(adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({});

A Fundação Calouste Gulbenkian, em associação com o Grupo Vinci, detentor da concessão dos aeroportos nacionais geridos pela ANA – Aeroportos de Portugal, anunciou esta terça-feira o lançamento da ‘Bolsas Gulbenkian Mais’, para estudantes do ensino superior, no valor de meio milhão de euros.

Estas bolsas são dirigidas a estudantes do ensino superior que recebam as melhores notas e que têm menos recursos financeiros e as respetivas candidaturas estão abertas em duas fases.

À primeira fase de candidaturas, que decorre de 1 a 31 de outubro, podem concorrer estudantes de todo o país que se candidatam pela primeira vez ao primeiro ano de um curso superior, com uma média de entrada superior a 17 valores, explica um comunicado da Fundação Gulbenkian.



A segunda fase, aberta a partir de 1 de novembro de 2020 até 1 de julho de 2021, será dirigida a alunos do ensino superior com necessidades imediatas e urgentes decorrentes de alterações à situação socioeconómica do agregado familiar durante o ano letivo (quebra de rendimentos, lay-offs, despedimentos, etc.), de acordo com a mesma fonte.

Esta edição das ‘Bolsas Gulbenkian Mais’ conta com o apoio do Grupo Vinci, ‘Programa Vinci para a Cidadania’.

“As bolsas têm como objetivo apoiar a formação académica de jovens de reconhecido mérito e elevado potencial, que simultaneamente tenham escassos recursos económicos para prosseguir os estudos ao nível da licenciatura, mestrado e mestrado integrado”, explica o referido comunicado da Fundação Gulbenkian.

O mesmo documento acrescenta que, “este ano, as ‘Bolsas Gulbenkian Mais’ representam um investimento de meio milhão de euros (em novas e renovação das que já se encontram em curso),  correspondendo ao valor de três mil euros0 por ano letivo (dez meses, ou seja 300 euros por mês), no caso de estudantes deslocados do seu lugar de residência habitual, e 1.500 euros (dez meses, ou seja 150 euros por mês) para estudantes não deslocados”.

“A bolsa pode ser renovada anualmente, até à conclusão do grau de mestrado, desde que o bolseiro obtenha um bom desempenho académico durante o período de estudos na universidade”, acrescenta o comunicado em questão.

Para o administrador da Fundação Gulbenkian, Carlos Moedas, estas são “bolsas que mudam vidas apoiando aqueles que mais precisam”.

“Nestes tempos de crise a necessidade destas bolsas é ainda mais premente e por isso continuaremos a apostar sempre nos mais jovens”, relembrou Carlos Moedas, adiantando que os bolseiros são integrados também na Rede de Bolseiros Gulbenkian, “onde lhes é dada a oportunidade de conhecer pessoas com diversos interesses que poderão ser uma ajuda importante para o seu futuro”.

“Este ano, as bolsas ‘Gulbenkian Mais’ contam com um reforço significativo através da parceria com o Grupo Vinci que, no âmbito do Fundo Covid-19, canaliza, através do ‘Programa Vinci para a Cidadania’, o seu contributo a iniciativas sociais, nomeadamente para o acesso à educação, neste período de maior fragilidade social das famílias”, assinala a nota divulgada pela Fundação Calouste Gulbenkian.

Thierry Ligonnière, CEO da ANA – Aeroportos de Portugal e presidente do ‘Programa Vinci para a Cidadania’, vê “com muita satisfação esta parceria que, através do apoio à educação e ao talento, promove a inclusão social e a igualdade de oportunidades, contribuindo para o progresso e desenvolvimento das comunidades locais”.

Para Thierry Ligonnière, este “é o objetivo prosseguido pela Fondation Vinci pour la Citè e pelo ‘Programa Vinci para a Cidadania’”.

A Fondation Vinci pour la Cité (FVPC), foi criada em 2002 e apoia projetos sem fins lucrativos que promovem a integração social e profissional das pessoas mais vulneráveis na sociedade.

“Encoraja iniciativas locais onde as empresas Vinci operam e reflete o desejo do grupo de ser um parceiro a longo prazo dos cidadãos e comunidades para as quais projeta, constrói e gere numerosas instalações e infraestruturas. A rede de fundações e fundos Vinci compreende atualmente 12 estruturas de proximidade na Europa”, adianta o referido comunicado, acrescentando que o ‘Programa Vinci para a Cidadania’, “desenvolve o segundo ano de atividade, através de apoio a projetos de âmbito social, e resulta do compromisso conjunto de empresas do Grupo Vinci em Portugal”.