Pedido ajuda - Dúvidas plano curricular Mestrado intregrado medicina

Nathy

Membro Caloiro
Matrícula
8 Maio 2024
Mensagens
4
Boa tarde a todos🙂,

Lanço aqui um pedido de ajuda🙏, estou no 12ºano, estava a pensar ir para Ciências Biomedicas porque o plano curricular é relamente, tudo o que eu mais gosto. Tenho muito interesse pela area da investigação.
Só que... após varias pesquisas, visitas as faculdades, conversas com quem tentou fazer carreira no mundo da investigação, estou com muito receio das saidas profissionais, mesmo com mestrado/doutoramento...
Tenho varias pessoas a minha volta, a aconselhar-me ir para medicina, visto que tenho média (esperando que o exame de matematica não venha estragar tudo, claro) para depois, se assim, eu entender, prosseguir para a area da investigação. Assim, eu teria um leque maior de saidas dentro das areas que eu gosto.
As minhas principais dúvidas em relação ao curso de medicina, são a frequencia/intensidade dos contactos com os doentes. Começam em que ano ? Qual é a frequencia ? Só sei como decorre o ano comum, queria saber como é nos anos anteriores.
Já agora, em relação ao ano comum, somos "obrigados" a assitir a cirurgias mesmo não querendo ir para a especialização de cirurgia ?
Também queria saber, o que são os mestrados de especialização avançados ? Podemos integrar um desses mestrados no 4º ?
Eu sei que são muitas dúvidas/perguntas, mas esta fase de escolher o curso é tão dificil...E não é nada facil, encontrar as infos...
Agradeço muito quem me puder ajudar 🙏🙏🙏
 
Não sei se indo para Medicina terás necessariamente um maior leque de saídas dentro do que gostas. A investigação não é ainda uma carreia muito estruturada dentro da Medicina. A maioria das pessoas faz investigação enquanto continua a exercer a sua atividade clínica. Mas eu não sou a pessoa que está mais dentro deste assunto, se conseguires encontrar alguém mais informado seria melhor.
Quanto às tuas dúvidas sobre o curso:
O início do contacto mais frequente com os doentes depende da faculdade, mas é em geral no 4º ano. A frequência também depende da faculdade. A partir do 4º ano há faculdades em que a frequência é quase diária, praticamente só com práticas, enquanto noutras continuam a existir bastantes aulas teóricas/teórico-práticas. No 6º ano o contacto é diário em qualquer faculdade.
O internato de formação geral (antigo ano comum) não obriga à frequência do bloco operatório. Acaba por depender de cada hospital. Em alguns, se não tiveres interesse, não és obrigado a ir ao bloco. Noutros, todos os internos são têm no seu horário pelo menos um período no bloco de ambulatório/pequena cirurgia e/ou no bloco central.
Não percebi o que queres dizer com "mestrados de especialização avançados". Se te estás a referir a mestrados (académicos, lecionados por instituições do ensino superior), podes fazer um em qualquer momento da tua vida, inscrevendo-te da forma "normal". Se te estiveres a referir ao internato de formação especializada (fazer uma especialidade médica para se tornar especialista), este é opcional, mas só pode ser frequentado após conclusão do curso de Medicina e do internato de formação geral, sendo que a escolha da vaga é feita através da nota da prova nacional de acesso (PNA), realizada entre o final do curso e o início do internato de formação geral. Existem >40 especialidades médicas, esta conta de Instagram tem alguma informação sobre cada uma, e o site da Ordem dos Médicos tem informação mais detalhada.
 
  • Like
Reactions: Blasty
Não sei se indo para Medicina terás necessariamente um maior leque de saídas dentro do que gostas. A investigação não é ainda uma carreia muito estruturada dentro da Medicina. A maioria das pessoas faz investigação enquanto continua a exercer a sua atividade clínica. Mas eu não sou a pessoa que está mais dentro deste assunto, se conseguires encontrar alguém mais informado seria melhor.
Quanto às tuas dúvidas sobre o curso:
O início do contacto mais frequente com os doentes depende da faculdade, mas é em geral no 4º ano. A frequência também depende da faculdade. A partir do 4º ano há faculdades em que a frequência é quase diária, praticamente só com práticas, enquanto noutras continuam a existir bastantes aulas teóricas/teórico-práticas. No 6º ano o contacto é diário em qualquer faculdade.
O internato de formação geral (antigo ano comum) não obriga à frequência do bloco operatório. Acaba por depender de cada hospital. Em alguns, se não tiveres interesse, não és obrigado a ir ao bloco. Noutros, todos os internos são têm no seu horário pelo menos um período no bloco de ambulatório/pequena cirurgia e/ou no bloco central.
Não percebi o que queres dizer com "mestrados de especialização avançados". Se te estás a referir a mestrados (académicos, lecionados por instituições do ensino superior), podes fazer um em qualquer momento da tua vida, inscrevendo-te da forma "normal". Se te estiveres a referir ao internato de formação especializada (fazer uma especialidade médica para se tornar especialista), este é opcional, mas só pode ser frequentado após conclusão do curso de Medicina e do internato de formação geral, sendo que a escolha da vaga é feita através da nota da prova nacional de acesso (PNA), realizada entre o final do curso e o início do internato de formação geral. Existem >40 especialidades médicas, esta conta de Instagram tem alguma informação sobre cada uma, e o site da Ordem dos Médicos tem informação mais detalhada.
Boa tarde, muito obrigado pela resposta🙏, conseguiste esclarecer algumas das minhas duvidas em relação ao decorrer curso. Vou tentar ser mais clara nas restantes duvidas que tenho :)...Ora bem, as minhas disciplinas favoritas são biologia e quimica, como tenho muito interesse pela investigação, achei que o curso indicado seria Ciências Biomedicas. Após ter feito varias pesquisas + ida a UA (Xperimenta) + ter conversado com quem esteve 17 anos no mundo da investigação e acabou pour desistir...Cheguei a conclusão, que visto a precaridade do estatuto de bolseiro e as dificuldades de fazer uma carreira academica, deveria encontrar outro curso. Considerando os meus gostos em termos de disciplinas, as engenharias estão todas de fora. Considerando que o meu sonho é poder participar nas pesquisas de curas, tratamentos para doentes, cheguei ao curso de medicina. Não queria ter contactos constantes com doentes, já vi na lista de especializações que enviaste que existem algumas mais ligadas ao trabalho laboratorial👍. Seria então o indicado para mim...
Em relação a minha questão sobre os mestrados de especialização avançada, já pesquisei na net e com a tua ajuda, já percebi que só é possivel no fim dos 6 anos do curso.
Neste momento, (falta o exame de matematica claro...) tenho media para entrar em Coimbra, só preciso saber, se mesmo não querendo contactos contanstes com os doente numa pespetiva de profissão, vou sentir-me bem no curso (?)...Tenho receio de lidar mal como o sofrimento das pessoas...Daí todas as minhas perguntas sobre a frequência dos contactos com os doentes a partir do 4ºano.
Gostaria de saber qual é a tua opinião-->A maioria dos alunos de medicina, acabam por descobrir qual é a especialização que vão tirar ao logo do curso ou muitos já vem com uma ideia predefinada ?
Como vês, as dúvidas não tem fim 😀...mas sinceramente acho melhor, ter muitas dúvidas e tentar esclarecer a maioria do que escolher o curso errado.
Mais uma vez obrigado pela ajuda !!🙏
 
Boa tarde, muito obrigado pela resposta🙏, conseguiste esclarecer algumas das minhas duvidas em relação ao decorrer curso. Vou tentar ser mais clara nas restantes duvidas que tenho :)...Ora bem, as minhas disciplinas favoritas são biologia e quimica, como tenho muito interesse pela investigação, achei que o curso indicado seria Ciências Biomedicas. Após ter feito varias pesquisas + ida a UA (Xperimenta) + ter conversado com quem esteve 17 anos no mundo da investigação e acabou pour desistir...Cheguei a conclusão, que visto a precaridade do estatuto de bolseiro e as dificuldades de fazer uma carreira academica, deveria encontrar outro curso. Considerando os meus gostos em termos de disciplinas, as engenharias estão todas de fora. Considerando que o meu sonho é poder participar nas pesquisas de curas, tratamentos para doentes, cheguei ao curso de medicina. Não queria ter contactos constantes com doentes, já vi na lista de especializações que enviaste que existem algumas mais ligadas ao trabalho laboratorial👍. Seria então o indicado para mim...
Em relação a minha questão sobre os mestrados de especialização avançada, já pesquisei na net e com a tua ajuda, já percebi que só é possivel no fim dos 6 anos do curso.
Neste momento, (falta o exame de matematica claro...) tenho media para entrar em Coimbra, só preciso saber, se mesmo não querendo contactos contanstes com os doente numa pespetiva de profissão, vou sentir-me bem no curso (?)...Tenho receio de lidar mal como o sofrimento das pessoas...Daí todas as minhas perguntas sobre a frequência dos contactos com os doentes a partir do 4ºano.
Gostaria de saber qual é a tua opinião-->A maioria dos alunos de medicina, acabam por descobrir qual é a especialização que vão tirar ao logo do curso ou muitos já vem com uma ideia predefinada ?
Como vês, as dúvidas não tem fim 😀...mas sinceramente acho melhor, ter muitas dúvidas e tentar esclarecer a maioria do que escolher o curso errado.
Mais uma vez obrigado pela ajuda !!🙏
Em termos de especialidades com mais trabalho laboratorial, penso que serão Anatomia Patológica e Patologia Clínica (pode não parecer, mas Genética Médica faz consultas). Farmacologia Clínica penso que dá para trabalhar com ensaios clínicos e na indústria farmacêutica, mas tem 1 ano e 3 meses de estágio com doentes.
Reitero que não existem "mestrados de especialização avançada". Há mestrados, e há internato de formação especializada. E o internato de formação especializada só é possível no fim dos 6 anos do curso + internato de formação geral (é obrigatório para exercer Medicina em Portugal).
Ser médico é uma profissão inerentemente com contacto com os doentes. Mesmo nas especialidades que tenham pouco, pode ser requerido ocasionalmente, e para chegar a uma especialidade implica o curso e 1 ano de internato de formação especializada com contacto com doentes. Ter receio de lidar com o sofrimento dos outros é normal e acho que é algo que pode ser trabalhado.
Não sei se, para alguém com imenso interesse na investigação mas não no contacto com o doente, a carreira médica será a melhor. É capaz de ser moroso até se conseguir chegar à investigação mesmo. Mas não é impossível, e a decisão depende apenas de ti.
Acho que a maioria dos alunos não tem ideia da especialidade que quer quando começa ou muda de ideias ao longo do curso. Eu decidi que queria ir para Medicina para ir para a especialidade "A". Até entrar no curso perdi um pouco a ideia fixa da especialidade "A" e no início do curso não sabia o que queria. A meio comecei a pensar na especialidade "B", tentei manter a mente aberta e explorar, mas no internato de formação geral decidi que queria mesmo a especialidade "B". Não tive nota, por isso tive de pensar noutras opções, e escolhi a especialidade "C". Estou no internato de formação especializada na especialidade "C" e estou feliz com a minha escolha. Como vês, não há qualquer problema de não saber logo o que se quer ou de mudar de ideias mais tarde.
Concordo que é importante tirares as dúvidas que tenhas 🙂
 
Boa tarde, mais uma vez obrigado pela resposta clara e muito completa 🙏🙏. É realmente, uma grande ajuda, poder trocar ideias nesta fase decisiva...
Neste momento, cheguei a conclusão que para trabalhar na investigação (saude), é necessário ter outra atividade em paralelo, medico ou professor ou outra função ligada a saude, isso, para poder ter um nivel de vida (financeiro) decente et ter alguma estabilidade.
Só desempenhar funções no mundo da investigação, já percebi, que é sinonimo de precaridade e instabilidade.
Como a minha area de interesse principal, é a saude, não encontro mais nenhum curso, tão similar ao de Ciências Biomedicas, se não o curso de medicina...
Como sempre me imaginei na reta guarda do sofrimento dos doentes, nos laboratórios, a procura de soluções...Este novo dado, de contato direto com os doentes, tem me preocupado...
Mas também acredito, que nem todos os alunos de medicina, principalmente nos 1ºs anos, conseguem medir a sua capacidade emocional de lidar com as dores/mau estar dos pacientes..Talvez esteja a dúvidar demasiado de mim...ou não...
No fundo, a minha maior preocupação, é essa..
Pois o plano curricular vai de encontro com os meus gostos, não queria fisica, nem matemática, e queria muita biologia e quimica.
Tenho noção que é necessário uma grande capacidade de trabalho e de memorização nos 3 1ºs anos, certo ? Acho que tenho...
Resta me a explorar quais os caminhos possíveis para chegar a investigação ficando pelo ano comum ou tirando uma especialização...
Já agora, se tiveres umas dicas de como obter estas infos : sites, colegas, artigos etc...aceito 😀🙏.
Mais uma vez, muito obrigado pela paciência e apoio.