Estudar enfermagem e trabalhar

 

Bia Domingues

Membro
Matrícula
10 Abril 2017
Mensagens
55
Olá malta,
então é o seguinte, eu sou licenciada e mestre na área da Biologia, e estou a ponderar mudar de área para enfermagem, tendo visto, para já, Viseu, Vila Real e Porto. A minha ideia seria tentar pelo concurso de acesso a licenciados, ou repetir o exame de BG e tentar o concurso nacional de acesso. Gostaria de saber, quem frequenta ou frequentou o curso de Enfermagem, se é possível fazer o curso e trabalhar em simultaneo (uma vez que não vou ter bolsa e não quero estar a sobrecarregar os meus pais).
 

sigis

Moderador
Equipa Uniarea
Moderador
Matrícula
26 Maio 2020
Mensagens
853
Uma licenciatura é projectada para ser frequentada a tempo inteiro. É possível ser estudante-trabalhador, mas, se optares por esse caminho, fá-lo sem ilusões de que será fácil, porque não será. O tempo será escasso, terás dificuldades em conciliar horários, e terás pouco tempo livre.
 

anadias001

Membro
Matrícula
5 Agosto 2020
Mensagens
15
Olá Beatriz,
Estou a estudar na área da saúde e posso-te dizer que tenho vários colegas a estudar e são trabalhadores estudantes.
É um regime complicado, uma vez que ás vezes é difícil conciliar horários com as aulas, tempo para treinar para as avaliações, etc.
Eu acho que é possível, mas é muito mais difícil.
Podes é, tentar repartir o curso, tentares fazer um certo número de cadeiras por ano, de forma a não te sobrecarregares. Demoras é mais tempo a terminar. Não sei se isto é possível em todas as faculdades, mas já ouvi falar de pessoas que o fizeram, por estarem a trabalhar.
 

sigis

Moderador
Equipa Uniarea
Moderador
Matrícula
26 Maio 2020
Mensagens
853
Podes é, tentar repartir o curso, tentares fazer um certo número de cadeiras por ano, de forma a não te sobrecarregares. Demoras é mais tempo a terminar. Não sei se isto é possível em todas as faculdades, mas já ouvi falar de pessoas que o fizeram, por estarem a trabalhar.
É possível, sim, um aluno matricular-se em regime parcial, realizando, no máximo, 30 ECTS por ano ao invés dos usuais 60. A propina é menor neste regime, mas a bolsa, quando aplicável, também o é.