Literatura

Quantos livros lês por ano (além dos obrigatórios para fins estudantis)?

  • Nenhum!

  • 1 - 2

  • 3 - 5

  • 6 - 10

  • +10


Results are only viewable after voting.

Armdco

Membro Dux
Matrícula
30 Junho 2015
Mensagens
660
Curso
Ano sabático
Vou fazer aqui um bocadinho de bashing! xD
De todos os livros que tenho, e ainda são alguns, apenas me pretendo desfazer de dois: Queres Casar Comigo Todos os Dias?, do Chagas Freitas - livro, que pela graça de Deus nosso Senhor nunca abri!; e D. Sancho I: O Herdeiro do Reino, de Maria Antonieta Costa.

Eu podia fazer um rant gigantesco sobre tudo o que existe de errado com este último livro - até porque creio que o nome do autor é fácil compreender a minha advertência; mas vou-me limitar a duas coisas:
  • Erotismo desnecessário ao plot;
  • D. Sancho I tinha um irmão (D. Martinho) forçosamente aprisionado...
E resumimos assim a maioria dos livros de história romanceada: erotismo descabido e AUs tão parvos (por falta de melhor expressão) que crianças a escrever fanfic sobre o Ruca fariam melhor...
 

sheepy

Membro Dux
Colaborador Editorial
Matrícula
20 Novembro 2014
Mensagens
919
Curso
Medicina
Instituição
FMUP
Alguém já leu livros em português do Brasil (excluindo autores como Jorge Amado e assim), livros banais, por assim dizer, e ficou com a sensação que a escrita é mais coloquial que a de português de Portugal? Li estas férias um livro normalíssimo, com uma história baseada em correspondência entre várias pessoas nos anos 50/60, e por várias vezes me perguntava se o registo de língua não era um bocadinho, hã, coloquial. Claro que esta estranheza pode ter vários motivos, mas era só para perguntar se alguém já sentiu o mesmo.
 

Armdco

Membro Dux
Matrícula
30 Junho 2015
Mensagens
660
Curso
Ano sabático
Alguém já leu livros em português do Brasil (excluindo autores como Jorge Amado e assim), livros banais, por assim dizer, e ficou com a sensação que a escrita é mais coloquial que a de português de Portugal? Li estas férias um livro normalíssimo, com uma história baseada em correspondência entre várias pessoas nos anos 50/60, e por várias vezes me perguntava se o registo de língua não era um bocadinho, hã, coloquial. Claro que esta estranheza pode ter vários motivos, mas era só para perguntar se alguém já sentiu o mesmo.

Eu sinto isso com qualquer tipo de escrita em português do Brasil, até blogs e notícias... Creio que acaba por estar relacionado com as diferenças gramaticais entre os dois países, principalmente a nível sintáctico.
 
  • Like
Reactions: Alterado

sheepy

Membro Dux
Colaborador Editorial
Matrícula
20 Novembro 2014
Mensagens
919
Curso
Medicina
Instituição
FMUP
Eu sinto isso com qualquer tipo de escrita em português do Brasil, até blogs e notícias... Creio que acaba por estar relacionado com as diferenças gramaticais entre os dois países, principalmente a nível sintáctico.

pois, em blogs (já não digo notícias) acho normal dependendo do nível de descontracção do autor, agora num livro para mais um género de biografia, não estava propriamente à espera xD
 
  • Like
Reactions: Armdco

Armdco

Membro Dux
Matrícula
30 Junho 2015
Mensagens
660
Curso
Ano sabático
pois, em blogs (já não digo notícias) acho normal dependendo do nível de descontracção do autor, agora num livro para mais um género de biografia, não estava propriamente à espera xD

Por acaso em "brasileiro" nunca li não-ficção, digamos assim. xD

Hoje li o tópico inteiro, por causa do Death Note, e reparei que és super potterhead! Qual é o teu headcanon preferido?
 

sheepy

Membro Dux
Colaborador Editorial
Matrícula
20 Novembro 2014
Mensagens
919
Curso
Medicina
Instituição
FMUP
Por acaso em "brasileiro" nunca li não-ficção, digamos assim. xD

Hoje li o tópico inteiro, por causa do Death Note, e reparei que és super potterhead! Qual é o teu headcanon preferido?

Sirius and Remus sitting on a tree, k i s s i n g
 
D

Deleted member 30121

Guest
Se for apropriado, ando a estudar a pintora Vigee Lebrun e estava a ler as suas "Memórias" quando me deparo com este parágrafo que me fez rir:

"it was impossible not to find pleasure in the conversation of Louis XVIII., who talked on all subjects with equal degrees of taste and understanding. However, for the sake of variety no doubt, at some of our sittings he would sing to me, and he would sing such common songs that I was unable to understand how these trivial things had ever reached the court. He sang more out of tune than any one in the whole world. "How do you think I sing?" he asked me one day. "Like a prince, Your Highness," was my reply."

Edit: Se calhar isto devia de estar no tópico das citações. Sorry.
 
Editado por um moderador:
  • Like
Reactions: Alterado

jofiab

Membro
Matrícula
16 Maio 2017
Mensagens
36
O complexo de Portnoy, Philip Roth. A minha próxima incursão pela leitura, depois de finalizado o O Evangelho Segundo Jesus Cristo do enorme José Saramago. Vou para um registo bem distinto, mais a puxar para a comédia.

Também pretendo, muito em breve, iniciar a leitura de BD. Sim, nunca li BD e quero corrigir esse erro! Estou a pensar em começar com The Walking Dead, em inglês, os aficionados que acham desta opção? Sou um pouco básico com o inglês, a BD é acessível a esse nível? Obrigado.
 
Última edição:

Alfa

Membro Catedrático
Especialista
Matemática
Apoiante Uniarea
Matrícula
2 Agosto 2015
Mensagens
10,646
A minha próxima incursão pela leitura, depois de finalizado o O Evangelho Segundo Jesus Cristo do enorme José Saramago. Vou para um registo bem distinto, mais a puxar para a comédia.

O Evangelho também tem algum sentido de humor, aquele muito próprio de Saramago. ;)
 
  • Like
Reactions: jofiab

jofiab

Membro
Matrícula
16 Maio 2017
Mensagens
36
O Evangelho também tem algum sentido de humor, aquele muito próprio de Saramago. ;)

A minha primeira incursão na literatura de Saramago foi com o "Todos os Nomes" e fiquei pouco convencido. Depois dei mais oportunidades e hoje sou fã. É o meu escritor português favorito. A ironia, a inteligência e o estilo de escrita tão próprio, o homem era um génio das letras. Ainda me faltam imensos livros dele para ler e isto é positivo. Vou voltar em breve, talvez com Caim ou Ensaio sobre a Cegueira, que já vi que este segundo gerou boa discussão por aqui.

Estou agora com Afonso Cruz, Para onde vão os guarda-chuvas.
 
  • Like
Reactions: Alfa

Alfa

Membro Catedrático
Especialista
Matemática
Apoiante Uniarea
Matrícula
2 Agosto 2015
Mensagens
10,646
A minha primeira incursão na literatura de Saramago foi com o "Todos os Nomes" e fiquei pouco convencido. Depois dei mais oportunidades e hoje sou fã. É o meu escritor português favorito. A ironia, a inteligência e o estilo de escrita tão próprio, o homem era um génio das letras. Ainda me faltam imensos livros dele para ler e isto é positivo. Vou voltar em breve, talvez com Caim ou Ensaio sobre a Cegueira, que já vi que este segundo gerou boa discussão por aqui.

Estou agora com Afonso Cruz, Para onde vão os guarda-chuvas.

Tenho de experimentar Afonso Cruz. E tu tens de dar uma segunda oportunidade ao Todos os Nomes, é o meu favorito :D
 

~tahani~

👸 das Citações
Especialista
Psicologia & Música
Colaborador Editorial
Apoiante Uniarea
Matrícula
23 Junho 2016
Mensagens
5,787
Curso
Psicologia
Será demasiado tarde para ressuscitar este tópico agora, em tempos pascais?
 
  • Like
Reactions: Alfa

~tahani~

👸 das Citações
Especialista
Psicologia & Música
Colaborador Editorial
Apoiante Uniarea
Matrícula
23 Junho 2016
Mensagens
5,787
Curso
Psicologia
Não! :D
Depois de 10 anos de ter dado Os Maias, voltei a Eça de Queirós. Não estava à espera, mas acabei por gostar. :)
Fiquei a meio n' Os Maias... Queria ver se após o Amor de Perdição acabava de o ler!
Às vezes pergunto-me como seria se déssemos A Ilustre Casa de Ramires
 

Gonçalo Matos

Membro Veterano
Matrícula
2 Fevereiro 2015
Mensagens
144
Curso
Matemática Financeira
Instituição
ISEG
Estou a reler a saga The Hitchhiker's Guide to the Galaxy, de Douglas Adams, e não sei quantas vezes posso dizer isto: Douglas Adams é um génio. A narrativa é perfeitamente genial, a comédia satírica (típica inglesa) está sempre presente e as descrições são, pura e simplesmente, maravilhosas.
Acho que é dos livros que mais facilmente tirei citações.

And then, one Thursday, nearly two thousand years after one man had been nailed to a tree for saying how great it would be to be nice to people for a change, a girl sitting on her own in a small cafe in Rickmansworth suddenly realized what it was that had been going wrong all this time, and she finally knew how the world could be made a good and happy place. This time it was right, it would work, and no one would have to get nailed to anything.
Far out in the uncharted backwaters of the unfashionable end of the western spiral arm of the Galaxy lies a small unregarded yellow sun. Orbiting this at a distance of roughly ninety-two million miles is an utterly insignificant little blue green planet whose ape-descended life forms are so amazingly primitive that they still think digital watches are a pretty neat idea.
“It comes from a very ancient democracy, you see..."
"You mean, it comes from a world of lizards?"
"No," said Ford, who by this time was a little more rational and coherent than he had been, having finally had the coffee forced down him, "nothing so simple. Nothing anything like so straightforward. On its world, the people are people. The leaders are lizards. The people hate the lizards and the lizards rule the people."
"Odd," said Arthur, "I thought you said it was a democracy."
"I did," said Ford. "It is."
"So," said Arthur, hoping he wasn't sounding ridiculously obtuse, "why don't people get rid of the lizards?"
"It honestly doesn't occur to them," said Ford. "They've all got the vote, so they all pretty much assume that the government they've voted in more or less approximates to the government they want."
"You mean they actually vote for the lizards?"
"Oh yes," said Ford with a shrug, "of course."
"But," said Arthur, going for the big one again, "why?"
"Because if they didn't vote for a lizard," said Ford, "the wrong lizard might get in. Got any gin?"
"What?"
"I said," said Ford, with an increasing air of urgency creeping into his voice, "have you got any gin?"
"I'll look. Tell me about the lizards."
Ford shrugged again.
"Some people say that the lizards are the best thing that ever happenned to them," he said. "They're completely wrong of course, completely and utterly wrong, but someone's got to say it."
"But that's terrible," said Arthur.
"Listen, bud," said Ford, "if I had one Altairian dollar for every time I heard one bit of the Universe look at another bit of the Universe and say 'That's terrible' I wouldn't be sitting here like a lemon looking for a gin.”
 
Editado por um moderador:

~tahani~

👸 das Citações
Especialista
Psicologia & Música
Colaborador Editorial
Apoiante Uniarea
Matrícula
23 Junho 2016
Mensagens
5,787
Curso
Psicologia
Alguém já leu "A Cura de Schopenhauer"?
 

sheepy

Membro Dux
Colaborador Editorial
Matrícula
20 Novembro 2014
Mensagens
919
Curso
Medicina
Instituição
FMUP
Estou a reler a saga The Hitchhiker's Guide to the Galaxy, de Douglas Adams, e não sei quantas vezes posso dizer isto: Douglas Adams é um génio. A narrativa é perfeitamente genial, a comédia satírica (típica inglesa) está sempre presente e as descrições são, pura e simplesmente, maravilhosas.
Acho que é dos livros que mais facilmente tirei citações.


Nunca li, mas pelo que escreveste aqui e pelas citações que colocaste, se quiseres embarcar numa viagem de cerca de 40 livros sobre um mundo plano em forma de disco (mas com fusos horários, porque existe magia, e a luz em contacto com a magia torna-se preguiçosa), em que a morte é uma personagem e gosta de gatinhos, enfim, acho que irias gostar de Discworld.
 
  • Like
Reactions: Alterado

crebellum

Membro Catedrático
Matrícula
22 Junho 2017
Mensagens
2,655
Curso
MiEGSI
Instituição
UMinho
Tenho uma inveja enoooorme de todos aqueles que conseguem ler em tempo de aulas. Eu adoro ler e devoro livros muito facilmente mas em tempo de aulas nunca consigo ler nenhum (nem mesmo os de leitura obrigatoria) porque depois das duas uma, ou fico viciada no livro e perco o foco no estudo ou então não chego a ficar viciada mas a minha mente enche-se com o conteúdo do livro e esvazia a matéria a que devia estar atenta. Ao fim e ao cabo acaba por ir dar ao mesmo: falta de atenção e foco. Os livros de leitura obrigatória li-os nas férias de verão que é quando a minha mente está livre e eu posso ler tudo aquilo que me apetecer (ou pensava eu porque no ano passado, transição de 11º para 12º, com os exames a ocuparem-me junho e julho só tive agosto para relaxar a sério mas a minha mente estava tão cheia ainda que só tive vontade de ler romances simples, como os de Jane Austen)(já agora, Orgulho e Preconceito de Jane Austen é fantástico!).
A minha lista de livros para ler está tãaao grande! Quero muito ganhar vontade para a ler ahah
 
  • Like
Reactions: ~tahani~