Fuga de Informação Exame de Português

MónicaS

Membro
Matrícula
10 Setembro 2016
Mensagens
57
Infelizmente seja qual for a decisão que tomem sairemos sempre minimamente prejudicados...
O que me chateia é que a prova de ingresso que vou usar para metade dos cursos que quero concorrer é a de português e se o IAVE nada fizer vou estar a ver a minha vida a andar para trás mais uma vez... Esforcei-me imenso para este exame e seja qual for a decisão do IAVE vou sair prejudicada... Caso anulem (que muito sinceramente é o que prefiro, não quero ver gente a ficar à minha frente na entrada da faculdade porque tiveram informações a mais) vamos ter todos que repetir o exame, ou seja mais tempo de estudo, nervosismo e ainda o risco de correr pior que o anterior... Caso não façam nada, lá terei que aguentar se por acaso tiver azar e algumas pessoas que tiveram informações privilegiadas resolverem concorrer ao mesmo curso que eu... Enfim.
 

inalexmartins

Membro
Matrícula
12 Junho 2017
Mensagens
19
Mas eu não estou a dizer que não é um pau de dois bicos porque o exame a mim correu-me bem e até achei o exame relativamente fácil mas eu não quero ter que concorrer ao ensino superior com pessoas que têm vantagem sobre mim. Acho que se o exame fosse repetido era o mais justo para todos porque toda a gente era submetida ao mesmo exame sem qualquer tp de informação de antemão.

Eu compreendo quem quer repetir e quem não quer... mas acho que ainda não perceberam uma coisa... é a segunda vez que há fuga (2012 e 2017) e se ouviram a gravação, a rapariga diz que todos os anos essa professora "adivinha" o que sai, resumindo todos os anos tem havido fugas de informação sendo que não vêm ao de cima... este ano ouve desbocados e veio parar ás notícias... pelo que me dá a entender todos os anos temos os dado privilégiados mas não é só os exames que contam para a entrada da universidade... também a média do secundário conta, e á montes de gente que recebe notas altas nas pautas que nem mereciam e vendo bem também existe previligiados por aí... querendo dizer com isto que na minha opinião nada é controlado a 100% em notas, exames... vai haver sempre alguém beneficiado sem o merecer, é injusto, mas mesmo esses alunos tiveram os 3 anos no secundário tiveram de estudar tudo, portanto se eu soubesse que sairia Alberto Caeiro não sabia as perguntas nao me beneficiava grande coisa para ser sincera... agora eu não quero repetir um exame, não quero atrasar mais a minha vida, ter mais nervos por um erro que somente é da IAVE porque a fuga saiu através deles... mesmo que não passe e fosse melhor ter sido anulado a prova para mim, prefiro ir somente á segunda-fase do que ter que repetir uma prova, poder chumba-la e ter de ir á segunda-fase...
 
Última edição:
  • Like
Reactions: JDM and Hedwig

Maria Caldas

Membro
Matrícula
18 Maio 2017
Mensagens
18
Eu compreendo quem quer repetir e quem não quer... mas acho que ainda não perceberam uma coisa... é a segunda vez que há fuga (2012 e 2017) e se ouviram a gravação, a rapariga diz que todos os anos essa professora "adivinha" o que sai, resumindo todos os anos tem havido fugas de informação sendo que não vêm ao de cima... este ano ouve desbocados e veio parar ás notícias... pelo que me dá a entender todos os anos temos os dado privilégiados mas não é só os exames que contam para a entrada da universidade... também a média do secundário conta, e á montes de gente que recebe notas altas nas pautas que nem mereciam e vendo bem também existe previligiados por aí... querendo dizer com isto que na minha opinião nada é controlado a 100% em notas, exames... vai haver sempre alguém beneficiado sem o merecer, é injusto, mas mesmo esses alunos tiveram os 3 anos no secundário tiveram de estudar tudo, portanto se eu soubesse que sairia Alberto Caeiro não sabia as perguntas nao me beneficiava grande coisa para ser sincera... agora eu não quero repetir um exame, não quero atrasar mais a minha vida, ter mais nervos por um erro que somente é da IAVE porque a fuga saiu através deles... mesmo que não passe e fosse melhor ter sido anulado a prova para mim, prefiro ir somente á segunda-fase do que ter que repetir uma prova, poder chumba-la e ter de ir á segunda-fase...
Mas supostamente os exames existem para isso são uma forma "imparcial" de avaliar os alunos para contrariar a inflação de notas e apesar de a média de secundário contar, o exame para alguns conta e muito... e acho que se a prova for anulada nós n iremos ter segunda fase...
 

D++

Membro
Matrícula
25 Outubro 2016
Mensagens
70
Curso
Engenharia Informática
Instituição
ISCTE-IUL
Se saber o tema do exame ajudasse tanto assim, então não haveria negativas nos testes contínuos... Pra quem fez um bom exame, não há problema algum que algumas pessoas tenham sido "privilegiadas". E pra quem fez um mau exame também não há problema, uma vez que já iam repetir na segunda fase... O exame de português é subjetivo e o que é mais importante é ter capacidade de interpretar um texto. Então, anular o exame? NÃO, NÃO e NÃO!!! Esse exame já tinha data marcada há mais de um ano, e muitas pessoas já têm compromissos marcados para as férias, inclusive ausentar-se do país... Como fica essa situação? Um aluno que se esforçou tanto não merece ter suas férias? Se o exame fosse repetido só ia ser dor de cabeça pra todos. E provavelmente ia ser muito mais difícil do que esse. Sem contar que muitos alunos de CT (como eu) nessa altura nem sabem mais o que é Maias ou Memorial do Convento, uma vez que isso não tem utilidade nenhuma pra vida. Acabou o exame, correu bem, informações deletadas do cérebro. Havia outros exames pra se preocupar e agora férias bem merecidas pra curtir, pois a vida não é só estudos.
 

Maria Caldas

Membro
Matrícula
18 Maio 2017
Mensagens
18
Se saber o tema do exame ajudasse tanto assim, então não haveria negativas nos testes contínuos... Pra quem fez um bom exame, não há problema algum que algumas pessoas tenham sido "privilegiadas". E pra quem fez um mau exame também não há problema, uma vez que já iam repetir na segunda fase... O exame de português é subjetivo e o que é mais importante é ter capacidade de interpretar um texto. Então, anular o exame? NÃO, NÃO e NÃO!!! Esse exame já tinha data marcada há mais de um ano, e muitas pessoas já têm compromissos marcados para as férias, inclusive ausentar-se do país... Como fica essa situação? Um aluno que se esforçou tanto não merece ter suas férias? Se o exame fosse repetido só ia ser dor de cabeça pra todos. E provavelmente ia ser muito mais difícil do que esse. Sem contar que muitos alunos de CT (como eu) nessa altura nem sabem mais o que é Maias ou Memorial do Convento, uma vez que isso não tem utilidade nenhuma pra vida. Acabou o exame, correu bem, informações deletadas do cérebro. Havia outros exames pra se preocupar e agora férias bem merecidas pra curtir, pois a vida não é só estudos.
São opiniões...
 
  • Like
Reactions: D++
Matrícula
6 Junho 2017
Mensagens
12
Se saber o tema do exame ajudasse tanto assim, então não haveria negativas nos testes contínuos... Pra quem fez um bom exame, não há problema algum que algumas pessoas tenham sido "privilegiadas". E pra quem fez um mau exame também não há problema, uma vez que já iam repetir na segunda fase... O exame de português é subjetivo e o que é mais importante é ter capacidade de interpretar um texto. Então, anular o exame? NÃO, NÃO e NÃO!!! Esse exame já tinha data marcada há mais de um ano, e muitas pessoas já têm compromissos marcados para as férias, inclusive ausentar-se do país... Como fica essa situação? Um aluno que se esforçou tanto não merece ter suas férias? Se o exame fosse repetido só ia ser dor de cabeça pra todos. E provavelmente ia ser muito mais difícil do que esse. Sem contar que muitos alunos de CT (como eu) nessa altura nem sabem mais o que é Maias ou Memorial do Convento, uma vez que isso não tem utilidade nenhuma pra vida. Acabou o exame, correu bem, informações deletadas do cérebro. Havia outros exames pra se preocupar e agora férias bem merecidas pra curtir, pois a vida não é só estudos.
Mas não é com a passividade que se erradia a corrupção, muito pelo o contrario.
A verdade é que já está impregnada na nossa cultura como sendo normal.
 

D++

Membro
Matrícula
25 Outubro 2016
Mensagens
70
Curso
Engenharia Informática
Instituição
ISCTE-IUL
Mas não é com a passividade que se erradia a corrupção, muito pelo o contrario.
A verdade é que já está impregnada na nossa cultura como sendo normal.

Os alunos não têm culpa nenhuma do que aconteceu! Por isso não dever ser punidos.
Se for comprovado legalmente a fuga, deveria multar a tal professora e despedí-la do cargo, e pronto. Não devem desvalorizar o esforço daqueles que fizeram o exame e lhes correu bem.
 

NemoExNihilo

Membro Catedrático
Colaborador Editorial
Matrícula
5 Agosto 2015
Mensagens
11,975
Curso
Contestação Aplicada
Instituição
Toda e Qualquer Injustiça
Se tu estudaste para o exame sabes a matéria independentemente do exame que faças acho eu... eu provavelmente também usarei a prova de português como prova de ingresso... Mas pensa de outro ponto: a nota que vais ter é por mérito, agora imagina que o ultimo aluno colocado do teu curso é um aluno que teve conhecimento da fuga e tem melhor nota que tu e por isso ele entrou no curso e tu não... como seria? continuavas com a mesma opinião? :sleepy:

Não é bem assim... Tu podes ter mais dificuldades numa matéria e noutra não. Por exemplo, posso saber bem os heterónimos todos e ter mais dificuldade numa obra qualquer.
E nesse exemplo que deste, se o último colocado do meu curso for um aluno que teve conhecimento da fuga e saiu beneficiado, então quer dizer que se sabe quem é o aluno e anula-se a prova dele...
É uma situação bastante complicada :confused:

Mas supostamente os exames existem para isso são uma forma "imparcial" de avaliar os alunos para contrariar a inflação de notas e apesar de a média de secundário contar, o exame para alguns conta e muito... e acho que se a prova for anulada nós n iremos ter segunda fase...

Eu peço muita desculpa por me intrometer, mas não posso deixar de frisar que, a meu ver, os exames nacionais, pela sua própria natureza, e independentemente das peripécias que possam suceder (e, este ano, efectivamente sucederam...) em seu torno, não são exactamente o instrumento mais adequado para garantir a justiça e a imparcialidade, ou, pelo menos, a representatividade do conhecimento dos alunos, no que toca à avaliação...
 
  • Like
Reactions: inalexmartins

LuísaF

Membro
Matrícula
15 Fevereiro 2017
Mensagens
81
Se saber o tema do exame ajudasse tanto assim, então não haveria negativas nos testes contínuos... Pra quem fez um bom exame, não há problema algum que algumas pessoas tenham sido "privilegiadas". E pra quem fez um mau exame também não há problema, uma vez que já iam repetir na segunda fase... O exame de português é subjetivo e o que é mais importante é ter capacidade de interpretar um texto. Então, anular o exame? NÃO, NÃO e NÃO!!! Esse exame já tinha data marcada há mais de um ano, e muitas pessoas já têm compromissos marcados para as férias, inclusive ausentar-se do país... Como fica essa situação? Um aluno que se esforçou tanto não merece ter suas férias? Se o exame fosse repetido só ia ser dor de cabeça pra todos. E provavelmente ia ser muito mais difícil do que esse. Sem contar que muitos alunos de CT (como eu) nessa altura nem sabem mais o que é Maias ou Memorial do Convento, uma vez que isso não tem utilidade nenhuma pra vida. Acabou o exame, correu bem, informações deletadas do cérebro. Havia outros exames pra se preocupar e agora férias bem merecidas pra curtir, pois a vida não é só estudos.

Se houve fuga, o exame não foi realizado garantindo os princípios de justiça e igualdade. Ponto. Não é uma questão subjetiva.
 

Maria Caldas

Membro
Matrícula
18 Maio 2017
Mensagens
18
não é o mais adequado mas é o proposito dos exames não sei se sabes...
Eu peço muita desculpa por me intrometer, mas não posso deixar de frisar que, a meu ver, os exames nacionais, pela sua própria natureza, e independentemente das peripécias que possam suceder (e, este ano, efectivamente sucederam...) em seu torno, não são exactamente o instrumento mais adequado para garantir a justiça e a imparcialidade, ou, pelo menos, a representatividade do conhecimento dos alunos, no que toca à avaliação...
 
Matrícula
6 Junho 2017
Mensagens
12
Deveríamos era sair à rua como aconteceu em Espanha.
edu002k02.jpg
 

NemoExNihilo

Membro Catedrático
Colaborador Editorial
Matrícula
5 Agosto 2015
Mensagens
11,975
Curso
Contestação Aplicada
Instituição
Toda e Qualquer Injustiça
não é o mais adequado mas é o proposito dos exames não sei se sabes...

É o propósito que lhes é atribuído, sem dúvida.

Agora... será que eles cumprem o seu propósito com sucesso? É essa a minha interrogação...
 

NemoExNihilo

Membro Catedrático
Colaborador Editorial
Matrícula
5 Agosto 2015
Mensagens
11,975
Curso
Contestação Aplicada
Instituição
Toda e Qualquer Injustiça
Conseguiriam cumpri-lo se não houvessem estas palhaçadas todos os anos...

Fundamentalmente, sou levado a discordar. Não são só estas palhaçadas que põem os alunos em situações de desigualdade uns em relação aos outros, mais que não seja porque há professores (e acho que não vale a pena negá-lo...) que dão a matéria pior do que outros, talvez até suprimindo partes dela (e isto eu sei que já se passou...), e há todo o pormenor de alunos provenientes de escolas diferentes terem, fundamentalmente, condições diferentes, além de toda a enorme questão do nervosismo, da possibilidade de se cometerem erros por desatenção e não desconhecimento, e por aí fora...
 
  • Like
Reactions: Vhjuji and Artur_

Hedwig

Membro
Matrícula
8 Junho 2017
Mensagens
21
para que a justiça se aplique, o responsavel pela fuga que pertence ao círculo de professores escolhidos para fazer as provas tem de ser punido, primeira coisa. A seguir, prosegue-se à anulação do exame, e retomam-se os protocolos relativos à realização do exame.

Quanto a indisponibilidade por parte dos alunos, por causa de planos previamente feitos, acho que, em concordância com os casos inéditos que podem surgir, quem não está presente na possível próxima data estabelecida, tenha a hipótese de realizar o exame num "Época Extraordinária".
 
  • Like
Reactions: Maria Caldas

LuísaF

Membro
Matrícula
15 Fevereiro 2017
Mensagens
81
Concordo. Deve haver punição E anulação.

Quando à indisponibilidade, etc, algo seria pensado para minimizar ao máximo as inconveniências.

para que a justiça se aplique, o responsavel pela fuga que pertence ao círculo de professores escolhidos para fazer as provas tem de ser punido, primeira coisa. A seguir, prosegue-se à anulação do exame, e retomam-se os protocolos relativos à realização do exame.

Quanto a indisponibilidade por parte dos alunos, por causa de planos previamente feitos, acho que, em concordância com os casos inéditos que podem surgir, quem não está presente na possível próxima data estabelecida, tenha a hipótese de realizar o exame num "Época Extraordinária".
 

JDM

Membro
Matrícula
5 Junho 2017
Mensagens
14
para que a justiça se aplique, o responsavel pela fuga que pertence ao círculo de professores escolhidos para fazer as provas tem de ser punido, primeira coisa. A seguir, prosegue-se à anulação do exame, e retomam-se os protocolos relativos à realização do exame (..)

Mas qual justiça? 99% dos alunos nem tiveram acesso a essa gravação. A corrente, fake, que andou a "distrair" toda a gente foi a do Cesário e do Memorial.

Injustiça é a anulação do maior exame nacional a 74 mil pessoas por causa de um estrilho destes sobre tal fenómeno, que acontece todos os anos, todos os exames, ao redor de uma pequena "elite" que sabe sempre mais do que os outros, por muito infeliz que ele seja.
Já que este ano há uma gravação de uma alminha no Whatsapp, que se punam severamente os responsáveis, neste caso a tal presidente do sindicato x. Não deve ser difícil chegar à tipa. "Só" deve existir uma meia-dúzia de sindicatos de professores em Portugal.

Mas claro que a quem o exame correu mal ou lhe vão faltar umas décimas na entrada para o curso que querem no caso de Português ser a prova de ingresso, dá sempre jeito a anulação, eu até percebo.
 
  • Like
Reactions: CSeabra

Hedwig

Membro
Matrícula
8 Junho 2017
Mensagens
21
Mas qual justiça? 99% dos alunos nem tiveram acesso a essa gravação. A corrente, fake, que andou a "distrair" toda a gente foi a do Cesário e do Memorial.

Injustiça é a anulação do maior exame nacional a 74 mil pessoas por causa de um estrilho destes sobre tal fenómeno, que acontece todos os anos, todos os exames, ao redor de uma pequena "elite" que sabe sempre mais do que os outros, por muito infeliz que ele seja.
Já que este ano há uma gravação de uma alminha no Whatsapp, que se punam severamente os responsáveis, neste caso a tal presidente do sindicato x. Não deve ser difícil chegar à tipa. "Só" deve existir uma meia-dúzia de sindicatos de professores em Portugal.

Mas claro que a quem o exame correu mal ou lhe vão faltar umas décimas na entrada para o curso que querem no caso de Português ser a prova de ingresso, dá sempre jeito a anulação, eu até percebo.

sim, justiça, os regulamentos dizem que em caso de fuga, há anulação, e os regulamentos são feitos para serem cumpridos, basta de passividade por causa de "inconvenientes" e "chatices"! para além disso, a culpa não é a presidente de sindicato nenhum, pois como ela nao faz parte do circulo de professores responsaveis pela realização do exame, ou seja, para a informação ter chegado a ela, houve fuga de algum lado.

quanto aos 1% que tiveram acesso, eu nao quero perder o meu lugar num curso, porque alguem foi beneficiado com informações acerca do exame, antes dos restantes 99% que realizaram a prova. Sejam 50% dos alunos os que estão fora das condições normais, sejam 0,01%, não ha justiça, ha anulaçao e repetiçao!

Se há algo que aprendi em Física e Química A é que se não correu bem, começa-se de novo. Se há um dado fora das normalidades, exclui-se essa série, e repete-se a experiência. E foram enumeros os casos em que apliquei isto. Para o IAVE é mais grave, tal como em FQA, nao se pode descredibilizar os erros com leviandade, é necessário cumprir com o que está previamente estipulado para casos extra e/ou fora da normalidade das operações.

Algo que já me começa a chatear a sério neste país é a falta de atividade, a falta de cumprimento de regras (principalmente na "alta roda") e a falta de iniciativa para que as coisas andem. Se houve fuga, descobre-se de onde ela veio. Se houve beneficiados, seja em pequena ou grande escala, procede-se à anulação da prova e respetiva repetição. Se a credibilidade do IAVE está a desaparecer, há que recriá-la, e é com ação que é reposta.