(adsbygoogle = window.adsbygoogle || []).push({});

O ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior acredita que todos os candidatos vão garantir um lugar em universidades e politécnicos do país, conta o Expresso este sábado. Para a primeira fase do Concurso Nacional de Acesso ao Ensino Superior, Manuel Heitor promete um acréscimo de 8 mil vagas.

Manuel Heitor explicou ao semanário que a solução encontrada passou por transferir para o Concurso Nacional de Acesso as vagas não preenchidas dos concursos especiais. Estão em causa nomeadamente os lugares para maiores de 23 anos, quem tenha diploma de especialização tecnológica e estudantes internacionais, que são agora menos 1.500, no contexto da pandemia.



Cinco mil das novas vagas serão garantidas através do mecanismo aprovado esta quinta-feira em Conselho de Ministros. Manuel Heitor explica ao Expresso que antes era “possível transferir vagas do Concurso Nacional de Acesso para os concursos especiais, nomeadamente para os internacionais, mas não era possível fazer o contrário”.

Outros três mil lugares decorrem de uma articulação do Governo com os Institutos Superiores Politécnicos para “um reforço das vagas nos chamados Cursos Técnicos Superiores Profissionais”.

Tendo em conta o aumento de 11 mil candidaturas registadas na primeira fase de concurso deste ano, faltaria ainda acomodar três mil estudantes, mas o ministro acredita que as vagas não vão ser todas ocupadas. “Na história dos últimos 20 anos, o número de candidatos validado é sempre ligeiramente inferior ao número de candidatos inicial, porque há sempre candidaturas duplicadas e estudantes que se inscrevem para formações curtas”, diz Manuel Heitor.

“Penso que, se conseguirmos garantir este aumento de 8 mil novas vagas, conseguimos garantir condições para que ninguém fique de fora do Ensino Superior”.