(adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({});

Se gostas de planear, implementar e operar sistemas, numa área que alia a Gestão com a Tecnologia, já espreitaste o Plano de Estudos do Mestrado em Gestão de Serviços e da Tecnologia da Iscte Business School?

Este Mestrado, que conquistou o 14º lugar no Ranking dos 40 melhores Mestrados da Europa Ocidental em 2018/2019, é lecionado em inglês e destaca-se ainda pelas suas parcerias com a Escola de Engenharia da Universidade de Palermo (Itália) e a KEDGE Business School (França), oferecendo aos seus alunos a possibilidade de possuírem um Duplo Grau.

Mas como só “quem está no Convento, sabe o que lá vai dentro”, fomos conversar com o André Ferreira, a Beatriz Ferreira e a Joana Afonso para te ajudarmos a compreender um pouco melhor o seu percurso e as suas expectativas:

O que te levou a escolher este Mestrado? E porquê no Iscte – Instituto Universitário de Lisboa?

A.F.: Escolhi o MGST por ser um Mestrado interdisciplinar que abrange diversas áreas de estudo, desde a gestão industrial à gestão de serviços, finanças, tecnologias de informação, entre outros, o que me permitiu adquirir conhecimentos diversos que me proporcionaram maior flexibilidade no mercado de trabalho. Tirei a Licenciatura no Iscte – Instituto Universitário de Lisboa e continuei no Mestrado devido ao espírito de camaradagem e à relação amigável que todos mantêm entre si, que não se encontra desta forma em mais nenhuma faculdade.

B.F.: Estudei Artes Visuais, no Secundário, e sou licenciada em Economia. Quando terminei a minha Licenciatura achei que era essencial tirar um Mestrado numa área que realmente me realizasse, pois, apesar de ter gostado de Economia, não me identificava com nenhuma das áreas que esse mercado de trabalho oferecia para licenciados em Economia. Parecia-me tudo demasiado vago e teórico. Percebi que gostava muito das unidades curriculares mais práticas e este foi o principal critério de escolha do meu Mestrado: algo prático e que me desafiasse.

Tive conhecimento do Mestrado em Gestão de Serviços e Tecnologia através de uma amiga. Basicamente, este Mestrado foca-se nas áreas de Estratégia, Gestão da Cadeia de Abastecimento Gestão de Operações e de Logística. Tudo o que eu procurava: algo prático e onde eu conseguisse ver resultados “palpáveis”. Na verdade, há diversas universidades a oferecer Mestrados nestas áreas, mas o que me levou a escolher o Iscte – Instituto Universitário de Lisboa foi o facto de o Mestrado ser lecionado em inglês e oferecer a possibilidade de completarmos os nossos estudos com programas de Duplo Grau, tanto em Bordéus, França, como em Palermo, Itália.

J.A.: O Mestrado em Gestão de Serviços e Tecnologia abrange diversas áreas da gestão, como a gestão logística, gestão de operações, gestão estratégica e gestão da inovação, por exemplo, áreas pelas quais sempre tive um gosto e interesse especial. A minha escolha por este Mestrado baseou-se fundamentalmente no facto de serem abordadas diferentes áreas especificas da gestão, aplicadas ao mundo das tecnologias que estão cada vez mais presentes no nosso quotidiano e que são a base para o desenvolvimento futuro. A minha escolha pelo Iscte – Instituto Universitário de Lisboa deveu-se principalmente por ser considera como uma das melhores escolas de gestão em Portugal e por ter uma forte reputação e reconhecimento.

View this post on Instagram

ISCTE-IUL Campus #IBS#ISCTE#ISCTEIUL#2

A post shared by Iscte Business School (@isctebusinessschool) on

Quais eram as tuas expectativas? Sentes que foram superadas?

B.F.: Em setembro de 2019, entrei no Iscte – Instituto Universitário de Lisboa com grandes expectativas. Tinha muita esperança que este Mestrado me realizasse e muitas expectativas quanto à instituição. O facto de sermos uma turma pequena (cerca de 30 alunos) também fez com que nos aproximássemos bastante, o que proporcionou um grande espírito de interajuda. Confesso que a dedicação do corpo docente também superou as minhas expectativas. Todos os professores são muito prestáveis, muito próximos, conhecem todos os alunos e são bastante dedicados.  Além disso, tive a sorte de contactar com professores internacionais, de faculdades estrangeiras.

A proatividade da coordenação do Mestrado e a estrutura do curso também me surpreenderam. São várias as oportunidades que nos oferecem “fora” do tempo de aulas, como visitas de estudo a locais onde, um dia, poderemos vir a trabalhar, organização de workshops que serão muito úteis como complemento aos nossos estudos e, até, palestras com a presença de investigadores internacionais nas áreas de estudo do mestrado.

Estas actividades proporcionam uma grande proximidade com o mercado de trabalho e acesso a uma importante rede de contactos. Além disso, tive a oportunidade de ver posto em prática os conceitos que falei nas aulas. Isso era exatamente aquilo que me motivava e que procurava, quando escolhi o Mestrado em Gestão de Serviços e Tecnologia.

O que mais te surpreendeu?

A.F.: O quão empenhada e dedicada era a minha turma, assim como o corpo docente. Sente-se que estamos num hub de conhecimento e que estamos todos a trabalhar para o mesmo. Os casos de estudo que se analisam, as conclusões a que se chega, são incríveis!

J.A.: O que mais me surpreendeu foi o forte espírito de entreajuda e união existente entre todos os alunos da turma. Os alunos tentavam sempre que possível ajudarem-se uns aos outros e existia uma “competição” muito saudável.

Podes explicar-nos um pouco melhor como funciona o Duplo Grau que este Mestrado oferece?

B.F.: No Duplo Grau podemos obter dois mestrados, um no Iscte – Instituto Universitário de Lisboa e outro fora de Portugal, sem que percamos um ano ou haja uma alteração do valor das propinas. Além disso, temos possibilidade de interagir com pessoas de diferentes nacionalidades e com diferentes backgrounds. Hoje em dia é essencial dominar o inglês e achei que seria uma ótima oportunidade para o treinar e aprofundar.

Sem dúvida que a oportunidade de ir estudar para fora e voltar com um diploma de outro Mestrado, que no meu caso será em Engenharia de Gestão, em Palermo, mas sem perder nenhum ano, pesou bastante na minha escolha e acho que é uma oportunidade única que o Iscte – Instituto Universitário de Lisboa nos proporciona. 

Como é a relação professor-aluno?

B.F.: Como disse anteriormente, todos os professores são muito dedicados. Aliás, nesta situação pandémica que vivemos isto foi muito evidente. Vi muitos colegas meus de outras faculdades com algumas dificuldades de adaptação e eu só posso dar elogios aos meus professores que se adaptaram muito facilmente e reinventaram o formato das aulas, por forma a que conseguíssemos cumprir o calendário académico e com sucesso.

Mas mesmo antes desta situação toda (pandemia de Coronavírus), todos os professores revelaram-se muito próximos dos alunos, conhecem-nos e proporcionam um ambiente bastante descontraído em aula.

A grande maioria dos professores opta por transformar as aulas numa espécie de debate onde todas as opiniões são ouvidas. Todos somos ouvidos de igual forma e achei bastante interessante alguns professores pedirem feedback relativamente às aulas, o que demonstra uma grande vontade de melhorar e que os alunos importam.

J.A: A relação professor-aluno sempre foi uma relação de proximidade, com grande abertura e disponibilidade por parte dos professores em esclarecerem dúvidas, bem como em acompanharem e ajudarem os alunos em ultrapassar os obstáculos e dificuldades que foram surgindo ao longo do percurso académico.

Sentes que é um curso que te deixa bem preparado/a para o mundo laboral?

A.F.: Tecnicamente este curso só deixa um aluno preparado para a área de gestão de operações. No entanto, este Mestrado explora muitas perspectivas diferentes e fomenta o espírito crítico, o que vai ser útil em qualquer área.

J.A.: Sim, sem dúvida. A grande maioria dos trabalhos desenvolvidos e temas abordados em aula eram aplicados a contextos de trabalho reais, o que permitiu sempre ter uma boa percepção de como é que os conhecimentos que estavam a ser adquiridos de facto se aplicavam na prática, o que é para mim muito importante.

Que conselhos darias a um aluno que esteja a pensar candidatar-se a este Mestrado?

A.F.: Se queres um curso que aborda várias áreas de estudo, integrando-as numa macro view do que é um negócio, o MGST é o ideal!

B.F.: O meu primeiro conselho é: candidatem-se! Vale mesmo muito a pena, se as áreas de logística, supply-chain, tecnologia e estratégia vos interessam, este é o Mestrado indicado para vocês.

Podem esperar algum trabalho, é preciso dedicarem-se mesmo ao Mestrado, pois vão ter muitos projectos de grupo ao longo do semestre, mas isso também vai permitir que conheçam melhor os vossos colegas e desenvolvam capacidades de autoaprendizagem.

Em terceiro, não tenham medo. Todos os professores estão “lá” para vos ajudar e tenho a certeza que se sentirão em casa. Acho que posso servir como exemplo de que a área em que se licenciaram, ou estudaram anteriormente, não vos limita e se é esta a área que vos interessa, este Mestrado é para vocês.

Com todos estes testemunhos, achamos difícil não teres ficado curioso/a. As candidaturas para o Mestrado em Gestão de Serviços e da Tecnologia estão abertas até ao dia 6 de Julho. Consulta esta página para ficares a saber todas as informações de que necessitas para realizares a tua candidatura e dares mais um passo no teu percurso académico.

Vais querer perder esta oportunidade?

Artigo escrito em parceria com a Iscte – Business School