O Conselho de Ministros aprovou hoje um decreto-lei que cria o estatuto do estudante atleta do ensino superior, alargando o universo de estudantes atletas beneficiários de direitos como alterar a data de exames ou permissão de faltas.

“Vigorando há já alguns anos um sistema de apoios aos estudantes que são atletas de alto rendimento ou que integram com regularidade seleções nacionais, é chegado o momento de alargar o apoio a outros estudantes atletas, contribuindo para a melhoria da conciliação dos planos de estudo, de treino e de competição de jovens que pretendam um envolvimento em prática desportiva no quadro da organização do desporto no ensino superior”, lê-se no comunicado da reunião de Conselho de Ministros de hoje.



Segundo o documento, o diploma aprovado vem estabelecer “direitos mínimos para os estudantes atletas de todas as instituições de ensino superior”, entre os quais “a relevação de faltas, a alteração de datas de avaliações, a prioridade na escolha de horários e a possibilidade de requerer a realização de exames em época especial”.

“O estatuto do estudante atleta do ensino superior que agora se aprova visa apoiar o desenvolvimento da carreira dupla nas instituições de ensino superior e junto da comunidade académica, promovendo a representação desportiva das instituições de ensino superior e representando um incentivo à prática desportiva neste contexto”, refere ainda o comunicado.

Federação do Desporto Universitário congratula-se com estatuto 

A Federação Académica do Desporto Universitário (FADU) congratulou-se hoje com a aprovação pelo Conselho de Ministros. “[É] mais um passo para a valorização social do desporto”.

A medida, que alarga o universo de estudantes beneficiários de direitos como alterar a data de exames, a permissão de faltas, ou a realização de exames adicionais na época especial, em virtude do treino e competição desportiva, é vista como “uma reforma muito positiva para o desporto português”.

“A FADU reforça o agradecimento ao executivo por ter atendido às exigências dos estudantes atletas portugueses”, afirmou, citado em comunicado, o presidente do organismo, Daniel Monteiro, que notou o “atraso” na aprovação de uma medida que vem “facilitar a conciliação das chamadas carreiras duais”.

O estatuto vem “alargar o apoio” que já vigorava para atletas de alto rendimento ou que integram seleções nacionais, aponta o comunicado da reunião de Conselho de Ministros de hoje, “contribuindo para a melhoria da conciliação dos planos de estudo, de treino e de competição de jovens que pretendam um envolvimento em prática desportiva no quadro da organização do desporto no ensino superior”.

“O estatuto do estudante atleta do ensino superior que agora se aprova visa apoiar o desenvolvimento da carreira dupla nas instituições de ensino superior e junto da comunidade académica, promovendo a representação desportiva das instituições de ensino superior e representando um incentivo à prática desportiva neste contexto”, pode ler-se no documento.