevereiro do ano seguinte eu tenho vindo a tentar pedir um psicólogo pelo SNS, mas pela falta de quantidade de psicólogos no SNS a coisa ficou difícil. Foi muita insistência e lá consegui, tendo agora uma consulta em dezembro.

Este ano candidatei-me como primeira opção a Ciência Política, não entrei, mas entrei na segunda fase. Isto deixou-me bastante alegre. Contudo, os meus problemas ainda estavam pendentes e um agregado ainda maior de problemas surgiu. Não tenho motivação alguma. Já há duas semanas que não vou às aulas. Tenho amanhã uma apresentação que preparei para uma cadeira e o meu corpo e mente estão a berrar comigo para não ir. Sinto que preciso de uma outra pausa e que agora com a ajuda psicológica reerguer-me e no próximo ano estar tudo direito.

A parte maior de mim diz para cuidar de mim e para tentar no próximo ano com uma cabeça mais "a jeito" e outra parte diz para continuar. Tenho medo e receio. Será que eu quero mesmo este curso? Será que eu quero estar na universidade? Será que eu não estou só a seguir o "rumo normal" por obrigação? Será que eu deva insistir e colocar a minha saúde mental em segundo plano e ainda mais em risco?

Não sei o que fazer... digam-me o que acham da situação e/ou as vossas experiências.
 

Rui C

Membro Veterano
Matrícula
4 Setembro 2020
Mensagens
186
Curso
Engenharia Informática
Instituição
FCT UNL
Olá,
Se não te sentes confortável a estudar neste momento não acho que o devas fazer. Tira algum tempo para ti mesmo, para resolveres os teus problemas e para decidires se essa é a área em que queres dedicar a tua vida. A tua saúde é mais importante do que um curso.
 

dariodias97

Membro Veterano
Matrícula
6 Janeiro 2021
Mensagens
106
Pode ser útil perceber se a questão é "Será que eu quero mesmo este curso? Será que eu quero estar na universidade? Será que eu não estou só a seguir o "rumo normal" por obrigação?" ou se é antes "Quero mesmo fazer alguma coisa? Estou disposto a tentar?". Eu já algumas vezes questionei-me em relação ao que fazia e com o tempo vim a perceber que não tinha alternativa em mente, que realmente eu estava a fazer o que eu precisava de fazer, mas a dúvida que eu tinha era comigo mesmo. Independentemente de o que eu fazia ser o ideal, a decisão perfeita ou a coisa «indicada», eu estava a tentar justificar a desistência, o problema era que não me sentia capaz de enfrentar o que tinha a enfrentar.
Se vires que estás a tentar justificar a desistência (ao mesmo tempo que lhe resistes), isso também não significa que deves continuar no curso. Só estou a tentar dar uma visão diferente da situação, pela possiblidade de ser útil. Se não estivesses nesse curso, o que estarias a fazer (de melhor)?
 

caat

Membro Veterano
Matrícula
29 Maio 2021
Mensagens
222
Pode ser útil perceber se a questão é "Será que eu quero mesmo este curso? Será que eu quero estar na universidade? Será que eu não estou só a seguir o "rumo normal" por obrigação?" ou se é antes "Quero mesmo fazer alguma coisa? Estou disposto a tentar?". Eu já algumas vezes questionei-me em relação ao que fazia e com o tempo vim a perceber que não tinha alternativa em mente, que realmente eu estava a fazer o que eu precisava de fazer, mas a dúvida que eu tinha era comigo mesmo. Independentemente de o que eu fazia ser o ideal, a decisão perfeita ou a coisa «indicada», eu estava a tentar justificar a desistência, o problema era que não me sentia capaz de enfrentar o que tinha a enfrentar.
Se vires que estás a tentar justificar a desistência (ao mesmo tempo que lhe resistes), isso também não significa que deves continuar no curso. Só estou a tentar dar uma visão diferente da situação, pela possiblidade de ser útil. Se não estivesses nesse curso, o que estarias a fazer (de melhor)?
eu vinha fazer mais ou menos este tipo de questionamento. não acho saudável passar por cima da saúde mental e acho que o primeiro passo (procurar ajuda) já foi dado e isso ajuda imenso. mas ao mesmo tempo, penso que é sempre importante questionar a nós mesmos se estamos em processo de auto-sabotagem ou não. só posso falar por mim mesma, mas sei que muitas vezes tomei decisões na base do medo e tentei justificá-las para me sentir melhor comigo mesma, quando a verdade é que a minha saúde não seria verdadeiramente beneficiada por elas. é muito difícil colocar isto em palavras porque, lá está, são casos particulares e o que se aplica a mim pode não se aplicar aos outros.

dito isto, entendo perfeitamente a preocupação em distinguir fazer algo por vontade própria e por pressão externa (mesmo que não seja direta), mas a verdade é que também reconheço a importância gigante da universidade. as minhas opiniões são muito baseadas nisso, podem não se aplicar a ti, mas uma saída que eu encontrei para não me sentir um robot a ir atrás do "correto" é saber que um curso não necessariamente me restringe a uma caixinha de opções futuras -- mas, certamente, ajuda-me a ter mais opções. não precisas decidir o que queres fazer no final da licenciatura agora e isso dá-te tempo para considerares opções de trabalho que tenham mais a ver contigo do que a universidade propriamente dita. também tens a possibilidade de fazer terapia e deixar o resto quieto por agora, para tomares uma decisão só mais à frente, já com uns meses de terapia a ajudar-te e mais auto-conhecimento para discernir se consegues ou não continuar a estudar.
enfim, não sei se te consegui ajudar com alguma coisa, mas pessoalmente deixaria as coisas inertes por um tempo e quando chegasse o pós-primeiro ano logo decidia.

anyway, boa sorte e as melhoras.