Quero desistir

ronoelmda

Membro
Matrícula
26 Dezembro 2020
Mensagens
25
Olá a todos!
Estou numa situação um pouco complicada e precisava de alguns conselhos.
Quando completei o 12 ano já sabia que curso queria entrar, no entanto, como não consegui por décimas entrar na pública, acabei por ingressar numa universidade privada relativamente perto da minha zona de residência. No início estava a gostar do curso, mas ao longo do tempo fui perdendo a motivação. Não estava a tirar os resultados que esperava, não conseguia estudar, não tinha amigos no meu curso...Ponderei então desistir do curso. Acabei por desistir no final do primeiro semestre, apesar de os meus pais e família serem bastante contra e dizerem que "foi aquilo que escolhi".
Até à nova fase de inscrições ao ensino superior, ponderei bastante, ponderei até mesmo ir para o mesmo curso, mas em outra universidade, em que o plano curricular fosse mais do meu agrado. Acabei por entrar numa universidade pública, a minha primeira opção, num curso que me tinha apaixonado e aquele que realmente pensei que seria o tal. Bem, de novo, não foi aquilo que esperava. Desta vez estou longe de casa, o curso não é o que esperava (de todo), não tenho mais motivação para continuar...
Estou a passar por uma fase horrível, sinto que nada foi feito para mim e que estou só a errar e a desiludir os meus pais.
Já tentei ver formas de tornar isto um pouco mais fácil, como mudar de curso/universidade e pedir transferência, porque sinto que agora sei mesmo o que devo seguir, apesar de já ter errado duas vezes. Pode parecer um pouco estúpido dizer isto, visto que cometi este erro o ano passado e quero voltar a fazer o mesmo, mas eu sei que se mudar, vai ser finalmente para algo que quero, porque já tive experiência o suficiente.
O curso em que estou tem cadeiras que dão equivalência a outras do curso em que estou a pensar me candidatar.
Não sei muito bem como isso da transferência funciona, se alguém conseguir explicar o que preciso e como faço, agradecia imenso.
A verdade é que provavelmente estou a enganar-me a mim mesma e a criar expectativas quando tenho noção que os meus pais não vão aceitar e vou ter que continuar onde estou. Ao longo dos tempos tenho falado sobre isso, sem ser muito direta, para não me custar tanto, e eles mostram-se completamente contra isso, até porque o meu pai já mencionou algumas vezes, que se voltar a desistir, não me irá ajudar mais, especialmente em termos financeiros como pagar as propinas.
Não sei o que fazer, não quero passar pela vergonha de desistir de novo, de depois só acabar o curso passado 2 anos do suposto. Já perdi um ano, não sei se vale a pena perder mais um, mas não me imagino a continuar por mais anos no curso em que estou.
Preciso de ajuda.

Obrigada.
 
  • Like
Reactions: Anapatricia_

Marco Esperança

Membro Catedrático
Especialista
Eng. Informática & Engenharia
Matrícula
28 Maio 2017
Mensagens
1,666
Curso
Engenharia Informática
Instituição
UMinho
Olá a todos!
Estou numa situação um pouco complicada e precisava de alguns conselhos.
Quando completei o 12 ano já sabia que curso queria entrar, no entanto, como não consegui por décimas entrar na pública, acabei por ingressar numa universidade privada relativamente perto da minha zona de residência. No início estava a gostar do curso, mas ao longo do tempo fui perdendo a motivação. Não estava a tirar os resultados que esperava, não conseguia estudar, não tinha amigos no meu curso...Ponderei então desistir do curso. Acabei por desistir no final do primeiro semestre, apesar de os meus pais e família serem bastante contra e dizerem que "foi aquilo que escolhi".
Até à nova fase de inscrições ao ensino superior, ponderei bastante, ponderei até mesmo ir para o mesmo curso, mas em outra universidade, em que o plano curricular fosse mais do meu agrado. Acabei por entrar numa universidade pública, a minha primeira opção, num curso que me tinha apaixonado e aquele que realmente pensei que seria o tal. Bem, de novo, não foi aquilo que esperava. Desta vez estou longe de casa, o curso não é o que esperava (de todo), não tenho mais motivação para continuar...
Estou a passar por uma fase horrível, sinto que nada foi feito para mim e que estou só a errar e a desiludir os meus pais.
Já tentei ver formas de tornar isto um pouco mais fácil, como mudar de curso/universidade e pedir transferência, porque sinto que agora sei mesmo o que devo seguir, apesar de já ter errado duas vezes. Pode parecer um pouco estúpido dizer isto, visto que cometi este erro o ano passado e quero voltar a fazer o mesmo, mas eu sei que se mudar, vai ser finalmente para algo que quero, porque já tive experiência o suficiente.
O curso em que estou tem cadeiras que dão equivalência a outras do curso em que estou a pensar me candidatar.
Não sei muito bem como isso da transferência funciona, se alguém conseguir explicar o que preciso e como faço, agradecia imenso.
A verdade é que provavelmente estou a enganar-me a mim mesma e a criar expectativas quando tenho noção que os meus pais não vão aceitar e vou ter que continuar onde estou. Ao longo dos tempos tenho falado sobre isso, sem ser muito direta, para não me custar tanto, e eles mostram-se completamente contra isso, até porque o meu pai já mencionou algumas vezes, que se voltar a desistir, não me irá ajudar mais, especialmente em termos financeiros como pagar as propinas.
Não sei o que fazer, não quero passar pela vergonha de desistir de novo, de depois só acabar o curso passado 2 anos do suposto. Já perdi um ano, não sei se vale a pena perder mais um, mas não me imagino a continuar por mais anos no curso em que estou.
Preciso de ajuda.

Obrigada.
Olá!
Procurar aquilo que gostamos de fazer nem sempre é uma tarefa fácil e rápida de se concretizar, pelo que entendo perfeitamente aquilo que estás a descrever. Se tiveste uma primeira experiência num curso que não foi positiva e, infelizmente, ainda não te encontras feliz com o curso que tens, o que deves fazer não é desistir mas sim ir para aquele curso que ambicionas e te achas que te complete. Não vale a pena continuares num curso em que não te revês e, muitas vezes, esses dois anos que mencionaste como "perdidos" vão ser ganhos porque foste à procura de algo que gostavas realmente de fazer e isso nunca é tempo perdido.
Quanto à transferência de curso, no final do 1º ano, podes tentar pela mudança de par instituição/curso (cujos critérios variam de faculdade para faculdade), mas tens de ter realizado as provas de ingresso necessárias. Em alternativa, tens o concurso nacional pela Dges em que podes usar os exames se tiveres algum feito do ano passado, uma vez que estes tem a validade de 2 anos ou então repetir os exames que necessitas como provas de ingresso.
 
  • Love
Reactions: ronoelmda

ronoelmda

Membro
Matrícula
26 Dezembro 2020
Mensagens
25
Olá!
Procurar aquilo que gostamos de fazer nem sempre é uma tarefa fácil e rápida de se concretizar, pelo que entendo perfeitamente aquilo que estás a descrever. Se tiveste uma primeira experiência num curso que não foi positiva e, infelizmente, ainda não te encontras feliz com o curso que tens, o que deves fazer não é desistir mas sim ir para aquele curso que ambicionas e te achas que te complete. Não vale a pena continuares num curso em que não te revês e, muitas vezes, esses dois anos que mencionaste como "perdidos" vão ser ganhos porque foste à procura de algo que gostavas realmente de fazer e isso nunca é tempo perdido.
Quanto à transferência de curso, no final do 1º ano, podes tentar pela mudança de par instituição/curso (cujos critérios variam de faculdade para faculdade), mas tens de ter realizado as provas de ingresso necessárias. Em alternativa, tens o concurso nacional pela Dges em que podes usar os exames se tiveres algum feito do ano passado, uma vez que estes tem a validade de 2 anos ou então repetir os exames que necessitas como provas de ingresso.

Obrigado pela resposta e ajuda!
De alguma maneira, deu-me uma certa esperança que nada está perdido e que eu tenho que lutar por aquilo que quero e não lamentar pelo tempo que gastei, tal como referiste.
É difícil tomar assim uma decisão, principalmente quando já estou a ponderar desistir de novo, de algo que escolhi, e dar a mesma desilusão aos meus pais. Vou continuar até ao fim do primeiro ano, se realmente a minha opinião não mudar e me sentir como me sinto agora, o melhor é mesmo mudar para o que quero, quer as pessoas aceitem ou não. Até lá, vou pensando melhor, procurar mais alternativas e esclarecer-me melhor.
Agradeço a resposta (de novo), precisava de ouvir algo assim para me tranquilizar.
 

voidlessmind

Simp da Uniarea
Matrícula
6 Junho 2019
Mensagens
3,168
Curso
Sociologia
Instituição
ISCTE
Olá a todos!
Estou numa situação um pouco complicada e precisava de alguns conselhos.
Quando completei o 12 ano já sabia que curso queria entrar, no entanto, como não consegui por décimas entrar na pública, acabei por ingressar numa universidade privada relativamente perto da minha zona de residência. No início estava a gostar do curso, mas ao longo do tempo fui perdendo a motivação. Não estava a tirar os resultados que esperava, não conseguia estudar, não tinha amigos no meu curso...Ponderei então desistir do curso. Acabei por desistir no final do primeiro semestre, apesar de os meus pais e família serem bastante contra e dizerem que "foi aquilo que escolhi".
Até à nova fase de inscrições ao ensino superior, ponderei bastante, ponderei até mesmo ir para o mesmo curso, mas em outra universidade, em que o plano curricular fosse mais do meu agrado. Acabei por entrar numa universidade pública, a minha primeira opção, num curso que me tinha apaixonado e aquele que realmente pensei que seria o tal. Bem, de novo, não foi aquilo que esperava. Desta vez estou longe de casa, o curso não é o que esperava (de todo), não tenho mais motivação para continuar...
Estou a passar por uma fase horrível, sinto que nada foi feito para mim e que estou só a errar e a desiludir os meus pais.
Já tentei ver formas de tornar isto um pouco mais fácil, como mudar de curso/universidade e pedir transferência, porque sinto que agora sei mesmo o que devo seguir, apesar de já ter errado duas vezes. Pode parecer um pouco estúpido dizer isto, visto que cometi este erro o ano passado e quero voltar a fazer o mesmo, mas eu sei que se mudar, vai ser finalmente para algo que quero, porque já tive experiência o suficiente.
O curso em que estou tem cadeiras que dão equivalência a outras do curso em que estou a pensar me candidatar.
Não sei muito bem como isso da transferência funciona, se alguém conseguir explicar o que preciso e como faço, agradecia imenso.
A verdade é que provavelmente estou a enganar-me a mim mesma e a criar expectativas quando tenho noção que os meus pais não vão aceitar e vou ter que continuar onde estou. Ao longo dos tempos tenho falado sobre isso, sem ser muito direta, para não me custar tanto, e eles mostram-se completamente contra isso, até porque o meu pai já mencionou algumas vezes, que se voltar a desistir, não me irá ajudar mais, especialmente em termos financeiros como pagar as propinas.
Não sei o que fazer, não quero passar pela vergonha de desistir de novo, de depois só acabar o curso passado 2 anos do suposto. Já perdi um ano, não sei se vale a pena perder mais um, mas não me imagino a continuar por mais anos no curso em que estou.
Preciso de ajuda.

Obrigada.

Não vais passar vergonha por largares algo do qual não gostas. Acho que é preciso muita mais coragem para se desistir do que para continuar. É cliche, mas errar é humano. Peço desculpa, e fico triste que os teus pais reajam dessa maneira, e espero que não penses que eles têm razão, porque não têm. E tu não estás a perder anos, estarias a perder anos se ficares nessa coisa que não gostas. Não te adianta nada acabares um curso que não gostas, pelo bem da tua saúde mental e física, a curto e a longo prazo. Estou quase no mesmo barco que tu, entrei para sociologia e acabei por desistir por não saber o que quero fazer... e aqui estou, à espera que me dê alguma luzinha em 2021. Sou só uma pessoa passageira, e peço desculpa por não poder dar grande apoio ou bons conselhos, mas espero que tenhas uma boa jornada, e que o próximo curso seja o tal! 🤗
 

ronoelmda

Membro
Matrícula
26 Dezembro 2020
Mensagens
25
Não vais passar vergonha por largares algo do qual não gostas. Acho que é preciso muita mais coragem para se desistir do que para continuar. É cliche, mas errar é humano. Peço desculpa, e fico triste que os teus pais reajam dessa maneira, e espero que não penses que eles têm razão, porque não têm. E tu não estás a perder anos, estarias a perder anos se ficares nessa coisa que não gostas. Não te adianta nada acabares um curso que não gostas, pelo bem da tua saúde mental e física, a curto e a longo prazo. Estou quase no mesmo barco que tu, entrei para sociologia e acabei por desistir por não saber o que quero fazer... e aqui estou, à espera que me dê alguma luzinha em 2021. Sou só uma pessoa passageira, e peço desculpa por não poder dar grande apoio ou bons conselhos, mas espero que tenhas uma boa jornada, e que o próximo curso seja o tal! 🤗

Mudar a cabeça dos meus pais não é fácil. Aliás, tenho uma irmã mais velha que também não me ajuda nada, com quem eu ja conversei sobre o assunto e me disse que tenho agora que continuar o que segui. É por estas coisas que tenho tanto medo e receio de dar este passo, não quero de todo desiludir quem me deu uma nova oportunidade. Mas a verdade é que isto tudo não está mesmo a ajudar a minha saúde mental...

Pelo que percebi vais agora perceber o que queres seguir realmente (se não for isso, peço desculpa), desejo-te imensa sorte e que consigas encontrar o teu curso! Aconselho-te a prepares mesmo bem a próxima decisão, se não acabas como eu 😂. jk

Obrigada imenso pela simpatia e por te dispores a ouvir os meus problemas e a me aconselhares. Ajudou-me imenso.
Se precisares de alguma coisa também, já que te encontras quase no mesmo barco que eu, não hesites. Adoro ajudar! 😄
 
  • Fabulous
Reactions: voidlessmind

voidlessmind

Simp da Uniarea
Matrícula
6 Junho 2019
Mensagens
3,168
Curso
Sociologia
Instituição
ISCTE
Mudar a cabeça dos meus pais não é fácil. Aliás, tenho uma irmã mais velha que também não me ajuda nada, com quem eu ja conversei sobre o assunto e me disse que tenho agora que continuar o que segui. É por estas coisas que tenho tanto medo e receio de dar este passo, não quero de todo desiludir quem me deu uma nova oportunidade. Mas a verdade é que isto tudo não está mesmo a ajudar a minha saúde mental...

Pelo que percebi vais agora perceber o que queres seguir realmente (se não for isso, peço desculpa), desejo-te imensa sorte e que consigas encontrar o teu curso! Aconselho-te a prepares mesmo bem a próxima decisão, se não acabas como eu 😂. jk

Obrigada imenso pela simpatia e por te dispores a ouvir os meus problemas e a me aconselhares. Ajudou-me imenso.
Se precisares de alguma coisa também, já que te encontras quase no mesmo barco que eu, não hesites. Adoro ajudar! 😄

É mesmo isso, se chegar vivo a 2021 espero que me traga coisas melhores ^^ Boa sorte na tua jornada!
 
Matrícula
16 Novembro 2020
Mensagens
41
Curso
Matemática
Instituição
Warwick University
@ronoelmda Leonor, vou-te dar uma perspetiva diferente e fazer-te as perguntas difíceis. Foste avisada 😋 (se bem que a opinião de um gajo qualquer da net vale o que vale).

A grande questão é: porque é que perdes a motivação?
Talvez acabas por perder a motivação por não veres resultados. E não veres resultados faz-te acreditar que não és boa no que fazes e que o curso não é para ti. Isto por sua vez faz com que te sintas pior e sem vontade de estudar. O que por sua vez te leva a teres piores resultados. E assim continua este ciclo vicioso até não quereres fazer mais nada senão desistir.

Aquilo que é importante pensar é: "já dei tudo de mim para que o curso corra bem?" Porque se te quiseres convencer que um determinado curso não é para ti, é fácil (mesmo sem reparares, vais-te sabotar - vais começar a deitar-te a más horas, passar mais tempo no telemóvel do que devias, talvez até faltar a algumas aulas). Não é tanto que somos bons naquilo que gostamos, mas mais que nós gostamos daquilo em que somos bons. Por isso, torna-te mesmo boa naquilo que fazes, independentemente do que seja, e aí encontrarás algo que te dará satisfação. Do mesmo modo, se nunca te dedicares a 100% ao que fazes, então nenhum curso será para ti.

E o que te faz ter tanta certeza que este novo curso será "o tal"?
Não é possível saber como te vais adaptar a um curso novo - por mais informação que tenhas, ainda assim é mera especulação (só saberás quando estiveres lá). Esta ideia de haver "o tal" desajuda mais do que ajuda, porque nos faz acreditar que basta nós fazermos uma escolha certa e a partir daí tudo será fácil. O problema é que qualquer caminho que escolhas estará cheio de adversidade e obstáculos. Então, a questão torna-se: quais são os obstáculos que queres na tua vida? (qualquer curso/carreira tem os seus, fazem parte, por isso mais vale pensar neles como "parte da viagem". E já que tens de lidar com estes obstáculos, não penses nesses obstáculos como inimigos que querem destruir a tua vida perfeita. Em vez disso, pensa nesses obstáculos como os teus melhores amigos. Ama cada obstáculo, cada adversidade, porque afinal de contas, são eles que te farão crescer).

Conclusão: É como tu já disseste - pelo menos este ano, continua. Mas dedica-te ao máximo ao curso - dá o teu melhor e faz com que o curso corra o melhor que puderes. E depois aí, então pensa e decide o que queres fazer.

A tua decisão nunca deve ser afetada pelo medo da "vergonha" (ou qualquer medo do que os outros possam pensar), porque tu é que vais sofrer as consequências da tua decisão, não eles. Agora, seria preciso ver até que ponto o teu pai está a fazer bluff ou não (é que cortar o financiamento dificulta bastante as coisas). Talvez aí poderias jogar o jogo da "filha bonita" durante uns tempos e depois "dar um pontapé no rabo" ao teu pai e seguir o teu caminho quando já tivesses mais independência financeira. Mas, claro, isso já será contigo.

Boa sorte! E aproveita o resto de 2020 para te pores em forma para o novo semestre, porque 2021 será a bombar! 😄
 

Ariana_

Mod Bolinhos
Equipa Uniarea
Moderador
Apoiante Uniarea
Matrícula
26 Junho 2017
Mensagens
11,444
Curso
Estudos de Teatro
Instituição
FLUL
Olá! Gostava só de acrescentar algumas coisinhas ao que te foi dito pelas pessoas acima, espero que não te importes citar a tua mensagem completa e só focar-me no que me interessa mesmo dizer-te, sem grandes enleios.
Não estava a tirar os resultados que esperava
Como já te disseram, não tirar os resultados que esperavas não é necessariamente sinónimo de que deves desistir do curso, porque o curso não é para ti. Esta ideia é completamente errada e irrealista, mas infelizmente é muito incutida pela sociedade: todos pensamos que o curso certo será aquele em que somos muito bons e o ser muito bom é frequentemente confundido com o ter muito bons resultados. Já viram algum curso em que todos os alunos tiveram todos muito boas notas, ninguém chumbou a nada e são todos óptimos? Eu cá desconheço tal curso e não acho que tenha que existir um curso assim, sequer. Não é querer ser conformista, mas deveria ser um facto aceite por todos de que nem todos vão destacar-se num curso, nem todos vão ter excelentes resultados, mas isso não impede que não venham a ser muito bons naquilo que fazem. É claro que destacar-se é um motivo de felicidade para as pessoas que o são e sonhamos sempre que vamos ser reconhecidos pelas nossas qualidades individuais, mas isto não é uma qualidade crucial para que venhas a ser bem-sucedida. Podem não reparar logo em ti, mas o facto de teres notas que não são excelentes não vai impedir-te de no futuro conseguires ser melhor do que aquilo que pensas sobre ti própria.

Pessoalmente, o meu primeiro semestre foi francamente um bocadinho uma desilusão, face aos resultados que eu queria ter. Não esperava ter, uma vez que acho que uma ideia saudável é não criarmos expectativas sobre notas - a partir do momento em que pensamos demasiado nesses números, corremos demasiado o risco de nos desiludir-nos a nós próprios, quando na verdade as notas até podiam ser mais razoáveis, se não estivéssemos a olhar aos resultados que esperávamos. Mas, obviamente, somos humanos e é perfeitamente normal que sonhemos ter determinados resultados, mesmo que não os esperemos e nessa medida, fiquei um bocadinho desiludida porque sentia que ninguém se destacava muito, as notas eram todas parecidas e não sentia que tinha feito o que era preciso. Não pensei em desistir do curso nesse momento, mas várias vezes pensei coisas do género, sempre que me vi numa fase mais stressante. O que me fez ficar no curso foi gostar genuinamente daquilo que estudo, independentemente dos resultados. Isso para mim era suficiente para ficar, para tentar mais e tentar melhor. Sugiro que faças o mesmo em relação ao curso a que te encontras e te questiones se tu até gostas daquilo que estudas, mas o que te provoca o desgosto são os resultados e a falta de amigos no curso. É urgente normalizarmos que é perfeitamente aceitável pensarmos "vou desistir" e isso não acontecer, mas surgir nas nossas cabeças vááárias vezes, até quando estamos num curso que adoramos.

Se te anima, a partir do 2º semestre, mudei um pouco os meus hábitos de estudo e tentei melhorar a qualidade do mesmo - nos semestres seguintes, a minha média aumentou 2 valores e continua a melhorar. É também frequente que com o tempo passemos a conhecer-nos melhor, a gerir melhor o nosso tempo, a entender o que é preciso fazer e simplesmente fazer. Posso dizer-te que a partir do momento em que deixei de pensar "preciso/quero mesmo a nota x", passei a ter os 18's, 19's e 20's que antes pareciam miragem. Não é um truque para te convencer, mas acho genuinamente que não pensar demasiado nos resultados ajudou-me a ir com outro espírito para as avaliações, a estudar de outra maneira e isso mudou as minhas notas e deu-me oportunidades fora da faculdade. Claro que quando comecei a ter as notas que sonhava, fico de vez em quando com uma sensação de "agora tenho mesmo de manter, se não isto é tudo uma piada", mas sempre que o faço, tento desconstruir isso ou lidar com stress que esses pensamentos provocam.

Espero genuinamente que consigas alcançar os resultados que te façam sentir bem, neste ou noutro curso, mas não penses que será por teres notas mais modestas que és "má" naquilo que fazes. As notas não reflectem as tuas capacidades para o mercado de trabalho. Uma pessoa com uma média razoável pode na mesma vir a ter um emprego bom, mesmo que não seja um investigador, um professor universitário, um CEO qualquer 🤣
não conseguia estudar
É como o Ricardo te disse, precisas questionar-te se o que te impede de teres vontade de estudar é tu não gostares mesmo do que estudas ou são os resultados que te desiludem e que, por consequência, fazem com que não sintas vontade de fazer nada. Se for o primeiro caso, não te obrigues a fazer algo que não consegues suportar. Digo suportar e não gostar, só porque não gosto muito da ideia de que temos de "gostar" bastante das coisas que estudamos para aguentar um curso. Novamente, é uma ideia pouco realista: eu gosto do que estudo, no geral, e também várias vezes não me apetece estudar, especialmente quando há alguma coisinha que para mim não é tão interessante ou simplesmente porque estou cansada ou porque quero preguiçar. Isto também é normal, desde que seja a um nível saudável. Não me apetece estudar várias vezes e até consigo identificar os motivos e o que faço é tentar solucionar e compensar-me quanto aos esforços que terei de fazer: se não me apetecer meeeesmo estudar e não conseguir, vou fazer outra coisa qualquer que eu sei que gosto e depois estipulo a mim mesma que, depois dessa actividade, terei de fazer alguma coisa, mesmo que custe um bocadinho. A maioria das vezes, como fiz antes algo que gostava, estudar algo que para mim me estava a custar tornou-se suportável. As coisas deixam de ser saudáveis quando, efectivamente, nunca tens vontade de estudar, nunca consegues fazê-lo e aí precisas questionar-te e procurar as causas do que te está a acontecer, com ou sem ajuda de terceiros (novamente, sem preconceitos, procurar ajuda psicológica é também algo que deveria ser normalizado, não significa que sejamos maluquinhos, mas precisar de ajuda e procurá-la é um bom passo para resolveres o problema. O facto de teres vindo aqui é já um sinal de que vieste procurar ajuda, mesmo que não sejam de profissionais).

Se for o segundo caso, precisas dar tempo ao tempo: como te disse, às vezes os resultados não aparecem logo e é preciso persistir neles. Em suma, o que te disse na primeira quote!
não tinha amigos no meu curso
Isto também não deveria ser um motivo para que alguém pense "este curso não é mesmo para mim". Novamente, é também uma ideia pré-concebida nossa de que quando entrarmos no curso perfeito, vamos conhecer pessoas muito parecidas connosco e vamos formar um grupo de amigos muito catita, amigos para a vida, etc. Fora de pequenas ironias, é claro que há pessoas a quem isto acontece, mas é também necessário normalizarmos que isto simplesmente não aconteça. E é okay e nada quer dizer sobre nós ou sobre os nossos colegas. Sei que o facto de te sentires sozinha pode levar a que te sintas mais desmotivada, o que é um sentimento completamente válido, mas não pode nem deve ser algo que te faça desistir de um curso ou de uma área. Também digo isto da minha experiência pessoal: sou aluna do último ano da licenciatura, quase a entrar em Mestrado e eu não considero ninguém do meu curso realmente meu "amigos". São meus colegas, interajo com eles de forma amigável, há alguma entreajuda e espírito de companheirismo, mas eu não consideraria nenhum deles próximo o suficiente para dizer que são meus amigos. E isto é totalmente aceitável e não quer dizer que eu estou errada porque eles deveriam ser meus amigos ou eles estão errados porque não são parecidos comigo o suficiente para que queira interagir muito fora das aulas. Ontem, em conversa com dois amigos (de cursos diferentes, um da área das Ciências Sociais e outro da área da Saúde), chegámos exactamente a esta conclusão: os três entrámos nos nossos cursos com a expectativa de encontrar pessoas muito parecidas connosco e não foi isso que aconteceu. Se isto aconteceu contigo, não estás sozinha e quem sabe se as pessoas que hoje não pensas como tuas amigas, mais tarde poderão vir a sê-lo. Temos também de considerar que estamos num semestre estranho, diferente do habitual e torna-se mais difícil criar amizades quando estamos ainda meio que num desconfinamento confinado. Dá tempo ao tempo e mantém a mente aberta: se não encontras amigos no teu curso, procura amigos fora dele. A tua faculdade tem mais cursos? Óptimo, procura amigos desses cursos. Procura amigos online, procura amigos absolutamente em qualquer lugar que queiras, antigos colegas, you name it.

Não tenho quaisquer problemas em admitir isto, mas muitos dos meus amigos mais próximos vieram do Uniarea. Fiz amigos da mesma faculdade que eu, mas de cursos diferentes, fiz amigos com faculdades muito diferentes da minha, de áreas completamente diferentes, com 0 cadeiras em comum comigo e isso não me fez sentir mais desacompanhada. Lá está, nem sempre os colegas da escola/trabalho vão ser o nosso grupo de amigos e isso não deveria ser a causa da infelicidade de ninguém.
pensei que seria o tal
Dou absoluta razão ao que o Ricardo te disse: a ideia de existir um curso que é "o tal" é uma ideia que não nos ajuda. Faz-nos acreditar que existe por aí um curso perfeitinho, em que entramos e vamos ser infinitamente bons. Isto não ajuda quase ninguém, porque quase ninguém entrou no ensino superior e pumba, tinha notas maravilhosas, amigos a crescer como cogumelos... E é ainda uma ideia mais tóxica para aqueles que não têm uma paixão particular por aquilo que estudam, para as pessoas que não têm interesses específicos ou para as pessoas que procuram cursos por outras razões que não o "gostar" (por exemplo, pessoas que gostam de um curso porque lhes agrada a empregabilidade do mesmo e o que a licenciatura lhes dá). Todas estas razões são tão válidas quanto o ir para um curso porque se gosta muito de estudar aquilo. Não existe propriamente um curso que seja "o tal", existe sim o que tu própria és capaz de fazer com um curso e é isso que realmente pode ser satisfatório ou insatisfatório para ti. E o "para ti" é a palavra-chave nisto: não podes julgar-te de acordo com o que os teus pais, a tua irmã ou o resto das pessoas vão pensar. Tu decides o que fazes, com ou sem apoio deles.
Não sei muito bem como isso da transferência funciona, se alguém conseguir explicar o que preciso e como faço, agradecia imenso.
Acrescentando ao que o Marco que te disse: a maneira mais fácil de descobrires como funciona o processo é fazeres uma pesquisa muito simples - nome da instituição que queres + mudança de par instituição/curso. Provavelmente vais dar com alguma página da faculdade com as informações que precisas. Os concursos são no final do ano lectivo, normalmente, e é comum precisares da ficha ENES (podes ir já procurando a que usaste para ingressar no ensino superior) e de pelo menos um documento com as unidades curriculares que tenhas feito no teu actual curso, que só deverás pedir no final do ano lectivo, é claro. Normalmente tens um prazo de 1 mês para tratar de tudo, ou mais, o que deverá ser suficiente. Alguma dúvida que tenhas com o regulamento que estejas a ler, dispõe!
termos financeiros como pagar as propinas.
Percebo que é difícil e o mais acertado aqui seria pensares em alternativas: depois dos exames e do semestre acabar, procura um part-time e junta algum dinheiro, poupa-o de forma a que consigas amealhar algum para pagar propinas. Se tiveres dificuldades em pagá-las, é possível fazer planos de pagamento com as faculdades e pagares em mais prestações. O apoio financeiro não pode amordaçar-te e tens de te preparar para qualquer cenário de resposta que os teus pais possam ter. Novamente, concordo com o que o Ricardo te disse: muitas vezes, os pais dizem-nos essas coisas do "não te pago nem mais um curso" mas é mais bluff que outra coisa. Dizem-no porque é igualmente frustrante para eles quando não estamos bem. É algo péssimo de se dizer, mas não tem um fundo mau e muitas vezes o que acontece é que dizem isso e na hora da verdade não conseguem fechar-nos a porta, especialmente quando conseguimos demonstrar que fizemos o que estava certo. Portanto, mesmo que o teu pai te diga que não te apoia durante uns tempos, se lhe mostrares que afinal fizeste a decisão certa e estás bem, o mais provável é que ele queira ajudar-te.

Tenho uma amiga que passou por algo semelhante: ela queria um Mestrado que o pai não aceitava. Ela procurou alternativas: tinha algum dinheiro que amealhou e isso era suficiente para pagar 1 ano de propinas e disse que ia procurar um part-time para conjugar com o mestrado. Na hora da verdade, o pai e a mãe procuraram-lhe quarto na faculdade para onde ela ia (mudou de cidade, de Lisboa para o Porto) e pagam-lhe as propinas. A minha mãe também me disse para não contar com ela quando decidi para que curso queria candidatar-me, porque troquei escolhas que ela pensava terem mais oportunidades por algo muito mais complicado. Novamente, passado uns meses ela aceitou perfeitamente o que escolhi e cada vez tem mais certezas disso, porque me esforcei para lhe mostrar que estava disposta a tentar isto e que faria tuuuudo para conseguir chegar a algum lado. Não te posso dizer propriamente a lado cheguei, porque ainda é um pouco cedo, mas espero ingressar na área de investigação (que já vai ser o meu estágio) no próximo ano e afinal é possível fazer alguma coisinha, mesmo com poucas oportunidades.
vergonha de desistir de novo, de depois só acabar o curso passado 2 anos do suposto.
Não é vergonha nenhuma desistires, como já te disseram e o ano em que acabas o curso ou a idade com que o acabas é irrelevante. Nunca reparaste em nenhum colega que possas ter ou ter tido na casa dos 30 ou 40? Há imensas pessoas a entrar mais tarde no ensino superior, há bastantes pessoas que chumbaram em algum ano da escola ou da universidade e o mercado de trabalho é despreocupado com isso. Eles literalmente não querem saber se saíste do curso com 21 ou 23 anos, eles olham para o teu currículo por outros motivos e se calhar com mais 2 anos até estás mais madura do que outras pessoas, se calhar isso é uma vantagem quando tiveres de lidar com problemas, porque o que não te faltou foi resolveres problemas.
não me imagino a continuar por mais anos no curso em que estou.
Pronto, respeito perfeitamente o que dizes aqui, mas acho que deves considerar as questões que te colocaram e levar um período de reflexão antes de fixares esta conclusão. Se assim for, estarás pronta para desistir, sem receios e sem "e se tivesse ficado?", etc.

Boa sorte 🤗
Esta ideia de haver "o tal" desajuda mais do que ajuda, porque nos faz acreditar que basta nós fazermos uma escolha certa e a partir daí tudo será fácil.
Totalmente isto. É incrível o número de ideias pré-concebidas com que a sociedade nos formata sobre o ensino superior/vida profissional e o quão distantes da realidade são ou o quão tóxicas podem ser 👍