Mecânica

PureSilver

Membro
Matrícula
11 Janeiro 2021
Mensagens
18
boas pessoal, o assunto que eu queria discutir e estou com muitas duvidas é os cursos nas áreas da mecânica automóvel. Eu sempre gostei de carros e como eles funcionavam, sempre fui um interessado pelo assunto e gostava de ser mecânico de automóveis o único problema e que eu era horrível a matemática A não escolhi o curso de ciências e tecnologia logo não poderei ir para uma universidade. a primeira questão é ah alguma curso mesmo de mecânica nas universidades porque pelo que eu vi engenharia mecânica não tem muito haver. Dizem sempre para perseguirmos os nossos sonhos e é isso que eu estou a tentar fazer mesmo pelo mais difícil que seja achar alguma oportunidade, eu pesquisei e achei vários cursos e queria saber a vossa opinião sobre o curso de mecânica da Ceac, dos cursos de mecânica na CEPRA, no de mecatrónica da Atec e de mecânica automóvel do Ipvc. A terceira duvida e sobre a diferença entre um curso de mecânica de automóveis ligeiros/eletricidade automotiva de um curso de mecatrónica automóvel só pergunto isto porque na CEPRA existem vários cursos na educação e formação de adultos alguns dizem nível 2 ou 4 além de existirem cursos com as letras b,a ou s e números 3.
 

sigis

Membro
Matrícula
26 Maio 2020
Mensagens
39
Esses níveis devem ser os níveis de qualificação profisional necessários para te candidatares. Nível 2 corresponde à conclusão do 9º ano de escolaridade. Nível 4 corresponde à conclusão do 12º ano de escolaridade num curso profissional (um curso científico-humanístico é classificado com nível 3). Quanto às letras, já não sei de que se trata... talvez pré-requisitos.

Fui ver ao website da CEPRA. O nível referido corresponde ao nível que o curso confere, não a um nível necessário para entrar no mesmo. Quanto ao "S3 Tipo A" a que te referes, pelo que me parece, isso é apenas parte do nome do curso, sendo o tipo C um curso com menos horas que o tipo B, e este um com menos horas que o tipo A. (ver abaixo)
 
Última edição:

PureSilver

Membro
Matrícula
11 Janeiro 2021
Mensagens
18
Esses níveis devem ser os níveis de qualificação profisional necessários para te candidatares. Nível 2 corresponde à conclusão do 9º ano de escolaridade. Nível 4 corresponde à conclusão do 12º ano de escolaridade num curso profissional (um curso científico-humanístico é classificado com nível 3). Quanto às letras, já não sei de que se trata... talvez pré-requisitos.
--
Fui ver ao website da CEPRA. O nível referido corresponde ao nível que o curso confere, não a um nível necessário para entrar no mesmo. Quanto ao "S3 Tipo A" a que te referes, pelo que me parece, isso é apenas parte do nome do curso, sendo o tipo C um curso com menos horas que o tipo B, e este um com menos horas que o tipo A.
Eu vou acabar o secundário primeiro em humanidades quando o acabar então tenho nível dois e três? E sabes a diferença entre mecânico e técnico de mecatrónica? Algum e melhor ou mais abrangente nessa área?
 

sigis

Membro
Matrícula
26 Maio 2020
Mensagens
39
Quando acabares terás o nível 3, que obviamente implica também ter os níveis 2 e 1, dado que um aluno não pode avançar para o 12º ano sem ter antes concluído o 9º e o 6º.
Quanto à diferença entre esses cursos, tendo por base este e este, o curso de mecânica corresponde a um curso do nível 2 (que já tens, e continuarias a ter mesmo que não fosses aprovado no secundário), enquanto o curso de mecatrónica corresponde ao nível 4 (e requer o nível 2 para te inscreveres). Assim sendo, mecatrónica é o curso mais avançado dos dois, e, dos dois, é o que melhoraria o teu nível de classificação profissional.
 

PureSilver

Membro
Matrícula
11 Janeiro 2021
Mensagens
18
Quando acabares terás o nível 3, que obviamente implica também ter os níveis 2 e 1, dado que um aluno não pode avançar para o 12º ano sem ter antes concluído o 9º e o 6º.
Quanto à diferença entre esses cursos, tendo por base este e este, o curso de mecânica corresponde a um curso do nível 2 (que já tens, e continuarias a ter mesmo que não fosses aprovado no secundário), enquanto o curso de mecatrónica corresponde ao nível 4 (e requer o nível 2 para te inscreveres). Assim sendo, mecatrónica é o curso mais avançado dos dois, e, dos dois, é o que melhoraria o teu nível de classificação profissional.
Ok ok então e melhor fazer o de mecatrónica em vez de por exemplo de mecânico de ligeiros? Já entendi obrigado pela ajuda e atenção. Eu estava a pensar aí da nisto e fiz uma edição mais tarde no post será que com um curso destes tenho a mesma oportunidade na área da mecânica nas oficinas como alguém que tiraria engenharia mecânica? E que parece que sinto que só esse estudo na cepra não me faria chegar muito longe ou ser um mecânico bem pago eu gostava de fazer mais estudos sobre essa área mas não sou bom nas disciplinas que a faculdade requer pra engenharia. Se fosso como antigamente que não era preciso curso e havia gente com muito conhecimento... E que eu tenho vontade de aprender e por mim em vez de dos do curso em vez de ir pra faculdade faria outros cursos do gênero ou até mesmo aprendia por mim próprio mas acho que isso não tem muito valor hoje em dia as empresas do querem e pessoas com melhores cursos ou faculdade.
 
Última edição:

dariodias97

Membro
Matrícula
6 Janeiro 2021
Mensagens
35
Curso
(L) Eng Mec Auto
Instituição
ISEP
Olá

Mecânico e mecatrónico são técnicos de reparação automóvel. Engenharia tem haver com o desenvolvimento das peças e dos sistemas, no caso, dos carros e outros veículos. Sendo que pelo menos em Portugal aceita-se engenheiros para gerir oficinas e frotas de empresas.

Mecatrónico é basicamente um misto de mecânico e eletricista/eletrónico automóvel. Um mecatrónico tem conhecimentos mais abrangentes, tendo assim mais possibilidades. Normalmente os cursos de mecatrónica incluem formação para a relação com os clientes, para as pessoas que vão trabalhar na receção. Dos cursos que conheço, todos incluem estágio, o que pode ser realmente importante.
Basicamente, quem faz um curso de técnico de mecatrónica acaba a saber lidar com a mecânica, a eletricidade/eletrónica (exceto os sistemas de propulsão elétrica, isso é uma especialidade exclusiva para que tem formação específica) e receção.

Fiz algumas formações modulares no CEPRA (Porto), tendo contacto com formadores que falavam das suas experiências e dos contactos que têm com o mercado de trabalho, e também com técnicos experientes desempregados. O que nos era dito é que há agora muitos técnicos de mecatrónica e os patrões só querem contratar jovens pelo salário mínimo. Porém, queixam-se de que alguns dos jovens são pouco responsáveis, e esses devem ser rejeitados no fim dos estágios. Um dos formadores no CEPRA foi lá formando e teve bons resultados, tendo a oportunidade de estagiar na VW e ficou lá como funcionário permantente, acabando por voltar ao CEPRA como formador alguns anos mais tarde. Os técnicos com mais capacidade, empenho e responsabilidade devem conseguir ficar a trabalhar onde fazem o estágio.

No CEPRA - Porto, há muito rigor (imagino que seja assim também na sede, em Lisboa), os formadores são bons, o material é bom, mas algumas vezes há falhas pontuais (muita burocracia para obter novas ferramentas e consumíveis). Em Lisboa talvez não haja estas falhas (pelas imagens no facebook as condições parecem melhores). No Porto há também alguns formandos problemáticos, típicos delinquentes.

Os níveis dos cursos são, como o sigis27977 explicou, a habilitação obtida ao concluir os cursos. Um EFA de nível 4 dá equivalência ao 12º (nível 3) (para quem ainda não o tenha concluído) e um diploma de profissional nível 4. Os cursos de nível 2 provavelmente nem aceitam candidatos com o 12º ano completo.
Há ainda os cursos CET (técnico especialista) que dão um diploma de profissional nível 5.

O curso do Ceac é maioritariamente online (curso de mecânica maioritariamente online? não me parece bem) e os do IPVC são cursos pré-engenharia (com matemática e física).

Resumindo, se queres ser mecânico, acho que o melhor é tirar um curso de técnico de mecatrónica com estágio (de preferência ATEC, mas eles fazem seleção para ficar com os melhores candidatos). Se fores bom, empenhado e responsável, deves conseguir trabalho após o estágio, mas não vale a pena esperar muito mais que o salário mínimo, porque os patrões facilmente arranjam alternativa.

Porém, outra coisa que os formadores dizem, é que não há técnicos de chaparia e pintura suficientes para o mercado. Um dos formadores disse mesmo que um patrão lhe disse que contrataria um técnico acabado de formar, sem experiência, com 1000€ de salário. Há até quem diga que os bons recebem mais que alguns engenheiros, tal é a escassez. Já há um ano um primo meu disse que um técnico de chapa/pintura ganha facilmente 1400€. Enquanto não houver técnicos suficientes, os salários devem ser bons, mas também é provável que daqui a uns anos o mercado esteja cheio destes técnicos, como aconteceu com os mecatrónicos, e então a situação pode complicar-se. Mas, sendo o trabalho de chapa mais «artístico» do que a troca de peças, os bons técnicos de chapa deverão manter bons salários.
 

PureSilver

Membro
Matrícula
11 Janeiro 2021
Mensagens
18
Olá

Mecânico e mecatrónico são técnicos de reparação automóvel. Engenharia tem haver com o desenvolvimento das peças e dos sistemas, no caso, dos carros e outros veículos. Sendo que pelo menos em Portugal aceita-se engenheiros para gerir oficinas e frotas de empresas.

Mecatrónico é basicamente um misto de mecânico e eletricista/eletrónico automóvel. Um mecatrónico tem conhecimentos mais abrangentes, tendo assim mais possibilidades. Normalmente os cursos de mecatrónica incluem formação para a relação com os clientes, para as pessoas que vão trabalhar na receção. Dos cursos que conheço, todos incluem estágio, o que pode ser realmente importante.
Basicamente, quem faz um curso de técnico de mecatrónica acaba a saber lidar com a mecânica, a eletricidade/eletrónica (exceto os sistemas de propulsão elétrica, isso é uma especialidade exclusiva para que tem formação específica) e receção.

Fiz algumas formações modulares no CEPRA (Porto), tendo contacto com formadores que falavam das suas experiências e dos contactos que têm com o mercado de trabalho, e também com técnicos experientes desempregados. O que nos era dito é que há agora muitos técnicos de mecatrónica e os patrões só querem contratar jovens pelo salário mínimo. Porém, queixam-se de que alguns dos jovens são pouco responsáveis, e esses devem ser rejeitados no fim dos estágios. Um dos formadores no CEPRA foi lá formando e teve bons resultados, tendo a oportunidade de estagiar na VW e ficou lá como funcionário permantente, acabando por voltar ao CEPRA como formador alguns anos mais tarde. Os técnicos com mais capacidade, empenho e responsabilidade devem conseguir ficar a trabalhar onde fazem o estágio.

No CEPRA - Porto, há muito rigor (imagino que seja assim também na sede, em Lisboa), os formadores são bons, o material é bom, mas algumas vezes há falhas pontuais (muita burocracia para obter novas ferramentas e consumíveis). Em Lisboa talvez não haja estas falhas (pelas imagens no facebook as condições parecem melhores). No Porto há também alguns formandos problemáticos, típicos delinquentes.

Os níveis dos cursos são, como o sigis27977 explicou, a habilitação obtida ao concluir os cursos. Um EFA de nível 4 dá equivalência ao 12º (nível 3) (para quem ainda não o tenha concluído) e um diploma de profissional nível 4. Os cursos de nível 2 provavelmente nem aceitam candidatos com o 12º ano completo.
Há ainda os cursos CET (técnico especialista) que dão um diploma de profissional nível 5.

O curso do Ceac é maioritariamente online (curso de mecânica maioritariamente online? não me parece bem) e os do IPVC são cursos pré-engenharia (com matemática e física).

Resumindo, se queres ser mecânico, acho que o melhor é tirar um curso de técnico de mecatrónica com estágio (de preferência ATEC, mas eles fazem seleção para ficar com os melhores candidatos). Se fores bom, empenhado e responsável, deves conseguir trabalho após o estágio, mas não vale a pena esperar muito mais que o salário mínimo, porque os patrões facilmente arranjam alternativa.

Porém, outra coisa que os formadores dizem, é que não há técnicos de chaparia e pintura suficientes para o mercado. Um dos formadores disse mesmo que um patrão lhe disse que contrataria um técnico acabado de formar, sem experiência, com 1000€ de salário. Há até quem diga que os bons recebem mais que alguns engenheiros, tal é a escassez. Já há um ano um primo meu disse que um técnico de chapa/pintura ganha facilmente 1400€. Enquanto não houver técnicos suficientes, os salários devem ser bons, mas também é provável que daqui a uns anos o mercado esteja cheio destes técnicos, como aconteceu com os mecatrónicos, e então a situação pode complicar-se. Mas, sendo o trabalho de chapa mais «artístico» do que a troca de peças, os bons técnicos de chapa deverão manter bons salários.

O que pra mim me deixa mais confuso e que imagina que fazes o curso etc fazes o estágio completas o depois vais fazer mais uns cursos pra ficar com mais conhecimento o que me espanta e que te continuam a pagar o salário mínimo, então e se for um gajo já com experiência que saiba trabalhar com carroçaria,pintura,e a parte mecânica como motor, suspenção etc etc era suposto ser mais muito bem pago. Eu não quero trabalhar em oficinas de marca. Queria trabalhar numa oficina "normal" onde as pessoas também estavam dispostas a ajudar ou a ensinar, queria trabalhar numa oficina que mechese em carros clássicos,desportivos e japoneses algo do gênero já tinha visto algumas mas o que eu queria mesmo era fazer de tudo. Saber mecher no motor,resolver problemas etc. Então o curso da atec e o melhor? Eu também tinha pensado depois desse fazer um de especialização em carros elétricos e híbridos ja que serão o futuro, se isso tudo fosse possível mais tarde queria abrir a minha própria oficina


Já viste alguma daquelas séries americanas? Onde concertam carros de todo o tipo, o pessoal sabe de tudo e são todos muito bem pagos.
 

dariodias97

Membro
Matrícula
6 Janeiro 2021
Mensagens
35
Curso
(L) Eng Mec Auto
Instituição
ISEP
Pelo menos em Portugal, aparentemente o normal é que os patrões só queiram pagar o salário mínimo. Fazer mais formações e ter experiência normalmente não dá melhorias de salário. Mas é sempre possível que alguém que trabalhe bem chegue longe. Os melhores podem chegar a oficinas melhores. Uma oficina especializada em clássicos provavelmente precisa de trabalhadores de chapa/pintura habilidosos e mecânicos com conhecimentos de sistemas antigos (como carburadores) e deve pagar bem. Mas a maioria dos trabalhadores não chega às melhores oficinas, ou seja, não é por fazer formações ou ter experiência, é preciso ter características ou capacidades especiais (como habilidade manual e capacidade de trabalho).

Com o avanço da tecnologia, há uma tendência para que os computadores dos carros façam os seus diagnósticos e as reparações sejam fáceis e baratas, pelo que a técnica de reparação mecânica/eletrónica tende a acabar por valer menos. Sendo que também há cada vez mais componentes e isso leva a mais avarias e mais necessidade de trabalhadores. No fim, continua a ser preciso haver trabalhadores mas os salários não deverão subir.

Um técnico com mais capacidades (mecânica, eletrónica, chapa, pintura) terá vantagem para ser contratado, mas em princípio não ganhará muito mais que um técnico que só saiba fazer 2 destas coisas.

Acho que se gostas mesmo da reparação automóvel e se és empenhado, consegues trabalhar no ramo. Mas para ganhar bem, é preciso que sejas mesmo bom.

O curso do ATEC parece muito bom para quem quer ser técnico e vir a ter a sua oficina. Mas para gerir a própria oficina também é preciso ter capacidade.

Das séries vi a West Coast Customs e o Wheeler Dealers. A WWC é sobre customização de carros e o WD é sobre reparação. A ideia que tenho é que na WWC todos são habilidosos, trabalhadores, capazes de lidar com presssão (por exemplo com o cumprimento de prazos) e que recebem bem. Mas lá está, é preciso ser bom, e a maioria das oficinas não é a WWC.
 

PureSilver

Membro
Matrícula
11 Janeiro 2021
Mensagens
18
Pelo menos em Portugal, aparentemente o normal é que os patrões só queiram pagar o salário mínimo. Fazer mais formações e ter experiência normalmente não dá melhorias de salário. Mas é sempre possível que alguém que trabalhe bem chegue longe. Os melhores podem chegar a oficinas melhores. Uma oficina especializada em clássicos provavelmente precisa de trabalhadores de chapa/pintura habilidosos e mecânicos com conhecimentos de sistemas antigos (como carburadores) e deve pagar bem. Mas a maioria dos trabalhadores não chega às melhores oficinas, ou seja, não é por fazer formações ou ter experiência, é preciso ter características ou capacidades especiais (como habilidade manual e capacidade de trabalho).

Com o avanço da tecnologia, há uma tendência para que os computadores dos carros façam os seus diagnósticos e as reparações sejam fáceis e baratas, pelo que a técnica de reparação mecânica/eletrónica tende a acabar por valer menos. Sendo que também há cada vez mais componentes e isso leva a mais avarias e mais necessidade de trabalhadores. No fim, continua a ser preciso haver trabalhadores mas os salários não deverão subir.

Um técnico com mais capacidades (mecânica, eletrónica, chapa, pintura) terá vantagem para ser contratado, mas em princípio não ganhará muito mais que um técnico que só saiba fazer 2 destas coisas.

Acho que se gostas mesmo da reparação automóvel e se és empenhado, consegues trabalhar no ramo. Mas para ganhar bem, é preciso que sejas mesmo bom.

O curso do ATEC parece muito bom para quem quer ser técnico e vir a ter a sua oficina. Mas para gerir a própria oficina também é preciso ter capacidade.

Das séries vi a West Coast Customs e o Wheeler Dealers. A WWC é sobre customização de carros e o WD é sobre reparação. A ideia que tenho é que na WWC todos são habilidosos, trabalhadores, capazes de lidar com presssão (por exemplo com o cumprimento de prazos) e que recebem bem. Mas lá está, é preciso ser bom, e a maioria das oficinas não é a WWC.

Epa eu realmente gosto de mecânica e gostaria muito de trabalhar na área o que me deixa um pouco insatisfeito e o que recebem de salário. Se fosse como ah uns anos era bom, agora ah profissões que também estão em falta e parece que estão cada vez mais precisar de trabalhadores como por exemplo serralheiros e canalizadores que alguns já ganham mais que engenheiros e advogados. Epa eu ainda não sei talvez até me forme cá,aprenda e faça mais um quantos cursos e depois vou pra outro país já estava com esta ideia antes mesmo de fazer o post, cá os salários não são grande coisa, á impostos pra tudo e qualquer coisa e não são baixos, o governo não incentiva a poupança, e eu acredito que não deve demorar muito pra haver algo parecido como houve em 2008 com a quantidade de corrupção e endividamento do país... Sinceramente não sei até agora essa ideia só tá no papel.
 

sigis

Membro
Matrícula
26 Maio 2020
Mensagens
39
Quanto ao "S3 Tipo A" a que te referes, pelo que me parece, isso é apenas parte do nome do curso, sendo o tipo C um curso com menos horas que o tipo B, e este um com menos horas que o tipo A.
Tendo agora conhecimento daquilo de que se trata, sinto necessidade de rectificar isto.
"S3" refere-se a um curso correspondente a nível de qualificação 4, enquanto "S" se referiria a um curso correspondente a nível de qualificação 3.
Tipos A, B e C referem-se à duração do curso, sim, mas têm condições de acesso diferentes. Tipo A é para quem tem o 9º ano, tipo B é para quem tem o 10º ano e tipo C é para quem tem o 11º ano.